Portal CDT/UnB - Notícia: Tecnologia e inclusão: Projeto Participar lança novo software educacional
Acesso ao portal CDT

Esqueceu a senha? clique aqui.

Quero me cadastrar no portal

Fechar

Parcelas Disponíveis

Senha para realizar a inscrição
Fechar
Acesso ao portal CDT

Esqueceu a senha? clique aqui.

Quero me cadastrar no portal

Notícias
Últimas notícias
Tecnologia e inclusão: Projeto Participar lança novo software educacional
12/09/2014
Programa Somar auxilia no ensino de aplicabilidades sociais da matemática a jovens e adultos com deficiência intelectual. Iniciativa inédita tem sido utilizada em escolas de todo o país
 
Ádlia Tavares - Da Secretaria de Comunicação da UnB
 
 
 
 
O Projeto Participar lançou uma nova ferramenta tecnológica para auxiliar na inclusão de jovens e adultos com deficiência intelectual. O software Somar estimula o desenvolvimento de habilidades ligadas à matemática, fundamentais à realização de tarefas cotidianas como: pagar compras em supermercado, conferir o troco da passagem do ônibus e controlar horário de medicação.
 
Para isso, são trabalhadas lições sobre o uso de cédulas monetárias e de calculadora, leitura de relógio digital, entre outras. O programa é gratuito e está disponível na página eletrônica do projeto.
 
A novidade tem sido utilizada em escolas de todo o país. “Nós temos um relatório de download que aponta que todos os estados do Brasil já dispõem do Somar”, afirma o coordenador do projeto, Wilson Henrique Veneziano, que atua no Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília.
 
CRIAÇÃO - O software Somar foi desenvolvido para complementar o trabalho pedagógico de professores que não possuíam uma ferramenta específica para colaborar com o ensino de matemática social a estudantes com deficiência intelectual. A tecnologia foi construída a partir dos conteúdos do currículo funcional natural na abordagem ecológica para pessoas com deficiência, definido pelo Ministério da Educação (MEC).
 
Os programadores Lucas Santiago e Tales Moreira, à época estudantes da Licenciatura em Computação, ficaram responsáveis pela construção do software. Durante quase um ano, os dois alunos trabalharam sob a orientação do professor Wilson Veneziano.
 
 
Marcelo Jatobá/UnB Agência
Lucas Santiago e Tales Moreira
 
“Minha motivação sempre esteve em casa. A minha irmã tem Síndrome de Down e eu queria construir uma ferramenta para ajudar a ela e a outras pessoas que passam pelas mesmas dificuldades”, conta Lucas. Já Tales se aproximou do projeto pela possibilidade de trabalhar com a matemática. “Durante a graduação, eu dava aulas de matemática, então eu tinha a intenção de desenvolver um software que envolvesse essa área do conhecimento”, lembra.
 
Após o processo de programação, o software Somar foi testado em escolas da rede pública do Distrito Federal que atendem jovens e adultos com deficiência intelectual. A ferramenta foi validada por professores e alunos. “O desenvolvimento das habilidades funcionais trabalhadas no software e aplicadas na vida prática do deficiente intelectual possibilitou a utilização da matemática social como uma ferramenta pedagógica útil ao processo de inclusão”, aponta a coordenadora pedagógica do projeto, Maraísa Estevão Pereira.

 

 

Para fazer bonito em Dublin
10/09/2014
Victor Hugo, Isabela e Raphael, além de um estudante gaúcho, precisam de dinheiro para passagens aéreas, hospedagem e material de divulgação (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
 
Entre 20 mil inscrições em todo o mundo, 25 startups brasileiras foram selecionadas para participar do Web Summit, conferência anual que ocorre em Dublin, na Irlanda, desde 2009. Entre as escolhidas, está a InLoco, criada por quatro estudantes, três de Brasília, interessados em viagens e em tecnologia. O aplicativo, justamente, conecta turistas e moradores da região visitada. O evento é o maior da Europa na área, sendo frequentado por CEOs, empreendedores e representantes de gigantes do meio tecnológico, tais como Apple, Google e Microsoft. Neste ano, ocorrerá entre 4 e 6 de novembro.
 
Os estudantes da Universidade de Brasília (UnB) Raphael Melo, 22 anos, graduado em engenharia de redes; Victor Hugo Costa Dias, 23, aluno de engenharia mecatrônica; e Isabela Bonfim, 23, de jornalismo, são os sócios da empresa, ao lado de Christiaan van Hattem, 21, aluno de publicidade da Universidade do Vale do Rio do Sinos (Unisinos). Eles buscam agora juntar dinheiro para irem a Irlanda. Precisam arrecadar pelo menos R$ 20 mil para confirmar a participação.
 
O grupo ficou surpreso com a seleção. “Não esperávamos, fizemos a inscrição sem grandes perspectivas. Nunca poderia imaginar que seríamos convidados para participar de um evento desses. A aprovação é uma vitória. Com a viagem, esperamos conseguir muito mais contatos e oportunidades”, comemora Isabela. Christiaan, que mora em Dois Irmãos, no Rio Grande do Sul, acredita que o Web Summit é um grande passo para uma startup brasileira como a InLoco, já que reúne várias empresas. Os selecionados para a feira, por exemplo, terão a oportunidade de agendar reuniões com expositores e palestrantes.
 
O custo de um estande no Web Summit é de R$ 30 mil, mas, como a InLoco é uma das selecionadas, os criadores não terão de pagar esse valor. Os estudantes, porém, precisam comprar os ingressos da feira (R$ 4.822 para o trio), além de arcar com as passagens aéreas (cerca de R$ 6 mil para três bilhetes de ida e volta), com a hospedagem e com o material de divulgação (leia Ajude). É por isso que o grupo procura patrocinadores. Além da participação no Web Summit, os sócios planejam uma turnê de duas semanas por capitais europeias para divulgar o aplicativo. “A ideia é fechar acordos de divulgação com instituições de recepção de estudantes em intercâmbio”, explica Raphael. Os jovens criaram uma página em um site de financiamento coletivo para que os interessados possam ajudar a pagar a viagem.
 
Prêmio
 
Criada em junho, a InLoco é uma plataforma virtual que pretende mudar o jeito de as pessoas viajarem. Para fugir dos roteiros turísticos tradicionais, a empresa oferece a opção de aproximar turistas, intercambistas, excursionistas e imigrantes aos moradores locais por meio do aplicativo. A ideia é que o visitante conheça a cidade com o auxílio de um habitante da cidade. “O diferencial é estimular e facilitar encontros e saídas, tudo de forma gratuita e criando um ambiente de colaboração”, explica Raphael, pós-graduando em tecnologia da informação.
 
“O turista pode conhecer novas cidades de uma maneira única, sob o ponto de vista de quem mora lá e conhece o que há de melhor. Por sua vez, o morador tem a oportunidade de conhecer uma pessoa nova, de outra cultura”, completa Victor. “Nós acreditamos na ideia colaborativa, na qual as pessoas podem sair umas com as outras e apresentar os lugares favoritos na cidade onde moram pelo prazer de conhecer gente nova, de fazer amigos e de compartilhar momentos. O que elas ganham em troca é a experiência. É isso o que as pessoas buscam hoje.”
 
Apesar do pouco tempo de existência, a InLoco é uma startup premiada. No mesmo mês da criação, os quatro jovens ganharam destaque na categoria Melhor proposta da 5ª Feira de Negócios e Inovação do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). A proposta foi a preferida da banca avaliadora e ficou em segundo lugar na escolha do público. Eles levaram troféu e bolsa no curso de empreendedorismo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).
 
Antes do evento de novembro na Irlanda, a agenda dos sócios estará ocupada em setembro. Em 9 e 10, o grupo ministrará palestras sobre inovação e empreendedorismo no Congresso Acadêmico Multidisciplinar da Universidade Paulista (Unip). Também foram convidados para participar da Feira Internacional de Turismo, promovida pela Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) e prevista para ocorrer em São Paulo, entre os dias 24 e 28.
 
Ajude
 
» Os interessados em ajudar na viagem para a Irlanda podem fazer doações através do link catarse.me/pt/inloconairlanda, entrar em contato pelo e-mail inloco.app@gmail.com ou pelo telefone (61) 9528-2292.
» Endereço da plataforma: www.inloco.mobi
» Página da InLoco no Facebook: www.facebook.com/inlocotravel
» Site do Web Summit: websummit.net
 
Fonte: Correio Braziliense 
Sustentabilidade e inovação
01/09/2014

Tecnologias sociais e sustentáveis, projetos que oferecem oportunidades para algumas pessoas e mudam a vida de outras, processos que ajudam a transformar e melhorar o meio ambiente. Na última quinta-feira (28), a comunidade pôde conhecer tecnologias e processos produtivos desenvolvidos por pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) com o objetivo de minimizar os impactos causados pelo manejo inadequado dos resíduos sólidos.

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da UnB (CDT/UnB) promoveu a mostra “A Contribuição da Comunidade Científica para o Desenvolvimento de Tecnologias Sociais e Sustentáveis para o Reaproveitamento de Resíduos Urbanos”. Na ocasião, realizou a assinatura de três contratos de transferência de tecnologias sociais e sustentáveis e lançou a Vitrine Tecnológica – catálogo eletrônico que reúne serviços tecnológicos, soluções inovadoras e um portfólio de todas as tecnologias da Universidade disponíveis para transferência. A iniciativa teve como objetivo apresentar possíveis soluções para a destinação correta de resíduos sólidos, imposta pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

Foi o caso de tecnologias e processos produtivos sustentáveis desenvolvidos nos laboratórios e expostos na mostra, como: reciclagem do papel moeda e bitucas de cigarro; carrinho de lixo para limpeza urbana, fabricado a partir da reutilização de banners, lona e tecidos; sistema de conversão de gordura em combustíveis. Além da produção de tintas a partir de óleo de fritura; móveis sociais desenvolvidos a partir de madeiras de demolição; aumento da secreção de enzimas para produzir bioetanol com menor custo; levedura recombinante para produção de ácido lático; dentre outros.

No final da tarde, a empresa Poiato Recicla assinou o contrato de licença de uso da tecnologia “bituca de cigarro”, e a empresa Baru e a Cooperativa Sonho de Liberdade assinaram o contrato de licença de uso de desenhos industriais aplicados em móveis. As duas últimas são parceiras no processo de fabricação e comercialização dos chamados móveis sociais.

O reitor da UnB, professor Ivan Camargo, afirmou ser um orgulho a universidade atuar ativamente na transferência de conhecimento e de patentes para a sociedade. “É um prazer ver a reutilização de resíduos em vários projetos que caminham na direção que nós queremos: um mundo mais sustentável e agradável. E eu fico muito satisfeito de estar aqui hoje, vendo nossos cientistas e artistas trabalhando em parceria com a sociedade”, destacou.

O diretor do CDT/UnB e docente com o maior número de patentes registradas, professor Paulo Suarez, frisou que as tecnologias sustentáveis apresentadas na mostra são importantes porque dão uma resposta a um problema grave que a sociedade enfrenta atualmente, que é o tratamento adequado do lixo. “O mais importante dessa mostra, é que a UnB está disponibilizando diversas tecnologias que podem auxiliar o desenvolvimento socioeconômico e ambiental. São tecnologias que buscam resolver problemas específicos de tratamento de resíduos que até hoje não tinham solução”, explicou.

“É de extrema relevância apresentar as soluções desenvolvidas nos laboratórios que podem melhorar a qualidade de vida da comunidade. Uma dessas tecnologias é a nossa, a reciclagem das bitucas de cigarro, objeto do termo de parceria assinado hoje com a Poiato Recicla, de Votorantim/São Paulo, que vai começar a aplicar lá, a tecnologia que a gente desenvolveu aqui”, comemorou a professora Thérese Hofman.

 “Tecnologias de baixo custo são bem-vindas e essas da mostra são as minhas preferidas, porque qualquer comunidade que realmente tenha interesse em reciclar, está fazendo um bom negócio, o lixo é um bom negócio”, analisou Valéria Gentil, doutora pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB e membro do Observatório da Política Nacional de Resíduos Sólidos

“Com a entrada da Lei Antifumo o descarte da bituca de cigarro aumentou consideravelmente nas ruas e calçadas, com isso, nós desenvolvemos coletores especiais com uma proposta educativa que mostra ao cidadão o porquê ele não deve jogar esse resíduo no chão, o impacto que isso causaria e que com uma simples mudança de hábito, nós poderíamos resolver esse problema. Felizmente nós conseguimos números satisfatórios e uma adesão da população enorme para esse trabalho, mas existia ainda a preocupação com a destinação final desse resíduo. Com a descoberta desse trabalho da UnB e com todo o fundamento científico que ela proporciona para o desenvolvimento de tecnologias, nós entendemos que também poderíamos fazer um trabalho de geração de renda e inclusão social envolvendo entidades da nossa região, daí fizemos o contato e hoje chega no dia de tornar pública essa parceria, em que além do serviço de coleta e armazenamento, nós também vamos fazer o processamento das bitucas”, afirmou Marcos Poiato, sócio proprietário da Poiato Recicla.

“O nosso projeto é de muita importância pra geração de renda e oportunidade de trabalho pra uma comunidade carente e de alta vulnerabilidade. A missão da Cooperativa Sonho de Liberdade é oferecer oportunidade de trabalho digno com renda suficiente pra detentos e ex-detentos. E esse projeto vai colaborar pra redução da criminalidade, da emissão de gases de efeito estufa e do volume de lixo nos aterros sanitários e lixões. A assinatura do contrato de licença de uso da tecnologia vai representar um aumento na produção e na destinação mais nobre da madeira descartada”, finalizou César Rabelo, da Cooperativa Sonho de Liberdade

Para conhecer mais sobre as tecnologias disponíveis para transferência na UnB, acesse.

 

Móveis sociais

 

 

 

 

 

Loureine Rapôso, engenheira florestal e mestre em Ciências Florestais. Trabalhou com a professora Thérese na dissertação de mestrado sobre a reciclagem do papel moeda e atualmente também trabalha na reciclagem das bitucas

 

 

 

 

 

 

 

 

Professor Ivan Camargo 

 

Equipe da UnB com os empresários que assinaram os contratos de licença de uso das tecnologias 

 

Professora Thérese com a equipe que desenvolve o trabalho de reciclagem e os membros da empresa Poiato

 

Equipe da Agência de Comercialização de Tecnologia do CDT, responsável pela transferência das tecnologias

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

 

Congresso Virtual de Arquitetura traz perspectivas profissionais a arquitetos
26/08/2014

Para ajudar a refletir sobre questões profissionais e os caminhos possíveis para a atuação de arquitetos e urbanistas, o Congresso Virtual de Arquitetura  (CVA) reunirá estudantes e profissionais em ambiente online, dos dias 25 a 31 de agosto. Serão sete dias de palestras e entrevistas com profissionais e especialistas da área. Para participar, basta acessar o site Congresso Virtual e realizar a inscrição gratuita.

As palestras e entrevistas são pré-gravadas e serão transmitidas durante os sete dias de evento.  Cada encontro poderá ser assistido por 500 inscritos, por ordem de chegada.

Baseado em uma experiência americana voltada para a área de Aplicação Clínica de Medicina Comportamental, a primeira versão do CVA  foca os dois principais momentos de angústia profissional: se recém-formado, quais caminhos a seguir; se profissional, como se reposicionar no mercado. Planejamento profissional, gerenciamento de escritórios, reposicionamento de carreira, entre outras questões relacionadas à prática profissional estão nos temas das palestras.

Para o coordenador geral do CVA, o arquiteto e professor da Universidade de Brasília, Bruno Capanema, a ideia surgiu da percepção da necessidade de profissionais e recém-formados estarem preparados para o mercado de trabalho. “Há muitos Congressos presenciais sobre o assunto, mas nem sempre é viável a participação de profissionais, seja pela distância ou  por questões financeiras. No formato virtual, conseguimos atingir o maior número de pessoas e cumprir a missão de proporcionar conhecimento transformador para os arquitetos e urbanistas, sem custos”.

A perspectiva é que aconteçam dois congressos por ano.  “Esse é apenas o primeiro congresso. A partir dele, poderemos compreender quais são as principais demandas profissionais e maiores dificuldades dos arquitetos no mercado de trabalho, e aperfeiçoar o evento”, afirma Capanema. O Congresso é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília  e conta com a participação de estudantes e funcionários da universidade, além de parceiros da iniciativa privada.

 

Palestra

A Quali-A, empresa incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), estará presente no Congresso Virtual de Arquitetura (CVA). Hoje (26/8), às 20h, a arquiteta Júlia Fernandes falará sobre consultoria ambiental e incubação de uma empresa de arquitetura.

 

 

Fonte: Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR)

*Com adaptações 

CDT/UnB lança nova Vitrine Tecnológica
25/08/2014
O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) lançará, no próximo dia 28, o novo site da Vitrine Tecnológica, durante a Mostra de Tecnologias “A Contribuição da Comunidade Científica para o Desenvolvimento de Tecnologias Sociais e Sustentáveis para o Reaproveitamento de Resíduos Urbanos”. O canal é um catálogo eletrônico que reúne serviços tecnológicos e soluções inovadoras da UnB.
 
A Vitrine Tecnológica visa contribuir com a intensificação das relações entre a UnB, empresas e a sociedade por meio da divulgação, transferência e absorção do conhecimento gerado na Universidade em prol da inserção de novos produtos, processos e serviços inovadores no mercado. Além disso, é um importante canal de comunicação que poderá ser utilizado por empresas, órgãos públicos e organizações sociais interessados em realizar parcerias com a UnB.
 
O novo site da Vitrine estará visualmente mais atrativo, com informações sobre o conjunto dos serviços de laboratórios oferecidos pela Universidade e um portfólio de tecnologias disponíveis para transferência. “A ideia é que o portal congregue vários tipos de informações diferentes e complementares para que a sociedade tome conhecimento das atividades da UnB”, afirma a coordenadora da Agência de Comercialização de Tecnologias do CDT, Camila Dantas.
 
 
SERVIÇO
Mostra de Tecnologias “A Contribuição da Comunidade Científica para o Desenvolvimento de Tecnologias Sociais e Sustentáveis para o Reaproveitamento de Resíduos Urbanos”
Data: 28/08/2014
Horário da Mostra: das 9h às 21h30
Horário da Cerimônia de Assinatura: às 17h
Local: Campus Universitário Darcy Ribeiro – Edifício CDT, Asa Norte
Entrada Gratuita
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

CDT divulga resultado de processo seletivo para instalação de empresas no Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Brasília
22/08/2014
A Fundação Universidade de Brasília (FUB), por meio do seu Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB), publicou no Diário Oficial da União - D.O.U., no dia 23/07, as empresas vencedoras do resultado final do processo licitatório nº 1/2014 para concorrência destinada à concessão de uso de quatro áreas do Parque Científico e Tecnológico (PCTec/UnB): Maxtera Projetos LTDA e Redecom Empreendimentos LTDA. O processo seletivo para escolha das empresas foi dividido em duas etapas: qualificação técnica e oferta pelo uso do espaço. 
 
A Comissão Especial, além de analisar documentação, verificou requisitos como a trajetória e perspectivas da empresa na geração de novas tecnologias, número de patentes e de registros de softwares; histórico de cooperação com universidades e identificação de oportunidades para a Universidade de Brasília (UnB) em projetos de PD&I e transferência de tecnologias; e adequação dos temas de interesse da empresa às linhas de pesquisa da UnB.
 
A empresa Maxtera, especializada em integração de sistemas de segurança, gestão de dados e ambientes analíticos de alta performance, é parceira dos fornecedores de algumas das mais conceituadas empresas em implementação de soluções de Business Intelligence e Data Warehouse. A empresa atua também na área de segurança cibernética, oferecendo treinamentos para análise crítica de dados por meio de ambientes virtuais que permitem a avaliação de capacidade de detecção e prevenção de ataques digitais.
 
A empresa Redecom, originária de programa de incubação e uma das graduadas de maior sucesso da Multincubadora de Empresas do CDT/UnB, possui um portfólio de produtos e serviços inovadores associados à infraestrutura de Tecnologia da Informação. Com sua instalação no PCTec/UnB, a expectativa principal é avançar em estudos e pesquisas na linha temática de Mobilidade Inteligente ligada ao desenvolvimento de softwares aplicáveis, por exemplo, ao controle do tráfego da cadeia de distribuição e à roteirização da distribuição de cargas. 
 
Para o coordenador do PCTec/UnB, professor Herbert Kimura, a participação da Maxtera e da Redecom será um passo importante, tanto para a Universidade quanto para as próprias empresas. “Elas estarão inseridas num ambiente propício para inovação, onde vão desenvolver pesquisas junto com a universidade, com os alunos e professores. Um dos requisitos para entrada das empresas no Parque é justamente ter essa interação com a academia, pois as empresas ganham em termos de conhecimento, capacitação, expertise e a universidade também ganha em termos de conhecer melhor e se aproximar às necessidades da sociedade. Assim, a universidade pode construir conhecimento que contribuam não somente para o desenvolvimento científico como também para a solução de demandas da sociedade”, afirma.
 
A instalação das empresas no PCTec/UnB está prevista para os próximos meses, quando será realizada uma cerimônia com a participação de importantes representantes da academia, da iniciativa privada e do governo, refletindo os elementos fundamentais da tripla hélice associada à inovação. 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Tecnologias desenvolvidas na UnB são utilizadas em evento no campus
19/08/2014

                                                                                                                                                                    Foto: Isa Lima/UnB Agência

A Mostra de Tecnologias Sociais e Sustentáveis que acontece no próximo dia 28, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), vai revelar como é possível transformar o lixo que produzimos no dia a dia em soluções práticas, criativas e economicamente viáveis. Para começar, os convites do evento foram confeccionados a partir dos processos de reciclagem de papel moeda e de óleo de fritura.

O papel utilizado nos convites foi produzido no Laboratório de Papel Artesanal do Instituto de Artes da Universidade de Brasília, a partir de papel moeda retirado de circulação pelo Banco Central. O trabalho desenvolvido pela professora do Instituto de Artes (IdA) e decana de Extensão da UnB, Thérèse Hofmann, é uma tecnologia patenteada e consiste em reaproveitar as cédulas usadas para a produção de celulose e papel. O projeto é uma parceria do IdA com o Instituto de Química (IQ) da Universidade.

A tinta usada para a impressão dos convites também é patenteada e é fruto do processo de polimerização térmica de óleos e gorduras de origem vegetal ou animal, desenvolvido pelo IQ, sob a coordenação do professor Paulo Suarez. Nesse processo, o óleo de fritura é aquecido a altas temperaturas (em torno de 300 °C), onde posteriormente é adicionado pigmentos para formar a tinta. O processo de impressão utilizado para os convites é o tipográfico, realizado na Gráfica do IdA/UnB.

Durante a Mostra, que é aberta ao público, os visitantes poderão conhecer mais tecnologias e processos produtivos desenvolvidos pela UnB. A universidade realiza uma série estudos e atividades de pesquisa com o objetivo de minimizar os impactos causados pela destinação inadequada dos resíduos sólidos urbanos.

 

Serviço

Mostra de Tecnologias “A Contribuição da Comunidade Científica para o desenvolvimento de Tecnologias Sociais e Sustentáveis para o Reaproveitamento de Resíduos Urbanos” Data: 28/08/2014

Horário da Mostra: de 9h às 21h30

Local: Campus Universitário Darcy Ribeiro – Edifício CDT, Asa Norte

Entrada Gratuita

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 
CDT realiza mostra de tecnologias sustentáveis
13/08/2014

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) por meio da Agência de Comercialização de Tecnologia (ACT) realizará, no dia 28 de agosto, às 17h, uma cerimônia oficial de assinatura de três contratos de transferência de tecnologias sociais e sustentáveis com a Cooperativa Sonho de Liberdade, a empresa Poiato Recicla e a empresa Baru.

Com o objetivo de fomentar as políticas e as iniciativas sustentáveis e sociais, a UnB, em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, também apresentará durante todo o dia uma série de tecnologias desenvolvidas nos seus grupos de pesquisa e que estão disponíveis para transferência no DF e em outros estados da federação. Tais tecnologias contribuem para a reciclagem de compostos orgânicos e inorgânicos que afetam agressivamente o meio ambiente, tornando-as soluções criativas, sustentáveis e economicamente viáveis.

 “A exposição será importante para mostrar para a sociedade como a UnB tem tratado a questão do reaproveitamento e destinação de resíduos sólidos em diversas áreas do conhecimento, contribuindo para o aumento crescente de soluções alternativas que colaboram para a preservação do planeta, em todos os sentidos”, afirma Paulo Suarez, Diretor do CDT/UnB.

A mostra será gratuita e os visitantes poderão ver de perto diversas tecnologias e processos produtivos desenvolvidos pela UnB, que realiza estudos e atividades de pesquisa com o objetivo de minimizar os impactos causados pelo manejo inadequado dos resíduos sólidos.

 

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Terminou, no último sábado (2), o prazo para o fim dos lixões no Brasil, conforme determinação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em vigor desde 2010. Uma das situações mais críticas do país é o do Lixão da Estrutural, em Brasília, onde não foi possível cumprir essa meta, pois o aterro sanitário de Samambaia, para onde vai ser levado todo o lixo, ainda não está pronto.

O Lixão da Estrutural é o maior da América Latina, com 124 hectares de área e que recebe 8,7 mil toneladas de lixo diariamente. Nele, trabalham cerca de 2 mil catadores de material reciclável. O governo do Distrito Federal pretende fechar o lixão até o fim do ano, quando deve entrar em funcionamento um aterro sanitário em Samambaia, a 20 quilômetros da capital federal. Até lá, o acúmulo de lixo continuará sendo um problema para a população.

 

 
 
 
 
 
 
SERVIÇO
Mostra de Tecnologias “A Contribuição da Comunidade Científica para o Desenvolvimento de Tecnologias Sociais e Sustentáveis para o Reaproveitamento de Resíduos Urbanos”
Data: 28/08/2014
Horário da Mostra: das 9h às 21h30
Horário da Cerimônia de Assinatura: às 17h
Local: Campus Universitário Darcy Ribeiro – Edifício CDT, Asa Norte
Entrada Gratuita
Programa Novos Talentos promove palestra motivacional para alunos de escola pública, no DF
06/08/2014
 
Na manhã desta quarta-feira (6), os alunos do 3º ano do Centro Educacional Asa Norte (CEAN) tiveram a oportunidade de conhecer a história de superação do jovem estudante Hector Ferronato, de 20 anos. A palestra foi realizada em parceria com o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), por meio do Programa Novos Talentos.
 
Hector veio de uma família humilde do interior do estado de São Paulo, sempre estudou em escolas públicas e, no ano passado, foi aprovado em três grandes universidades americanas. Filho de um eletricista e de uma artesã desempregada, ele fez um curso técnico de informática, usava o dinheiro que ganhava ajudando o pai para investir em sua educação e sempre fez trabalho voluntário. 
 
Ao final de 2011, quando terminou o ensino médio, ele foi eleito o melhor aluno da Escola Técnica Estadual (Etec) de Porto Ferreira/SP e ganhou um intercâmbio para a cidade americana de Portland. O intercâmbio despertou em Ferronato a vontade de fazer uma graduação nos Estados Unidos e deu a ele a oportunidade de conhecer o processo seletivo das universidades americanas. Após muito esforço, ele conseguiu passar para Ciência da Computação em três faculdades americanas e fez a matrícula em uma delas, a Franklin & Marshall College, onde ganhou 90% de bolsa. 
 
Para conseguir os outros 10%, Hector, que foi nomeado um dos 30 líderes globais entre jovens do mundo, por conta de um projeto social que visa aprimorar a educação nas comunidades, atraiu a atenção do apresentador Luciano Huck, que o convidou para participar do quadro Agora ou Nunca. Depois de vencer provas que envolveram concentração e sorte, ele ganhou R$30 mil. O restante dos custos foi pago pela Associação de Mulheres Empreendedoras (AME). 
 
Hoje, ele está no segundo ano do curso e sonha em usar seu conhecimento para ajudar as pessoas. Hector vem sempre ao Brasil, nas férias, ministrar palestras motivacionais para jovens estudantes de escolas públicas, para que eles saibam que tudo é possível e que também podem ter histórias de sucesso. “No futuro, pretendo criar mais projetos sociais e educacionais para começar um movimento na educação, desencadeando uma série de melhorias para nossa sociedade. Eu quero devolver esse conhecimento para a sociedade, para ajudar mais pessoas”, revela animado.
 
 
 
Hector (ao centro), com os alunos do CEAN
 
 
Com Karina Boner, presidente da AME; equipe CDT e o diretor da escola, Hamilton Paz
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
Concurso de aplicativos e jogos vai dar R$ 4,5 milhões em prêmios
05/08/2014
Brasília, 5/8/2014 - Edital publicado nesta terça-feira pelo Ministério das Comunicações lança o regulamento do Concurso de Aplicativos e Jogos Eletrônicos InovApps, que vai selecionar 50 projetos inéditos e originais de aplicativos e jogos de interesse público ("serious games", com conteúdo ligado a educação e saúde, por exemplo), com prêmios totalizando investimentos de R$ 4,5 milhões.
 
Podem se inscrever pessoas físicas e empresas do ramo estabelecidas no Brasil. O prazo para as inscrições termina em 19 de setembro e a cerimônia de premiação está prevista para o próximo dia 14 de novembro.
 
O INOVApps é uma parceria com o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) da Universidade de Brasília. O concurso integra a Política Nacional de Conteúdos Digitais Criativos, que o MiniCom vem desenvolvendo ao lado de diversos órgãos municipais, estaduais e federais para expandir e fortalecer os segmentos produtores destes conteúdos no País. O objetivo é fomentar a criação de pequenas, médias e grandes empresas do setor, promovendo a integração do audiovisual com os setores relacionados a tecnologias e difusão das plataformas virtuais de distribuição.
 
"Atualmente, o Brasil conta com uma representação mínima no mercado internacional de conteúdos digitais criativos. O desenvolvimento de jogos e apps não tem acompanhado a demanda do mercado brasileiro – que é o quarto consumidor desse segmento, movimentando R$ 850 milhões por ano. Então, o principal objetivo do ministério é colocar o país no mapa mundial da produção desse setor", afirma o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.
 
De acordo com o ministro, "temos muitos talentos reconhecidos nessa área que estão trabalhando lá fora e que poderiam estar sendo valorizados por aqui. Gerar produtos próprios faz muita diferença tanto para a cultura quanto para a economia do país".
 
Para o secretário-executivo substituto do MiniCom, James Görgen, o concurso é um complemento à política de desoneração dos smartphones, ao contribuir para o aumento na oferta de apps e jogos a serem embarcados nos aparelhos. "A ideia do ministério é incorporar nesse pacote os 50 apps e jogos que vamos financiar por meio desse edital", destaca.
 
Durante dois anos, a primeira versão dos jogos e apps selecionados ficarão sob propriedade do MiniCom, que irá distribui-los gratuitamente. Nesse período, os desenvolvedores terão a obrigação de entregar ao Ministério as atualizações da versão gratuita, mas, paralelamente, poderão lançar suas versões comerciais dos aplicativos.
 
 
Plataformas
 
Os projetos de apps e jogos sérios para dispositivos móveis e TVs digitais conectadas submetidos à seleção do INOVApps devem ser compatíveis com pelo menos uma das seguintes plataformas: Android, Blackberry, iOS, HTML5, Middleware Ginga e Windows Phone.
 
Além disso, os projetos selecionados terão de ser concluídos num prazo máximo de 120 dias, contados a partir da data de depósito da primeira parcela da premiação. Para a inscrição de projetos, o proponente deve baixar formulário de submissão de propostas na página do MiniCom.
 
 
Temas
 
As propostas deverão se enquadrar em um dos nove temas relacionados no edital:
 
-Direitos e defesa do consumidor;
 
-Educação / Ensino;
 
-Saúde;
 
-Mobilidade Urbana;
 
-Segurança Pública;
 
-Turismo e Grandes Eventos;
 
-Gestão colaborativa de utilidade pública;
 
-Tratamento de indicadores de políticas públicas (dados abertos);
 
-Difusão de campanhas de utilidade pública.
 
 
Fonte: Ministério das Comunicações
Empresa júnior participa de encontro nacional
31/07/2014
 
A Enetec Consultoria, empresa júnior de Engenharia Elétrica, vai representar a Universidade de Brasília no maior evento dessa modalidade de empreendedorismo no Brasil: o Encontro Nacional de Empresas Juniores (Enej). As atividades deste ano serão realizadas entre 13 e 17 de agosto, em Aracruz (ES).
 
O Enej reúne todos os anos centenas de empresários juniores durante quatro dias. Com o tema A identidade do Protagonista, o encontro de 2014 pretende discutir as principais características de um jovem protagonista, que empreende mudanças na sociedade e no ambiente em que vive. A programação do evento inclui palestras, workshops e integração entre os empresários juniores.
 
O encontro propõe uma discussão aprofundada sobre a atuação de cada empresário júnior dentro e fora do movimento. O objetivo é que o empresário conheça a sua identidade e o seu papel na sociedade. Dez estudantes vinculados à Enetec devem seguir para Aracruz. A expectativa é que mais de 1700 empresários juniores de todo o país participem.
 
 
Fonte: UnB Agência
Maratona de empreendedorismo digital agita Brasília
30/07/2014

De 08 a 10 de agosto, o quarto “Startup Weekend Brasília” promove uma nova edição com foco no tema Saúde. Será um fim de semana de ideias inovadoras com chances de se tornarem bons negócios para o setor.

 

Um minuto para vender uma ideia. Um fim de semana para transformá-la em um produto com potencial em se tornar um negócio inovador. Para o desafio, duas ferramentas essenciais: criatividade e entusiasmo. Essa é a proposta do Startup Weekend, maior conjunto de eventos de empreendedorismo digital do mundo, que será realizado pela quarta vez em Brasília, entre os dias 8 e 10 de agosto, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB, com um desafio a mais: só valem ideias para a área da saúde.

Brasília será a primeira cidade na América Latina a sediar um Startup Weekend focada nesta temática. Mais do que formar empresas, o encontro tem o objetivo de estimular o espírito do empreendedorismo digital nos participantes. Esta edição conta com o patrocínio do Instituto Sabin, e apoio do SEBRAE Nacional (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e da EISE (Escola de Inovação em Serviços).

Para Fábio Deboni, Gerente executivo do Instituto Sabin, “O evento é de extrema relevância para o instituto, por estimular inovação e aprendizado colaborativo na área da saúde”. Segundo Deboni, o Startup Weekend contribui para a criação e o aperfeiçoamento de iniciativas empreendedoras voltadas para o setor.

Pode parecer incrível, mas grandes empresas de base tecnológica como Google, Facebook e Peixe Urbano começaram a partir de uma boa ideia e dedicação intensa para desenvolvê-la. Com esse espírito, o Startup Weekend oferece 54 horas de imersão, durante as quais os participantes terão a oportunidade de construir um modelo de negócios em diferentes aplicações – sejam elas web ou mobile – e avaliar a viabilidade desses negócios com os mentores presentes, todos com vasta experiência no mercado digital, e os consultores especialistas, que são profissionais empreendedores na área da saúde.

Mais de 1000 empresas já foram criadas a partir de ideias sugeridas em edições do evento, realizadas em mais de 500 cidades em todo o mundo. De acordo com o empreendedor e organizador do evento, Leandro Freire, o objetivo é que os participantes experimentem ferramentas e abordagens do mundo das startups em busca de solucionar problemas reais do dia-a-dia da saúde, em um ambiente seguro onde as falhas são permitidas e parte do aprendizado, desenvolvendo uma mentalidade empreendedora e encontrando parceiros para viabilizar a execução de novos projetos em conjunto.

“Todos já passamos por dificuldades relacionadas à área de saúde, seja um profissional da área, paciente ou prestador de serviço. No primeiro dia, daremos a chance para que os participantes apresentem, em um minuto, uma ideia inovadora para um problema que a área enfrenta. O público votará nas melhores, que serão executadas durante o evento”, destaca Leandro. Os melhores projetos receberão premiações oferecidas pelos apoiadores, incluindo oportunidades que facilitarão o desenvolvimento de seus negócios.

Dentre os mentores convidados, destaque para Renato Santos, consultor do SEBRAE e conselheiro do programa O Aprendiz de Roberto Justus já há duas temporadas. “O Startup Weekend tem o poder de despertar ideias, fomentar empreendedores e unir times em torno de projetos comuns. Nenhum outro evento dará ao participante feedback e questionamento tão rápido e direto. Se você sonha empreender, quer saber mais e não tem medo de debater e ser desafiado, é o seu lugar", analisa. Ainda segundo Santos, “As maiores oportunidades surgem dos maiores problemas. O sistema de saúde brasileiro, tanto na esfera pública quanto privada, tem questões importantes a resolver. Nada melhor do que unir a criatividade e empreendedorismo com os desafios do setor”.

Participantes de edições passadas destacam o poder de rede que o Startup Weekend tem. Para Emmeline Lucena, que participou da edição Women, em João Pessoa, e agora se juntou ao time organizador, o maior valor de participar de um Startup Weekend é a rede de contatos ." O evento permite o desenvolvimento de relações de contatos e experiência prática no desenvolvimento de uma empresa. Uma pessoa que entende pouco do assunto pode aprender num evento como esse a desenvolver habilidades que não sabia que possuía, como liderar uma equipe". Emmeline acrescenta que este evento tem uma diferença às edições tradicionais do programa. “Geralmente estes eventos são compostos basicamente por três perfis: Desenvolvedores de Sistemas, Designers e Pessoas de Negócios. Para este evento, estamos incluindo um quarto perfil, primordial para gerar projetos de grande impacto: o Profissional de Saúde. Convidamos aqueles profissionais que se incomodam com as situações enfrentadas no dia-a-dia para se juntarem a nós e promovermos soluções inovadoras para estes problemas, pois lá poderão formar equipes multidisciplinares e, receberem mentorias de diversos especialistas em negócios durante as 54 horas do evento”.

 

Serviço

Startup Weekend Saúde Brasília

Local: CDT / UnB, Campus Darcy Ribeiro - UNB Área 1 - Asa Norte, Brasília - DF,

Data: 8 a 10 de agosto de 2014

Programação e inscrição: http://bsbsaude.startupweekend.org/

Link direto para inscrições: http://www.eventick.com.br/swbsbsaude-ago14

 

Informações e credenciamento para imprensa

Emmeline Lucena

emmelinelucena@gmail.com

 

André Soares

61 9114-2144

eloysoares@gmail.com

 

Fonte: Startup Weekend 

Empresa graduada da Universidade de Brasília segue firme no mercado
25/07/2014
                                                        Parte da equipe IPe
 
Em um escritório recém-montado na quadra 206 Norte, em Brasília, os sócios da empresa IPe Engenharia de Redes dão continuidade ao sonho iniciado há quatro anos, quando ingressaram no processo de incubação do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Com a graduação, que aconteceu no final do ano passado, agora eles seguem mais independentes e maduros. 
 
A IPe foi fundada em janeiro de 2010 por sócios Engenheiros de Redes de Comunicação e apoiada pelo programa Multincubadora de Empresas do CDT/UnB, na modalidade Base Tecnológica. “O processo de incubação pra IPe foi muito valioso porque, no momento em que nós estávamos começando a entender como uma empresa funciona, tivemos acesso a muitas pessoas que puderam nos ajudar bastante. Portanto, a rede de outras empresas e pessoas que o CDT nos conectou foi o principal apoio para acharmos nosso rumo”, destaca o diretor de inovação da empresa, Roberto Braga. 
 
A Incubadora de Empresas de Base Tecnológica do CDT apoia a construção, o crescimento e a consolidação de novos empreendimentos. Por meio desse programa, os empreendedores recebem infraestrutura compartilhada, assessorias e consultorias especializadas em áreas estratégicas, e têm oportunidade de participar de diversos cursos e atividades de capacitação para o benefício das empresas.
 
A IPe ficou incubada no CDT até novembro do ano passado, quando recebeu o certificado de graduação. Roberto conta que, mais do que mudar a cabeça dos empresários, a graduação muda principalmente a visão que as pessoas têm da empresa. “Eu diria que para o público externo a empresa fica mais atraente e se posiciona melhor no mercado. A gente passou por um aprendizado muito grande, que foi a reforma do escritório novo, e é o tipo de desafio que o empresário tem que aprender a lidar”, analisa. 
 
“Uma das mudanças é que a gente passou a ter uma preocupação maior com outras coisas que no CDT, por exemplo, não tinha. A gente passou a se ver mais como uma empresa sustentável, porque agora tem que se preocupar muito mais com os custos que são diferentes. E também trouxe uma visão muito mais séria do que a empresa tem que fazer pra poder ter um sucesso lá na frente, então essa é uma exigência maior que passa agora a ter, em comparação com a época em que estava incubada”, acrescenta o diretor de operações, Marcelo Holtz.
 
Os sócios da IPe revelam ainda que a incubação os ensinaram a ter foco, prova disso é que eles enxugaram bastante o portfólio e resolveram se especializar somente na área de segurança de redes, oferecendo aos seus clientes um produto com maior qualidade. “A gente foi experimentando e sentindo até chegar nessa conclusão, que o próprio mercado ditou muito ‘vocês precisam ter um foco, vocês não podem chegar aqui vendendo de tudo porque quem vende tudo não vende nada’”, alerta Roberto. Agora eles vendem um produto desenvolvido pela própria empresa chamado Vidya, uma ferramenta para proteção de websites que evita ataque de hackers, além de representarem um fabricante de equipamentos na área de segurança que complementam os serviços que o Vidya oferece. 
 
Hoje a empresa conta com uma equipe de 15 pessoas entre sócios, colaboradores celetistas e estagiários. Sua carteira de clientes é dividida entre o governo e empresas privadas, tendo como principais clientes a Fiocruz, o Ministério Público do Trabalho e o Hospital da Criança de Brasília. “O grande objetivo com essa carteira de clientes é continuar crescendo sempre, porque a sustentação da empresa está diretamente ligada a isso. Apesar de já termos uma carteira sólida, o mais importante é mantermos uma renovação boa pra que a gente tenha um bom ritmo de crescimento”, conclui Roberto.
 
Em relação aos lucros, eles garantem: “A IPe está superavitária desde os seus primeiros dias e continua, então a gente fica muito feliz por isso. A preocupação financeira sempre existiu do ponto de vista de manter a empresa sustentável, mas graças a Deus a gente nunca passou nenhum aperto real”.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
 
 
 
UnB e Embrapa assinam novos convênios de pesquisa e pós-graduação
17/07/2014
Erika Suzuki - Da Secretaria de Comunicação da UnB
 
Foram firmados, no início do mês, os novos convênios de pesquisa e pós-graduação da Universidade de Brasília (UnB) com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).   
 
Os documentos foram assinados pelo reitor da UnB, Ivan Camargo, e pelo presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes, e publicados no Diário Oficial da União (DOU).
 
“Há 34 anos, UnB e Embrapa trabalham juntas em busca da inovação”, destaca o professor Cristiano Barros de Melo, diretor de pesquisa da universidade. "A assinatura dos termos é importante porque fortalece esse laço", avalia.
 
Segundo Barros de Melo, os novos convênios, além de regularizarem a situação dos pesquisadores e fortalecerem os programas de pesquisa, vão garantir a divisão de patentes e royalties.
 
“Todos passam a ganhar com a parceria, inclusive professores e alunos da UnB”, diz. "A divisão das descobertas vale, inclusive, para alunos de graduação", completa. 
 
"Outro ganho para os alunos de pós-graduação é que, agora, a formalização do vínculo será feita por meio de um único documento", acrescenta o professor. O termo prevê ainda cláusulas de confidencialidade para preservar dados das pesquisas em desenvolvimento.
 
Os convênios são resultado do esforço conjunto do Decanato de Pesquisa e Pós-graduação (DPP), da Procuradoria Jurídica (PJU) e do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) da UnB.
 
Clique aqui para conferir os documentos na íntegra. 
 
Fonte: UnB Agência
Empresa licenciada para comercializar fita de detecção de formol está incubada na Universidade de Brasília
16/07/2014
 
 
Materiais, combustíveis e fontes renováveis. Assim surge a Macofren Tecnologias Químicas, com a missão de criar soluções para o desenvolvimento do mercado de combustíveis, indústria química de materiais e agricultura. A empresa foi fundada em 2013, por alunos de pós-graduação do Laboratório de Materiais e Combustíveis da Universidade de Brasília, e nasceu da necessidade de se fazer com que as inovações desenvolvidas nas universidades alcancem a sociedade.
 
Hoje, a Macofren desenvolve tecnologias acessíveis, sustentáveis e de baixo custo, que trazem melhor qualidade de vida, além de explorar o mercado tradicional de análises químicas. A empresa oferece produtos e serviços inovadores nestes três segmentos, tais como análises de combustíveis e consultoria científica, Kits para determinação de formol e metanol, análise de solo e agricultura de precisão.
 
Seus principais produtos são a Fita ZER0-F, que serve para detectar de modo rápido e fácil a presença de formol no leite, produtos de beleza e higiene, entre outros; e o kit METAN-OHL, análise desenvolvida para a detecção de metanol em etanol combustível ou gasolina no local de sua comercialização. A tecnologia envolvida na obtenção destes produtos foi desenvolvida pelos pesquisadores da Universidade de Brasília, Paulo Anselmo Ziani Suarez e Guilherme Bandeira Cândido Martins, e licenciada para a Macofren.
 
O teste da Fita consiste em um papel que quando entra em contato com a amostra, gera uma cor, indicando a presença ou ausência de formol. Na presença de formol é gerada uma cor violeta intensa, que varia de acordo com a concentração do mesmo na amostra. Já o kit metanol consiste em equipamentos de fácil manuseio, dispensando mão de obra especializada em sua execução e o resultado da análise sai em aproximadamente 15 minutos.
 
A Macofren está incubada no Hotel de Empreendimentos do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) onde recebe apoio, infraestrutura e assessoria para analisar a viabilidade econômica e mercadológica de seus produtos, processos e serviços. No CDT, os empreendedores são inseridos num ambiente propício para o desenvolvimento da empresa, suporte e consultoria em áreas estratégicas, capacitação e diversas oportunidades.
 
Para conhecer mais sobre a empresa, acesse.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
 

 

Brasília ganha primeira estação de 'GPS russo' fora do gigante euroasiático
15/07/2014
 
Um acordo internacional de cooperação entre a Rússia e o Brasil deu novo passo nesta segunda-feira (14/07). A Universidade de Brasília (UnB) inaugurou a estação óptica a laser Sazhen-TM-BIS. A tecnologia russa foi fornecida pela Roscosmos, agência espacial da Rússia, e é a primeira integrante do sistema Global Navigation Satellite System (Glonass) fora do gigante euroasiático. O Glonass funciona tal qual a tecnologia de GPS, fazendo monitoramento terrestre por meio de 24 satélites espalhados pela órbita do planeta.
 
Este é o segundo laboratório russo instalado no câmpus da UnB. De acordo com o professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UnB Geovany Borges, um dos coordenadores do projeto, o equipamento calibra os satélites, o que aumenta a precisão dos dados. “Os dados serão processados no Brasil e então enviados à Rússia. Isso nos dá a possibilidade de abrir pesquisas novas em campos como astronomia, corpos celestes e também a exploração do espaço”, afirmou.
 
  O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB) esteve no lançamento. Ele explicou que a instalação beneficia tanto a Rússia, que passa a receber dados captados fora de seu território, aumentando a precisão de sua tecnologia de mapeamento terrestre, quanto o Brasil. “É fundamental para o desenvolvimento de pesquisas e a melhoria no ensino no país. O estudo espacial é multidisciplinar, beneficia diversas áreas. É um grande instrumento para as universidades brasileiras”, avaliou.
 
  No mesmo dia da abertura, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff (PT), e o chefe de Estado russo, Vladimir Putin, assinaram outro acordo de cooperação que prevê a instalação do mesmo equipamento na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no câmpus de Santa Maria, e no Instituto Federal de Pernambuco, sediado em Recife.
 
  O vice-presidente da Roscosmos, Sergei Saveliev, reiterou que a participação de cidades brasileiras é fundamental para o avanço da tecnologia russa. “A estação fará com que recebamos de forma rápida dados de geolocalização. Assim, a utilização das informações será mais eficaz”, observou. Já o reitor da UnB, Ivan Camargo, elogiou a colaboração entre os países. “Esse é um passo importante para firmar mais parcerias na área de ciência e tecnologia”, disse.
 
 
Além de servir aos russos, os dados de medição da estação são utilizados %u200Bpelo Serviço Internacional de Medições a Laser (do inglês, International Laser Ranging Service) para estabelecer e dar suporte ao Sistema de Referência Terrestre Internacional.
 
Fonte: Correio Braziliense
Universidade de Brasília inaugura Estação Óptica a Laser Russa
11/07/2014
 
 
A Universidade de Brasília (UnB) inaugura no próximo dia 14 de julho a Estação Óptica equipada com Estação de Medição Unidirecional Glonass. O evento acontece, às 15h, no Auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e na Estação Óptica localizada no Centro de Informática (CPD). Na oportunidade, estarão presentes o Diretor do CDT, Professor Paulo Suarez; o Vice-Chefe da Roscosmos, Doutor Saveliev Sergei; o Presidente da Agência Espacial Brasileira, Doutor José Raimundo Braga Coelho e o Reitor da UnB, Professor Ivan Camargo.
 
A Estação Óptica a Laser Russa (Sazhen-TM-BIS) foi instalada e encontra-se em operação em Brasília, DF. Estações desse tipo são projetadas para medir distâncias geodésicas de naves espaciais equipadas com sistemas de reflexão de laser, além de medir coordenadas angulares e características fotométricas de naves espaciais e detritos espaciais observados pela reflexão da luz solar.
 
As medições de distância são utilizadas no sistema russo GLONASS de navegação global. Com base nestas medidas, será possível realizar controle de precisão dos parâmetros orbitais dos satélites do sistema GLONASS; realizar controle de precisão dos dados astronômicos transmitidos nos sinais de navegação do sistema; e calibrar as medições produzidas pelas Estações de Rádio Unidirecionais do segmento solo do sistema GLONASS.
 
As coordenadas angulares e as medições de parâmetros fotométricos também são utilizadas no sistema GLONASS de navegação global, fornecendo soluções para as seguintes tarefas: determinação dos parâmetros de movimento dos satélites defeituosos do sistema GLONASS e detecção de detritos espaciais na vizinhança dos satélites do sistema GLONASS. 
 
No âmbito da cooperação internacional, os dados de medição da estação são utilizados pelo Serviço Internacional de Medições a Laser (do inglês, International Laser Ranging Service) para estabelecer e dar suporte ao Sistema de Referência Terrestre Internacional. Os limites da cooperação internacional podem ser expandidos com o apoio da Rússia no projeto de criação do Sistema Geodésico de Observação Global. 
 
A necessidade da implantação da estação de laser sobre o território do Brasil deve-se ao fato de que o aumento na precisão das soluções para as tarefas mencionadas acima (suporte, utilização e desenvolvimento do sistema GLONASS para o período de 2012-2020) só pode ser alcançado, em primeiro lugar, com a criação de uma rede de estações de medição distribuídas globalmente. No âmbito deste programa, estão previstos no mínimo seis estações de laser e quarenta estações de medição unidirecional para serem implantadas fora do território russo.
 
Dentro deste contexto, os principais interesses do Brasil estão relacionados com as oportunidades de atividades de pesquisa decorrentes da instalação da estação de laser, tais como, a participação brasileira em projetos do Serviço Internacional de Medições a Laser, observação de satélites nacionais, observação de detritos espaciais, dentre outras, além de contribuir com a melhoria do sistema GLONASS.
 
As instalações da estação de laser estão localizadas no Campus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília, no interior de dois edifícios no Centro de Informática (CPD): um equipado com uma cobertura em forma de cúpula para o módulo do laser, e o outro que abriga a sala técnica onde se econtram os dispositivos para operação da estação. 
 
Serviço
Inauguração da Estação Óptica Equipada com Estação de Medição Unidrecional Glonass
Data: 14 de junho de 2014
Hora: 15h
Local: Universidade de Brasília - Campus Universitário Darcy Ribeiro Edifício CDT / Estação Óptica CPD
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

SBRT presta consultoria em eventos de empreendedorismo
03/07/2014
O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) participou, recentemente, de dois grandes eventos ligados ao empreendedorismo. A equipe do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT) representou a instituição divulgando e realizando atendimentos a empresários e visitantes na 6ª Feira do Empreendedor do SEBRAE/TO, em Araguaína, e no XIII Salão da Alimentação do SEBRAE/DF, em Brasília. 
 
A 6ª edição da Feira do Empreendedor, realizada no município de Araguaína, entre os dias 28 e 31 de maio, contou com a participação de 11.788 pessoas. O evento oportunizou oficinas, palestras e seminários com temas essenciais para o fomento do empreendedorismo, além de rodadas de negócios que geraram cerca de R$2,2 milhões em expectativa de negócios. Nos quatro dias de feira, micro e pequenos empreendedores, produtores rurais e gestores de pequenas empresas tiveram atendimento individual em um espaço exclusivo pra eles. Foram prestados serviços de consultorias e assistência de negócios, totalizando quase dois mil atendimentos.
 
O colaborador Eduardo Matos afirma que a participação do CDT, por meio do SBRT, contribuiu para dar visibilidade ao projeto no estado de Tocantins, além de divulgar o serviço com a realização de atendimentos empresariais para a elaboração de respostas técnicas no estande. “Mostramos o site e o serviço em 34 atendimentos, dentre pessoas jurídicas, pessoas físicas e empresas que participaram do evento. A parceria com o Sebrae foi de vital importância e fundamental para prospectar contatos no estado”, destaca.
 
Já de 9 a 11 de junho, os empreendedores do setor de alimentação fora do lar puderam aproveitar as oportunidades gratuitas do XIII Salão da Alimentação – Alimenta, que aconteceu em Brasília. Além dos estandes de expositores, a programação ofereceu oficinas de capacitação e palestras com chefs renomados. O primeiro dia do Alimenta contou com mais de 1,3 mil visitantes. No total, mais de 830 empreendedores participaram das 22 ações de capacitação e negócios promovidas pelo Sebrae no DF. O SBRT realizou 60 atendimentos.
 
“Esse é um evento de significativa importância para o setor de alimentos e seus segmentos. Os empreendimentos alimentícios estão sempre entre os mais promissores e competitivos, logo, por meio da realização de eventos e feiras dessa categoria é possível contribuir para o crescimento dos negócios, assim como proporcionar a melhoria na produção de alimentos. Com esse intuito, o SBRT pode contribuir com esse público específico levando aos empresários e clientes a possibilidade de contarem com informações tecnológicas para melhorar a qualidade dos produtos e processos produtivos gratuitamente”, esclarece a colaboradora Larisse Lima. “A Feira despertou o contato do SBRT com novos clientes da área de alimentos, além de elucidar a disponibilidade de informações mais técnicas de forma gratuita para um público que possui pouco acesso a tecnologias”, afirma a também colaboradora Ingrid Freire. 
 
 
Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT)
 
O SBRT é um serviço feito para esclarecer dúvidas tecnológicas de baixa e média complexidade, com agilidade e praticidade, no prazo máximo de 15 dias. O serviço pode ser acessado gratuitamente, por qualquer pessoa (física ou jurídica), pelo endereço: www.respostatecnica.org.br
 
 
Confira as fotos dos eventos:
 
 
 
 
 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
 
 
 
Adulteração do leite é uma prática comum e está se espalhando pelo Brasil
01/07/2014
Diante deste cenário, pesquisadores da UnB desenvolveram uma tecnologia que detecta se há formol em certos  produtos 
 
 
Diante de recentes denúncias relativas à adulteração do leite com substâncias como ureia, soda cáustica, água oxigenada e cal virgem, em doze meses, uma operação conjunta do Ministério da Agricultura (MAPA), Ministério Público do Rio Grande do Sul, Polícia Federal e Poder Judiciário, chamada Operação Leite Compensado, confiscou milhões de litros de leite contaminado no país. 
 
No decorrer do último ano, a apuração do Ministério Público rio-grandense não revelou apenas que transportadores e comercializadores de leite estavam adulterando a bebida no Estado, mas também que a prática é nacional. No mês passado (maio), a LBR precisou fazer um recall de caixinhas de duas importantes marcas, depois de identificar que aproximadamente 300 mil litros de leite estavam contaminados com formol. Os lotes, fabricados no Rio Grande do Sul, teriam sido vendidos aos Estados de São Paulo e Paraná.
 
As fiscalizações na cadeia do leite e em outros produtos de origem animal são constantes, independente da Operação, mas ainda assim, alguns produtos conseguem chegar às casas dos consumidores brasileiros. Pensando em situações como essa, os pesquisadores da Universidade de Brasília, Paulo Anselmo Ziani Suarez e Guilherme Bandeira Cândido Martins, desenvolveram uma tecnologia que permite ao cidadão comum realizar essa análise.
 
A Macofren Tecnologias Químicas, empresa incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), licenciou a tecnologia de forma não exclusiva para comercialização do produto. Trata-se da FITA ZER0-F, que detecta de modo rápido e fácil a presença de formol no leite, produtos de beleza e higiene, entre outros. O teste consiste em um papel que quando entra em contato com a amostra, gera uma cor, que indica a presença ou ausência de formol. Na presença de formol é gerada uma cor violeta intensa, que varia de acordo com a concentração do mesmo na amostra.
 
 
Entenda o caso
A Operação Leite Compensado, do Ministério Público do Rio Grande do Sul, teve sua primeira fase desencadeada em 8 de maio do ano passado. As investigações apontaram para um esquema que adulterou cerca de 100 milhões de litros do produto no estado. 
 
Na ocasião, o MP revelou que transportadores estavam adicionando água e ureia (que contém formol) ao leite cru para aumentar o volume e disfarçar a perda nutricional no caminho entre a propriedade rural e a indústria. O esquema era realizado em postos de resfriamento.
 
Vinte e seis pessoas foram denunciadas, sendo que 13 foram presas e quatro estão em liberdade provisória. Os processos na cidade de Ibirubá (RS) foram os únicos já concluídos em primeira instância e seis pessoas tiveram suas sentenças decretadas – uma delas chegou a ser condenada a 18 anos e seis meses de cadeia em regime fechado. 
 
Para marcar um ano da primeira fase da operação, o MP deflagrou em 8 de maio deste ano a quinta fase da Operação Leite Compensado. Foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão e três de prisão em dez cidades do Vale do Taquari e Vale do Sinos.
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
 
 
 
Laboratório de Inovações Tecnológicas da UnB desenvolve jogos com temática da Copa
25/06/2014

Baseado no boom da Copa do Mundo 2014, o Laboratório de Inovações Tecnológicas para Ambientes de Experiência (ITAE) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) desenvolveu dois jogos com a temática do mundial. Os já conhecidos Batalha ITAE (batalha naval) e quebra cabeças foram adaptados e os interessados poderão jogar online, por meio do site.

Os jogos Copa Batalha e Copa Quebra Cabeça são no estilo quiz, onde para se efetuar as jogadas é necessário antes responder a uma pergunta. Quanto mais acertada for a resposta, mais jogadas serão efetuadas. Os dois jogos envolvem questões relacionadas à copas anteriores e têm imagens da seleção brasileira. Para jogar, é necessário fazer apenas um cadastro.

O ITAE é um moderno ambiente usado para capacitação por meio de jogos de imersão. Possui controle automatizado de som, luz e projeções por reconhecimento de voz e por dispositivos de toque. Como Ambiente de Experiência, ele se baseia em quatro pilares: educação, imersão, entretenimento e estética; podendo ser contratado por universidades, escolas e empresas para dar a seus cursos um diferencial competitivo.

Confira a interface dos jogos:

 

 

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

Mestre em Gestão de Turismo ministra palestra sobre oportunidades de negócios durante a Copa
24/06/2014

Na próxima sexta-feira (27), a comunidade acadêmica da Universidade de Brasília, empresários e público em geral, poderão assistir à palestra Copa do Mundo: Oportunidade de Negócios no DF.  A apresentação acontece durante a Estação Empreendedorismo, e a convidada desta edição é a professora Regina D’Azevedo.

A proposta é apresentar a importância dos megaeventos para o fomento econômico das localidades sede, com destaque para as oportunidades de negócios decorrentes da Copa do Mundo 2014 no Distrito Federal nas áreas de: agronegócio, comércio varejista, construção civil, madeira e móveis, artesanato, economia criativa, gastronomia, entretenimento, moda, serviços, tecnologia da informação e comunicação (TIC) e turismo.

Regina é mestre em Gestão de Turismo e Meio Ambiente, pela Universitat de les Illes Balears – Espanha; Especialista em Educação Continuada e a Distância, pela UnB; e Graduada em Administração de Empresas com habilitação em Comércio Exterior, pela UNEB-DF.  Atua como docente, tutora e coordenadora de cursos superiores desde 2000 nas áreas de Turismo, Administração e Comércio Exterior, e também é consultora nas áreas de Marketing, Empreendedorismo, Negócios Internacionais e Gestão Educacional.

Serviço:
 
Estação Empreendedorismo - Copa do Mundo: Oportunidade de Negócios no DF
Data: 13/07/2014
Hora: 13h
Local: Auditório do CDT/UnB – Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Edifício CDT
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Universidade de Brasília vence edital do Programa Novos Talentos da Capes
13/06/2014

Por meio da Escola de Empreendedores do CDT, professores instruirão alunos do ensino médio na prática do empreendedorismo e da inovação

A Universidade de Brasília (UnB), por meio da Escola de Empreendedores (Empreend) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) venceu o Edital 055/2012/CAPES – Programa Novos Talentos, cujo objetivo é apoiar propostas de atividades extracurriculares para professores e alunos da educação básica. O lançamento oficial do programa, a ser desenvolvido no Centro de Ensino Médio da Asa Norte (CEAN), aconteceu em 20 de maio, no CDT. 

A proposta do projeto intitulado Desafio Empreendedor Júnior, coordenado pela professora Cristina Castro-Lucas, é contribuir para o desenvolvimento da cultura científica e empreendedora, em professores e alunos da rede pública do Distrito Federal e incentivá-los a dar continuidade aos estudos e à formação de uma consciência responsável, crítica e cidadã. “A grande importância desse programa é a relação escola, universidade e futuro mercado de trabalho. É um processo de formação contínua pensando desde a base desse aluno”, afirma a docente.

O programa Novos Talentos será composto das seguintes fases: formação de oito professores da escola participante por especialistas do CDT; aulas presenciais e semipresenciais; gincana de jogos no Laboratório de Inovações Tecnológicas para Ambientes de Experiência (ITAE/CDT); peça de teatro e apresentação dos Planos de Negócios desenvolvidos pelos alunos, nas próximas Feiras de Negócios e Inovação do CDT. O conteúdo programático será o mesmo da disciplina de graduação Introdução à Atividade Empresarial (IAE), devidamente adaptado para o nível do ensino médio.

O coordenador da Empreend, Marcos Teixeira, explica que o foco do programa é preparar os alunos de ensino médio para ingressarem no ensino superior com uma visão do que é empreendedorismo e inovação. “Brasília é a capital do concurso público, então todo estudante sai da escola com o pensamento de seguir uma carreira pública, e o programa Novos Talentos, por meio do projeto Desafio Empreendedor Júnior, busca mudar isso: ensinar para os jovens o que é empreendedorismo, porque em Brasília não é só concurso, pode-se ter também empresários bem-sucedidos”, destaca.

A vice-diretora do CEAN, Maria das Graças Machado, afirma que o programa Novos Talentos trouxe para a escola uma nova perspectiva entre o teórico e o prático. “É um novo olhar, que aproxima a universidade ao ensino médio. O aluno necessita dessa experimentação para que possa ter espaço de criação e inovação dentro daquilo que faz parte de sua realidade”, analisa.

O lançamento do programa Novos Talentos aconteceu no CDT, onde o corpo docente do CEAN pôde conhecer a dinâmica da instituição. No dia 3 de junho, os professores começaram a capacitação presencial. Até 8 de agosto eles deverão estar formados para atuar nas oficinas pedagógicas, durante o segundo semestre de 2014.  

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Feira de Negócios e Inovação movimenta comunidade acadêmica e empresarial do DF
09/06/2014
 
O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), por meio da Escola de Empreendedores (Empreend) promoveu, no último sábado (7/6), a 5ª Feira de Negócios e Inovação. Com o objetivo de ampliar oportunidades para os alunos de graduação e pós-graduação, o evento busca estimular o desenvolvimento de negócios inovadores, relacionando a universidade com as oportunidades oferecidas no mercado de trabalho.
 
A feira estava divida em duas frentes: apresentação de ideias criativas elaboradas pelos alunos da disciplina Introdução à Atividade Empresarial (IAE) e momento de interação e troca de conhecimento entre empresários, estudantes e empresas parceiras. Ao todo, 438 alunos de IAE participaram mostrando os planos de negócios que desenvolveram ao longo do semestre.
 
 
Durante a cerimônia de abertura, o diretor do CDT/UnB, Paulo Suarez, destacou a importância do evento para os alunos e também para economia do Distrito Federal. "O CDT é um verdadeiro ecossistema de inovação e desenvolvimento tecnológico. Não adianta nada estarmos aqui na universidade se o fruto do conhecimento que estamos desenvolvendo não chegar à sociedade," destacou.
 
Além do professor Paulo Suarez, a mesa de abertura contou com a presença do representante da FAPDF, Vinícius Vivas; do deputado distrital, professor Israel Batista (PV/DF); do secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do DF, Glauco Rojas e do senador Rodrigo Rollemberg (PSB/DF). Entre outros convidados estavam o representante do decanato de Pesquisa e Pós-Graduação, Bergmann Morais; do decano de Ensino de Graduação, Mauro Rabelo; da decana de Extensão, Thérèse Hofmann; e da vice-reitora da UnB, Sônia Nair Báo.
 
A programação do evento incluiu atividades como o Network Point, onde empresários, professores, pesquisadores, alunos e demais visitantes se reuniram em um ambiente descontraído com o objetivo de trocar experiências, informações e ampliar suas redes de contato; apresentação do Grupo Batucadeiros; assinatura do contrato de licença de uso da tecnologia Método de Estabilização de Reagente de Schiff em Diversos Veículos, Reagente de Schiff Imobilizado em Matrizes Sólidas, Processo de Impregnação desse Reagente, Método de Determinação Analítica entre a Fundação Universidade de Brasília (FUB) e a empresa Macofren Tecnologias Químicas; apresentação do Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Brasília (PCTec/UnB); palestra com o empresário Roberto Pantoja sobre como abrir uma startup; exposição tecnológica; exposição de planos de negócios, produtos, processos e serviços propostos pelos alunos da graduação e pós-graduação da UnB; exposição de empresas participantes dos programas Multincubadora de Empresas e Empresa Júnior do CDT; graduação de duas empresas incubadas (Akamido e Ambiente Eficiente); apresentação de projetos a investidores; Startup You Up, momento de mentoria para empresários e alunos, cujo objetivo era unir a experiência de especialistas ao momento inicial dos projetos para abrir novas possibilidades de desenvolvimento e parcerias; apresentação de um grupo de samba e premiação dos alunos. 
 
A 5ª edição da Feira contou com a participação de 163 empresários juniores da UnB, 24 empresários incubados e 53 outros expositores dentre startups e parceiros do CDT. Além disso, os estudantes ganharam espaço para apresentar seus planos de negócios, produtos e serviços para oito investidores presentes. No total, 1.995 pessoas prestigiaram o evento.
 
A Agência de Comercialização de Tecnologia (ACT) também estava presente expondo projetos especiais. Entre os trabalhos, o grupo apresentou uma inovadora massa de banana verde para produção de alimentos sem glúten como, por exemplo, o macarrão. A ACT é uma unidade do CDT que tem por objetivo comercializar os produtos resultantes de processos desenvolvidos na universidade por meio de parcerias com empresas e a sociedade. 
 
Ao final do evento, o produto/serviço melhor avaliado foi premiado com troféu, kit da Natura e um curso da Empretec. O projeto vencedor foi a InLoco, empresa do turismo 2.0, onde os estudantes criaram um aplicativo para unir turistas aos moradores locais. O objetivo é orientar sobre como fugir de armadilhas turísticas, atrações caras e experiências superficiais, proporcionando viagens autênticas. 
 
A próxima edição da Feira de Negócios e Inovação do CDT/UnB está prevista para o dia 29 de novembro. Acompanhe as novidades pelo site www.cdt.unb.br.
 
Confira algumas fotos do evento: 
 
 
Grupo Batucadeiros
 
 
Equipe da ACT com os empresários Renato e Arilson da Macofren
 
Equipe da ACT com os empresários Renato e Arilson, da Macofren
 
 
 
Uma das tecnologias expostas
 
 
 
Palestra com o empresário Roberto Pantoja
 
 
 
 
Mentoria
 
 
 
Graduação da empresa incubada Akamido
 
 
 
Graduação da empresa Ambiente Eficiente
 
 
 
Estandes dos expositores
 
 
 
Empresas Juniores da UnB
 
 
 
Projetos de alunos de IAE
 
 
 
Equipe CDT
 
 
 
Grupo de samba
 
 
 
Premiação da equipe InLoco
 
 
 
Sorteio realizado pela APEX-Brasil, parceira do CDT nesta edição da Feira
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Apex-Brasil apoia 5ª Feira de Negócios e Inovação do CDT/UnB
04/06/2014
A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) é uma das parceiras do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) na realização da 5ª Feira de Negócios e Inovação, que acontece no próximo sábado, 07, no Centro Comunitário Athos Bulcão, da Universidade de Brasília. 
 
No evento, a Agência fará a divulgação do Prêmio Exportador de Ideias 2014. A iniciativa vai reconhecer as melhores ideias inovadoras ligadas à tecnologia da informação que visem melhorar o cotidiano ou meio empresarial, que possam ser facilmente replicáveis em outros países. O Brasil no mundo! Os quatro primeiros colocados vão integrar uma missão ao Vale do Silício e participarão do evento TechCrunch Disrupt, realizado de 8 a 10 de setembro deste ano, em São Francisco, na Califórnia.
 
Além disso, durante a participação na 5ª Feira de Negócios e Inovação do CDT/UnB, a Agência irá promover uma ação interativa com os participantes. Quem receber mais curtidas nas fotos postadas no Instagram com as hashtags #exportadordeideias e #apexbrasil, vai receber um brinde da Apex-Brasil. 
 
Sobre a Apex-Brasil
 
A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) tem a missão de desenvolver a competitividade das empresas brasileiras, promovendo a internacionalização dos seus negócios e a atração de investimentos estrangeiros diretos (IED). 
 
A Apex-Brasil apoia, atualmente, mais de 12 mil empresas de 84 setores produtivos da economia brasileira, que exportam para mais de 200 mercados. Em parceria com entidades setoriais, a Agência organiza ações de promoção comercial, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais e visitas de compradores estrangeiros e de formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira. 
 
Mais Informações: 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
(61) 3107-4134
 

 

CDT promove 5ª Feira de Negócios e Inovação na Universidade de Brasília
03/06/2014
O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) promove, no próximo sábado (7/6), a 5ª Feira de Negócios e Inovação. O objetivo do evento é divulgar e disseminar a cultura do empreendedorismo para estudantes, empresários juniores e participantes de programas de incubadoras empresariais e relacionar a universidade com as oportunidades oferecidas no mercado de trabalho.
 
A feira está divida em duas frentes: apresentação de ideias criativas elaboradas pelos alunos da disciplina Introdução à Atividade Empresarial da Faculdade de Tecnologia (FT) e momento de interação e troca de conhecimento entre empresários, estudantes e empresas parceiras. Ao todo, 110 grupos, de até cinco alunos, participam através da mostra de trabalhos que desenvolveram.
 
Para os três melhores projetos de estudantes são oferecidos troféus, brindes e cursos nas áreas de negócios e empreendedorismo. Além disso, as iniciativas com maior destaque recebem a oportunidade de participar do programa de incubação de empresas do CDT, que ajuda projetos com ideias inovadoras e sustentáveis a se estabelecerem em sua fase inicial. O evento tem início às 8h e vai até as 18h no Centro Comunitário Athos Bulcão, na UnB. Na última edição, o evento contou com a presença de mais de 2 mil pessoas. A Feira é aberta ao público externo, e a entrada é gratuita.
 
Conheça os principais momentos do evento:
 
Network point: ambiente de encontro entre professores, empresários, políticos e estudantes de graduação e de pós-graduação para discutir e aumentar a rede de contatos. O principal objetivo desse momento é propor o networking entre os participantes através da troca de experiências, conhecimento e informações. 
 
Exposição tecnológica: a exposição envolve a apresentação de produtos, serviços oferecidos por empresários parceiros ou professores que desenvolveram um projeto inovador dentro dos laboratórios da UnB. 
 
Exposição de alunos de graduação e pós-graduação: Como projeto para a disciplina de Introdução à Atividade Empresarial, os alunos têm que apresentar um plano de negócios sustentável que é avaliado por uma banca. A nota é dada por professores, empresários e empresas parceiras. 
 
Exposição de participantes do programa Multincubadora de Empresas do CDT: os participantes do programa apresentam produtos, processos e serviços oferecidos pelas empresas que foram incubadas pelo CDT ao longo de três anos
 
Mais informações pelo Facebook, pelo telefone 3107-4134 ou pelo e-mail feiradenegocios@cdt.unb.br.
 
Confira a programação:
8h - Abertura dos portões com participação do grupo Batucar
8h30 - Network point
9h20 - Cerimônia de abertura
10h10 - Graduação das empresas incubadas, ou seja, dos empreendimentos que receberam apoio do CDT para que eles possam desenvolver ideias inovadoras e transformá-las em negócios de sucesso.
10h40 - Palestra com Roberto Pantoja, investidor e empresário. O tema da palestra é Start up on-line e offline
12h - Início das exposições de tecnologia e projetos de pesquisa com a abertura dos estandes
13h30 - Início das avaliações dos projetos apresentados pelos alunos da disciplina Introdução à Atividade Empresarial. A avaliação é feita por professores, membros do Sebrae, CNPq e outros apoiadores
14h30 - Apresentação de projetos feitos pelos alunos a investidores
15h - Start you up (mentoria empresarial)
17h50 - Premiação dos alunos e encerramento do evento
 
Fonte: Correio Braziliense
Tecnologias produzidas na UnB serão negociadas em feira de inovação
02/06/2014
 
O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), promove, no próximo sábado (7), a 5ª edição da Feira de Negócios e Inovação da Universidade de Brasília (UnB), com apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF). No total, 26 empresas juniores da instituição terão a oportunidade de negociar seus produtos e serviços com associações, cooperativas e empresários sêniores. A ideia é promover a integração das produções em diversas áreas do conhecimento, como, por exemplo, as artes, a economia e a tecnologia.
 
Entre as novidades a serem expostas durante a Feira de Negócios e Inovação estão tecnologias produzidas por pesquisadores da Unb como, por exemplo, o biofeedback, kit metanol, móveis sociais, dentre outros produtos inovadores.
 
Além das empresas incubadas e juniores da UnB, também haverá exposição do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a Associação de Startups e Empreendedores Digitais (Asteps), Natura Cosméticos, Maxtera Tecnologia, a Redecom (empresa de Infraestrutura de Tecnologia da Informação e Engenharia de Redes) e empresas incubadas e juniores da UnB.
 
Programação - Na abertura da feira, estarão presentes o diretor do CDT/UnB, Paulo Suarez; o reitor da Universidade de Brasília, Ivan Camargo; o presidente da FAPDF, Michelangelo Trigueiro; o decano de Ensino de Graduação, Mauro Rabelo; a decana de Extensão, Thérèse Hofmann; e o professor Bergman Morais, representando o decano de Pesquisa e Pós Graduação, Jaime Santana.
 
Na programação, também está prevista uma palestra do proprietário da Remax Unique Brasília, Roberto Pantoja, com o tema Como abrir uma empresa? Startup, online e offline: Modele seu negócio, forme uma equipe, atraia clientes!
 
Apoio à Ciência e Tecnologia - Nesta edição, a Feira de Negócios e Inovação foi contemplada com aporte financeiro de R$ 45 mil pelo Edital de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos (Edital 02/2014), da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF). A chamada pública tem o objetivo de financiar a execução de congressos, simpósios, workshops, seminários, ciclos de palestras e outros eventos, de abrangência local, regional, nacional ou internacional, relacionados à CT&I que contribuam para o desenvolvimento do DF.
 
Mais informações sobre o evento no site www.cdt.unb.br ou no facebook.
 
Feira de Negócios - A primeira edição do evento aconteceu em 2011 e reuniu 110 estudantes. A última edição contou com a presença de 1483 pessoas, entre alunos, empresários, investidores e visitantes. "Na terceira e quarta edições da Feira, tivemos investidores interessados em projetos de alunos, sendo que um grupo recebeu um investimento imediato no valor de R$30 mil", destacou a coordenadora do evento, professora Cristina Castro Lucas de Souza Depieri. De acordo com a professora, neste ano, investidores também participarão da feira, mas ela prefere revelar os nomes em data próxima ao evento.
 
Fonte: Agência de Notícias FAPDF
Juventude empreendedora
27/05/2014

Em uma sala do Pavilhão João Calmon da Universidade de Brasília (UnB), estudantes de diversas idades e cursos se debruçam sobre estratégias de marketing de uma grande marca, em busca de compreender como  possam aplicar estratégias para seus próprios projetos.

Desde o início do semestre, os alunos trabalham desenvolvendo planos de negócios, testam a viabilidade de suas ideias e procuram diminuir riscos. O nome da disciplina é Introdução à Atividade Empresarial (IAE), criada pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB) com o objetivo de disseminar a inovação e o empreendedorismo entre os alunos da UnB. A matéria é ofertada em todos os campi da Universidade, para todos os departamentos, e já teve cinco mil alunos matriculados desde sua origem, em 1996.

A disciplina IAE nasceu de uma demanda do governo de Fernando Henrique Cardoso, que estipulou que Instituições de Ensino Superior (IES) do Brasil incluíssem uma matéria sobre empreendedorismo. “A proposta é unir teoria e prática de forma a aproximar as universidades do mercado de trabalho”, explica a coordenadora da Escola de Empreendedores (Empreend) do CDT, Cristina Castro-Lucas.

A ideia foi bem recebida na comunidade acadêmica e as turmas de IAE foram aumentando seu público com o passar dos anos. Neste semestre, são 10 turmas presenciais e uma a distância, totalizando mais de 700 alunos matriculados – um aumento significativo em relação ao semestre passado, quando a matéria contou com 470 estudantes.

 

Oportunidade imperdível

O conteúdo de IAE se divide em quatro módulos: competência empreendedora, plano de negócio, plano financeiro e plano de marketing. No começo do semestre, os alunos formam grupos e desenvolvem uma ideia de negócio (de qualquer ramo), que será trabalhada ao longo do ciclo letivo. A instrutora de um dos módulos,  Karoll Ramos, defende que é uma importante oportunidade para jovens de todas as áreas. “Todo estudante que tiver interesse em abrir um negócio pode se beneficiar da disciplina. É uma grande chance para aprender noções de finanças e gestão, independente do curso que sigam”, opina.

A disciplina IAE atrai jovens de todos os cursos, que demonstram ter criatividade de sobra na hora de propor ideias de negócios. “Estamos desenvolvendo um aplicativo voltado para a área turística para cadeirantes. A matéria tem se mostrado útil. Exige muita dedicação, mas aprendemos bastante”, diz a aluna de Ciências da Computação, Lívia Soares, 20 anos. O estudante de Engenharia Mecânica, Gino Bertolucci, 23, também se mostrou empolgado com a disciplina: “Nosso projeto é um aplicativo de rede social onde as pessoas podem buscar eventos na cidade e votar quais são os melhores. Aprendemos muita coisa e estamos dando nosso melhor.”

Como trabalho final, as equipes de alunos apresentam o plano de negócios na Feira de Negócios e Inovação, evento organizado pelo CDT semestralmente, com o objetivo de proporcionar um espaço para que os estudantes troquem experiências. No final da Feira, os três melhores grupos que desenvolveram planos de negócios são premiados. “É uma oportunidade para que os grupos recebam feedback de professores e avaliadores e, inclusive, façam networking e tenham contato com investidores, que podem demonstrar interesse na ideia, como já aconteceu anteriormente”, acrescenta a Professora Cristina. Os alunos também estão de olho nessa oportunidade. “Nosso projeto é um sistema de avaliação de serviços de saúde. Estamos atrás de investidores que acreditem na nossa ideia”, diz o aluno de Medicina, André Valente, 19.

 

Cristina destaca a importância do contato dos alunos com conceitos de inovação e empreendedorismo, por meio de IAE. “A diversidade de jovens de diferentes departamentos em uma mesma sala de aula ensina a pensar diferente e a fazer networking. Os estudantes aprendem a planejar e calcular riscos, além de desenvolver competências para trabalhar em equipe”, diz a coordenadora. “IAE tem a missão de dar um diferencial competitivo aos nossos alunos, somando a expertise aprendida na Universidade à experiência de mercado.”

 

 

Abertas as inscrições para o Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador
21/05/2014

Edição deste ano terá etapas regionais. Objetivo é prestigiar incubadoras de empresas, parques tecnológicos, projetos de incentivo ao empreendedorismo e empresas graduadas e incubadas de todo o Brasil. 

Estão abertas, até o dia 21 de julho, as inscrições para o Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador. A premiação, que chega à 18a edição neste ano, tem novidades: será realizada em duas etapas: uma regional, classificatória, e outra nacional. Promovido pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), em parceria com o Sebrae, o Prêmio reconhece e prestigia projetos, incubadoras de empresas, parques tecnológicos e empresas graduadas e incubadas, que, por meio de suas ações, serviços e produtos, fortalecem o movimento do empreendedorismo inovador no país.
 
Serão premiadas instituições e empresas em seis categorias:
 
- Incubadora de empresas orientada para a geração e uso intenso de tecnologias (PIT)
 
- Incubadora de empresas orientada para o desenvolvimento local e setorial (DLS)
 
-  Parque científico e tecnológico (PCT)
 
- Projeto de promoção da cultura do empreendedorismo inovador (CEI)
 
- Empresa incubada (EI)
 
- Empresa graduada (EG)
 
A divisão do Prêmio em duas etapas tem como objetivo prestigiar e dar mais oportunidade de destaque aos agentes do movimento de todo o Brasil. Por isso, na primeira fase, a premiação reconhecerá, nas seis categorias, os parques, incubadoras, projetos e empresas das diferentes Regiões do país, que foram divididas em três: (i) Sul, (ii) Sudeste e (iii) Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Os vencedores da primeira etapa estarão, portanto, classificados para a fase nacional da premiação.
 
O resultado da etapa regional será conhecido no dia 25 de setembro deste ano, durante o XXIV Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, que ocorrerá em Belém (PA). Os vencedores da primeira fase do Prêmio receberão um certificado de premiação e o custeio para participação no Seminário, o que inclui, além da inscrição, passagem e acomodação na capital paraense.
 
Já os vencedores da etapa nacional serão revelados no dia 3 de dezembro de 2014, durante o Café da Manhã Anprotec & Parceiros, evento promovido anualmente pela Associação, em Brasília (DF). Os premiados na etapa nacional receberão troféus, certificados, passagens aéreas para viagens de estudos e negócios, além de R$ 60 mil em dinheiro (total distribuído entre os vencedores das seis categorias, conforme prevê o Regulamento).
 

Fonte: Anprotec 

UnB participa da Feira Internacional dos Cerrados
16/05/2014

A Universidade de Brasília expõe parte de sua produção acadêmica na edição 2014 da AgroBrasília. Desde a última terça-feira (13), a UnB ocupa um estande de 500m² no Parque Tecnológico Ivaldo Cenci, sede da feira internacional. O evento conta com a participação de mais de cem estudantes e professores que aproveitam a oportunidade para falar sobre os cursos de graduação e pós-graduação da UnB, bem como sobre as empresas juniores e os projetos de pesquisa e extensão. 

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) também participa da feira apresentando o Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT) - que esclarece ao micro e pequeno empresário dúvidas tecnológicas de baixa e média complexidade, com agilidade e praticidade, no prazo máximo de 20 dias - e a Agência de Comercialização de Tecnologia (ACT) - que atua promovendo a transferência das tecnologias de titularidade da Universidade de Brasília, desde a negociação com o setor produtivo, avaliação e valoração da tecnologia, até a formalização e gestão dos instrumentos jurídicos.  

A AgroBrasília acontece até amanhã (17). Confira abaixo a programação de oficinas e palestras oferecidas na feira:

Cooperação Institucional
15/05/2014

Um dos eixos de atuação do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) é a Gestão de Cooperação Institucional entre universidade, empresas, governo e sociedade. Esse pilar possibilita o desenvolvimento de produtos e serviços focados no ensino, inovação, tecnologias e na difusão do empreendedorismo, efetivados por meio do estabelecimento de parcerias, acordos e protocolos de colaboração com diversas instituições públicas e privadas, nacionais e internacionais.

Seguindo esse eixo, o CDT/UnB recebe frequentemente representantes das mais diversas instituições de ensino do Brasil e do mundo afora, onde os convidados podem conhecer in loco as ações e projetos que o consolidaram como um grande centro de referência em inovação tecnológica, incubação e empreendedorismo no país.

Duas dessas visitas aconteceram esta semana, onde o Diretor de Assuntos e Projetos Internacionais da Universidad del Rosario – Colombia, Eduardo Perafan e a Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Federal de Alagoas, Simoni Meneghetti, foram recebidos pelo Diretor do CDT/UnB, Professor Paulo Suarez.

Eduardo Perafan veio conhecer o Programa Empresa Junior, criado em 1993 para apoiar a criação e o desenvolvimento de empresas juniores da Universidade de Brasília, além de conversar sobre possíveis parcerias com a Universidade. O objetivo do Pró Jr. é estimular a capacitação e o amadurecimento de estudantes da graduação na prática do empreendedorismo.

Já Simoni Meneghetti vem de uma Universidade que também possui um Programa de Inovação Tecnológica (PIT) e acredita que as ações de incentivo de centros de desenvolvimento como o CDT/UnB são de grande importância para a comunidade acadêmica. “Como todas as universidades do país, nós temos iniciativas na área de inovação tecnológica, incubação e empreendedorismo, e o CDT sem dúvida é uma referência no país. É um centro de desenvolvimento tecnológico consolidado, e é muito importante que nós venhamos visitá-lo para verificar e aprender como esse sistema está sendo colocado de forma tão eficiente, competente e em andamento aqui na UnB”, afirmou a Pró-Reitora.

 

Janaína Ferraz, do Decanato de Extensão da UnB; Professor Paulo Suarez; Eduardo Perafan; e Jurema Barreto

Simoni Meneghetti e Paulo Suarez

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

Rede disponibiliza estrutura para pesquisadores
14/05/2014

Comunidade acadêmica pode utilizar a sala da Rede Global de Aprendizagem para o Desenvolvimento para seminários, debates e conferências internacionais

 
A comunidade acadêmica da Universidade de Brasília pode utilizar a sala da Rede Global de Aprendizagem para o Desenvolvimento (GDLN) para realizar seminários, debates e conferências e videoconferências internacionais.
 
A GDLN, parceria entre mais de 120 centros de ensino e aprendizagem em cerca de 80 países, é uma iniciativa do Banco Mundial e oferece serviços e estrutura para o intercâmbio do conhecimento produzido no âmbito acadêmico da universidade.
 
A sala tem capacidade para até 35 pessoas e abriga aparelhos de videoconferência de alta qualidade, notebooks, projetor, telas de projeção, estrutura para tradução simultânea, ar-condicionado e ramal telefônico.
 
No Brasil, a UnB é a única instituição a sediar, desde 2007, o ambiente físico da rede. “O objetivo é contribuir para o desenvolvimento social e econômico. O espaço pode abrigar até mesmo bancas de graduação ou pós, com a participação de professores de instituições de outros países”, afirma o coordenador do projeto, professor Bernardo Kipnis.  
 
O professor Fernando Paulino costuma utilizar videoconferência nas atividades de graduação e pós-graduação da Faculdade de Comunicação. "Uso a sala de videoconferência ou mesmo serviços como Skype. Já tivemos participações remotas de professores de países como China, EUA, Suécia, Portugal, Uruguai e Bolívia", conta.
 
Segundo Paulino, "otimizando recursos existentes, podemos aproveitar a tecnologia para estimular internacionalização e diversidade de perspectivas em atividades de ensino, pesquisa e extensão".
 
Serviço
A sala da GDLN está localizada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - Campus Universitário Darcy Ribeiro, no Edifício CDT.
Para utilizar a sala, é necessário fazer agendamento prévio por meio do email
gdln@cdt.unb.br ou pelo telefone 3107-4125
 
Fonte: UnB Agência 

 

UnB recebe intercâmbio de estudantes e professores americanos
13/05/2014
O Projeto Global Skills é uma parceria entre a UnB e a University of Northern Iowa e contará com duas semanas de palestras e atividades
 
Aproximar comunidades acadêmicas do Brasil e dos Estados Unidos e criar um ambiente fértil para o desenvolvimento de novas ideias é a missão do Programa de Intercâmbio de Curta Duração Global Skills, parceria entre a University of Northern Iowa (UNI) e a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de Brasília (FACE/UnB). O evento acontecerá entre os dias 19 e 30 de maio, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e contará com a presença de alunos, professores e representantes de diversas instituições. Além de Brasília, o programa  também passará por Manaus e Caldas Novas, ainda neste mês.
 
Alunos e professores da UNI e da UnB – além de integrantes das empresas incubadas no CDT – poderão participar de duas semanas de atividades, que abrangem cursos e palestras sobre cultura brasileira e língua portuguesa, desenvolvimento sustentável, energias renováveis, negócios internacionais e comércio entre Brasil e Estados Unidos, entre outros. Também estão previstas visitas de estudo às unidades do campus da UnB, ministérios federais, museus e eventos culturais. “O objetivo do Global Skills é fortalecer parcerias de intercâmbio, melhorar o conhecimento e capacidade do aluno para trabalhar e estudar em uma variedade de ambientes globais, com ênfase no Brasil nesta visita de estudos”, explica Rosângela Medeiros, da Gerência de Desenvolvimento Empresarial do CDT.
 

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

 

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
 
Acontece no CDT
12/05/2014
Na tarde da última sexta-feira (9), o CDT/UnB recebeu mais uma edição da Estação Empreendedorismo. O tema deste mês foi Simulação de negócios em computador: criação, gestão e inovação em empreendimentos e a palestra foi conduzida pelo sócio fundador da Sociedade Brasileira de Dinâmica de Sistemas, professor e consultor empresarial Niraldo Nascimento.
 
A palestra abordou a Dinâmica de Sistemas, campo de estudo criado no Massachussetts Institute of Technology (MIT), como ferramenta para a construção de modelos de negócios.
 
Confira as fotos:
 
 
 
 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

CDT participa de evento sobre empreendedorismo em Portugal
09/05/2014

Disseminar a cultura empreendedora entre os jovens é um dos principais objetivos do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Como parte dessa missão, o órgão participará do 7° Treino Intensivo de Liderança (TIL), organizado pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE - Portugal). O evento acontece entre os dias 19 e 23 de maio na Academia Militar Portuguesa, em Lisboa.

A coordenadora da Escola de Empreendedores, Cristina Castro, representará o CDT no TIL e ministrará uma palestra com o tema “O empreendedorismo no Brasil: Novas oportunidades para os jovens empresários”. O evento tem o objetivo de formar, preparar e testar líderes empresariais de sucesso, recorrendo aos rigorosos métodos pedagógicos da Academia Militar. Durante cinco dias, entre atividades teóricas e práticas, indoor e outdoor, gestores e executivos experienciarão estratégias e processos de formação das chefias militares.

Alguns dos temas trabalhados serão:

- Gestão de stress;

- Gestão de conflitos e gestão de equipes;

- Gestão do conhecimento;

- Inteligência emocional e autocontrole;

- Motivação, influência e persuasão;

- Comunicação assertiva;

- Planeamento e estratégia; 

- Processos de tomada de decisão. 

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Estação Empreendedorismo aborda dinâmica de sistemas
05/05/2014

Mais uma Estação Empreendedorismo acontece no próximo dia 9, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e traz ao público os últimos assuntos e debates sobre negócios e inovação. O tema da edição deste mês é Simulação de negócios em computador: criação, gestão e inovação em empreendimentos. A palestra será conduzida pelo sócio fundador da Sociedade Brasileira de Dinâmica de Sistemas, ex-presidente do Capítulo Brasileiro da System Dynamics Society, professor e consultor empresarial Niraldo Nascimento.

A palestra abordará a Dinâmica de Sistemas, campo de estudo criado no Massachussetts Institute of Technology (MIT), como ferramenta para a construção de modelos de negócios. “Serão apresentados diferentes modelos, teóricos e práticos, demonstrando como a simulação computarizada pode auxiliar na definição de negócios, solução de problemas, elaboração de cenários e gestão de riscos”, explica Niraldo.

 

Serviço:

Estação Empreendedorismo

Dia 9 de Maio, às 13h

Auditório do CDT/UnB

Entrada franca

Mais informações: empreend@cdt.unb.br | (61) 31074108

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Acesso à Justiça: MJ e UnB promovem oficina
02/05/2014
 
A Secretaria de Reforma do Judiciário realizará a 1º Oficina “Indicadores Nacionais de Acesso à Justiça”. O evento acontece no dia 20 de maio, a partir das14h, no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), e vai reunir autoridades da academia e atores do Sistema de Justiça. A ideia é que os representantes possam auxiliar o Ministério da Justiça (MJ) a definir os rumos do desenvolvimento dos Indicadores de Acesso à  Justiça, lançados em 2013 e disponíveis no site http://www.acessoajustica.gov.br/.
 
O Índice Nacional de Acesso à Justiça foi elaborado a partir de metodologia desenvolvida pelo MJ, em parceria com a UnB, para a construção do Atlas de Acesso à Justiça. O Atlas é um portal de serviços públicos, que ajuda os usuários a identificar e a localizar as unidades do Sistema de Justiça do Brasil de modo georreferenciado, considerando as dimensões judicial, essencial e extrajudicial. Atualmente, dois indicadores de acesso e quatro indicadores sobre o sistema de Justiça estão disponibilizados. 
 
A prioridade da Secretaria de Reforma do Judiciário é promover o acesso à justiça por meio do fortalecimento de políticas públicas, por este motivo vai mobilizar a comunidade acadêmica para discutir o tema. Ao incorporar novos elementos para mensurar o fenômeno de acesso à justiça, é possível ampliar as políticas de acesso.   
 
Palestrantes da UnB, IPEA, CNJ e autoridades acadêmicas que trabalham com o tema vão expor e debater sobre conceitos básicos, elementos de medição, valoração e formulação de indicadores. O evento é aberto e tem como público-alvo a comunidade acadêmica, incluindo alunos de graduação e pós, professores e pesquisadores. A intenção é de que todos possam contribuir para o debate. A oficina tem como meta três objetivos:
 
Discutir e validar conceitos utilizados, em especial os de Acesso à Justiça e Sistema de Justiça; 
Revisar os indicadores, avaliando os impactos dos índices propostos pelo Ministério da Justiça e a incorporação de elementos de medição;
Coletar contribuições de acadêmicos das áreas de Direito, Ciências Sociais, Ciência Política, Gestão Pública, Informação e Tecnologia.
 
As contribuições sobre os temas do acesso à Justiça, medição do acesso à Justiça, desafios técnicos e tecnológicos serão coletadas durante a oficina e por seleção pública de artigos. Os textos selecionados serão publicados pelo Ministério da Justiça e utilizados na elaboração da 2ª edição dos indicadores de acesso, que será lançada em novembro de 2014.
 
Serviço
1º Oficina “Indicadores Nacionais de Acesso à Justiça”
Data: 20/05
Horário: 14h
Local: Auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) – Campus Universitário Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília – Edifício CDT 
 
Fonte: Secretaria de Reforma do Judiciário – Ministério da Justiça
Inovação: Celeiro de ideias
01/05/2014
Incubadoras de empresas ligadas a universidades ajudam estudantes a tirar projetos inovadores do papel e contribuem para o cenário empreendedor do Distrito Federal, que tem 28 negócios nesses centros
 
 
Aproximar o conhecimento acadêmico da realidade de mercado, desenvolver a mentalidade empreendedora entre os estudantes e contribuir economicamente para o desenvolvimento social são os objetivos de incubadoras de empresas ligadas a universidades. O serviço oferece infraestrutura, suporte gerencial e formação complementar para a criação de pequenas e microempresas. No Distrito Federal, quem pretende colocar um projeto inovador para funcionar encontra três centros vinculados a instituições de ensino para propor a ideia.
 
É nesse contexto de estimular o desenvolvimento no DF e incentivar os estudantes a montarem o próprio negócio que a Agência de Inovação e Empreendedorismo da Universidade Católica de Brasília (UCB) se insere. Lançada em 27 de fevereiro, a iniciativa pretende, por meio da extensão tecnológica, gerenciar as atividades e o diálogo entre o mundo acadêmico e as economias locais. “Tínhamos setores dentro da universidade que poderiam ajudar nesses casos, como os de tecnologia, jurídico e gestão, mas que precisavam de algo para organizar as competências. A agência foi criada para cuidar da incubação, de patentes de pesquisa e do diálogo entre academia, população e investidores”, esclarece o reitor da UCB, professor Afonso Celso Galvão.
 
Segundo o reitor, a agência será o primeiro passo para a criação do parque tecnológico da universidade, planejado desde 1999. Ele afirma que há procura e expectativas tanto de estudantes quanto do mercado local, interessados no desenvolvimento de empresas articuladas a outras áreas no Brasil e no exterior. “O objetivo é gerar negócios grandes, com oferta de emprego, e colocar em prática o papel universitário de difundir melhorias para a população”, explica.
 
A UCB já contava com a Incubadora Tecnológica de Empresas (Itec) e o serviço ficará mais completo com a chegada da agência, que vai gerenciar os serviços de incubadoras e outras atividades, como registro de patentes e captação de investimentos. Willem Willy Barbosa, 30 anos, e Gilson Eneas, 38, são exemplos de empreendedores que aproveitaram os benefícios do acesso ao conhecimento e recursos das universidades. Alunos egressos da UCB, a dupla é fundadora da Ecomapa, empresa de engenharia ambiental. Eles contam que a busca por apoio junto à Itec foi essencial para o desenvolvimento do negócio. “Começamos como autônomos. Em 2009, apresentamos um plano de negócios e fomos aceitos na incubação. Foi um passo importante, principalmente para nos guiar em aspectos como marketing, contabilidade e assessoria jurídica”, conta Gilson. 
 
Willem esclarece que o apoio do espaço universitário e de investidores ligados ao centro ajuda na hora dos negócios. “Isso passa uma certa segurança para os clientes, não só em relação à estrutura física, mas a experiências também”, diz. Hoje, os empresários optaram por não se graduarem ainda devido às futuras possibilidades que a agência pode oferecer. “Decidimos tentar mais um ano de incubação para absorver essas mudanças”, afirma Willem.
 
Crescimento
As incubadoras ajudaram a reduzir a taxa de mortalidade de novos negócios no Brasil. Segundo relatório do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o trabalho junto a essa iniciativa reduziu de 49% para menos de 20% o fim prematuro de projetos inovadores. No DF, a primeira empreitada no ramo foi com a multincubadora do Centro de Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), em 1989. Na avaliação da coordenadora do projeto, Jurema Barreto, o objetivo de aproximar a área de pesquisa da universidade ao ramo empresarial rendeu bons frutos. “Conseguimos desenvolver noções necessárias de mercado em quem tem vontade de competir, mas ainda precisa de um certo conhecimento técnico de gestão”, diz. Para a coordenadora, o aumento na procura pelas incubadoras e os investimentos públicos e privados nesse setor demonstram o interesse geral de se apostar em atividades inovadoras.
 
 
 
A vontade de entregar mais uma chance de crescimento profissional aos estudantes foi o conceito motivador para a criação da Incubadora de Empresas do UniCeub, a Casulo, fundada em 2003. A gestora do programa, professora Érika Lisboa, conta que inicialmente o foco era apoiar projetos da comunidade interna do centro de ensino. Entretanto, com o aumento da demanda, a incubadora decidiu abrir as portas também para o público externo. “Percebemos que havia produção de ideias em salas de aula que acabavam se perdendo. Com a Casulo, procuramos apoiar a criação de negócios inovadores que podem ser estendidos para toda a sociedade”, esclarece.
 
Sheila Oliveira Pires, superintendente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), afirma que o fato de as incubadoras estarem vinculadas aos centros de ensino superior no DF — exemplo que se repete em outras partes do Brasil — é um diferencial para difundir a produção de conhecimento acadêmico na sociedade, assim como a promoção de uma mentalidade voltada para o mercado entre os estudantes. Além disso, ajuda a modificar o perfil e os serviços das instituições. “Normalmente se cita o exemplo da UnB devido ao fator histórico, mas a Casulo e a Itec também demonstraram êxito na prática. Esses três centros também oferecem oportunidades em setores diferentes, como o polo de tecnologias, desenvolvimento social e empreendimento solidário”, analisa.
 
Próximo passo
Em um âmbito mundial, Sheila destaca que o Brasil não fica atrás de outras potências quando o assunto é incubação de empresas. “Somos referência na geração de postos de trabalho e, em alguns casos, apresentamos média maior que a de outros países no número e na maturidade do acompanhamento oferecido”, exemplifica. Segundo levantamento feito pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o país conta com 384 incubadoras, que abrigam um total de 2.640 empresas instaladas e geram 29.205 postos de trabalho (veja o quadro).
 
Embora o contexto seja favorável para empreendedores, ainda existem desafios a serem travados. Para Jurema Barreto, da multincubadora da UnB, o próximo passo é oferecer um serviço direcionado para cada tipo de projeto. “O trabalho feito em uma empresa de tecnologia da informação, que requer resultados rápidos, é diferente daquele em uma empresa de nano ou biotecnologia, que requer um tempo maior de produção, e isso é algo a ser levado em conta”, esclarece. Érika Lisboa, da Casulo, acredita que o desafio a ser superado é alinhar o serviço às necessidades atuais de mercado. “Hoje em dia, os modelos de negócios são de empresas que têm o intuito de faturar milhões com abordagem mais arriscada, bem diferente daquela de empreendimentos tradicionais e mais contidos. Muitas incubadoras parecem ter parado no tempo e não se atentaram a essas mudanças”, opina.
 
Palavra de especialista
 
Elo mantido
Cada vez mais surgem incubadoras fora das universidades também, mas, quando elas se encontram dentro dos centros de ensino superior, há a possibilidade de fechar a lacuna que existe entre aquilo que aprendemos durante a graduação e as demandas do mundo. Se a gente consegue completar esse vácuo entre os dois meios ainda na faculdade, fica mais fácil compreender que o conhecimento transmitido foi realmente útil. Infelizmente, ainda há muita gente que se gradua sem se dar conta da função real daquilo que aprendeu em todos aqueles anos. Entretanto, é bom lembrar que existem também incubadoras que não possuem ligações com a universidade e outras que aceitam tanto estudantes quanto a população externa. Acredito que essa diversidade de mundos seja algo muito bom para quem quer inovar e fazer a diferença, pois diversidade é fundamental para empreender.
Bel Pesce, empreendedora e autora do livro A menina do Vale (Casa da Palavra; 160 páginas; R$ 19,90)
 
“O objetivo (da agência de inovação) é gerar negócios grandes, com oferta de emprego, e colocar em prática o papel universitário de difundir melhorias para a população”
Afonso Celso Galvão, reitor da UCB
 
Fonte: Correio Braziliense
Jogo para empresas incubadas simula decisões enfrentadas por gestores de pequenas e médias empresas
30/04/2014
Estão abertas as inscrições para o jogo Avance!, que simula a vivência de gestores de uma pequena ou média empresa em um mercado disputado por vários concorrentes. Podem participar equipes de empresas incubadas ou graduadas em incubadoras de empresas e parques tecnológicos associados à Anprotec. As inscrições podem ser feitas até o dia 30 de maio, no site do Avance!
 
O jogo, que está em sua segunda edição, foi idealizado pela Anprotec em parceria com o Sebrae e será executado pela Incubadora de Empresas da COPPE/UFRJ. Em cada rodada, serão criadas situações que propiciem a aprendizagem de conceitos e de processos de gestão, necessários à tomada de decisões relativas à estratégia, produção, distribuição, marketing, finanças, inovação, internacionalização e recursos humanos. 
 
A equipe que obtiver a maior pontuação na fase final será considerada vencedora e receberá um prêmio em dinheiro de R$10 mil.
 
A versão piloto do Avance! foi destinada apenas às equipes de gestão de parques tecnológicos e incubadoras de empresas. O objetivo foi apresentá-los à plataforma e qualificá-los para que, a partir de agora, possam orientar e incentivar os empresários de seus ambientes. 
 
O jogo
O Avance! é composto por ciclos de tomadas de decisões e análises de resultados. As empresas serão avaliadas e, no final da competição, a que tiver correspondido melhor aos critérios preestabelecidos será premiada. Cada equipe receberá um login para acessar a área restrita da página oficial do jogo, onde será feita a comunicação oficial entre os participantes e a coordenação, e onde estarão disponíveis ferramentas como a agenda de tarefas e o quadro de avisos.
 
A competição será composta por duas fases: a classificatória e a final. A cada rodada, as equipes terão de tomar decisões e receber os resultados para se habilitarem a participar das rodadas seguintes. O jogo utilizará um software de gerenciamento que, durante a competição, avaliará as decisões das equipes em ambientes que simulam o funcionamento do mercado. Essas decisões serão comparadas com as dos concorrentes, o que resultará em uma pontuação para as equipes ao final de cada rodada de decisão.
 
Um representante de cada um das três melhores equipes da fase final será convidado a participar do XXIV Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, em Belém (PA), com as despesas de alimentação, transporte e hospedagem custeadas pela Anprotec. O resultado da fase final será divulgado durante o evento.
 
Para consultar o regulamento completo e fazer sua inscrição, acesse o site oficial do Avance!.
 
Fonte: Anprotec
 
 
Palestra
30/04/2014

O mundo através do Google Glass: tecnologia, inovação e coragem, foi o tema de mais um encontro promovido pela Confraria da Inovação, que aconteceu na tarde desta terça-feira (29), no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). O convidado desta edição, professor Paulo Edson, tratou sobre os diversos aspectos da tecnologia do Google, como design, programação, estratégia de marketing e as potencialidades do produto.

O Google Glass é um acessório em forma de óculos que possibilita a interação dos usuários com diversos conteúdos em realidade aumentada. Também chamado de Project Glass, o eletrônico é capaz de tirar fotos a partir de comandos de voz, enviar mensagens instantâneas e realizar videoconferências.

“O principal conceito dele é ser relevante e atual”, afirma o professor. “No Brasil, nós ainda não temos acesso a essa tecnologia, mas a minha ideia é divulgar para que nós consigamos chamar atenção das empresas que desenvolvem dispositivos de tecnologia aumentada para o nosso mercado e, assim, desenvolver ainda mais a nossa sociedade em termos sociais e tecnológicos”, completa.

Ele afirma também que a tecnologia pode ser usada das mais diversas formas, como no estudo da medicina, nas instituições de ensino e até mesmo pelo Corpo de Bombeiros no atendimento a ocorrências. “As aplicações são infinitas, o que eu quero fazer é incentivar as pessoas a conhecerem mais o Google Glass e chamar  atenção pra essa tecnologia que é o futuro”.

 

Aplicativo

No Momento Startup, foi a vez do empresário Rafael Palma apresentar seu aplicativo AquiÓ, um facilitador diário que localiza, próximo ou não ao usuário, informações de eventos, ofertas e empresas. O aplicativo funciona no mundo inteiro pela integração que possui com o Google Place e, por enquanto, localiza informações de eventos em Brasília e Goiânia.

“O diferencial desse aplicativo é que tudo que você pesquisa, você vai encontrar”, destaca Rafael. “Hoje em dia, a dificuldade que todo mundo tem é pesquisar uma coisa na internet e muitas vezes não achar o endereço ou o telefone. Nele você encontra tudo que precisa e com todas as informações do estabelecimento, como a localização, por exemplo”, explica.

O AquiÓ foi lançado em novembro de 2013 e já conta com aproximadamente 12 mil usuários e 450 clientes (anunciantes). O valor do anúncio para empresas varia de 300 a 600 reais no plano anual e para os usuários é gratuito. Está disponível na plataforma IOS e Android. 

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 
Empresa farmacêutica prospecta tecnologias na UnB
29/04/2014

Universidades não são apenas centros de ensino, mas também celeiros de inovadoras tecnologias, que podem trazer inúmeros benefícios para a população. A Universidade de Brasília (UnB) não fica fora dessa afirmativa. Na última sexta-feira, a empresa de medicamentos genéricos Prati-Donaduzzi visitou o campus Darcy Ribeiro a procura de novas pesquisas que tenham potencial de mercado.

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da UnB (CDT/UnB) recebeu o representante da Prati-Donaduzzi Helder Colmenero, que assistiu a apresentações de pesquisadores da UnB, com o objetivo de prospectar novas tecnologias para a empresa nas áreas de endocrinologia, oncologia e dermatologia, entre outras. “Já visitei Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) dentro de outras universidades no Brasil e posso afirmar que o da UnB é, se não o maior, o mais experiente de todos”, elogiou Colmenero.

Os professores que participaram das apresentações também se animaram com a vinda da Prati-Donaduzzi. “Nunca tinha visto uma iniciativa como esta. Geralmente, o contato que temos com as empresas é apenas em corredores de congressos, por exemplo”, disse o professor do Departamento de Biologia Celular da UnB Fernando Araripe.

Segundo Colmenero, depois da visita realizada, será elaborado um relatório técnico que elencará as diferentes tecnologias nas quais a empresa tem interesse, a partir do qual serão desenhados projetos de colaboração com os pesquisadores. Estes serão contatados pela Prati-Donaduzzi em até 30 dias. “Mesmo que as tecnologias apresentadas durante a visita não sejam escolhidas, queremos manter o vínculo com todos os pesquisadores, no caso de colaborações futuras”, acrescenta Colmenero.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Quali-A ganha edital para desenvolver plataforma digital
28/04/2014

Nos dias de hoje, rapidez e agilidade é um dos maiores diferenciais que pode ser oferecido no mercado. Com vistas nessa demanda, a empresa de consultoria em construção civil Quali-A, que trabalha com conforto ambiental, eficiência energética e emissão da Etiqueta Procel (Eletrobrás) para edificíos, está desenvolvendo uma plataforma digital que ajudará a dinamizar significativamente a oferta do serviço. Este mês, a Quali-A – incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) desde 2013 – ganhou um edital do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), que disponibilizará pesquisadores e especialistas para que auxiliem no projeto.

O Programa de Formação de Recursos Humanos em Áreas Estratégicas (RHAE/CNPq) é coordenado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e tem o objetivo de apoiar pesquisas que contribuam para o desenvolvimento do país, por meio da aproximação entre a comunidade acadêmica e empresas privadas. A Quali-A concorreu ao edital da iniciativa em dezembro do ano passado e foi aprovada este mês. Serão contratados doutores, mestres, graduandos e profissionais de TI, por um período total de dois anos.

De acordo com uma sócia da Quali-A, Júlia Fernandes, as expectativas para o projeto são grandes. “Como a etiquetagem no Brasil é muito nova, existe a carência de instrumentos e ferramentas que dinamizem o processo, principalmente para atender a grande demanda que existirá quando se tornar obrigatória. A indústria da construção civil busca cada vez mais otimização, e a etiquetagem precisa se adaptar a esta realidade. Uma plataforma digital pode facilitar muito”, comenta.  “As três sócias da empresa são pesquisadoras do Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética (LACAM) da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da UnB, e por isso valorizamos as inciativas de tornar práticos os conhecimentos acadêmicos. Nós temos o conhecimento técnico na área de etiquetagem e pesquisadores de outras áreas complementarão para uma visão multidisciplinar no desenvolvimento da ferramenta.”

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Parque Tecnológico abre edital para quatro novas salas
28/04/2014

Uma oportunidade para o desenvolvimento de empresas inovadoras. Esta é a proposta do Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Brasília (PCTec-UnB), que publicou edital este mês para a licitação das primeiras salas do complexo. São quatro áreas de 50 m2, localizadas no prédio do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da UnB (CDT/UnB). Empresas interessadas em concorrer já podem enviar a documentação especificada no edital, disponível aqui.

O processo de seleção terá duas etapas, como explica o coordenador do PCTec, professor Herbert Kimura. "A primeira é a de pré-qualificação, durante a qual serão avaliadas as propostas de acordo com as exigências do edital. Na segunda fase, as empresas que apresentarem a melhor oferta obterão a concessão do espaço. O contrato é de até 60 meses, podendo ser prorrogável", esclaresce. O contrato é de até 60 meses, podendo ser prorrogado.

Além da concessão do uso da sala, as empresas também terão direito a uma série de outros benefícios, como detalha o diretor do CDT, professor Paulo Anselmo Ziani Suarez. “O PCTec constitui um ambiente propício à inovação, aproximando áreas de pesquisa e desenvolvimento de empresas com o conhecimento e a expertise da comunidade acadêmica. A interação com alunos, professores e laboratórios da Universidade de Brasília é uma das vantagens para as empresas”, afirma.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Brasília recebe maior evento de conteúdo Mobile da América Latina
25/04/2014
Durante dois dias, a tecnologia e o empreendedorismo digital tomarão conta da capital federal. Nos dias 25 e 26 de abril, Brasília receberá a 2a edição do Brazilian Applications Seminar – BRAPPS, maior evento da América Latina que reúne de uma só vez palestras, feira de exposição, startups, hackathon e ações de empreendedorismo digital.
 
Além de ser o 3o maior país no mundo em número de empreendedores, o Brasil tem se destacado tecnologicamente e atraído capital de diversos investidores. Fundos internacionais de investimentos buscam, no país, startups para aplicar seus recursos. Com o mercado aquecido e em constante evolução, o BRAPPS proporcionará a oportunidade de o público conhecer tendências, cases e produtos, além de aproximar e apoiar as negociações entre empreendedores e investidores. 
 
David Politanski, gerente de Desenvolvimento de Negócios para Parcerias Estratégicas do Google, é um dos palestrantes do BRAPPS e está animado para dividir sua experiência com os jovens brasileiros. “Sou responsável por desenvolver novos negócios dentro do Google, muitas das novas parcerias que estabeleço são com jovens empreendedores que acreditam em seu projeto e conseguem gerar uma alta receita com o mesmo, por isso os jovens têm que acreditar em seus projetos digitais, pois há muito espaço no Brasil para crescer nesta área”, afirma David.
 
Entre os painéis que serão apresentados nos dois dias de evento, os organizadores destacam alguns temas: 
 
- Monetização de Apps.
- M-Payment / Qual será o futuro da carteira?
- Métricas e aquisição de clientes online.
- Pensar Global e Agir Local - Como aproveitar as oportunidades e tendências no mundo mobile.
- Empreendedorismo Digital e Investimentos. 
- A verdade por trás dos devices mobile!
- Cloud Computing for Mobile.
- Publishers Mobile: Vantagem ou Cilada?
- Programas de apoio a startups.
- Novos Negócios Inovadores.
- Mobile Marketing na América Latina.
- O desafio de escalar uma startup mobile.
 
O evento também contará com a Feira de Exposições, espaço para as empresas apresentarem seus produtos e serviços ao público participante, e com a área de 
Startups/Hackaton, sendo que na área de Startups, as 100 escolhidas de todo Brasil, terão a oportunidade de demonstrar suas soluções em estandes e a concorrer R$20 mil em dinheiro e pacote de viagem para o Vale do Silício. Já na área da Hackathon, que terá 48 horas de duração, o objetivo é criar um aplicativo mobile, seguindo o tema “Cidades Inteligentes”.
 
“O BRAPPS proporciona a oportunidade do público conhecer tendências, cases e produtos, além de ser feito em um ambiente que facilita a aproximação e a geração de negócios entre empreendedores e investidores.”, afirma Matheus Vianna, CFO do Grupo Latin, responsável pela realização do BRAPPS. 
 
Com curadoria da Associação Brasileira de Startups, sendo Pedro Sorrentino o curador de conteúdo internacional e Guilherme Junqueira o curador de conteúdo nacional, palestrantes nacionais e internacionais trarão conteúdos exclusivos e diferenciados aos participantes do evento. Facebook, Twitter, Google, Microsoft, Viber e Kekanto, são algumas das empresas que já confirmaram presença no evento. 
 
Os interessados em participar do evento, podem adquirir seu ingresso por meio do site: www.brappsbrasil.com
 
Fonte: Brapps Brasil
Terça da Inovação abordará o financiamento de projetos da FAPDF
25/04/2014
O Financiamento de Projetos na Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF) será um dos destaques da Terça da Inovação: Financiando Projetos Inovadores, na próxima terça-feira (29), às 19h, no auditório da Câmara Legislativa (CLDF). A ideia é apresentar e instruir todos os setores da economia sobre como obter recursos para projetos.
 
Na oportunidade, o presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF), Alexandre Gouveia, apresentará as formas de financiamento da FAPDF. O apoio abrange desde a pesquisa básica, inovações tecnológicas, desenvolvimento de produtos, serviços e eventos, dentre outros processos. 
 
Para o diretor-presidente da FAPDF, “muitos projetos inovadores não são desenvolvidos por falta de conhecimento de como buscar apoio financeiro. Esse espaço é importante porque permite orientar a sociedade ”, explica Gouveia. 
 
O evento também discutirá sobre o Crowdfunding – termo usado para designar iniciativas de financiamento colaborativas - e o papel dos Anjos do Brasil, ministrados pela diretora da Mutopo, Marina Miranda e pelo conselheiro da instituição Anjos do Brasil, Augusto Ferraz, respectivamente. 
 
O gestor regional do Fundo Criatec2 e diretor da Garan Ventures, Rafael Moraes, explicará sobre Venture Capital no Brasil. Por último, a palestra Financiamento de Projetos na Esfera Pública será abordado por um representante da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). 
 
A Terça da Inovação é um projeto do Instituto Illuminante voltado para a promoção de encontros, reflexão e debates sobre inovação. 
 
As inscrições são gratuitasConfira a programação.
 
 
Fonte: Agência de Notícias FAPDF

 

Prêmio MPE Brasil 2014 abre inscrições
18/04/2014
O Prêmio de Competitividade às Micro e Pequenas Empresas – MPE Brasil já abriu a rodada de inscrições para a edição 2014. Promovida pelo Sebrae Nacional, Movimento Brasil Competitivo (MBC) e Gerdau, com apoio técnico da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), a iniciativa reconhece conceitos inovadores e boas práticas de gestão em diversos setores da economia. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até 1º de agosto pela internet ou nos pontos de atendimento do Sebrae espalhados pelo país.
 
As organizações concorrentes são avaliadas pela qualidade da administração e capacidade inovadora, por meio da utilização do questionário de autoavaliação, tendo como base o Modelo de Excelência da Gestão (MEG), da FNQ. Mais do que ter o amadurecimento do seu negócio quantificado, a participação no prêmio incentiva a adesão a análises mercadológicas e a visualização de oportunidades em diferentes nichos.
 
Além de receber um relatório personalizado com pontos fortes e a indicação de oportunidades de melhoria na gestão, os empreendimentos inscritos participam de seminários de excelência realizados em seu estado e têm a oportunidade de aumentar a competitividade e melhorar seus produtos e serviços, contribuindo para o desenvolvimento econômico da sua comunidade.
 
O volume de empresas interessadas em melhorar sua gestão em 2013 foi 10% superior ao registrado no ano anterior, reforçando a continuidade na busca pela excelência da gestão por parte dos gestores de pequenos negócios. Ao todo, mais de 560 mil empresas já foram impactadas diretamente pelo prêmio. Conheça e se inspire com a história das vencedoras nacionais em www.premiompe.sebrae.com.br.? 
 
Estão aptos a concorrer empreendimentos com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões. Composto por oito categorias (Indústria, Comércio, Agronegócio, Turismo, Tecnologia da Informação, Saúde, Educação e Serviços, além dos destaques em Responsabilidade Social e Inovação), o MPE Brasil funciona, ano após ano, como incentivo às micro e pequenas empresas brasileiras, reconhecendo a importância e os resultados alcançados com a utilização dos conceitos de gestão, excelência e qualidade.
 
Para participar, é preciso preencher o questionário de autoavaliação, uma metodologia padronizada nacionalmente. Após concluir o processo, as organizações com melhor desempenho recebem a visita de avaliadores capacitados e são submetidas a uma banca técnica. Se premiadas em seu estado, passam a disputar com organizações de todo o Brasil em cada categoria. As ganhadoras ganham o direito de utilizar a marca MPE Brasil e são reconhecidas como exemplo de sistema de gestão alinhado aos princípios de excelências mundiais. 
 
Mais informações:
Assessoria de Imprensa Sebrae
(61) 3243-7851
(61) 3243-7852
(61) 2104-2768
(61) 2104-2770
imprensa@sebrae.com.br
 
Fonte: Agência Sebrae de Notícias
Universidade de Brasília lança editais de fomento
16/04/2014
A Universidade de Brasília, por meio do Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP), lançou três editais de apoio a pesquisas. Dois deles visam ao apoio à iniciação científica e o outro à publicação de pesquisas desenvolvidas na universidade.
O Edital FUB/UnB/DPP 01/2014 tem por objetivo apoiar a publicação de resultados de pesquisas realizadas nos programas de pós-graduação em revistas e periódicos científicos classificados no Qualis/CAPES, preferencialmente nos extratos B2 a A1, bem como em livros em que o solicitante seja autor ou organizador. O valor total disponibilizado pelo certame é de R$ 300.000. O edital completo pode ser conferido aqui
 
Os editais dos programas de iniciação científica PIBIC/CNPq e PIBITI/CNPq têm vigência para o período 2014 – 2015 e possuem recursos oriundos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e de contrapartida oferecida pela universidade.
 
O PIBIC busca despertar a vocação científica e desenvolver talentos para a pesquisa, mediante a participação de estudantes de graduação em projetos de pesquisa. Já o PIBITI destina recursos para contribuir para a formação e para o engajamento de docentes e discentes em atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação.
 
Mais informações sobre os editais, assim como formulários de inscrição e cronograma de atividades, podem ser obtidas nas páginas do DPP e do PROIC na internet.
 
Fonte: UnB Agência 
Criatividade aplicada a gestão é tema do Estação Empreendedorismo
14/04/2014

Em palestra ministrada na tarde desta sexta-feira (11), no CDT/UnB, o presidente da empresa júnior Lamparina Design, Bruno da Cunha, mostrou como fazer da criatividade uma vantagem competitiva para uma empresa. O encontro aconteceu em mais uma edição do Estação Empreendedorismo.

Bruno demonstrou, por meio de ferramentas e conceitos, como uma cultura de design pode impactar uma empresa, defendendo também que, no contexto atual, onde o consumidor está mais exigente perante tantas opções, a informação/comunicação é poder. 

A Estação acontece uma vez por mês, sempre às sextas-feiras, a partir das 13h, para que os estudantes da Universidade de Brasília e demais faculdades possam participar. Confira as fotos:

 

 

 

 

 

 

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Heartbleed: vulnerabilidade crítica afeta segurança ao usar sites na internet
11/04/2014
Na última segunda-feira (7), foi amplamente divulgada a vulnerabilidade de sistemas batizada de Heartbleed. A falha de software permite a hackers recuperarem informações da memória de sites na internet e, a partir delas, ter acesso a dados confidenciais como senhas e cartões de crédito de usuários. 
 
A vulnerabilidade pode ser explorada para espionar todas as informações transmitidas de um computador para algum site na internet, e até mesmo para ter acesso a dados já armazenados nos sites.  E as chances dessa vulnerabilidade ser explorada por malfeitores são amplas, já que dois terços dos serviços protegidos da web usam essa forma de proteção: bancos, e-mails, chat e até redes de empresas e governos usam o OpenSSL.
 
A falha que permite esse tipo de invasão foi encontrada no software OpenSSL, implementação em código livre das bibliotecas de segurança SSL e TLS. Sites como Google, Facebook, Yahoo e LinkedIn divulgaram comunicados onde reportam que seus sistemas podem ter sido atingindos pela falha.
 
Como se proteger
Segundo Roberto Braga, especialista de segurança da empresa IPe Engenharia de Redes, há pouco que usuários normais de sites podem fazer. "A maior recomendação que damos para esses usuários é trocar com urgência a senha de serviços online como e-mail e redes sociais”. Desta forma, esses usuários estarão protegidos mesmo se os sites que usam forem alvos de ataques.
 
Para os administradores de sites, a recomendação de Roberto é mais específica. “Para quem mantém um site, é necessário fazer a troca dos certificados de segurança - os “cadeados” que atestam a segurança de um site - por certificados emitidos por versões do OpenSSL que não sejam afetadas pela falha”, alerta Roberto. Outra opção é fazer uso de serviços online de proteção de sites.
 
A IPe é uma empresa graduada da incubadora de empresas do CDT/UnB e em seus laboratórios faz estudos relacionados a falhas como o Heartbleed. "O objetivo de nossos produtos e serviços é minimizar impactos que uma falha dessa possa causar a nossos clientes", explica Roberto.
 
Para mais informações
Roberto Mascarenhas Braga
Especialista em Segurança de Redes
IPe
61 9121 0271
61 3340 6131
roberto@ipetic.com.br
 
Fonte: IPe Engenharia de Redes
 
Criatividade dentro da empresa é tema do Estação Empreendedorismo
09/04/2014

Como fazer da criatividade uma vantagem competitiva para uma empresa é o tema do próximo Estação Empreendedorismo, que acontece no dia 11 de abril, às 13h, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). A palestra será ministrada pelo presidente organizacional da empresa Júnior de desenho industrial Lamparina, Bruno Correia da Cunha, 23 anos.

Bruno cursa o 8º semestre de Design na UnB e explica que o Estação Empreendedorismo tratará de como a criatividade pode ser aplicada à gestão. “Por meio da demonstração de algumas ferramentas e conceitos utilizados no design, buscaremos também mostrar como uma cultura de design pode impactar uma empresa", descreve.

O evento é gratuito e aberto ao público.

 

Serviço

Estação Empreendedorismo

Criatividade aplicada às gestões – Palestrante: Bruno Correia da Cunha, da Lamparina Design

Dia 11, às 13h, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) 

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Empresa desenvolve tecnologia para o setor imobiliário
07/04/2014
 
A visualização de projetos é indispensável para o lançamento e a venda de imóveis. Pensando nisso, a empresa TG Studio recorreu à tecnologia dos jogos digitais, que possibilitam navegação e interação em um ambiente virtual, e desenvolveu uma tecnologia que pode proporcionar às empresas do setor imobiliário e da construção civil uma solução dinâmica e imersiva para a visualização de projetos arquitetônicos: a maquete interativa. 
 
Para Ronaldo Ribeiro, diretor de produção da empresa, a ideia consiste em criar maquetes virtuais de apartamentos e condomínios nas quais o cliente possa transitar e avaliar o projeto arquitetônico do imóvel. “Nossa meta é oferecer uma experiência interativa ao futuro proprietário do imóvel, além da possibilidade de não só visitar o apartamento decorado, mas também toda a infraestrutura do residencial em questão, de forma a facilitar a sua tomada de decisão quanto à compra do imóvel”, explica.
 
A maquete funciona por meio dos controles do computador (mouse e teclado), bem como controles de videogame (joystick). Com isso, é possível locomover-se pela maquete, rotacionar a câmera para todos os lados e também saltar um obstáculo. No decorado virtual, alguns objetos possuem informações sobre as lojas onde são vendidos, bastando clicar neles para visualizar essas informações. Todos os comandos também são válidos para a versão mobile da maquete interativa.
 
 
A tecnologia representa, dentre outras vantagens para as imobiliárias, a de ter um contato mais direto com o cliente, permitindo que eles também tenham maior contato e uma experiência inovadora com o empreendimento. Além disso, a TG Studio vem trabalhando para aperfeiçoar a tecnologia. “Nós temos a proposta de ‘gamificar’ a experiência interativa da maquete para torná-la mais interessante, como por exemplo, indexar os móveis do decorado virtual para linkar com lojas reais e com sistemas de cupons promocionais”, destaca Ronaldo.  
 
Duas empresas do DF também trabalham com maquetes virtuais, mas uma delas só veicula a mídia em estandes de venda presenciais e a outra apenas na internet. O diferencial da TG é o desenvolvimento da tecnologia também para smartphones.  
 
Conheça mais no site: migre.me/iG4Uw.
 
A empresa
A TG Studio é uma empresa incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), e tem como objetivo a criação de soluções em gamificação para ramos comerciais diversos. Além da maquete, desenvolve animações para a plataforma de Ensino a Distância da UnB e presta consultoria de web design especializada no desenvolvimento de sites, lojas online e portais profissionais. 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
 
Prêmio Finep abre inscrições no dia 7 de abril
04/04/2014
Começam na próxima segunda-feira (7/4) as inscrições para a edição 2014 do Prêmio Finep. Este ano, serão distribuídos de R$ 100 mil a R$ 500 mil para os primeiros colocados regionais e nacionais de cada categoria, no total cerca de R$ 8 milhões. O Prêmio conta com o apoio do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e do jornal O Globo. As inscrições vão até o dia 7/8.
 
Nesta 17ª edição do Prêmio, serão contempladas oito categorias, sendo seis regionais e duas nacionais: Regionais - Micro e Pequena Empresa, Média Empresa, Instituição de Ciência e Tecnologia, Tecnologia Social, Inventor Inovador e Inovação Sustentável; Nacionais - Tecnologia Assistiva e Grande Empresa. Os primeiros colocados regionais, em cada categoria, competem também na final nacional. Em 2014, além de Grande Empresa, a categoria Tecnologia Assistiva também passa a ser premiada nos primeiro, segundo e terceiro lugares. Outra novidade é que os três finalistas de Grande Empresa vão receber prêmios em dinheiro, além do troféu.

 
Oito milhões
 
Os ganhadores receberão, além de troféu, os seguintes valores, em espécie: Etapa regional: Micro e Pequena Empresa - R$ 200 mil; Média Empresa - R$ 250 mil; Instituição de Ciência e Tecnologia - R$ 200 mil; Tecnologia Social - R$ 200 mil; Inventor Inovador - R$ 100 mil; e Inovação Sustentável - R$ 150 mil. Etapa nacional: Grande Empresa – (1º) R$ 500 mil, (2º) R$ 250 mil, (3º) R$ 100 mil; e Tecnologia Assistiva – (1º) R$ 200 mil, (2º) R$ 150 mil, (3º) R$ 100 mil. Somados aos valores da etapa regional, o total este ano será de cerca de R$ 8 milhões em prêmios. 
 
Etapas
 
Após o término das inscrições, haverá uma etapa de pré-qualificação, na qual será feita uma análise quanto ao preenchimento do formulário, bem como ao atendimento ao perfil, às condições de participação e às categorias previstas no regulamento. Em seguida, durante o julgamento regional, as propostas pré-qualificadas serão avaliadas por comitês de jurados compostos por especialistas, representantes de instituições inovadoras, do setor empresarial e da Finep. Os vencedores de cada região serão premiados em uma cerimônia conjunta, realizada no Rio de Janeiro, em novembro. Os primeiros colocados nessa fase concorrem à final nacional, que ocorrerá no Palácio do Planalto, em Brasília, em dezembro.
O Prêmio Finep é o mais importante instrumento de estímulo e reconhecimento à inovação no País. Desde 1998, já premiou empresas, instituições e pessoas físicas, sendo responsável pela projeção dos contemplados não apenas no Brasil, como no exterior. Em 2013, houve 570 inscrições. 
 
 
Fonte: Site da Finep
IV Encontro Sebrae 2014 reúne empresas preparadas para megaeventos
03/04/2014
Nos dias 14, 15 e 16 de abril, empresários e Microempreendedores Individuais participam do IV Encontro Sebrae 2014, no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. O evento, promovido pelo Sebrae no DF, é gratuito, aberto ao público, e tem na programação palestras para empreendedores de diversos segmentos do setor produtivo, além de mostra de artesanato e comercialização de produtos das empresas participantes do Sebrae 2014. Desde 2011, o programa contribui para que donos de negócios tenham novas oportunidades com a realização dos megaeventos. Quem passar por lá, também vai poder conferir os resultados dessa iniciativa.
 
A programação do encontro conta com a participação de celebridades, como a jornalista Glenda Kozlowski, que realizará a abertura e fará um talk show com os talentos do esporte Zico e Júnior. O maestro Eduardo Lages irá finalizar o debate apresentando o que há de melhor na música brasileira. O primeiro dia contará, também, com palestras sobre compras governamentais, criatividade e sustentabilidade, além de Encontros e Rodadas de Negócios, nas áreas de TIC, startups, agronegócios, gastronomia e turismo.
 
No dia 15, a palestra motivacional Transformando Suor em Ouro, com o empresário e técnico da seleção masculina de vôlei, Bernardinho, vai explicar como é possível alcançar o sucesso. O segundo dia do evento contará, também, com três Encontros de Negócios, envolvendo os segmentos de vestuário, comércio varejista, construção civil, madeira e móveis, além de Rodadas de Negócios sobre turismo e agronegócios. Ainda neste dia, haverá debates, por meio de um talk show, sobre tendências, tecnologias e inovação aplicadas ao varejo.
 
As empresas que participaram do programa Sebrae 2014 vão expor e comercializar seus artigos no local. Outro destaque é a mostra Brasil Original, que reúne artesanato de diversas regiões brasileiras. Ainda, para agradar paladares, será realizada uma prévia do Festival Brasil Sabor, que contempla pratos e petiscos de bares e restaurantes brasilienses.
 
O encerramento, no dia 16 de abril, contará com a participação da modelo e apresentadora Fernanda Lima, que fará uma apresentação dos resultados do Sebrae 2014. O programa atendeu 975 empresas no Distrito Federal, de nove setores (construção civil, madeira e móveis, moda, comércio varejista, serviços, turismo, TIC, economia criativa e agronegócios). Em 2013, foram investidos cerca de R$ 2,3 milhões, gerando uma prospecção de negócios de aproximadamente R$ 20 milhões.
 
Além da apresentadora, no último dia, haverá uma programação intensa, elaborada para incentivar o empreendedorismo, a inovação nos pequenos negócios e a economia criativa no DF. Também serão realizados workshops, palestras diversas e ações de mercado, contando com Rodadas e Encontros de Negócios. No encerramento, a apresentação da Escola de Samba Acadêmicos da Asa Norte irá descontrair o público participante.
 
Mais informações sobre o Programa Sebrae 2014 estão disponíveis no site www.df.sebrae.com.br.
 
Confira a programação completa
 
Data:14, 15 e 16 de abril.
Local: Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.
Horário: 9h às 17h.
 
Ações fixas: 
 
Mostra e Comercialização Sebrae 2014 e Brasil Original
 
Pré-Festival Brasil Sabor
 
Segunda-feira – 14 de abril
8h às 9h - Credenciamento e café da manhã
9h às 10h - Abertura – Glenda Kozlowski
10h às 12h - Talk Show com Glenda Kozlowski, Zico, Júnior e o maestro Eduardo Lages
10 às 12h – Workshop Criatividade e Sustentabilidade nos Negócios
10h às 12h - Encontro de Negócios – TIC/Startups                                                               
10h às 12h -Encontro de Negócios – Turismo
13h às 17h - Encontro de Negócios – Rio 2016/Gastronomia
13h às 17h - Encontro de Negócios - Agronegócios
13h às 17h - Rodada de Negócios - Turismo
16h às 17h - Palestra Compras Governamentais                               
 
Terça-feira – 15 de abril
8h às 9h - Credenciamento e café da manhã
9h às 11h - Workshop Transformando Suor em Ouro - Bernardinho
11h às 13h - Encontro de Negócios - Rio 2016/Vestuário
11h às 13h - Encontro de Negócios - Comércio Varejista      
11h às 13h -Palestra Startups - Coloque a Sua Ideia em Prática                                             
14h às 17h - Encontro de Negócios - Rio 2016/Construção Civil, Madeira e Móveis
14h às 17h - Rodada de Negócios - Vestuário
14h às 17h - Rodada de Negócios - Agronegócios
14h às 17h - Talk Show Comércio: Tendências, Tecnologia e Inovação Aplicadas ao Varejo
 
Quarta-feira – 16 de abril    
8h às 9h - Credenciamento e café da manhã
9h às 10h - Oficina Empreendedorismo, Oportunidades e Inovação
9h às 11h - Oficina Economia Criativa como Alavanca do Turismo de Eventos
9h às 11h -Evento Sebrae Nacional - Talentos do Brasil
10h às 11h - Palestra Tendências e Perspectivas do Sebrae 2014 - Fernanda Lima
10h às 13h -Rodada de Negócios - Construção Civil, Madeira e Móveis
11h às 13h - Oficina Comunicação e Criatividade - Washington Olivetto
11h às 13h -Encontro de Negócios - Rio 2016/TIC
11h às 13h - Palestra Bullying e Cyberbullying – Como os Gestores Podem Lidar com Tais Fenômenos
11h às 13h - Oficina com os apresentadores do Programa Esquadrão da Moda
13h às 14h - Desfile de Moda
14h às 16h - Oficina Turismo de Eventos: Atitude dos Campeões
14h às 17h - Rodada de Negócios – Gastronomia
14h às 16h - Palestra T.I. 20º World Congress on Information Technology - WCIT                               
14h às 16h - Roteiro Prático de como Administrar uma Academia
16h às 17h – Palestra Gestão de Eventos – Wallace Palhares, carnavalesco da Escola de Samba Acadêmicos da Asa Norte
16h às 17h - Evento Sindeventos
 
Fonte: Agência Sebrae de Notícias
Estudantes da UnB criam mão biônica com impressora 3D em 6h e por R$ 250
02/04/2014
Alunos do mestrado em engenharia biomédica da UnB que criaram mão biônica usando impressora 3D (Foto: Mariana Costa/UnB Agência)
 
Cinco estudantes de engenharia da Universidade de Brasília conseguiram aliar baixo custo e responsabilidade ambiental em um projeto que em breve pode mudar a vida de quem não tem uma das mãos. Eles combinaram tipos diferentes de plástico para produzir, por R$ 250, uma prótese robótica. A expectativa é de que o item chegue ao mercado ainda no final deste ano.
 
De acordo com o mestrando Filipe Barreto Tomé, a mão foi testada em mais de dez pessoas, incluindo uma com deficiência, e não apresentou falhas. Ela funciona encaixada ao braço humano, permitindo que o usuário abra e feche a mão ou segure objetos pequenos a partir da contração muscular do membro.
 
"[Agora] Vamos colocar nossa eletrônica dentro da mão. Vamos utilizar o plástico com cores mais reais, aproximando ao máximo de uma mão real. Esperamos ainda aumentar o número de movimentos da mão", explica o estudante.
 
A ideia foi desenvolvida ao longo de três meses, combinando diferentes projetos que surgiram em um grupo de pesquisa da UnB voltado à produção de protótipos em impressoras 3D. A universidade tem atualmente três máquinas desse tipo em funcionamento, nos laboratórios de engenharia biomédica, desenho industrial e arquitetura. 
 
No caso da mão biônica, a confecção dura seis horas. O tempo de vida útil da prótese depende principalmente dos cuidados do usuário. "A vantagem é que é reciclável, podendo uma mão quebrada ser derretida e ser feita uma nova", diz Tomé.
 
Os estudantes também aguardam ofertas de patrocínio para acelerar a comercialização do produto. Até agora, todos os custos com o projeto foram bancados pelos próprios alunos.
 
Quarta revolução industrial
Para um dos pesquisadores do grupo em que surgiu o projeto da mão biônica, professor Roque Magno de Oliveira, a confecção do equipamento por meio da impressora 3D é um indício de que a sociedade vivencia a quarta revolução industrial, com máquinas que se “autofazem”.
 
“A Nasa tem utilizado essa tecnologia para produzir equipamentos no espaço em vez de levá-los prontos na viagem”, disse em entrevista à UnB Agência. “[Com a popularização da técnica] O próprio dentista poderá fazer a prótese, se tiver uma impressora 3D no consultório.”
 
 
Fonte: G1
Drone para monitoramento de águas será desenvolvido na UnB
01/04/2014



Pesquisadores da Universidade de Brasília vão desenvolver um drone para ajudar no monitoramento das águas de reservatórios artificiais, lagos e rios do país. O projeto será realizado em parceria com o Instituto Francês de Pesquisa e Desenvolvimento (IRD) e as universidades federais do Amazonas (UFAM) e do Ceará (UFC). 
 
Segundo Henrique Roig, professor do Instituto de Geociências, o objetivo é capturar imagens difíceis de se obter em campo e por satélite e, assim, preencher uma lacuna existente no sistema de sensoriamento remoto. A ideia, em resumo, é diversificar as plataformas de observação para registrar as mudanças ambientais dos corpos d´água com mais precisão.
 
“O drone pode voar abaixo das nuvens logo após uma chuva forte, por exemplo, e registrar a movimentação de sedimentos na água”, diz. “Algo que não pode ser visto das estações terrestres e orbitais”, justifica Roig.
Entre as vantagens, o professor cita também o custo e mais agilidade na hora de detectar problemas, como manchas de óleo na água. "Com ele, é possível acessar determinada área sem precisar de pista de decolagem, piloto e co-piloto", explica.
 
"Derramamentos de óleo, como os ocorridos recentemente no lago Paranoá, também poderão ser monitorados mais rapidamente com a ajuda da nova tecnologia", acrescenta.
 
Salvador Júnior/UnB Agência
 Vant: eixos e hélices são feitos de alumínio e fibra de carbono
 
TECNOLOGIA – Vants (Veículos Aéreos Não Tripulados), mais conhecidos como drones, são usados para atender às mais diversas finalidades. E a cada dia ficam mais comuns de se ver, mesmo sem uma regulamentação definida pela Anac. No Brasil, somente as aeronaves com o Certificado de Autorização de Voo Experimental (Cave) possuem permissão para realizar voos.
“Estamos no processo de obtenção do Cave. Enquanto a certificação não sai, os estudos estão sendo realizados com Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP), embora já tenhamos toda a tecnologia para a realização de voos totalmente autônomos”, explica Roig.
 
O fato de não haver estudos com drones que monitoram a qualidade das águas no país faz do AquaVant – junção das palavras água e Vant que dá nome ao projeto – um trabalho inédito. “Drones existem às centenas, mas quase todos estão voltados para segurança, mapeamento territorial e agricultura de precisão”, observa o professor.
 
O projeto, com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), envolve quatro pesquisadores da UnB que, em breve, começam a testar lentes e câmeras multi e hiperespectrais de pequeno porte (700g) nas aeronaves. "Nosso trabalho é descobrir qual das aeronaves servirá melhor para o transporte das câmeras e, assim, obter os resultados desejados”, explica.
 
Para os primeiros testes, foi escolhido o modelo com seis a oito hélices e sistema eletrônico de voo e registro de imagens. Ele é chamado de multirrotor por ter vários eixos de motor, que proporcionam mais equilíbrio à aeronave durante o voo. A expectativa é que aeronaves de asas fixas sejam usadas para sobrevoar áreas maiores no futuro.
 
 
Salvador Júnior/UnB Agência
Pesquisador Alexandre Moreno e o robô
 
O simpático robô – um protótipo de 2,5kg e 1m de diâmetro – atinge uma altura máxima de 150m e fica no ar de 15 a 30 minutos. O tempo de duração da bateria varia de acordo com o peso dos sensores transportados.
 
As aeronaves são construídas pela TerraSense, empresa incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB). Lentes e câmeras ainda são importadas.
 
Para se ter uma ideia do poder dessas lentes, “cada foto obtida por uma hiperespectral registra 232 imagens diferentes num único disparo”, conta Alexandre Moreno, mestrando responsável pela construção dos Vants e também integrante do grupo de pesquisa.
 
Fonte: UnB Agência 
 
Confraria da Inovação traz oportunidades de conhecimento e rede
28/03/2014

 

Em palestra proferida nesta quinta-feira (27), na Confraria da Inovação, o Coordenador Geral de Planos Regionais e Territoriais do Ministério da Integração Nacional, João Mendes da Rocha Neto, falou sobre as tendências e diretrizes para o desenvolvimento regional. O encontro aconteceu no Auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB).

Em sua abordagem, João mostrou como a Nova Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR II) pode dialogar com o setor empresarial e que a inovação é um fator determinante para o desenvolvimento regional. “Um exemplo disso é que, hoje, a política incentiva arranjos produtivos locais (APLs) em diversas áreas e em consequência disso, nós precisamos abrir mercados e fortalecer esses APLs para que consigam chegar às grandes áreas de consumo”, explicou o coordenador.

A PNDR é um conjunto de objetivos estratégicos, princípios e diretrizes definidos e acordados entre os governos federal, estadual e municipal; representantes da sociedade e instituições de ensino, pesquisa, tecnologia e inovação; cujo objetivo principal é reduzir as desigualdades regionais e ativar os potenciais de desenvolvimento das regiões no País.

 

Momento startup

O empresário Marcos Cunha apresentou a CoolBiz, empresa parceira do Sebrae e da Asteps, que pretende mudar o conceito de empreendedorismo e inovação no Brasil, por meio da oferta de cursos práticos, presenciais e virtuais, que abordem experiências e casos de sucesso, visando o aprendizado replicável em situações do dia a dia. “Nós trabalhamos com base nos seguintes pilares: business, criatividade e tecnologia. A ideia é sair da aula sempre com um produto”, destacou.

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Editais destinam mais de R$ 128 milhões a pesquisas
24/03/2014
A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) publicou o edital nº 11/2014 Pró-equipamentos, que oferece R$ 126 milhões a instituições de pesquisa ou de ensino superior para a compra de equipamentos destinados a compor a estrutura de pesquisa dos programas de pós-graduação recomendados pela Capes. O prazo de envio da proposta vai até 30 de abril.
 
Já a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) está com inscrições abertas para dois editais. A chamada 01/2014 destina R$ 400 mil para apoiar a participação de pesquisadores em eventos científicos internacionais. Os prazos de inscrição variam conforme a data do evento pleiteado. O edital 02/2014 oferece R$ 80 mil em recursos para a realização de eventos técnico-científicos nas dependências da Finatec ou da Universidade de Brasília. As solicitações para a chamada, de fluxo contínuo, podem ser enviadas até 28 de fevereiro de 2015. 
 
Os projetos de pesquisa que promovam a formação e a melhoria da qualidade de atenção à saúde no Distrito Federal podem concorrer a auxílio do Programa Pesquisa para o SUS: gestão compartilhada em saúde. O edital é resultado de parceria entre o Ministério da Saúde, a Fundação de Apoio à Pesquisa do DF (FAPDF), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Governo do Distrito Federal (GDF). O montante total da chamada pública é de mais de R$ 2,1 milhões.
 
Os projetos devem ser enviados por meio de formulário online disponível em http://www.saude.gov.br/sict, até 12 de abril.
 
Fonte: UnB Agência
Exposição mostra casa automatizada do presente e do futuro
21/03/2014

Depois de um longo dia de trabalho, imagine poder, via celular, ligar o ar condicionado, mudar a iluminação e até colocar música relaxante para tocar, deixando o ambiente o mais confortável possível, antes mesmo de chegar lá. Se quiser ajustar alguma coisa enquanto caminha pelos quartos, apenas é necessário um comando de voz para que o sistema da casa se encarregue de tudo.

Pode parecer ficção futurística, mas essas são apenas algumas das tecnologias em exposição na Mostra Casa Viva, que acontece no Pontão do Lago Sul entre os dias 25 de março e 27 de abril. O evento, que já passou por vários estados, reúne o que há de mais atual em arquitetura e decoração. Na capital, conta com a colaboração de três empresas incubadas no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB).

Quem vier à mostra em Brasília, poderá visitar duas casas, construídas próximas ao estacionamento do Pontão. Elas foram projetadas por 16 arquitetos e contêm tecnologias de ponta de 111 empresas, como esclarece o criador da exposição, o analista de sistemas Nelson Mengue Model. “A diferença da Casa Viva com outras mostras de arquitetura e decoração é que oferecemos uma visita técnica guiada, durante a qual serão explicadas cada uma das funcionalidades da casa”, detalha. “Assim, o público pode aprender mais sobre as tendências modernas.”

As duas casas do projeto foram construídas em aço, opção mais sustentável e resistente. A escolha do resto dos materiais empregados também segue o mesmo princípio, explica o arquiteto Sérgio Parada, que projetou uma das casas. “Os vidros utilizados, por exemplo, amenizam o impacto dos raios infravermelhos, que aumentariam a temperatura da casa. Com isso, é possível economizar energia gasta com ar condicionado”, descreve.

Além disso, as duas casas incorporam os mais inovadores conceitos em decoração e automação. Luz, cortinas, som, televisão: tudo pode ser controlado pelo celular ou por comandos de voz. Quem encarregou-se disso foi o engenheiro mecânico Luis Otávio Brandão. “Uma das casas também é equipada com um sistema de avatar, chamada Denise. Os visitantes podem interagir com ela e, inclusive, pedir que ela realize tarefas, como ajustar a iluminação ou o ar condicionado”, acrescenta.

Parceria

Três empresas incubadas no CDT participam da mostra. A Loop vai expor uma tranca de porta que pode ser controlada pelo celular; a FiraSoft disponibilizará o aplicativo do evento e ferramentas virtuais para interação com o público, e a Quali-A participou do projeto realizando a avaliação da sustentabilidade das construções.

O evento oferece um espaço para que as empresas mostrem seu trabalho e prospectem possíveis clientes, como diz a diretora da Quali-A, Milena Sampaio. “Um dos pilares da mostra é a sustentabilidade, então é uma oportunidade para que ajudemos a divulgar esse princípio e também nossos serviços”, destaca.

Histórico

A Mostra Casa Viva surgiu em 2005, na Primeira Feira de Tecnologia da América Latina do Brasil, no Rio Grande do Sul, onde foi exposta uma casa de 140m2 totalmente automatizada, com tecnologias de 42 empresas. O sucesso foi tão grande que o projeto recebeu convites de outros estados. Além do Distrito Federal, a mostra também passará por Espírito Santo e Goiás.

 

Serviço

Mostra Casa Viva

Entre os dias 25 de março e 27 de abril

Pontão do Lago Sul

Entrada: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

 

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Inovação, conhecimento e rede
21/03/2014
O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB inova mais uma vez e reinventa o formato do seu tradicional Café Empresarial, trazendo ao público empreendedor do Distrito Federal mais oportunidades de adquirir conhecimento, prospectar parcerias, gerar network, além de proporcionar um ambiente agradável para promover ideias, produtos e serviços.  
 
Trata-se da Confraria da Inovação, evento dinâmico e interativo, aberto ao público, em especial empresários, estudantes, pesquisadores, representantes de instituições governamentais, investidores, entidades promotoras de inovação, associações gestoras de parques tecnológicos e incubadoras de empresas. A proposta é trazer um palestrante para falar de temas relacionados ao universo de startups, inovação, tecnologia e empreendedorismo; e um representante de uma empresa nascente que relatará seu case de sucesso, no Momento Startup.
 
De acordo com Jurema Barreto, responsável pela Gerência de Desenvolvimento Empresarial do CDT, o diferencial desse evento em relação ao Café Empresarial é o de proporcionar um envolvimento maior entre os principais parceiros e empresários, por ter um direcionamento mais amplo. “Nesse novo formato, os participantes terão a oportunidade de conhecer diferentes metodologias, políticas públicas e principais estratégias do governo, tendo como objetivo final alavancar os negócios e fortalecer a empresa”, destaca.
 
Na edição inaugural, o palestrante convidado é o Coordenador Geral de Planos Regionais e Territoriais, João Mendes da Rocha Neto, do Ministério da Integração Nacional, que proferirá a palestra sobre as Tendências e Diretrizes para o Desenvolvimento Regional. O encontro acontece no próximo dia 27 de março, a partir das 16h, no Auditório do CDT/UnB. 
 
Serviço
Confraria da Inovação - Tendências e Diretrizes para o Desenvolvimento Regional “A nova Política Nacional de Desenvolvimento”
Data: 27/03/2014
Hora: 16h 
Local: Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília – Campus Universitário Darcy Ribeiro, Edifício CDT
Informações: 3107-4140/3107-4120 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

BRICs debatem sistema de inovação
19/03/2014
A importância dos sistemas de inovação no processo de desenvolvimento dos países que integram os Brics (Brasil, Rússia, India, China e África do Sul) será debatida nos dias 25 e 26 de março, em Brasília (DF). O evento, organizado pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), contará com a participação de diversos especialistas do bloco. Os painéis abordarão as experiências de cada nação em temas como políticas industriais, desenvolvimento sustentável, compras públicas, diversidade regional e a sua interface com os sistemas de inovação. A organização conta com a parceria do Centro de Altos Estudos Brasil Século XXI.
 
 O objetivo do evento é gerar subsídios para a Reunião de Cúpula dos Brics, que será realizada em julho, na capital cearense, com os chefes de Estado de cada país. O seminário dá continuidade ao debate que resultou na Declaração de Cape Town. Na ocasião, os ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação do bloco elencaram uma série de áreas temáticas prioritárias para a cooperação.
 
 “Vamos tentar aprofundar e contribuir dentro desses temas que já foram apontados. Quando pensamos em sistemas de inovação, a experiência dos Brics é muito relevante porque são países em processo de desenvolvimento. Todo o aprendizado que eles vêm tendo vale a pena ser compartilhado. Todos estão almejando uma mesma trajetória”, destaca o presidente do CGEE, Mariano Laplane.
 
 O debate contará com a participação do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho; do secretário executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Luiz Antonio Elias; do professor José Cassiolato, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); de Liu Xielin, da Chinese Academy of Sciences; entre outros.
 
 Desde 2006, o MCTI vem apoiando o desenvolvimento de uma rede de pesquisadores no âmbito dos Brics para analisar, de forma comparativa, os sistemas de inovação dos países do bloco. A iniciativa resultou na publicação de cinco livros, que serão lançados no seminário. As publicações abordam os seguintes temas: O papel do Estado; Desigualdade e os Desafios do Desenvolvimento; A promessa de pequenas e médias empresas; Corporações transnacionais e os sistemas locais de inovação; e O financiamento da inovação.
 
 O seminário é realizado pelo MCTI e conta com o apoio da Universidade de Brasília (UnB). Após o evento, será realizada uma reunião técnica que deverá consolidar o debate ocorrido e propor uma agenda de cooperação em ciência, tecnologia e inovação.
 
Para saber mais sobre o evento acesse este link.
 
 Serviço: Seminário Sistemas de Inovação e Desenvolvimento dos Brics
 
Quando: 25 e 26 de março
 
Local: Auditório do Instituto de Biologia da Universidade de Brasília
 
Horário: 09h30 às 19h
 
Fonte: CGEE
II Concurso de Desenvolvimento de Jogos Empreendedores do Sebrae recebe inscrições
17/03/2014
O Sebrae convida game designers profissionais e amadores, empresas de desenvolvimento de jogos, estudantes, professores e todos os interessados a participarem do 2º Concurso de Desenvolvimento de Jogos que premiará os melhores games desenvolvidos e distribuirá 450 mil reais em prêmios.
 
A exemplo do concurso anterior, realizado em 2013, a ideia é selecionar os 10 melhores jogos para fazer parte da plataforma do Desafio Universitário Empreendedor. As duas iniciativas são complementares e visam fomentar o empreendedorismo além de oferecer aos programadores uma oportunidade real de ganho e visibilidade em todo o Brasil.
 
Mais informações e o formulário de inscrição podem ser encontrados neste site
 
Fonte: Sebrae 
Matrículas abertas para a disciplina Empreendedorismo e Inovação Tecnológica
11/03/2014

A Escola de Empreendedores (EMPREEND) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) está com matrículas abertas para a disciplina de graduação “Empreendedorismo e Inovação Tecnológica” (IAE2). A disciplina é modular e dividida em quatro etapas fundamentais para a prática empreendedora, tais como: Inovação e Marketing, Direito Empresarial, Finanças e Linhas de Crédito, e Gestão Empreendedora.

O objetivo da disciplina é agregar valor inovador às ideias de negócio desenvolvidas na disciplina Introdução à Atividade Empresarial (IAE1), aprofundando em conhecimentos necessários à efetiva abertura de empresas. Ao final do curso, o aluno deverá ser capaz de identificar o passo a passo no processo de abertura de uma empresa; planejar as ações financeiras da empresa; e descrever os principais processos para gerir uma empresa de forma empreendedora.

Além disso, ao decorrer da disciplina será desenvolvido um trabalho norteador em cada módulo para a construção final do plano de negócios completo, que é instrumento base para a montagem de uma empresa no mercado.

O período de ajuste segue até o dia 12/03 e o código da disciplina é 200662. Informações nos telefones 3107-4108/4188.

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
 

 

 

Café empresarial aborda startups e pesquisa em empresas
26/02/2014

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como inserir pesquisadores dentro das empresas e o crescente mercado de startups foram tema do Café Empresarial de ontem (25), realizado no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). O evento contou com uma palestra sobre o programa de Recursos Humanos em Áreas Estratégicas (RHAE), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), e também com o Momento Startup, que visa convidar pessoas do ramo que trabalhem em projetos inovadores.

A palestra foi ministrada pelo coordenador do Programa de Capacitação Tecnológica e Competitividade, Cimei Borges Teixeira, que explicou como o RHAE surgiu e como ele funciona. O projeto visa conceder bolsas a empresas, principalmente de pequeno porte, para que estas contratem mestres e doutores. “O objetivo é apoiar o desenvolvimento de novos projetos de pesquisa e estabelecer um diálogo entre a academia e o mercado, explicou Cimei.

O Momento Startup contou com a presença de um dos desenvolvedores do aplicativo FitApp, Marcus Vinícios Oliveira. O software serve para que praticantes de exercícios físicos acompanhem a evolução de seus treinos e possam interagir com a academia que frequentam. O aplicativo é customizável e cada academia pode oferecer a própria interface aos seus alunos. Marcus Vinícios contou como a ideia para o app surgiu e como foi desenvolvido. “Uma das coisas mais importantes é ter uma equipe que se complemente”, frisou o designer.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Café Empresarial trata sobre programa de apoio à pesquisa
20/02/2014

Uma oportunidade para que empresários financiem seus trabalhos e levem adiante ideias inovadoras. Essa é a chance oferecida pelo edital de Recursos Humanos em Áreas Estratégicas (RHAE), lançado pelo Conselho Nacional de  Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Para aqueles interessados em concorrer, o próximo Café Empresarial contará com a presença do coordenador do Programa de Capacitação Tecnológica e Competitividade do CNPq, Cimei Borges Teixeira, que explicará como funciona o projeto e como fazer para submeter propostas. O evento acontecerá no dia 25 de fevereiro, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB).

O RHAE tem o objetivo de apoiar pesquisas que contribuam para o desenvolvimento do país, por meio da inserção de mestres e doutores no âmbito de empresas privadas. Serão aceitas propostas de projetos de desenvolvimento tecnológico de produtos e processos que visem aumentar a competitividade das empresas através de soluções inovadoras. Quais as áreas que o edital contempla, quais os benefícios oferecidos e como participar são alguns dos temas a serem abordados durante o Café Empresarial. O evento é aberto e gratuito.

 

 SERVIÇO

Café Empresarial: Chamada Pública RHAE – Recursos Humanos em Áreas estratégicas. Bolsa para fixação e capacitação de recursos humanos.

Palestrante: Cimei Borges Teixeira – Coordenador do Programa de Capacitação Tecnológica e Competitividade – CNPq

Dia 25 de fevereiro, às 16h, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB)

 

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Maratona de empreendedorismo digital agita Brasília
11/02/2014

 

Um minuto para vender uma ideia. Um fim de semana para transformá-la em um produto com potencial para se tornar um negócio inovador. Para o desafio, duas ferramentas essenciais: criatividade e entusiasmo. Essa é a proposta do Startup Weekend, maior conjunto de eventos de empreendedorismo digital do mundo, que será realizado pela terceira vez em Brasília, entre os dias 21 e 23 de fevereiro, na sede do Sebrae Nacional. Mais do que formar empresas, o encontro tem o objetivo de estimular o espírito do empreendedorismo digital nos participantes. Esta edição conta com o apoio do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), do Instituto Sabin e da empresa de tecnologia ATP S.A..


Pode parecer incrível, mas grandes empresas de base tecnológica como Google, Facebook e Peixe Urbano começaram a partir de uma boa ideia e dedicação intensa para desenvolvê-la. Com esse espírito, o Startup Weekend oferece 54 horas de imersão, durante as quais os participantes terão a oportunidade de construir um modelo de negócios em diferentes aplicações – sejam elas web ou mobile – e avaliar a viabilidade desses negócios com os mentores presentes, todos com vasta experiência no mercado digital. Mais de 600 empresas já foram criadas a partir de ideias sugeridas em edições do evento, realizadas em mais de 500 cidades em todo o mundo.


De acordo  com o empreendedor e organizador do evento, Carlos Bergfeld, o objetivo é que os participantes experimentem  ferramentas  e  metodologias  do  mundo  das  startups, desenvolvam uma  mentalidade empreendedora e encontrem parceiros para executar novos projetos em conjunto. “No  primeiro dia, será dada a chance para que os participantes apresentem, em um minuto, uma ideia inovadora. O público votará nas  melhores, que serão executadas durante o evento”, destaca Carlos. Os melhores projetos receberão premiações oferecidas pelos apoiadores, incluindo oportunidades que facilitarão o desenvolvimento de seus negócios.


Dentre os mentores convidados, destaque para Felipe Matos, fundador do Startup Farm e COO do Start­Up Brasil  –  programa  lançado  pelo  Ministério  de  Ciência,  Tecnologia  e Inovação  (MCTI)  com  o  objetivo  de acelerar  o  desenvolvimento  de  empresas nascentes de  base  tecnológica.  “O  Startup  Weekend  é  uma excelente  iniciativa  para despertar  o espírito  empreendedor  e,  principalmente,  conectar  pessoas interessadas  em desenvolver seus  projetos”,  analisa. Ainda segundo Matos, o Startup Weekend funciona como  um verdadeiro  celeiro  de  empreendedores  e  projetos  que  mais  tarde  são atendidos por programas como o Start­Up Brasil.


Participantes de edições passadas destacam o poder de rede que o Startup Weekend tem. Para Leandro Freire, que participou das duas primeiras edições do evento e agora se juntou ao time organizador, o maior valor  de participar de um Startup Weekend é a rede de contatos. “Há dois anos eu era recém ­chegado a Brasília, trabalhava na área de gestão de projetos, tinha uma ideia de negócio e não sabia como tirá-­la do papel. No Startup Weekend conheci pessoas que vieram a se tornar meus sócios e nunca mais saí do universo das startups”.


Serviço

Startup Weekend Brasília

Local: Sebrae ­Sede Nacional, Conjunto A ­ Sgas 605 ­ Asa Sul, Brasília ­ DF

Data: 21 a 23 de fevereiro de 2014

Programação e inscrições: http://brasilia.startupweekend.org/

 
 
Fonte: Divulgação
Startup Weekend Brasília abre inscrições
11/02/2014

Uma oportunidade para desenvolver novas ideias e transformá-las em potenciais negócios de sucesso: essa é a proposta do Startup Weekend Brasília, cuja terceira edição acontece entre os dias 21 e 23 de fevereiro, na sede do Sebrae Nacional. Mais do que formar empresas, o encontro tem o objetivo de estimular o espírito do empreendedorismo digital nos participantes. O evento que contará com um fim de semana de oficinas, palestras e mentorias, a cargo de consultores com vasta experiência no mercado digital. As inscrições podem ser feitas no site do evento: http://brasilia.startupweekend.org/

Para participar, não há limite de idade nem restrição por área de atuação profissional, embora empreendedores, desenvolvedores, designers sejam os maiores entusiastas do evento. O Startup Weekend oferece 54 horas de imersão, durante as quais os inscritos terão a oportunidade de construir um modelo de negócios em diferentes aplicações – sejam elas web ou mobile – e avaliar a viabilidade desses negócios com a ajuda dos mentores. Mais de 600 empresas já foram criadas a partir de ideias sugeridas em edições do evento realizadas em mais de 500 cidades em todo o mundo.

 

Serviço

Startup Weekend Brasília

Local: Sebrae ­ Sede Nacional, Conjunto A ­ Sgas 605 ­ Asa Sul, Brasília ­ DF

Data: 21 a 23 de fevereiro de 2014

Programação e inscrições: http://brasilia.startupweekend.org/

 

 

Fonte: Divulgação

Parceria Sebrae-UnB renovada
04/02/2014
 
Com uma carreira na área de telecomunicações, o decano de Administração da UnB, professor Luís Afonso Bermúdez, conta que a universidade continua a trabalhar em parceria com o Sebrae na promoção de novos negócios.
Bermúdez, que já esteve à frente do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB) por mais de duas décadas, foi nomeado recentemente vice-presidente do Sebrae-DF após um breve período como presidente interino. A atual gestão vai até dezembro deste ano, e dela participam, além de órgãos do governo e empresários, entidades autônomas como a UnB.
 
“Muitas vezes, a tecnologia já existe dentro dos centros de pesquisa e está pronta para ser aplicada no desenvolvimento de produtos e serviços em demanda no mercado”, conta o decano. Ele cita dois casos interessantes, ambos no setor alimentício, em que o microempresário foi ao Sebrae em busca de solução para seus negócios e pôde contar com a ajuda da Universidade de Brasília.
 
Um deles precisava resolver um problema de durabilidade do produto, que estragava com facilidade. “O departamento de nutrição já tinha o conhecimento arquivado e bastou usá-lo para aumentar o prazo de validade do alimento”, conta.
 
Outro queria ajuda para solucionar um problema ergonômico que afetava diretamente a saúde dos trabalhadores. “Em parceria com o departamento de desenho industrial, conseguiram criar uma nova tesoura para corte do frango, acabando com este transtorno”, lembra.
 
Bermúdez destaca a importância de continuar investindo nessa parceria empreendedora. Afinal, ciência e tecnologia podem ser usadas para movimentar a economia. Cria empregos, melhora serviços em geral e gera novos produtos e patentes.
 
A UnB já oferece disciplinas para fomentar o empreendedorismo em 12 cursos de graduação e pós-graduação. Também conta com uma incubadora de empresas, que presta toda a assessoria necessária aos alunos que desejem colocar suas ideias no mercado.  
 
Fonte: UnB Agência 
Três novos empreendimentos são aprovados para Multincubadora
17/01/2014

Tecnologia indica a saúde do ar que respiramos
19/12/2013

Invento produzido por pesquisadores brasileiros analisa a qualidade do ar e compartilha, em tempo real, os resultados com a sociedade

Desde que as imagens de chami­nés esfumaçadas deixaram de significar progresso e desenvol­vimento e passaram a ser sinô­nimo de apreensão com o meio ambiente, parte da sociedade tem buscado formas al­ternativas de garantir as conquistas da era in­dustrial sem agravar problemas ambientais. Nessa direção surgiram ideologias e movi­mentos nos quais sustentabilidade e TI verde são códigos chaves. 

A sociedade contemporânea incorporou esse sentimento de tal forma que as pessoas preocupam-­se com o meio ambiente tanto quanto com a sua qualidade de vida. Crédito de carbono, reciclagem e qualidade do ar são tópicos de cidadania da mesma forma que o índice de desemprego, a estabilidade econômica e a renda social.

Nesse contexto, uma invenção dos ir­mãos Kill tem tudo para ser bem recebida nas cidades brasileiras. Trata­se de um apare­lho portátil capaz de medir a qualidade do ar e enviar os dados para a internet. "O Geosignals é uma ferramenta que mostra os níveis de gases nocivos no ambiente.Tive a ideia de desenvolvê­lo durante o meu mestrado no Instituto de Geociências da Universidade de Brasília. O sistema é formado por um pe­ queno conjunto de sensores que mede a quantidade de gases prejudiciais à saúde em determinado lugar, tendo por parâme­tro a Resolução Conama 3, que dita a regu­ lação geral dos padrões de qualidade do ar", explica Erick Kill. 

Segundo ele, o Geosignals pode suprir a carência da tradicional rede de monitora­mento atmosférico existente, permitindo não apenas saber como está a situação do ar, mas também podendo compartilhar essas informações com outras pessoas. "É um in­vento que beneficia tanto a natureza quanto a saúde da população", opina o analista de sistemas Fernando Kill, um dos irmãos. 

Para concretizar o projeto, Erick utilizou microcontroladores que fazem a leitura de sensores eletroquímicos. "Os sensores são calibrados em laboratórios na Universidade de São Paulo e Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, utilizando metodo­ logias já conhecidas em bibliografias para esse tipo de procedimento, o que valida o experimento para uso no mercado", afirma. 

O conjunto de sensores produz informa­ ções geolocalizadas com dados como tem­ peratura, umidade, pressão atmosférica, monóxido de carbono (CO), dióxido de car­ bono (CO2), Ozônio (O3), dióxido de nitro­ gênio (NO2) e dióxido de enxofre (SO2). "Essas informações podem ser visualizadas, armazenadas ou ainda transmitidas para um painel na internet, constituindo um banco de dados acessível em qualquer momento e por qualquer pessoa?, completa Erick. 

Da academia para o mercado

No momento, o Geosignals tem uso aca­dêmico, mas Erick estima que em 2014, após finalizar os processos de calibração e valida­ ção de sensores e dados, ele já esteja dispo­nível para o mercado. "Apostamos na inclu­ são ambiental como forma de expansão do Geosignals. Nosso trabalho tem um papel colaborativo e participativo da sociedade e pode auxiliar instituições governamentais na gestão e fiscalização da qualidade do ar", diz ele, lembrando que a atual legislação exige esse tipo de monitoramento. 

Entusiasta e coordenador dos trabalhos de Erick, o professor do Departamento de Geociências da UnB, Henrique Roig, enxerga no Geosignals uma ferramenta capaz de potencializar o trabalho de órgãos especiali­ zados, como a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Distrito Federal e o próprio Ministério da Saúde. "Essas informa­ ções poderão ser usadas em diferentes pro­ jetos, já que não existe um aparelho que disponibilize tantas informações de maneira tão rápida, barata e com o uso de uma pla­ taforma móvel", destaca. 

Em fase de testes, o Geosignals será dis­ ponibilizado em duas versões: simplificada, para um usuário comum saber, por exemplo, O Geosignals é instalado em diversos pontos da cidade.  Ele contém um conjunto de sensores que mede a quantidade de gases (CO, CO2, O2, NO2 e SO2) O usuário é o principal alimentador dos dados do sistema, formando uma rede de informações capaz de auxliar nas políticas públicas de meio ambiente, saúde e desenvolvimento a qualidade do ar na localidade em que se encontra; ou versão mais completa, que pode auxiliar o governo nas políticas de melhorias ambientais.  A ideia é viabilizar o projeto para que sensores sejam fixados em vários pontos da cidade?, afirma Fernando, que acrescenta que qualquer pessoa que tenha o aplicativo instalado em seu celular terá acesso aos da­ dos em tempo real e constante. 

De acordo com Erick, o servidor de da­ dos armazena as coletas feitas pelo apare­ lho e as transmite para os smartphones. "Nesse servidor, há um banco de dados com informações públicas, como o censo demográfico disponibilizado pelo IBGE, atendimentos nos serviços públicos de saú­ de e tráfego de carros dispostos pelo Goo­ gle, informações de queimadas e dados de sensores atmosféricos divulgados pela NASA. Dados que podem ser correlacionados, gerando comparações, gráficos e estatísti­cas. E o gestor público poderá tomar deci­ sões baseado nas informações mostradas pelo sistema?, completa. Erick ressalta ainda a oportunidade que a população terá de entender o ambiente em que vive e acompanhar o trabalho de órgãos ambientais de fiscalização, exigindo maior atuação nas áreas críticas das cidades. 

 

Fonte: Serpro 

Seminário discute políticas públicas para a economia solidária no DF
17/12/2013

 

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) sediou, nesta terça-feira (17), o Seminário de apresentação e análise dos resultados do Mapeamento da Economia Solidária no Distrito Federal e Goiás (Madesol). O encontro teve como objetivo ampliar o debate sobre a Economia Solidária com apresentação e análise dos dados do Sistema de Informações em Economia Solidária - SIES, e contou com a participação de autoridades e representantes dos Movimentos envolvidos.

O Madesol é um projeto realizado em parceria com a Secretaria Nacional de Economia Solidária - SENAES/MTE. De acordo com Valmor Schiochet, representante da instituição “o principal objetivo do Madesol é o próprio reconhecimento da economia solidária e da sua forma de organização; é dar visibilidade a esse fenômeno que é recente no país e servir como fonte de informações para que os empreendimentos fortaleçam o relacionamento entre eles, trocando informações, produtos e serviços”, destaca.

Uma importante atividade realizada pelo CDT para o alcance dos objetivos foi a coleta de dados dos Empreendimentos Solidários e o cadastro de empreendimentos para manutenção e ampliação do SIES, pois este permite o melhor conhecimento sobre a realidade da Economia Solidária no Brasil. É o que explica a professora Sônia Marise, que apresentou os resultados do mapeamento.

O SIES é um sistema de identificação e registro de informações dos empreendimentos e das entidades de apoio, assessoria e fomento à Economia Solidária no Brasil, composto por uma base nacional de informações constituída pelo mapeamento realizado entre 2005 a 2012. A partir desse mecanismo, será possível, dentre outros, subsidiar os processos de formulação de políticas públicas e a elaboração de um marco jurídico para a economia solidária.

Jurema Barreto, da equipe da Multincubadora de Empresas do CDT, afirma que o projeto de mapeamento é importante para a incubadora identificar potenciais empreendimentos para o processo de incubação na modalidade tecnologia social, e para que os empreendimentos consigam identificar as possibilidades de investimento e as características necessárias para a articulação em rede.  

O mesmo Seminário será realizado amanhã (18), em Goiânia, na Universidade Federal de Goiás, a partir das 8h30.

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Fira Soft recebe reconhecimento do Sebrae
17/12/2013

Depois de ter viajado ao Canadá para participar de uma bem sucedida missão técnica e se aventurar em novos mercados, em novembro, a empresa incubada Fira Soft foi reconhecida pelo Sebrae como uma das empresas mais produtivas este ano. Como parte do projeto Serviços Sebrae 2014 – que aconteceu ao longo de 2013 e visa dar suporte a micro e pequenas empresas –, a Fira foi uma das que trouxe os melhores resultados.

“A missão ao Canadá foi um sucesso e foi avaliado que abriu uma perspectiva de negócios de R$ 7 milhões para todas as empresas que participaram. A Fira teve uma parte importante nisso e ficamos positivamente surpresos com seu desempenho”, explica o gestor do projeto Sebrae 2014, Gustavo Baião. No ano que vem, a Fira participará do projeto Economia Criativa 2014, também voltado para o apoio a novos empreendimentos e coordenado por Gustavo.

Para o diretor da Fira, Vinicius Rossignoli, alcançar o reconhecimento do Sebrae foi uma conquista. “Somos uma das empresas que mais tem feito pela indústria brasileira de jogos. Esse reconhecimento significa que nosso trabalho tem feito diferença e que valeu a pena”, comenta.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Projeto discute políticas para empreendimentos sociais
16/12/2013

Com o objetivo de ampliar o debate sobre economia solidária, acontece amanhã o Seminário do Projeto Mapeamento e Apoio ao Desenvolvimento de Empreendimentos Econômicos Solidários (Madesol) no DF e Goiás. O evento terá lugar no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), das 8h às 12h, e contará com mesas redondas e palestras.

Uma das finalidades do seminário é apresentar os dados do Sistema Nacional de Informações em Economia Solidária (SIES) – onde estão cadastrados os diversos empreendimentos da área no país –, com vistas a discutir como formular políticas públicas para o setor. Vários representantes de movimentos sociais participarão do debate.

No dia 18, ainda, o mesmo Seminário acontecerá em Goiânia, na Universidade Federal de Goiás. Confira, a seguir, a programação do evento.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Alunos da UnB idealizam lava-jato ecológico
16/12/2013

Muita água é desperdiçada ao se lavar um carro. Já imaginou como o meio ambiente seria beneficiado se toda essa água fosse reutilizada para limpar outros veículos? Foi a partir da vontade de dar uma solução ao problema que um grupo de alunos idealizou o projeto Lava-Jato do Cerrado, como trabalho final da disciplina Introdução à Atividade Empresarial – oferecida pela Escola de Empreendedores do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (UnB). O trabalho foi exposto na 4ª Feira de Negócios e Inovação, que aconteceu no último sábado no Centro Comunitário Athos Bulcão, onde passou pela avaliação do júri e conquistou o primeiro lugar, concorrendo com mais de 100 outros projetos.

“Para coletar a água que escorre ao lavar os carros, idealizamos um sistema que utiliza um equipamento criado pela empresa Aquabrasilis para esse fim. Com ele, é possível reutilizar 95% da água”, explica a estudante de engenharia de produção e integrabte do grupo vencedor Ana Carolina Blumm, 21 anos. Segundo o colega e aluno de Administração Pedro Ravizzini, 21, conquista o primeiro lugar na Feira foi uma surpresa. “Foi inesperado, mas é algo ótimo pelo reconhecimento”, comemora.

O segundo lugar da competição ficou com o grupo Move 2, que idealizou um serviço de mapeamento físico de instituições. Os mapas interativos gerados seria marcados com pontos de interesse, que poderiam ser atualizados com as atividades que acontecessem nos locais durante eventos, por exemplo. O terceiro lugar, finalmente, ficou com o projeto Smart Hydrometer, um dispositivo que utiliza sensores para medir a vazão de água em edificações, evitando a entrada de ar e cobranças indevidas. Os primeiros três colocados na Feira ganharam troféus e sacolas de brindes.

Como funciona – Além de ficar expondo seus projetos durante a manhã e tarde da Feira, as equipes de alunos também tiveram que apresentar seus projetos para a banca examinadora, formada por professores e empresários e encarregada de escolher os melhores trabalhos. Para a coordenadora da Escola de Empreendedores do CDT/UnB e integrante do júri Cristina Castro, os resultados desta edição da Feira foram muito satisfatórios. “Foram muitas idéias realmente criativas e que tem chance no mercado”, comentou.

Mais uma premiação – Também durante a Feira, foi realizada uma competição entre as cervejas fabricadas pelos alunos da disciplina Fundamentos de Produção de Cerveja. Quatro marcas desenvolvidas ao longo do semestre foram degustadas tanto por uma banca de jurados como pelo público, que deu sua nota a cada uma. A vencedora foi a Pança Beer, cuja proposta é oferecer uma cerveja com o máximo teor alcoólico possível, mas conservando um sabor agradável. “Mereceram o primeiro lugar porque o cálculo que fizeram para produzir a bebida foi seguido fielmente. Ou seja, eles uniram a teoria à prática”, disse a professora da disciplina, Grace Ghesti.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Empresas IPe e Geosonar são graduadas do processo de incubação
16/12/2013

Duas empresas incubadas no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) foram graduadas no último sábado, durante a 4ª Feira de Negócios e Inovação, no Centro Comunitário Athos Bulcão. A IPe e a Geosonar chegara ao fim do processo de incubação com bons resultados de crescimento e promissoras perspectivas para o futuro.

O co-fundador da IPe Roberto Braga faz um balanço positivo da cooperação com o CDT e diz que um dos pontos mais positivos do processo de incubação foi inserir a empresa em um ambiente tão fértil para os negócios. “Pudemos estar e contato com outras empresas e fazer muito networking”, pondera. Já o diretor da Geosonar, Vitto César, destaca todo o conhecimento ao qual ele e sua equipe tiveram acesso na Multincubadora do Centro. “Nós já sabiamos a parte técnica, mas não tínhamos nenhuma noção de Administração e o CDT nos ajudou a pôr os pés no chão nesse sentido”, afirma.

Variedade  – Além das incubadas, também participaram da Feira as Empresas Juniores da UnB, cujos integrantes aproveitaram o evento para ver de perto a atuação de outros empreendimentos consolidadas no mercado. “Participar da Feira é uma oportunidade para conhecer a experiência de outros empresários e saber o que podemos aplicar na nossa empresa”, comenta o aluno de Comunicação social e integrante da EJ de Doisnovemeia Publicidade Luiz Brodowski Jr.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

Feira de Negócios da Universidade de Brasília atrai público recorde e faz sucesso no final de semana
16/12/2013

 

Um dia inteiro voltado para o empreendedorismo. Essa foi a proposta da 4ª Feira de Negócios e Inovação, realizada pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), no último sábado (14). O evento reuniu professores, alunos, empresários e comunidade em geral, no Centro Comunitário Athos Bulcão, e teve uma programação intensa com palestras, rodada de negócios, lançamento de livros e exposições.

“Essa feira tem uma série de atividades que envolvem extensão, graduação e pós-graduação da Universidade de Brasília”, explicou o diretor do CDT/UnB, Paulo Suarez, durante a cerimônia de abertura. “Aqui, teremos o lançamento de cerca de vinte livros, também vamos mostrar tecnologias geradas na Universidade e protegidas pelo Núcleo de Inovação Tecnológica; temos as empresas incubadas apresentando o trabalho que estão desenvolvendo e vamos ter a graduação de duas delas hoje – são empresas que com sucesso conseguiram se formar no mercado. E essa é a grande importância da Feira: mostrar esse serviço que a gente presta para a sociedade”, completou.

A professora Cristina Castro-Lucas, coordenadora da Escola de Empreendedores do CDT e idealizadora da Feira, falou sobre as expectativas de mais uma edição, aonde o número de alunos participantes vem aumentando consideravelmente. “A expectativa é realmente disseminar a cultura de empreendedorismo e inovação tecnológica, que é a principal fonte de crescimento e de desenvolvimento da economia brasileira, para os alunos, pesquisadores, professores e transeuntes em geral”, assegurou.  

Ela destacou, ainda, a importância do evento para os alunos. “É uma culminância das disciplinas – Introdução à Atividade Empresarial (IAE), Gestão da Inovação e Tópicos Contemporâneos em Administração 1, e Empreendedorismo e Análise de Mercado em Biotecnologia – e de tudo que eles trabalharam e projetaram ao longo do semestre, onde eles poderão expor seus Planos de Negócios e interagir com outros alunos, empresários e investidores e, realmente, ver seus trabalhos consolidados”, afirmou a professora.

Os projetos apresentados pelos alunos foram analisados por uma banca examinadora, que avaliou a viabilidade econômica das propostas e escolheu as três melhores. A Feira também contou com a participação de integrantes das Empresas Juniores da UnB e dos empreendimentos incubados pelo CDT, que puderam mostrar os seus serviços, processos e produtos para a comunidade e investidores.

Ao longo do dia, também aconteceram o Café Empresarial – ambiente descontraído para empresários e empreendedores que se reuniram com o objetivo de trocar experiências, informações e ampliar suas redes de contato; graduação das empresas incubadas – IPe e Geosonar; palestra com o presidente da Associação das Startups e Empreendedores Digitais (ASTEPS), Antônio Ventura, que falou sobre sua história empreendedora e os conceitos e passo a passo para se criar uma startup; mesa de discussão sobre inovação, empreendedorismo e investimentos, cujo objetivo foi fomentar a melhoria no potencial inovador de novos negócios e a sua sobrevivência no mercado, e teve a participação, dentre outros, da superintendente executiva da Anprotec, Sheila Pires, do empresário graduado da IPe, Roberto Mascarenhas Braga; e do investidor da Sigel Capital, Bruno Brito.

A Feira também abriu espaço para a exposição de arte, ciência e novas tecnologias – onde foram apresentados os resultados de pesquisa de projetos desenvolvidos na UnB; lançamento de obras com temas como empreendedorismo, inovação, gerenciamento de projetos e propriedade intelectual, que teve o apoio do CNPq; Rodadas de Negócios e apresentação de negócios a investidores; e o II Concurso de Cervejas Especiais, onde concorreram os alunos da disciplina “Fundamentos da Produção de Cerveja”, ministrada pela professora Grace Ghesti. O evento foi encerrado com a premiação dos alunos.

A vice-reitora da Universidade de Brasília, Sônia Báo, marcou presença na Feira e elogiou a iniciativa. “Eu acho que é tudo de bom isso aqui! Porque essa feira traz e mostra o que a Universidade está fazendo, envolvendo principalmente o segmento estudantil, e inserindo-o no mercado de trabalho, num cunho empresarial”, ressalta. “Nós temos que tentar descobrir desde cedo quem são os talentos com viés para os negócios, para a inovação, para transformar o conhecimento que se produz dentro da Universidade em coisas que vão ser aplicáveis e uteis, num prazo de tempo bem menor, para a sociedade”, finaliza.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  “Tem dois aspectos importantes: primeiro de o CDT      difundir o que faz, todo o seu mecanismo, toda as suas  ações em prol da comunidade acadêmica e externa da  Universidade; e o outro é o fato de os próprios  participantes, estudantes, professores e técnicos do  CDT experimentarem como mostrar e como fazer esse  mecanismo de transferência do conhecimento. E o mais  importante, trazer a mídia como um todo pra ser uma  parceira na divulgação daquilo que a Universidade faz,  ou seja, além de ensinar a sociedade, também  disponibilizar esse conhecimento para todos.”

Luiz Afonso Bermúdez, Decano de Administração e Finanças, sobre o que a Feira representa para a comunidade

 

 

 

 

 

 

 

 

“Gostei muito da feira, e acho que essa é a vocação de Brasília, estimular  o empreendedorismo e a inovação, pois é o que vai criar mais  oportunidades de negócios, de geração de renda e emprego e, portanto, de  melhorar a qualidade de vida do Distrito Federal e de toda a região.”

 Rodrigo Rollemberg, Senador, sobre a Feira

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

 

  “Foi muito positivo, tiveram várias ideias inovadoras e empresas com grande potencial de    crescimento aqui na Feira, que aliás foi muito bem organizada. Brasília precisa de uma feira desse  tipo, dado que hoje é a capital dos concursos, a juventude toda estudando pra concurso  público e eu fiquei muito feliz de participar de um evento em que, pelo menos uma parcela  dessa juventude, está querendo empreender e desenvolver negócios. Aqui precisa disso!”

 Bruno Brito, sobre a Rodada de Investidores

 

 

 

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 


 

Parceria para o desenvolvimento
12/12/2013
 
 
Na tarde desta quarta-feira (11), foi celebrado o Acordo de Cooperação entre o Governo do Distrito Federal (GDF) e a Fundação Universidade de Brasília (FUB) objetivando a união de esforços para a criação do Parque Científico e Tecnológico da UnB (PCTec-UnB). O acordo visa, principalmente, promover o desenvolvimento tecnológico, a inovação e o empreendedorismo, onde compete ao GDF apoiar, incentivar e promover a consolidação do PCTec e à FUB agregar empreendimentos que desenvolvam tecnologias nas mais variadas formas, em segmentos de ensino, pesquisa e extensão.
 
A assinatura do termo aconteceu durante o evento de apresentação do balanço das atividades do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social do Distrito Federal (CDES-DF) e contou com a presença de várias autoridades, dentre elas, o governador do DF, Agnelo Queiroz; o secretário de Governo, Gustavo Ponce; o reitor da Universidade de Brasília, Ivan Camargo; e o diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB), Paulo Suarez; que assinaram o Acordo de Cooperação. 
 
O reitor Ivan Camargo afirma que é importante unir esforços com outras instituições que fazem ciência e tecnologia em Brasília, e acredita que esse acordo com o governo federal vai potencializar o plano de instalação do Parque Tecnológico. “Nós temos feito diversas parcerias com o governo, não apenas nas áreas óbvias – educação e saúde –, mas também em várias outras, como turismo e esporte, e, nessa área de ciência e tecnologia, essa parceria é indispensável”, ressalta.
 
O diretor do CDT/UnB – que é o gestor do Parque –, professor Paulo Suarez, destaca que o mais importante nessa parceria é ter o apoio do Governo do Distrito Federal para a iniciativa de implantação do PCTec-UnB. Além disso, “esse primeiro acordo pode se transformar em novos termos que venham a ter uma colaboração direta do GDF no sentido de alavancar a instalação do Parque”, completa. 
 
Já Vinícius Rossignoli, que é mestrando em Ciência da Informação na Universidade de Brasília e possui uma empresa de jogos incubada no CDT/UnB (Firasoft), afirma que essa parceria com o GDF representa um importante avanço que faz com que a Universidade passe, de fato, a fazer parte do plano estratégico local, onde tecnologias desenvolvidas dentro da Universidade passam a ser utilizadas pela sociedade, gerando receita, renda e reconhecimento local. “Hoje é o CDT que nos dá esse apoio e tem sido, inclusive, um importantíssimo parceiro para o desenvolvimento da indústria de jogos aqui em Brasília e, com esse novo termo de parceria que vai ser assinado hoje, a UnB passa a fazer ainda mais parte desse cenário brasileiro de desenvolvimento, não só de games, mas de tecnologia de forma geral”, finaliza. 
 
 
             
 
 
 
 
O Parque 
 
O Parque Científico e Tecnológico foi implementado pela Universidade de Brasília e está sob gestão do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB). É um apoio a mais na construção de novas relações institucionais entre Universidade, Empresa, Governo e Sociedade, criando um ambiente favorável ao desenvolvimento e à comercialização de tecnologias, formação e absorção de profissionais e desenvolvimento de produtos, bem como processos e serviços inovadores.
 
O PCTec-UnB gera conhecimento, produtos e serviços para atender o mercado, em parceria com empresas públicas e privadas, nacionais e internacionais. Visa ao desenvolvimento socioeconômico e o fortalecimento das estruturas de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) do Brasil. Com o Parque, as tecnologias que são desenvolvidas na Universidade chegam ao mercado. Além disso, as Empresas de Base Tecnológica geram empregos de alto valor na comunidade.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

União Europeia lança programa de apoio à pesquisa
11/12/2013

O maior programa de incentivo à pesquisa e inovação da história da União Europeia (UE) foi lançado hoje no Brasil, em seminário realizado no Auditório GDLN do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB).  O Horizon 2020 está previsto para começar em dezembro de 2013 e tem verba de quase € 80 bilhões – equivalentes a aproximadamente R$ 250 bilhões –, que será investida ao longo de 7 anos. O dinheiro será aplicado no apoio a novos projetos voltados para ciência e tecnologia. Empresas e instituições brasileiras que trabalhem em parceria com entidades europeias também podem concorrer ao financiamento do Horizon 2020.

Participaram do evento o Reitor da UnB, Prof. Ivan Camargo, e o chefe do setor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Delegação da UE no Brasil, Piero Venturi, que participaram da mesa de abertura e fizeram discursos comemorando o projeto. A seguir, Venturi apresentou o Horizon 2020,  explicou como funciona e detalhou quais são os objetivos. “As prioridades do programa são produzir ciência de excelência, alcançar liderança industrial e focar em desafios sociais˜, afirmou.

Outras iniciativas de incentivo à pesquisa e inovação também foram apresentadas durante o seminário, como a Euraxxes – portal de apoio para pesquisadores europeus e brasileiros – e o B.Bice+ – projeto financiado pela Comissão Europeia para apoiar a cooperação bilateral entre a os estados membros da UE e o Brasil. 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Curso ensina a artesãos como melhorarem seu negócio
29/11/2013

Como fazer do artesanato um negócio de sucesso? Esse foi o foco da Capacitação para Multiplicadores do Programa de Artesanato Brasileiro (PAB), que teve início na segunda-feira (25) e encerrou hoje (29). Cerca de 15 artesãs participaram de 40 horas de cursos e dinâmicas, ao longo das quais foram abordadas questões como marketing, definição de público-alvo e de preço, planejamento, associativismo e cooperativo, oratória e, inclusive, noções sobre criação de identidade visual.

Segundo o instrutor da capacitação, Thiago Lucas – formado em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília –, a finalidade do curso é a quem trabalha com artesanato como aprimorar seus negócios. “O objetivo é que o artesão consiga se ver também como um empreendedor, para que tenha o máximo de sucesso possível com o que ele produz”, explica Thiago.

As artesãs que participaram afirmaram esperar bons resultados do curso. “Queremos sair da capacitação com uma expectativa de maior rendimento e experiência como multiplicadoras”, diz Maria de Fátima Oliveira, tesoureira da Associação Estrutural Arte & Borda na Vida. 

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Empresárias Júniores realizam workshop sobre gestão financeira
29/11/2013
 
 
"Noções sobre gestão financeira" foi o tema de workshop que aconteceu hoje (29), no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). A palestra foi ministrada pelas integrantes da Empresa Júnior AD&M, Ana Carolina Leal e Stefania Fernandes.
 
No início do curso, foi realizada uma breve apresentação sobre a história  e atuação da AD&M. No restante da palestra, foram abordados assuntos como controle financeiro, investimentos e fontes de financiamento. Participaram do evento, empresários, atuais clientes da EJ e outro que estão em processo de negociação, bem como potenciais clientes.
 
 
A empresa  
 
Inserida no Movimento Empresa Júnior (MEJ), a AD&M foi a primeira Empresa Júnior do Centro-Oeste. Ao  longo de sua jornada, conquistou espaço no mercado devido ao seu potencial e à sua excelência. A empresa também foi reconhecida como a Melhor Empresa Júnior do Brasil, dentre mais de 500 empresas juniores, pelo Prêmio Interação Universidade-Empresa, promovido pelo Instituto Euvaldo Lódi, em parceria com a Confederação Nacional da Indústria.
 
Novas tendências para o mercado imobiliário
28/11/2013

 

A edição de novembro do tradicional Café Empresarial do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) teve como tema “A importância da Tecnologia no Mercado Imobiliário”. O encontro aconteceu na manhã desta quinta-feira (28) e reuniu empresários, corretores de imóveis e interessados nas tendências deste ramo, no auditório da instituição.

O palestrante convidado Roberto Pantoja, que trouxe a maior franquia imobiliária do mundo para Brasília (RE/MAX), trabalha com tecnologia há quinze anos e também possui uma aceleradora de startups, por isso usa da tecnologia para alavancar vendas e recrutar talentos. Pantoja falou sobre alguns problemas desse mercado e as possíveis soluções, além de expor a sua experiência nos últimos cinco anos.

”O principal problema que eu identifiquei quando entrei no mercado imobiliário foi a educação, porque você tem pouco material para que os corretores possam estudar, e a solução que criei foi um curso online que ensina a captar imóveis, e hoje é o mais vendido do Brasil”, afirma. Ele também deu exemplos de algumas tendências nessa área, como a realidade aumentada. “Eu acredito que no futuro você vai usar o Google Glass para saber quais imóveis estão à venda na sua região”, completa.

Depois, foram apresentadas as ferramentas interativas para o mercado imobiliário, por Roni Ribeiro (diretor de produção da empresa Tiú Game Studio, incubada no CDT/UnB), Anderson Gomes (sócio proprietário da empresa Cena Virtual) e Rodrigo Dias. Eles desenvolvem maquetes virtuais interativas e mostraram como essa ferramenta pode ser prática e versátil.

 

 

“A maquete virtual é feita justamente para dar essa versatilidade na demonstração da arquitetura e dos ambientes para o setor imobiliário. Ela possibilita fazer um passeio pelo ambiente, em tempo real, onde a pessoa tem todo o comando de visualizar e de passar onde tem interesse”, explica Anderson. “Com essa maquete, também podemos economizar em espaço, tempo e transporte, pois não é preciso transportar maquetes grandes e pesadas”, acrescenta.

O corretor de imóveis José Cláudio Bessoni, que trabalha na RE/MAX Unique, achou que as palestras foram claras e atenderam aos objetivos esperados. “O Roberto Pantoja deixou bem clara a relação entre corretor, cliente e os meios atuais que podem dinamizar, melhorar e facilitar a vida dos corretores na intenção das vendas e de atendimento aos proprietários e aos clientes”, elogiou. A respeito das ferramentas apresentadas, Bessoni achou que a tecnologia da maquete interativa é excelente para o ramo imobiliário.

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Café Empresarial de Novembro terá duas palestras
27/11/2013

Esse mês o Café Empresarial terá não uma, mas duas palestras recheadas de conhecimento. O tema do evento vai ser: “A importância da Tecnologia no Mercado Imobiliário”. E vai ensinar aos participantes sobre o privilégio e a importância das tecnologias no comércio de imóveis, com apresentação também de exemplos de Ferramentas Interativas para o Mercado Imobiliário, pela empresa incubada no CDT/UnB, Tiú Game Stúdio.  

O encontro acontece no dia 28 de novembro, quinta-feira, às 8 horas. 

 

Conheça os Palestrantes:

·         Roberto Pantoja

·         Trouxe a maior franquia imobiliária do mundo para Brasília, mercado que atua ha cinco anos, hoje é colunista dos principais portais imobiliários do Brasil e seu curso online de vendas para corretores de imóveis é o mais vendido do país. Trabalha com tecnologia há quinze anos e também possui uma aceleradora de startups, por isso usa da tecnologia para alavancar vendas e recrutar talentos.

 

·         Marcelo Ramos W Imóveis

·         Marcelo Ramos fez um trabalho brilhante com o sócio no WImóveis. Na última década o Portal WImóveis vem apresentando um crescimento notório, ao mesmo tempo em que firma sua marca no setor imobiliário nacional como sinônimo de credibilidade e de bons negócios. O empresário Marcelo Ramos, diretor comercial e um dos proprietários do Portal, faz um brilhante trabalho ao lado de seu sócio, Augusto Abdala. Formado em Administração pela Universidade de Brasília e em Marketing Estratégico pela Escola Superior de Propaganda e Marketing.

Serviço:

Café Empresarial - Edição Novembro

Data: 28 de novembro

Horário: 8 horas

Local: Auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília

Entrada Franca

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Empresa incubada ganha o mercado internacional
26/11/2013

Comitiva brasileira em visita à Uken Games

 

A Fira Games, empresa de jogos incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), participou, em outubro, de um projeto desenvolvido pela Associação Brasileira dos Desenvolvedores de Jogos Digitais (Abragames) e pela Agência Brasileira de Promoção a Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O Projeto Setorial de Exportação “Brazilian Game Developers Export Program” visava conhecer os clusters de produção de jogos no Canadá e levou quatro sócios da Fira, que embarcaram com o objetivo de internacionalizar a empresa, ganhando novos mercados.

A empresa teve o apoio do CDT, que enviou uma carta de recomendação direcionada aos gestores de incubadoras do Canadá, e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) que os acompanhou na viagem. O diretor da Fira, Vinícius Rossignoli, explica que a sua equipe foi com o objetivo de constituir parceiros e montar parte da empresa em terras canadenses. “O que aconteceu foi que, além dos parceiros, os governos estaduais também querem nossa instalação por lá, e a ideia evoluiu para além de apenas nossa empresa, mas montar uma estrutura de Soft Landing para empresas brasileiras que queiram acessar o mercado canadense”, destaca o empresário.

A Fira Games recebeu três propostas para permanecer no Canadá. Uma delas foi em Quebec, na cidade de Montreal, onde o governo ofereceu vários incentivos fiscais para implementação da empresa; a segunda foi em Toronto, no estado de Ontário, e a terceira foi em Prince Edwards. Vinícius explica que ele e seus sócios ainda precisam avaliar qual proposta de fato é a mais interessante para a empresa, neste momento. Para ele, o mais importante é que as empresas brasileiras foram muito bem-aceitas por lá. “E as oportunidades de negócios aconteceram”, comemora. “A Fira vai desenvolver um trabalho, que está em processo de negociação, para portar um jogo, que foi um dos jogos indie mais vendidos no mundo”, completa animado.

A comitiva também participou do Montreal International Games Summit (MIGS), onde teve a oportunidade de conhecer a experiência dos produtores e desenvolvedores de jogos locais, além de realizar negociações diretas com grandes publishers e empresas como a Nintendo e a Ubisoft. Eles inclusive conheceram startups e brasileiros que investem em empresas nascentes e querem trazê-las para o Brasil. “Nós pudemos conhecer um pouco melhor da realidade das empresas de Montreal, que são empresas muito grandes. A UbiSoft  está por lá, e o negócio deles é desenvolver produtos para o consumidor final, como jogos Triplo A, que são jogos mais alto nível. Já em Toronto, a situação é diferente, é mais business, que é mais a pegada que a nossa empresa tem hoje”, afirma.

Vinícius se diz encantado com a gama de oportunidades existentes no exterior, e que a experiência valeu a pena. “Lá é um mercado absolutamente aberto, com muitas oportunidades de negócios e bem diferentes das que nós temos por aqui. E a ideia é que, com isso, possamos abrir portas para que novas empresas de Brasília e do Brasil também sigam o mesmo rumo”, conclui.

 

Confira a entrevista com o empresário Vinícius Rossignoli

 

 

CDT. Quais são as suas expectativas, a partir de agora?

Vinícius. Nós estamos trabalhando para, até março de 2014 ou antes disso, regularizar todas as questões de documentação para que no ano que vem a gente já tenha essa ‘perna’ por lá. As negociações já começaram e estão bem avançadas. Já temos contatos com investidores do Canadá que querem investir em empresas brasileiras e, além disso, os próprios gestores dos governos, tanto de Toronto quanto de Montreal, estão em contato direto conosco, onde conversamos todos os dias pra saber quais serão os próximos passos.

 

CDT. Quais são as novidades da Firasoft, em termos de jogos?

Vinícius. Nesse momento, estamos desenvolvendo o Kriophobia, que é um jogo ao estilo survival horror, um jogo de terror para dispositivos móveis e que fez um sucesso bem interessante no Canadá, onde nós o apresentamos em alguns encontros de jogadores. Nós levamos uma demo vertical, que é uma apresentação geral de como vai ser o jogo, e apresentamos pra Nintendo, Bandai e Microsoft, e todos eles tiveram interesse no jogo. Tanto é que esse jogo, quando foi apresentado no Brasil, nos fez sermos aceitos pela Sony, como empresa incubada deles.

 

CDT. Qual foi sua impressão pessoal dessa experiência?

Vinícius. A viagem, além de ser um ambiente completamente diferente e novo, abriu novos horizontes e novas perspectivas, e nos fez entender que o mercado de jogos tem muito mais força do que a que conseguimos enxergar aqui. O Brasil é um mercado com o potencial muito grande, que precisa ser desenvolvido, mas para que consigamos chegar no nível deles, precisamos ainda de um tempo de maturação, e a forma como queremos acelerar esse período é irmos pra lá, aprendermos com eles, desenvolvermos lá e incentivarmos as empresas daqui a terem o crescimento que eles têm.

***

LÍVIA CAROLINA MACHADO

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Feira de Negócios e Inovação receberá 2 mil visitantes
25/11/2013

Evento realizado pelo CDT/UnB contará com a participação de alunos, professores e empresários, e um programa repleto de atividades voltadas ao empreendedorismo.

 

Difundir a cultura empreendedora e incentivar o desenvolvimento de novos e criativos produtos e serviços. Essa é a proposta da Feira de Negócios e Inovação, cuja quarta edição acontece no dia 14 de dezembro, no Centro Comunitário Athos Bulcão da Universidade de Brasília (UnB). Alunos da instituição, professores, empresários, investidores e a sociedade em geral poderão participar de uma série de atividades voltadas para o empreendedorismo, em um ambiente favorável à interação entre a UnB e o mercado, e ao amadurecimento de projetos.

A Feira é organizada pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da UnB (CDT/UnB). Na Feira, alunos das disciplinas de Introdução à Atividade Empresarial (IAE), Gestão da Inovação e Tópicos Contemporâneos em Administração 1, e Empreendedorismo e Análise de Mercado em Biotecnologia, oferecidas pelo CDT, apresentarão seus trabalhos finais – planos de negócios que foram desenvolvidos ao longo do semestre. Os projetos serão analisados por uma banca examinadora, que avaliará a viabilidade econômica das propostas e escolherá as três melhores. “É uma oportunidade para que os estudantes entendam melhor o que o mercado procura e pensem em alternativas para levar o negócio a frente”, afirma a coordenadora da Escola de Empreendedores (Empreend) e organizadora da Feira, Cristina Castro-Lucas.

O evento também contará com a participação de integrantes das Empresas Juniores da UnB e dos empreendimentos incubados pelo CDT, que irão expor seus trabalhos. “Além de tornar seu trabalho conhecido para a sociedade, a Feira também pode ser uma chance para que os empresários troquem experiências e, inclusive, captem clientes e investidores, formando uma rede de contatos”, salienta a coordenadora da Multincubadora, Jurema Barreto.

Ainda há mais atividades previstas para a Feira. Palestras, lançamento de livros, rodadas de negócios e painéis de discussão acontecerão ao longo do dia, simultaneamente às apresentações dos alunos. “A Feira tem a finalidade de aproximar Universidade, mercado e sociedade, oferecendo um espaço para que a teoria e a prática se encontrem”, defende Cristina. “Apoiar e disseminar o empreendedorismo e a inovação é uma forma de contribuir para o desenvolvimento econômico do Distrito Federal e do Brasil.

Sucesso ascendente – A Feira de Negócios e Inovação atrai cada vez mais público, de edição em edição. O primeiro ano do evento contou com a participação de 110 alunos, número que subiu para 500 no ano seguinte. Na terceira edição, foram 1,2 mil alunos. Confirmando o sucesso, a previsão para este ano é de que 2 mil visitantes passem pela Feira.

 

 

Serviço

Feira de Negócios e Inovação

Dia 14 de dezembro (sábado), das 8h às 18h

Centro Comunitário Athos Bulcão da Universidade de Brasília

Entrada franca

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Série Especial: Empresa Júnior - CDT/UnB
19/11/2013

 

 
 
Fonte: UnBTV
Informe UnB: 4ª Feira de Negócios e Inovação
18/11/2013

 

 
 
Fonte: UnBTV
CDT adota nova metodologia para a Incubadora de Empresas
14/11/2013

Com o objetivo de aprimorar o processo de incubação, será implementado o modelo do Centro de Referencia ao Apoio a Novos Empreendimentos (Cerne)

Com o propósito de melhorar as práticas essenciais ao processo de incubação de empresas, a Multincubadora do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) está em processo de implantação da metodologia do Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (Cerne). “O processo de implantação do modelo Cerne traz como benefício a redução de variabilidade, ampliação da quantidade e qualidade do empreendimentos, melhoria na transparência e padronização dos processos e ampliação da taxa de sucesso dos empreendimentos”, explica a coordenadora da Multincubadora, Jurema Barreto.

O modelo foi criado em 2012 pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) junto à Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). O foco da fase inicial de implantação é no desenvolvimento dos empreendimentos, abordando elementos de gestão essenciais à geração de negócios bem-sucedidos.

Uma das etapas desta fase prevê uma série de capacitações para colaboradores e empresários, que tiveram início no mês de outubro e continuam até o final de novembro. Conhecimentos necessários sobre licitações, investimento e vendas, oratória, captação de recursos, pesquisa de mercado, formação de preços, planejamento financeiro, plano de negócios e planejamento de marketing serão alguns dos assuntos abordados. Para participar, envie um e-mail para lorena@cdt.unb.br ou karen.silva@cdt.unb.br

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

CDT participa de simpósio sobre comércio e serviços
13/11/2013

O Centro participa do stand da Rede Candanga de Incubadoras em evento que começou ontem e encerra hoje

 

Como parte da Rede Candanga de Incubadoras, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) está participando do Simpósio Brasileiro de Políticas Públicas para Comércio e Serviços (Simbracs) 2013. O evento acontece no Centro de Eventos e Convenções Brasil 21, começou ontem e encerra hoje. Maior evento realizado pelo Governo Federal em prol do desenvolvimento do setor terciário, o Simbracs discutirá inovações e informações relevantes para a competitividade de empresas da área. 

 

A programação do simpósio conta com uma série de palestras e painéis sobre empreendedorismo, negócios e desenvolvimento regional, entre outros assuntos. O evento também conta com uma exposição da qual participam diversas entidades do governo, do setor privado, instituições acadêmicas e convidados internacionais. O CDT divide o stand com as incubadoras do UniCeub e da Universidade Católica de Brasília (UCB) – Casulo e Incubadora Tecnológica de Empresas (Itec), respectivamente. 

 

Expositores que representaram cada uma dessas instituições no Simbracs defendem que o evento é uma boa oportunidade para ampliar redes de contato e prospectar novas oportunidades de negócios. “O simpósio reúne muitas informações importantes para quem trabalha com comércio e serviços, além de oferecer a possibilidade de fazer parcerias, inclusive com órgãos internacionais”, opina o técnico da Multincubadora do CDT, João Orlando Neto. A coordenadora do Núcleo de Inovação Tecnológica da (UCB), Emanuela Dias, endossa: “É um espaço para fazer networking  e divulgar nosso trabalho.” A estagiária da Casulo, Fabiana Fernandes, destaca, ainda, a visibilidade que o Simbracs proporciona ao trabalho das incubadoras. “Muitos dos empresários que participam do evento podem se tornar potenciais investidores”, acrescenta. 

PALOMA SUERTEGARAY 
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Semana Universitária movimenta os quatro campi da UnB
12/11/2013

Parceria com a Secretaria de Educação do DF levou milhares de alunos de escolas públicas para as atividades propostas

 
Cerca de oito mil estudantes e membros da comunidade em geral tiveram a oportunidade de participar das mais de 600 atividades propostas pela Semana Universitária, que aconteceu de 4 a 8 de novembro. Com o tema "Uma janela de oportunidades para a UnB do Futuro", a programação contou com um número de atividades 35% superior ao de 2012. “Houve essa parceria com a Secretaria de Educação que trouxe diversos alunos e também ampla participação da comunidade universitária, então foi uma semana construtiva”, afirmou a decana de Extensão, Thérèse Hofmann.
 
A parceria firmada com a Secretaria da Educação do DF trouxe mais de dois mil alunos de escolas públicas para visitas monitoradas, por dia. Ao todo, atuaram cerca de 70 monitores credenciados e treinados para receber e guiar os estudantes nas várias atividades escolhidas. Foram oferecidos transporte e alimentação aos alunos.
 
Durante os quatro dias da Semana Universitária, o Departamento de Matemática (MAT) da UnB ofereceu oficinas e minicursos para auxiliar estudantes do ensino médio no aprendizado da Matemática. Por meio de jogos e atividades distintas, os professores buscaram atrair a atenção dos jovens. As atividades são oferecidas pelos projetos de extensão Matemática Inclusiva e Integração Universidade Escola no Laboratório de Ensino de Matemática.
 
O Diretório Central dos Estudantes (DCE), em parceria com a Comunidade Católica da UnB (CCUnB), trouxe a Fundação Hemocentro de Brasília ao campus Darcy Ribeiro para incentivar doações de sangue. As triagens e coletas foram feitas pelos profissionais do Hemocentro em salas do Instituto de Ciências Políticas e de Relações Internacionais (IPOL).
 
A Feira Brasiliense de Ciência e Tecnologia (Febratec), que ocorreu na quarta (6) e quinta-feira (7) na Faculdade UnB Gama (FGA), contou com a apresentação de projetos científicos de cerca de 250 alunos do ensino médio e da educação profissional de nível técnico do DF. Os melhores trabalhos receberão premiação no próximo dia 12, terça-feira.
 
Paralela à Semana Universitária ocorreu a 15ª Semana do Empreendedor, organizada pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT). Foram ofertados workshops, oficinas e seminário para incentivar o empreendedorismo e estabelecer conexão entre universidade, comunidade e governo.
 
 
Fonte: UnB Agência
Evento no CDT/UnB discute Projeto do Ministério das Cidades
11/11/2013

 

Está acontecendo hoje (11), no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), a reunião do Projeto RIDEs (Diagnóstico do Saneamento Básico das Regiões Integradas de Desenvolvimento do Brasil – Ride DF e Entorno, Ride Polo Grande Teresina/PI e Ride Polo Petrolina/PE e Juazeiro/BA). O projeto é uma parceria do Ministério das Cidades com o CDT.

O objetivo do encontro é apresentar e discutir experiências de desenvolvimento de Planos de Saneamento, com vistas à definição de elementos do marco lógico do Estudo Diagnóstico RIDEs que auxiliem a conclusão da elaboração do “Plano de Trabalho Ajustado”, previsto no Estudo. A jornada também tem como objetivos permitir aos participantes do projeto travar conhecimento com o CDT/UnB, responsável pela coordenação administrativa do Estudo, e permitir que as diferentes equipes do Projeto se conheçam.

Estão presentes os coordenadores do Projeto RIDEs (nacional e regionais), bem como pesquisadores, técnicos, alunos e consultores envolvidos com o desenvolvimento do mesmo; representantes das instituições UnB, IFPI, UNIVASF, UFMG, e os técnicos do Ministério das Cidades.

O encontro teve início às 10h, com uma breve apresentação do CDT pela professora Cristina Castro-Lucas, e acontece até as 18h30, sob a orientação de Oscar de Moraes Cordeiro Netto, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos (PTARH), da Universidade de Brasília.

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

15° Semana do Empreendedor traz palestras e cursos sobre inovação
05/11/2013

 

Incentivar o empreendedorismo no meio acadêmico é uma forma de criar oportunidades de negócios e contribuir para o desenvolvimento do país. Discutir como fazer isso e divulgar a cultura inovadora entre alunos e professores é a proposta da 15° Semana do Empreendedor, realizada pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). O evento começou ontem (4), como parte das atividades da Semana Universitária (SemUni) de 2013, e segue até sexta-feira (8). Minicursos, palestras e workshops ministrados por especialistas são algumas das atividades previstas para os próximos dias.

O tema da edição deste ano da SemUni é “Uma janela de oportunidades para a UnB do Futuro”. Para se alinhar a proposta, a Semana do Empreendedor debate qual é o papel da Universidade no desenvolvimento de competências inovadoras e como aplicar o conhecimento produzido pela academia para gerar crescimento econômico. Assim explica a coordenadora da Escola de Empreendedores do CDT e organizadora do evento, Cristina Castro. “As Incubadoras, Empresas Juniores (EJs) e Parque Tecnológico da UnB são novos desafios para a Universidade no século XXI no campo das tecnologias de Informação e Comunicação, para disseminar a cultura empreendedora. Essa semana terá como objeto a discussão destes temas aliados ao conceito de inovação”, acrescenta.

A abertura da Semana do Empreendedor contou com uma mesa de discussão sobre relações estratégicas entre governo, Universidade e sociedade para realizar projetos de inovação e empreendedorismo. Participaram o diretor do CDT/UnB, Paulo Suarez; o diretor da EJ de engenharia civil Concreta, Pedro Ivo Santana; e o co-fundador da empresa de engenharia de redes IPe – incubada no CDT – , Roberto Mascarenhas. Alunos presentes no evento se empolgaram com o assunto e disseram ter boas expectativas para o resto da Semana. “Ver representantes de três frentes – Universidade, EJs e empresas incubadas – debatendo sobre o tema da inovação foi produtivo e tentarei participar de outras atividades do evento”, afirmou Jade Arantes, de 20 anos e estudante de engenharia de redes.

Confira a seguir o resto da programação da Semana do Empreendedor. Alunos da UnB podem se inscrever pelo site da SemUni.

 

SERVIÇO:

15° Semana do Empreendedor

De 4 a 8 de novembro

No Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB)

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Estudo traça perfil de parques tecnológicos
04/11/2013

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) lançou  uma análise do cenário atual dos parques tecnológicos brasileiros. Intitulado Estudo de Projetos de Alta Complexidade – Indicadores de Parques Tecnológicos, o documento avaliou dados de 80 iniciativas em diversos estágios, a partir de consulta a gestores das unidades em diversas localidades do país.

O estudo foi divulgado na abertura do 23º Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e da 30ª Conferência Mundial da Associação Internacional de Parques Científicos e Áreas de Inovação, em Recife, com presença do ministro Marco Antonio Raupp. É fruto da parceria entre a Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do ministério (Setec/MCTI) e o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB).

“Os parques tecnológicos e as incubadoras de empresas têm demonstrado eficiência na transferência de conhecimento de instituições de ciência e tecnologia para o setor empresarial”, destaca o titular da Setec, Alvaro Prata. “Pode-se afirmar que os resultados do estudo são importantes para o direcionamento das estratégias do PNI [Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas e aos Parques Tecnológicos] em futuras ações.”

A pesquisa avaliou os parques pelos critérios de distribuição geográfica, estágio atual de desenvolvimento, quantidade de empresas instaladas, número de empregos gerados, fontes de recursos e áreas de atuação.

 

Ganho socioeconômico

Segundo o estudo, 39,7% das 939 empresas instaladas nos parques que responderam ao questionário estão situadas na Região Sul (373), enquanto 32,3% ficam na Região Nordeste (303) e 24,5% no Sudeste (230). Juntas, as regiões Centro-Oeste e Norte abrigam 33 empresas (3,5% do total).

Até junho de 2013, essas iniciativas geraram 32.237 empregos, distribuídos entre institutos de pesquisa (1.797), gestão das próprias estruturas (531) e iniciativa privada (29.909).

Do total de empregos nas empresas, aproximadamente 13,5% envolvem mestres (2.950) e doutores (1.098). Para o secretário Prata, o indicativo contrasta com o universo empresarial brasileiro, cujo quadro de colaboradores tem participação menos expressiva de profissionais de tal nível educacional.

 

Concentração regional

Dos 80 parques tecnológicos analisados, 84% se encontram nas regiões Sul (34) e Sudeste (33), em diversas fases de desenvolvimento. O Nordeste tem quatro em operação e dois em implantação. Juntos, Centro-Oeste e Norte têm sete empreendimentos, nenhum em operação.

O relatório enfatiza a necessidade de promover o surgimento de habitats de inovação em áreas menos desenvolvidas, para explorar suas vantagens competitivas e apoiar setores da economia com maior valor agregado. Diante disso, editais do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTI) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCTI) direcionam 30% dos recursos para Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

 

Viabilidade financeira

O esforço conjunto das três esferas do governo e da iniciativa privada se faz presente nas três fases de desenvolvimento, embora a contribuição de cada fonte varie de acordo com o momento. O governo federal investiu 54% do total durante a etapa de projeto. No período de implantação, as esferas estadual e municipal se responsabilizaram por 92% dos recursos. Quando os parques entraram em operação, a iniciativa privada tomou frente, com 55% dos recursos.

Se somados os valores gastos nas três fases, o aporte federal de R$ 1,2 bilhão levou estados e municípios a fornecerem R$ 2,4 bilhões e empresas a aplicarem R$ 2,1 bilhões. “Esse resultado é altamente significativo, com clara demonstração de que o governo atua corretamente no seu papel de indutor no desenvolvimento desses habitats de inovação”, avalia Prata.

Quanto às áreas de atuação, o maior número de citações recaiu sobre tecnologias da informação e da comunicação (TICs), energia, biotecnologia, saúde, petróleo e gás natural e telecomunicações. Segundo o relatório, a diversidade se associa a características específicas de cada região, como indústria aeronáutica e espacial, agronegócio e meio ambiente.

Fonte: MCTI

Debate sobre Gestão de Projetos movimenta Café Empresarial do CDT
31/10/2013
 
 
Em palestra proferida na manhã desta quinta-feira (31) no Auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília, o consultor e instrutor do SEBRAE, Marcelo Mercadante, falou sobre a importância da gestão de projetos para novos empreendedores. Dando exemplos de várias pessoas que, ao longo do tempo, com força de vontade e criatividade, conseguiram superar os obstáculos e fazer a diferença, Mercadante mostrou como esses exemplos podem ser facilmente aplicados ao empreendedorismo, no contexto atual. 
 
Parafraseando a CEO do Yahoo!, Marissa Mayer, “A criatividade ama limites”, ele revela que alguns limites podem ser estimulantes para o processo criativo que, por sua vez, é muito importante para quem pensa em empreender. “Em 1961, quando John F. Kennedy falou em seu discurso que os EUA decidiram ir à lua nesta década não porque seria fácil, mas justamente porque seria difícil, ninguém acreditou que era possível, mas em 1969, a promessa foi cumprida!”, afirma o consultor, que também é sócio-diretor da empresa MCPro Tecnologia e mentor de novas empresas startups. 
 
Ele contou histórias de pessoas como o professor bengalês Muhammad Yunus, idealizador do Grameen Bank, primeiro banco do mundo especializado em microcrédito, que o fez ganhar o Prêmio Nobel, em 2006; e da professora paraibana Jonilda Ferreira, grande incentivadora da participação dos alunos na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, cujos esforços renderam cinco medalhas de ouro, duas de prata, três medalhas de bronze e 12 menções honrosas aos alunos, em 2012. 
 
No final, Mercadante explica as principais etapas da gestão de projetos, que em suma são: identificar um problema ‘real’, que vale a pena ser trabalhado; converter o problema em oportunidade de negócio; e desenvolver um modelo de negócios repetível e escalável. “É muito importante que quem está pensando em empreender, pense também em todas essas etapas para efetivamente concretizar um empreendimento de sucesso”, frisa o consultor.
 
O Café Empresarial é um evento tradicional do CDT/UnB). Realizado toda última quinta-feira do mês, proporciona a empresários, empreendedores e pesquisadores momentos de interação, conhecimento e troca de informações. A iniciativa também possibilita o networking entre empresários, bem como a prospecção de parceiros.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Café Empresarial aborda gestão de projetos
24/10/2013

O Café Empresarial de outubro traz palestra sobre gestão de projetos para empreendedores inovadores. O evento acontece no dia 31 de outubro e o palestrante será o sócio-diretor da empresa MCPro Tecnologia, consultor e instrutor credenciado do Sebrae Nacional e mentor de novas empresas startups, Marcelo Mercadante.

O Café Empresarial é um evento tradicional do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Realizado toda última quinta-feira do mês, proporciona a empresários, empreendedores e pesquisadores momentos de interação, conhecimento e troca de informações. A iniciativa também possibilita o networking entre empresários, bem como a prospecção de parceiros.

Programação:

08h30 – Welcome Coffee

9h – Palestra

10 h – Encerramento

Serviço:

Café Empresarial

Data: 31/10/2013

Horário: 8h30

Local: Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

CDT faz sucesso na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia
23/10/2013

No estande do Centro empolgou os visitantes, que puderam testar o jogo Batalha Itae.

 

A única coisa que você precisa para ter contato com o que há de mais novo e interessante no campo da ciência é percorrer um corredor. Essa é a oportunidade oferecida pela Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que está acontecendo no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, até este domingo (27). Em um espaço de 30 mil metros quadrados, foram montados 72 estandes de diversas instituições e órgãos, onde o visitante pode ter acesso a vasto conhecimento sobre variados assuntos. O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnologócio da Universidade de Brasília (CDT/UnB) é um dos expositores do evento, que tem entrada franca.

A edição deste ano da feira começou nesta segunda-feira (21) e segue o tema “Ciência, Saúde e Esporte”, com vista nos grandes eventos esportivos que serão sediados no país – a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos, em 2016. Até o domingo, são esperadas 140 mil pessoas, uma média de 15 a 20 mil pessoas por dia.

O estande do CDT foi montando na área reservada a UnB. Além de distribuir folhetos e informações sobre o Centro, os expositores também convidaram os visitantes a testar o jogo Batalha Itae, que fez bastante sucesso. A brincadeira consiste numa série de perguntas sobre empreendedorismo que os participantes devem responder para ganhar pontos e, depois, ter chances de afundar os barcos do adversário, seguindo as regras do tradicional jogo de batalha naval.

“Achei muito legal. O jogo ajudou para eu ter conhecimento sobre assuntos com os quais eu nunca tinha tido contato”, disse empolgada a estudante do primeiro ano, Yanca Alves, 16. A colega de sala Amanda Rodrigues, 15, concordou com a amiga: “Gostei bastante do jogo, é uma forma de aprender muito divertida e criativa.˜

 

Serviço

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade

Até dia 27, de 8h30 até as 18h (no domingo, até as 16h)

Entrada franca

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

Empreendedores sociais participam de segundo ciclo de palestras
22/10/2013

Mais um ciclo de palestras do Projeto de Mapeamento e Apoio ao Desenvolvimento de Empreendimentos Econômicos e Solidários no Distrito Federal e em Goiás (Madesol) teve início nesta terça-feira (22) e contou com a participação de empreendedores sociais de várias cidades do DF. As palestras acontecem no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília até sexta-feira, 25 de outubro.

Alguns dos temas abordados durante a capacitação são organização e gestão de empreendimentos econômicos solidários, gestão produtiva e qualidade do produto, acesso a capital e elaboração de projetos sociais e gestão financeira.

O projeto Madesol é uma parceria com a Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES) e com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). 

 

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Empresa graduada no CDT/UnB recebe prêmio da Finep
15/10/2013

Incentivar a cultura de inovação dentro do ambiente de trabalho ajuda a trabalhar a criatividade dos funcionários e pode trazer bons resultados para o empreendimento. Com esse princípio em mente, a empresa brasiliense Wise Informática – incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) na década de 1990 – lançou o projeto InovaWise, que conquistou o terceiro lugar do Prêmio Finep de Inovação no último domingo (13), na categoria pequena empresa da região Centro-Oeste. A iniciativa prevê uma série de ações de sensibilização e capacitações para os colaboradores sobre a importância de inovar, além da criação de um portal onde eles poderão cadastrar novas ideias para a Wise, que poderão ser implementadas no futuro.

A cerimônia de premiação aconteceu no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, na capital fluminense.

 Foram 28 ganhadores no total, que concorreram em cada uma das cinco regiões do país com outros 570 candidatos, nas nove categorias do Prêmio. Na categoria disputada pela Wise, foram 167 inscritos em todo o país. Os premiados no último domingo concorrerão à etapa nacional, que será realizada em Brasília.



A Wise foi criada em 1988 e trabalha com equipamentos para testar linhas telefónicas, cabos óticos e linhas de tv a cabo. Em 1990, entrou no processo de incubação do CDT/UnB, do qual fez parte durante aproximadamente 4 anos. De acordo com a sócia Suely Maria Silva – também diretora de Assuntos de Desenvolvimento Tecnológico da Federação de Indústrias do DF (Fibra) –, o InovaWise surgiu depois de que ela participou de um programa similar levado adiante pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). “Decidi aplicar o que aprendi e desenvolvi o projeto junto a outras três colaboradoras”, conta.

O InovaWise se trata de uma série de ações com o objetivo de desenvolver a inovação dentro da empresa, como cursos e capacitações para funcionários  e gerentes. Também foi construído um site onde os colaboradores podem cadastrar ideias inovadoras sobre gestão, administração e projetos que queiram sugerir à Wise. Essas propostas são discutidas por um comitê e, caso sejam aprovadas, são implementadas na empresa. Se a ideia der lucro, o colaborador ganha uma porcentagem como prêmio. “Desde que lançamos o projeto, em setembro, já recebemos oito propostas para serem analisadas”, acrescenta Suely.

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Programação da Semana Universitária incentiva alunos a empreender
14/10/2013

Um dos diferenciais da Universidade de Brasília é a visão de não formar apenas alunos com um diploma, mas gerar potenciais. Formar líderes competentes, pessoas que possam contribuir para a visão de crescimento do país e alcançar bons resultados ao longo da vida.  Com esse intuito, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) promove anualmente a XV Semana do Empreendedor.

O evento acontece dentro da programação da Semana Universitária da UnB e promove palestras, workshops, minicursos, e muito mais, para os alunos e a comunidade. É uma semana de geração de oportunidades para o desenvolvimento de ideias inovadoras, novos negócios, pesquisas de mercado, tecnologias, sustentabilidade e afins.

Uma das programações da XV Semana do Empreendedor é a Etapa de Submissão de Trabalhos, na qual podem participar alunos de graduação e pós-graduação, docentes e a comunidade em geral, com interesse em apresentar ideias e oportunidades de negócios ou casos de sucesso. O prazo para envio dos trabalhos é até o dia 20 de outubro e as apresentações acontecerão no dia 6 de novembro. Os melhores trabalhos serão publicados na revista semestral CDT em Foco. Leia aqui o regulamento.

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB



 

Alunos aprendem regras básicas da oratória
11/10/2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como falar em público sem ter medo e saber lidar com grandes audiências foi o assunto da palestra de hoje (11) do Estação Empreendedorismo. A palestrante foi a psicóloga, pós-Graduada em Psicologia Junguiana e consultora empresarial nas áreas de Recursos Humanos, Vendas e Oratória, Lucia Maria Romão.

Dentre o conteúdo ministrado está:    

  • A Arte de Falar em Público
  • Regras da Boa Comunicação
  • Técnicas de Dicção e Comunicação
  • Causas da Inibição e da Timidez
  • Técnicas de articulação
  • Técnicas de entonação
  • Postura adequada
  • Dicas para falar bem em público
  • O Poder e a necessidade de uma comunicação assertiva
  • O corpo na comunicação
  • Expressão da voz
  • A força da voz
  • Dicas para falar bem em público
  • Expressão do discurso - o que evitar

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB



 

Estação Empreendedorismo apresenta palestra sobre oratória
09/10/2013

Diariamente dependemos da comunicação em praticamente tudo o que fazemos. Uma boa oratória é importante para se conseguir uma comunicação eficaz. Muitas pessoas falham na hora de falar em público e fracassam para transmitir uma mensagem. A oratória pode facilitar sua vida e te salvar de diversas situações constrangedoras.

Nesse contexto, no dia 11 de outubro será realizada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília mais uma palestra do Ciclo Estação Empreendedorismo, com o tema “Oratória – A arte de falar em público”. O objetivo é dar informações sobre a superação de barreiras para a comunicação eficaz, como alcançar a excelência na comunicação com o público e melhorar a dicção e desinibição.

Dentre o conteúdo ministrado está:    

·         A Arte de Falar em Público

·         Regras da Boa Comunicação

·         Técnicas de Dicção e Comunicação

·         Causas da Inibição e da Timidez

·         Técnicas de articulação

·         Técnicas de entonação

·         Postura adequada

·         Dicas para falar bem em público

·         O Poder e a necessidade de uma comunicação assertiva

·         O corpo na comunicação

·         Expressão da voz

·         A força da voz

·         Dicas para falar bem em público

·         Expressão do discurso - o que evitar

 A palestrante desta edição será a Psicóloga, Pós-Graduada em Psicologia Junguiana e consultora empresarial nas áreas de Recursos Humanos, Vendas e Oratória, Lucia Maria Romão. O Estação Empreendedorismo é aberto aos alunos da Universidade de Brasília e toda a comunidade. Para se inscrever clique aqui.

Serviço – Ciclo Estação Empreendedorismo
Data: 11/09
Hora: 13hrs
Local: Auditório CDT/UnB – Campus Universitário Darcy Ribeiro

JULIANA TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Capacitação para empreendedores sociais encerra com bons resultados
04/10/2013

Depois de quatro dias de palestras, dinâmicas e outras atividades, foi encerrado hoje (04) o primeiro ciclo de capacitações  para empreendedores sociais, realizado dentro do Projeto de Mapeamento e Apoio ao Desenvolvimento de Empreendimentos Econômicos e Solidários no Distrito Federal e em Goiás (Madesol). O evento aconteceu no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e contou com a presença de integrantes de diversos empreendimentos sociais do DF.

As capacitações tiveram início com uma palestra ministrada pela professora da Faculdade de Educação da UnB e diretora de diversidade do Decanato de Assuntos Comunitários (DAC), que explicou os objetivos e importância do Madesol. Nos dias seguintes, os participantes do evento presenciaram outras palestras a cargos de técnicos da Multincubadora do CDT, que abordaram assuntos como perfil empreendedor, desenvolvimento de equipes e cooperativismo.

No terceiro dia do ciclo, ainda, os empreendedores puderam experimentar o Jogo do Laboratório de Inovações Tecnológicas para Ambientes de Experiência (ITAE) – um moderno ambiente dentro do CDT usado para capacitações multimídia por meio de jogos de imersão  – e testar seus conhecimentos sobre empreendedorismo social. Para encerrar, o quarto dia contou com uma útil dinâmica sobre marketing e mercado, durante a qual os participantes do evento se juntaram em equipes e criaram jingles e slogans para seus empreendimentos.

“Foi uma experiência maravilhosa, que me abriu novos horizontes”, conta a assistente administrativa da Obra Assistencial de São Sebastião (Oasos) Kátia Sales, 45 anos. “As palestras tiveram linguagem acessível e consegui entender conceitos sobre comercialização e mercado com os quais nunca tinha tido contato antes”, acrescenta. Para a assistente social da Cooperativa de Trabalhadores (Coopline) Conceição Maria Souza Paz Filha, 49, a capacitação terá um reflexo positivo no seu trabalho. “O que nós que trabalhamos em cooperativas precisamos é justamente desse apoio educacional e técnico, para melhorar a forma em que é feita a gestão”, opina.

Os palestrantes que levaram adiante os cursos concordaram que os resultados foram satisfatórios. “Os participantes puderam aproveitar a oportunidade para trocar experiências, interagir e conversar sobre possíveis parcerias”, avalia o técnico da Multincubadora Ken Araújo. A possibilidade de formar laços com outros empreendedores também é uma das maiores vantagens do evento para o técnico de marketing Bruno Lameira Antunes, da Multincubadora. “Vamos criar grupos de e-mail e em redes sociais para que os participantes mantenham o contato˜, diz.

Ainda este mês, será realizado um segundo ciclo de palestras para empreendedores sociais, entre os dias 22 e 25 de outubro. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas aqui, até dia o próximo dia 15.

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Universitários têm aula interativa em laboratório tecnológico
02/10/2013
 
Estudantes da Universidade de Brasília (UnB) participaram de uma aula diferente na tarde desta terça-feira (01), com muita tecnologia, inovação e diversão. Os alunos que cursam a disciplina Introdução à Atividade Empresarial (IAE), oferecida pela Escola de Empreendedores (Empreend) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da UnB (CDT/UnB), puderam interagir com colegas de diferentes cursos e testar seus conhecimentos sobre a matéria no Laboratório de Inovações Tecnológicas (ITAE).
 
O ITAE é um moderno ambiente usado para capacitação por meio de jogos de imersão, que buscam aumentar a efetividade do aprendizado envolvendo ao máximo os sentidos. Localizado no CDT, o laboratório é equipado com controle automatizado de som, luz e projeções por reconhecimento de voz e por dispositivos de toque. Os alunos testaram o Batalha ITAE, jogo que mistura quiz com batalha naval e foi concebido para ser jogado coletivamente entre equipes. Por ser um ambiente moderno, interativo e descontraído, o ITAE propicia a capacitação acadêmica e profissional de forma eficiente, incentivando a criatividade, a proatividade e a inteligência competitiva dos participantes.
 
 
Para a professora do módulo de Plano de Negócios, Elizabeth Ibarra, mudar a didática da sala de aula para um jogo é interessante porque ajuda os alunos a consolidar o conhecimento visto nas aulas expositivas. “O lúdico consegue confirmar e fixar os aprendizados em sala dessa disciplina que por si já é dinâmica”, afirma. Ela também ressalta a importância do ensino de empreendedorismo para o país e a aproximação dos jovens ao mundo dos negócios. “Quando se fala em empreendedorismo, nem sempre se consegue estimular os alunos, mas o jogo possibilita esse incentivo, principalmente pelo trabalho que é desenvolvido em equipe”, comenta. 
 
 
Para os estudantes Rafael Arthur, 20 anos, João Augusto, 26, e Artur Pádua, 22, a Batalha ITAE é uma forma diferente e interessante de aprendizado. “O jogo foi bom para testar os conhecimentos acerca da disciplina e me fez aprender ainda mais”, revela Rafael. Já o estudante Artur opina que “o diferencial do jogo está no fato de lidar com outras pessoas, incluindo os conflitos de opiniões e de liderança”. João Augusto concorda: “Como é um jogo em equipe, precisamos trabalhar para entrar num consenso, e isso é muito importante”. 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

Desafio Universitário leva empreendedorismo a estudantes de todo o país
01/10/2013

Mais de dez mil estudantes já se inscreveram no Desafio Universitário Empreendedor, a nova ferramenta do Sebrae lançada em agosto e que busca desenvolver capacidades empreendedoras em quem está se preparando para entrar no mercado de trabalho. A final nacional da competição acontece em novembro, mas ainda há tempo para se inscrever e participar das diversas atividades propostas na disputa. Esta semana está acontecendo a segunda edição do Papo de Negócio, que rende ao estudante 20 mil pontos.

São jogos gratuitos na internet, cursos – muitos deles sem custos –, disciplina que ensina conceitos de empreendedorismo dentro da Universidade e bate-papo com especialistas, que irão passar noções de marketing, fluxo de caixa, recursos humanos e liderança. “O número de jovens brasileiros com curso superior que optam por criar sua própria empresa evidencia a importância, cada vez maior, de incorporar o ensino empreendedor à formação dos brasileiros. Um médico, dentista, advogado ou arquiteto, por exemplo, sai da faculdade e monta seu próprio consultório ou escritório mas não tem nenhuma noção de administração. Se aprender sobre gestão, as chances de sucesso serão maiores”, explica o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

Estruturada em forma de competição, a ferramenta conta com um site onde os estudantes se cadastram gratuitamente, aprimoram seus conhecimentos com os dez jogos virtuais disponíveis e registram as outras atividades realizadas paralelamente ao longo do ano. Cada uma dessas ações tem uma pontuação específica e quem acumular mais pontos será o vencedor.

Com os jogos, é possível acumular até 100 mil pontos. Já o curso de empreendedorismo na própria universidade rende outros 100 mil. Com o Papo de Negócios, uma conferência com especialistas transmitida pela internet, o aluno pode acumular 20 mil pontos em cada evento – são feitos dois por ano, voltados para o Desafio Universitário Empreendedor.

Os cursos de educação a distância oferecidos pelo Sebrae tem um limite de até dez cursos em um ano e também podem somar até 100 mil pontos. As atividades presenciais ofertadas pelo Sebrae, como o seminário Empretec, que desenvolve um comportamento empreendedor, por exemplo, não tem limite de pontuação e cada um tem um valor diferente, pois a carga horária e os objetivos não são iguais.

“O Desafio Universitário Empreendedor é uma evolução do ensino do empreendedorismo a jovens estudantes, uma vez que integra em uma única ferramenta conceitos de gestão, mercado, inovação e empreendedorismo”, ressalta Barretto.

Prêmios

Os três primeiros colocados de cada unidade da federação receberão um smartfone, um kit estudante e um troféu. A final nacional será disputada presencialmente pelos primeiros colocados de cada estado, ou seja, 81 finalistas (três por estado). Os estudantes participarão de atividades em que terão que lidar com situações de convivência, administração do tempo para cumprir os prazos e tomar decisões gerenciais que definirão o sucesso da empresa.

Os prêmios para os três primeiros lugares nacionais são um tablet. A equipe que se classificar em primeiro ganha uma viagem internacional de até dez dias a um centro de referência mundial em  empreendedorismo e um troféu. Os vencedores conhecerão universidades, instituições de fomento e empreendimentos locais. O local da final nacional e da viagem-prêmio serão revelados durante a disputa. Na final nacional, a competição será realizada em equipe, formada pelos três finalistas de cada estado.

Inicialmente, o Desafio Universitário Empreendedor está no ar em uma versão Beta, que está sendo testada e aprimorada e recebendo sugestões e críticas dos participantes. A nova ferramenta substitui o antigo Desafio Sebrae, jogo simulador de negócios que durante 13 anos teve a participação de mais de um milhão de estudantes. Na nova disputa, a instituição de ensino e os professores também ganharão prêmios pelo número de indicações que receberemon line dos alunos. Para aqueles que não têm internet à disposição, é possível baixar os jogos e depois, quando conectar, atualizar os pontos marcados, os cursos feitos e interagir na plataforma.

Concurso

Estão disponíveis on line dez jogos: Escritório Topia, Vila do Empreendedor, Tapioca Manager, O Chefe, Vendendo seu Peixe, Minha Boutique, Fazendinha de Negócios, Meu Primeiro Milhão, Hora de Liderar e Negócio Quente. Os games foram selecionados por meio de concurso promovido este ano pelo Sebrae para escolher aplicativos com temas de gestão empresarial para o público universitário.

A competição não se ateve a game designers profissionais. Puderam participar tambémdesigners amadores, empresas de desenvolvimento de jogos, estudantes, professores ou até mesmo quem não entendia tanto do assunto, mas ainda assim conseguiu apresentar um bom aplicativo. Foi o caso do carioca Lucas Ribeiro Rodrigues, de 22 anos, que está se formando em Design. Ele participou da competição com os parceiros Peter Furtado Dam e Pedro Boechat de Almeida Germano. Juntos, os três desenvolveram o jogo Escritório Topia, que ensina como administrar uma empresa que tem uma carteira diversificada de clientes com um simulador de escritório de serviços, que pode reunir diferentes profissionais, cada um com uma demanda própria.

“O escritório pode atender a um designer e, ao lado, ter outro profissional que cuida de um cliente que tenha um perfil de negócios completamente diferente. Para administrar isso é preciso ser cuidadoso com o perfil do contratado e os prazos de atendimento. E, ao permitir a proximidade entre profissionais com formações tão distintas, esse modelo permite a troca de experiência”, explica Lucas. A ideia é que, a cada ano, o site conte com mais jogos, sempre por meio de seleção aberta a pessoas que queiram pensar em como desafiar os universitários a desenvolver características empreendedoras.

Os jovens interessados em participar do Desafio Universitário Empreendedor podem se inscrever em qualquer período do ano, desde que declarem estar matriculados regularmente em qualquer curso de graduação de instituição de ensino credenciada pelo Ministério da Educação.  A inscrição é gratuita e pode ser feita pelo site http://desafiouniversitarioempreendedor.sebrae.com.br

Depoimentos

Estudantes que estiveram na última edição da Campus Party em Recife fizeram o teste da versão closed beta do Desafio Universitário Empreendedor. Confira o que disseram esses alunos:

Cesar Porto: “Tenho certeza de que, ao me aprofundar mais, vou encontrar muito conteúdo concreto, próprio das atividades do Sebrae”.

Alexandre Souza: “Gosto muito das ações do Sebrae para universitários e esse jogo ajuda muito com o empreendedorismo. Sempre lancem plataformas interativas como essa!”

Itacira Cunha: “Adorei os jogos. As propostas são interessantes e estimulam, cada um ao seu modo, diversos pontos necessários para quem sonha em empreender”.

Mais informações:
Assessoria de Imprensa Sebrae
(61) 2107-9300
(61) 2104-2770/2769/2766
(61) 3243-7851

Fonte: Agência Sebrae de Notícias

Projeto de apoio à empreendimentos sociais é lançado no CDT
01/10/2013

Líderes e integrantes de empreendimentos solidários participaram hoje (01) do lançamento do Projeto de Mapeamento e Apoio ao Desenvolvimento de Empreendimentos Econômicos e Solidários no Distrito Federal e em Goiás (Madesol), que aconteceu hoje no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). O evento contou com duas palestras, uma de manhã e outra à tarde, e continua até sexta-feira com mais capacitações e outras atividades.

Na parte da manhã, a professora da Faculdade de Educação da UnB e diretora de diversidade do Decanato de Assuntos Comunitários (DAC) apresentou o projeto e expôs os principais objetivos da iniciativa. “Fazer o mapeamento dos empreendimentos sociais da região é importante para lhes dar visibilidade e pode ajudar para realizar pesquisas e subsidiar políticas públicas˜,  explica.

Pela tarde, o técnico da Incubadora de Tecnologia Social do CDT/UnB Ken Araújo ministrou uma palestra sobre o perfil do empreendedor social. “Foram abordadas informações introdutórias para preparar os participantes do evento para as próximas capacitações”, acrescenta.

Ainda este mês, está previsto mais um ciclo de palestras dentro do Madesol, que aconteceráo entre os dias 22 e 25 de outubro.

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Desenvolvimento de negócios inovadores é tema de palestra no CDT/UnB
26/09/2013
 
“O mercado está cada vez mais complexo devido às novas tecnologias. Essa inovação tecnológica, a velocidade da internet e o boom das startups tem feito as empresas se desenvolverem de um jeito mais rápido. O mundo dos negócios está muito competitivo e girando bem mais rápido também. Como fazer a inovação ser algo tangível, nesse contexto, é o papo de hoje”, afirmou o administrador e especialista em Marketing e Inovação, Marcos Cunha, em sua apresentação no Café Empresarial, que aconteceu hoje (26), no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Com o tema “Desenvolvimento de Negócios Inovadores via Design Thinking e Business Model Canvas”, Cunha falou sobre a importância do modelo de negócios e interagiu com uma plateia formada por empresários, estudantes, professores e pessoas interessadas em empreendedorismo e inovação.  
 
O Business Model Canvas é uma ferramenta de gerenciamento estratégico que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio novos ou existentes. É um mapa dos principais itens que constituem uma empresa, que deve ser sempre revisado para saber se cada um deles está sendo bem atendido ou se é necessário fazer alguma alteração para se conseguir um melhor resultado.
 
Já o termo Design Thinking representa os conjuntos de métodos e processos para abordar problemas relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções. São consideradas a capacidade para combinar empatia em um contexto de um problema, de forma a colocar as pessoas no centro do desenvolvimento de um projeto; criatividade para geração de soluções e razão para analisar e adaptar as soluções para o contexto.
 
Marcos explicou que modelos de negócios consistem numa visão mais dinâmica para as empresas, onde é possível fazer ajustes por hipóteses de forma mais rápida do que num plano de negócios. “É claro que um plano continua sendo muito importante, mas o modelo é uma ferramenta que permite fazer alterações e validar isso no mercado de um jeito muito mais prático”, defendeu.
 
Com base nesse modelo de negócios, será discutida a inovação no sentido de enxergar quais são os pontos fracos da empresa ou quais são os pontos que têm maior competitividade com o mercado. “A partir daí, é possível focar as decisões quanto à inovação. A partir do momento em que se sabe aonde se quer inovar e como inovar, aí sim se usa o design thinking, ou seja, o modelo tem que ter um objetivo estruturado, tem que ter uma visão de projeto muito clara para que então eu possa começar a gerar ideias, desenvolvê-las e testá-las no mercado”, argumentou o especialista.
 
A estudante do curso de Ciências Contábeis, Brenda Giovanna, 19 anos, que conferiu a palestra de perto, revela que se interessou pelo tema porque ajudará a esclarecer pontos importantes de certas disciplinas. “Estou fazendo a disciplina de Introdução à Atividade Empresarial e essa palestra é uma boa oportunidade para ajudar no projeto que estamos desenvolvendo. Além disso, as ferramentas apresentadas vão ajudar bastante na ideia do planejamento em geral”, respondeu animada. 
 
O empresário Leonardo Bicalho, 43, que atua na área de tecnologia da informação, contou que é a primeira vez que participa do Café Empresarial, mas que devido à boa estrutura do evento e da abordagem de temas relevantes, pretende voltar outras vezes. “A gente vê uma sinergia muito grande nessa troca de experiência. Eu não conhecia muito do tema que foi abordado, mas o palestrante foi de uma didática excelente e agregou bastante conhecimento para mim como profissional e para a própria empresa da qual faço parte, onde vou poder multiplicar esse conhecimento”, finalizou. 
 
Ao final da palestra, Marcos Cunha esclareceu as dúvidas dos participantes, num bate-papo interativo. A próxima edição do Café Empresarial acontece no dia 31 de outubro, no Auditório do CDT/UnB. 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Projeto de Capacitação para Empreendedores Sociais
25/09/2013

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) promoverá, no mês de outubro, cursos de capacitação para empreendimentos sociais. A capacitação está prevista no Projeto Mapeamento e Apoio ao Desenvolvimento de Empreendimentos Econômicos e Solidários no Distrito Federal e Goiás, formalizado pelo Termo de Cooperação nº 07/2011, entre a Secretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes/MTE) e o CDT/UNB.

O projeto tem como público-alvo empreendimentos econômicos solidários, e as capacitações serão realizadas na unidade do CDT/UNB, Campus Darcy Ribeiro. A formação tem como objetivo fornecer o embasamento técnico necessário sobre empreendedorismo social, segundo os princípios da economia solidária, contemplando as seguintes áreas: Desenvolvimento Humano e Social; Gestão; Captação de Recursos e Acesso a Capital; Produção e Produto; e Acesso ao Mercado. A proposta metodológica envolve a utilização de práticas vivenciais e dialógicas de ensino e aprendizagem, pensando a sustentabilidade e o desenvolvimento dos empreendimentos. 

O CDT disponibilizará espaço físico, alimentação, transporte e profissionais qualificados para as capacitações. Para isso, os interessados deverão se comprometer com as ações decorrentes das atividades de formação, assistência e supervisão do CDT. A primeira capacitação do dia 01/10 ao dia 04/10, e a segunda do dia 22/10 ao dia 25/10 – totalizando 60 horas. As solicitações de inscrição podem ser feitas até dia 29/09 e serão confirmadas no dia seguinte. Para participar, clique aqui

Serviço:

Curso de Capacitação para Empreendedores Sociais

Data: 01/10 a 04/10

          22/10 a 25/10

Hora: 8h às 18h  

Local: Prédio CDT/UnB, Campus Darcy Ribeiro.

Informações: 3107-4145, falar com Bruno Antunes ou Josiane Ribeiro

 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Café com empresários
24/09/2013

Este mês, a sétima edição do Café Empresarial traz uma palestra com o tema Desenvolvimento de Negócios Inovadores Via Design Thinking e Business Model Canvas. O café será realizado nesta quinta feira, 26 de setembro às 8h30 e o palestrante será o entusiasta do mundo do marketing e inovação, o especialista Marcos Cunha.

O evento tradicional do CDT é sucesso entre empresários, empreendedores e pesquisadores. Gera momentos de interação, conhecimento e troca de informações, possibilitando também, o networking entre empresários, bem como a prospecção de parceiros.

Saiba mais sobre o Palestrante:

Formado em Administração de Empresas pela Universidade de Brasília e atualmente se especializando em Marketing e Inovação pela ESPM - SP, Marcos é um entusiasta do mundo do marketing e da inovação. Participa ativamente do ecossistema de startups apoiando alguns projetos com metodologias e mentoria. É consultor do SEBRAE e sócio fundador da Ilumina Mundo, consultoria especializada em inovação, marketing e estratégia.

Programação:

08h30 – Welcome Coffee

9h – Palestra

10 h – Encerramento

Serviço:

Café Empresarial

Data: 26/09/2013

Horário: 8h30

Local: Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília

 

JULIANA TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT sedia reunião do Fórum de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação
20/09/2013
 
 
No mês de setembro aconteceu nas dependências do Centro de Apoio do Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília – CDT/UnB, a reunião mensal do Fórum de Assessorias Parlamentares de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação – ForumCTIE, sob a coordenação do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia – FORTEC, representado pelo CDT/UnB.
 
O fórum é composto por entidades de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação, que, através de seus representantes, empreende esforços para contribuir para o cenário da inovação no país. A discussão do marco regulatório da inovação, em especial, o Código de Ciência, Tecnologia e Inovação, compreende algumas das atividades do fórum.
 
Na oportunidade, os participantes comemoraram os dois anos de criação do fórum e as conquistas alcançadas nesse período, a partir da união de esforços das 27 entidades atualmente representadas no grupo, constituído por entidades como o Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq.
 
 
O evento contou com a exposição dos convidados: Murillo de Aragão (Advogado, Jornalista, Mestre em Ciência Política, Doutor em Sociologia e Presidente da Arko Advice Pesquisas e Sócio da LRCA Advogados), Caio Leonardo Bessa Rodrigues (Advogado, Mestre em Regulação, Especialista em Processo Legislativo e Sócio da Mattos Muriel Kestener Advogados) e Paulo Sérgio Novais de Macedo (Advogado, Pós-Graduado em Direito Constitucional e Direito Público, Especialista em Regimento Interno, Assessor Técnico do Relator na CCJC (PL 1202/2007) e Coordenador Jurídico da Liderança da Minoria da Câmara dos Deputados).
 
Murillo de Aragão abriu os debates com o tema A função de Assessoria e Consultoria Parlamentares e assemelhadas, nos setores público e privado e destacou a importância do Fórum como um espaço de debate profissional e institucional de grande valor para a ciência e tecnologia, principalmente por ser um fórum que realiza e media a relação desses órgãos da Ciência, Tecnologia e Inovação com o Poder Legislativo. “A minha palestra buscou trazer um pouco da experiência de 30 anos de Brasília, no tocante à defesa de interesses e principalmente à minha reflexão acadêmica sobre esse processo, de como deve ser e funcionar, e qual é a relevância e evolução profissional dos atores desse processo”, argumentou.  
 
Caio Bessa, que tratou sobre O regramento da conduta ética em Assessorias e Consultorias Parlamentares e assemelhadas, abordou dois aspectos da atividade de relacionamento com tomadores de decisão em processo de decisão política. “A nossa discussão hoje foi sobre o código de conduta, o modo como quem atua no processo de decisão política, não sendo parlamentar, deve agir e também a regulamentação do processo de decisão política para que ele preveja que seja aberta a participação da sociedade de maneira clara, transparente e multipolar, ou seja, várias pessoas falando e participando, todas as perspectivas sendo ouvidas”.
 
O tema da palestra do advogado Paulo Macedo foi A regulamentação da atividade de “lobby” e atuação dos grupos de pressão ou interesse na Administração Pública Federal, que revelou a importância da reunião para desfazer alguns mitos sobre a regulamentação do lobby. “É como se ela fosse resolver todos os problemas, mas que na realidade não é isso. A regulamentação do lobby objetiva abrir a possibilidade de acesso do cidadão, da sociedade organizada aos que são responsáveis pelas tomadas de decisão”, explicou. 
 
A próxima reunião do Fórum acontecerá no dia 03 de outubro, na Embrapa. 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Responsabilidade Socioambiental das Micro e Pequenas Empresas
18/09/2013

  Com oito palestras anuais, o Ciclo Estação Empreendedorismo, que estava suspenso devido as férias da Universidade de Brasília, voltou com tudo este semestre. O projeto tem como objetivo instruir alunos, empresários e comunidade sobre temas relacionados à inovação, negócios e temas contemporâneos socioambientais. Na última sexta-feira, 13 de setembro, foi realizada a primeira palestra do semestre que teve como tema: Responsabilidade Socioambiental das Micro e Pequenas Empresas.

O Palestrante foi o mestre em Geografia na UnB e pós-graduado em Estratégia empresarial na FGV, Alessandro Aveni que explicou como as ações das empresas podem influenciar nos aspectos sociais e sustentáveis da sociedade: “As Pequenas e médias empresas têm um papel absolutamente crucial, importante na nossa busca pelo desenvolvimento sustentável”, adverte ele.

 

Aproximadamente 109 pessoas participaram da palestra. O Aluno Oscar Borja faz doutorado na UnB e está dissertando sobre o impacto das empresas e cooperativas em reciclagem, fazendo uma análise na questão da coesão territorial e o que está subliminar nas estratégias das empresas. Ele participou da palestra visando adquirir mais conhecimentos para sua dissertação e teve suas expectativas supridas: “Achei muito interessante, o professor altamente capacitado, competente e é muito bom ter uma relação com pessoas que têm uma visão diferente, isso traz um conhecimento que multiplica as nossas possibilidades de visão do mundo“,afirma ele.

 

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Os primeiros passos
16/09/2013

Disciplinas da Universidade de Brasília oferecem aos estudantes oportunidade de chegar ao mercado com soluções criativas e domínio de planos de negócios

 

Daniel, Loan e Uander criaram sistema de ponto eletrônico biométrico (Carlos Moura/CB/D.A Press)

Viver das próprias ideias, ter salários maiores e liberdade de horário são atrativos para aqueles que desejam se tornar empreendedores. Com o intuito de aproximar o ambiente acadêmico das experiências reais de mercado e aproveitar o interesse que os alunos de graduação e de pós têm em desenvolver essas habilidades, aulas voltadas para a criação de negócios próprios têm chamado a atenção nos centros de ensino superior do país.

Projetadas para trabalhar o espírito empreendedor entre os alunos de diversos cursos, as disciplinas do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), por intermédio da Escola de Empreendedores (Empreend), funcionam como plataformas para capacitar os futuros empresários. Atualmente, o CDT oferece cinco disciplinas para graduação e uma para pós. A coordenadora pedagógica do centro, Karen Ferreira, explica que o objetivo das atividades é dar meios para que os estudantes de cursos que não trabalham conhecimentos voltados para negócios durante a graduação possam investir nas oportunidades que o ramo oferece. “Procuramos tratar os conceitos dessa cultura de empreender de maneiras diferentes, para que o estudante da UnB possa voltar os conhecimentos aprendidos para a área em que estuda”, completa.
 
Iniciada em 1996, a disciplina de Introdução à Atividade Empresarial (IAE) se destaca como a mais antiga do grupo — já foi ministrada para cerca de sete mil estudantes e, hoje, conta com 11 turmas por semestre. Na matéria, os alunos são instruídos a se dividirem em grupos para montar planos e estratégias para a criação de empresas. As aulas são divididas em quatro módulos em que são trabalhadas competências empreendedoras, planos de negócios, de marketing e financeiro. Durante o processo, os universitários entram em contato com o modelo teórico e prático das situações apresentadas com a ajuda de jogos, vídeos e dinâmicas. “A proposta é que, no decorrer das aulas, os participantes possam gerar, a partir dessas orientações, planos para as empresas, que, ao término do semestre, serão apresentados em uma feira de negócios e inovação como se fossem para possíveis investidores”, descreve a coordenadora.
 
Além da chance de desenvolver projetos pessoais, as disciplinas para empreendedores incentivam a interação entre os participantes de cursos diferentes. Exemplo dessa troca de conhecimentos é a experiência que os cinco membros responsáveis pelo sistema Sispeed — proposta de ponto eletrônico biométrico para o controle de horário de empregados domésticos — tiveram durante a disciplina de IAE no primeiro semestre de 2013. Eles se conheceram durante as atividades da matéria e afirmam que a experiência ajudou a ampliar os conhecimentos a respeito do mercado de empreendedores.
 
Daniel Rubem, 19 anos, foi o responsável por sugerir o tema da empreitada e conta que a ideia partiu do conceito básico da disciplina. “Na aula, são propostas soluções para os problemas do nosso cotidiano e, na época, um dos assuntos mais comentados era a PEC das Domésticas (PEC nº 480, de 2010)”, relata Daniel, que estuda engenharia de produção. O estudante de ciências contábeis Loan Rodrigues, 20 anos, explica que, no início, existia o medo de investir em algo que poderia não dar certo, mas esse pensamento perdeu força com o passar do tempo. “Durante as aulas, foram apresentados modelos de planos de negócios e o apoio dos professores serviu como incentivo para seguir em frente”, diz o estudante.
 
Investimento
O esforço e a dedicação dos integrantes ao Sispeed não passaram despercebidos. O potencial do projeto atraiu a atenção de um investidor autônomo durante a feira e isso estimulou a equipe a continuar nas atividades. “Um visitante conversou conosco a respeito da iniciativa e falou que estava disposto a disponibilizar até R$ 20 mil caso o sistema se mostrasse viável”, lembra Uander Gonçalves dos Anjos, 27 anos, que faz geografia na UnB. “Agora, vamos nos reunir para tocar o projeto em frente e não deixar que a ideia morra. Embora o Samuel e o Caio (outros dois integrantes da equipe) não estejam no Brasil, faremos o possível para refazer o nosso plano de negócio até o fim de 2013”, completa Uander.
 
Para ajudar na capacitação dos empresários juniores da UnB, o CDT oferece as disciplinas exclusivas de empresa júnior 1 e 2 para quem tem vínculos com essas modalidades. Consideradas escolas de empreendedorismo, as empresas juniores têm o objetivo de colocar em prática os conhecimentos vistos em sala de aula. Vitor Almeida, 22 anos, explica que a experiência de três anos e meio na AD&M, empresa júnior do curso de administração da UnB, o ajudou a desenvolver a mentalidade de empreendedor e que as aulas complementam o aprendizado. “As aulas envolvem membros de diversas empresas. Assim, ocorre a troca de conhecimentos e práticas”, conta Vitor, que atualmente ocupa o cargo de presidente institucional da AD&M.
 
Caminho próprio
Pesquisa feita pela Endeavor Brasil em 2012 com 6.215 universitários de todas as regiões do país mostrou que seis em cada 10 estudantes têm o interesse de abrir a própria empresa no futuro.
 
 
Fonte: Correio Braziliense 
Tecnologia: UnB adapta sistema de voto eletrônico para Defensoria Pública da União
11/09/2013

Equipe do Laboratório Latitude modificou a interface do software livre Helios Voting para atender as necessidades do órgão público na escolha dos indicados ao cargo máximo da instituição

 

 
Imagine as próximas eleições presidenciais: você em casa, almoçando com a família. Ou em qualquer lugar do mundo. Nada de filas ou santinhos jogados pelas ruas. Só você e seu celular com acesso à internet para fazer valer a democracia. Foram essas facilidades que possibilitaram a realização da eleição virtual organizada pela Comissão Eleitoral e Apuradora, composta por três membros da carreira eleitos pelo Conselho Superior da Defensoria Pública da União (DPU).
 
Por trás do projeto está a equipe do Laboratório de Tecnologias da Tomada de Decisão (Latitude), vinculado ao Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília. O grupo de pesquisadores, formado por professores e estudantes de graduação e pós-graduação das mais variadas áreas, utilizou o software livre Helios Voting como base para o sistema de voto da DPU. "A escolha desse software foi feita após consultarmos professores especialistas em segurança da informação", justifica o coordenador do Latitude, Rafael Timóteo de Sousa.
 
O programa permitiu que os 521 defensores públicos de todo o Brasil só precisassem de 35 horas e um dispositivo com acesso à internet para escolher os indicados à lista tríplice que será encaminhada para a presidente Dilma Rousseff definir o próximo defensor público-geral federal. Para o atual dirigente da instituição, Haman Tabosa de Moraes e Córdova, a iniciativa é um embrião e foi bem avaliada pelos defensores. "Foi uma ferramenta que não causou qualquer transtorno, ao contrário, viabilizou uma eleição em âmbito nacional", diz.
 
O defensor público-geral federal defende que tecnologias como essa fortalecem a democracia. "A defensoria não é diferente da sociedade, é uma microssociedade. Trouxemos para dentro da instituição uma ferramenta confiável que possibilitou a democracia interna". De acordo com o dirigente, foram computados mais de 1.100 votos na eleição.
 
 
Emília Silberstein/UnB Agência
Haman Tabosa de Moraes e Córdova defende que tecnologias podem fortalecer a democracia
 
O SISTEMA – A preocupação com a segurança da eleição e a transparência do processo de votação foi essencial no desenvolvimento do projeto. "Como garantir segurança numa eleição em que a pessoa que vai votar poderá utilizar um dispositivo móvel? Era isso que o sistema provia", explica um dos participantes do grupo de trabalho da UnB, o doutorando Fábio Lúcio Lopes de Mendonça.
 
O sistema Helios Voting permite criar eleições nos mais variados moldes, tanto votações majoritárias, em que se tem vários candidatos e apenas um eleito, quanto por meio de listas, como é o caso da Defensoria Pública da União. "A última grande eleição que ocorreu no Brasil com uso do programa, além da que acabamos de organizar, foi a da própria Sociedade Brasileira de Computação", conta o professor Rafael Sousa.
 
O docente assegura que o software é capaz de garantir a segurança necessária em pleitos maiores. "A segurança é feita em vários níveis", esclarece o pesquisador. Ele explica que o primeiro deles está no próprio sistema, organizado em, no mínimo, três partes. Há ainda os sistemas de proteção do ambiente de uma rede, como firewall e antivírus, por exemplo.
 
"Entendemos que era importante buscar uma ferramenta que fosse confiável e, ao mesmo tempo, passível de auditoria", explica o defensor público-geral federal, Haman Córdova. "Trabalhamos em duas frentes, uma com a UnB, para utilizar esse protótipo e customizar para a defensoria, e outra com o SERPRO [Serviço Federal de Processamento de Dados], que auditou e viu que não houve nenhum tipo de mácula no resultado”, completa.
 
Além da Defensoria Pública da União, a Universidade de Brasília, por intermédio do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB) e da Faculdade de Tecnologia (FT), possui termos de cooperação com outros órgãos públicos federais. Entre eles, os ministérios do Planejamento, da Justiça e da Saúde. "Também temos muitas parceiras com o Ministério do Exército no que se refere à defesa cibernética", completa o professor Rafael Timóteo de Sousa.
 
 
Fonte: UnB Agência 
Empresa desenvolve kits de detecção de formol e metanol em produtos
10/09/2013
Sistema é direcionado a órgãos de controle de qualidade e fornecedores 
 
Melina Fleury/Agência Facto
 
A empresa Macofren, pré-incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT- UnB), irá comercializar kits para análise de formol e metanol em produtos comerciais. O objetivo é oferecer um material alternativo e simples para análises corriqueiras e imediatas, sem que haja necessidade de encaminhamento a laboratório. O kit de análise de metanol pode ser utilizado tanto em combustíveis quanto em bebidas alcoólicas. Já o de formol, em produtos alimentícios, cosméticos e de construção, por exemplo.
 
O sistema de verificação visa aos órgãos de controle de qualidade e fornecedores. Entretanto, qualquer pessoa física também pode adquirir os kits, projetados para fácil utilização. Na análise, todas as quantidades de reagentes são previamente medidas e a manipulação de amostras é minimizada. A instrumentação é didática. O resultado dos testes é expresso pela formação de cores, o que facilita a interpretação. “O kit vai garantir qualidade e segurança para o consumidor, com a vantagem do teste rápido”, afirma Arilson Onésio, um dos responsáveis pela Macofren.
 
Em setembro deste ano, o protótipo do kit de detecção do metanol deverá ser finalizado. Esse mesmo modelo já foi feito pela empresa, no início do ano, para análise de combustível de uma rede de postos em São Paulo, após denúncias de adulteração. Pela demora e preço, os donos de postos, ao invés de solicitar exames a laboratórios, pediram à Macofren uma análise de fácil execução e que pudesse ser aplicada na hora do recebimento do combustível.
 
Juliana Perissê/Agência Facto
Renato Santana e Arilson Onésio são uns dos responsáveis pela Macofen
 
O metanol é tóxico e, quando ingerido, pode causar mal-estar, cegueira e até morte. Além disso, o metanol como combustível não é regulamentado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Portanto, sua utilização é crime, passível de multa e interdição do estabelecimento que o comercializa. Já o formol causa irritação e severas agressões quando em contato com o corpo. A ingestão dele pode causar até queimaduras internas. Alguns estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam o formol como potencial agente cancerígeno.
 
A empresa, que ainda está em processo de incubação, estima que os kits comecem a ser comercializados em novembro deste ano. Já a precificação está em fase de estudo, uma vez que os produtos ainda não foram devidamente inseridos no mercado.
Guilherme Bandeira (26), Arilson Onésio (25) e Renato Santana (24) cursam doutorado em Química na UnB e são os responsáveis pela Macofren. Além da comercialização dos kits, os serviços a serem oferecidos pela empresa, pré-incubada desde o início de 2013, são, principalmente, análises de combustíveis e de solo, ao aferir qualidade ou propriedades deles. Também há a opção da consultoria, que busca sanar dúvidas e encontrar soluções envolvendo esses setores. A Macofren é vinculada ao Laboratório de Materiais e Combustíveis e ao Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico, ambos da UnB.
 
 
                                  Telesur 
 
Fonte: UnB Agência 
 
CDT/UnB promove palestra para agentes do Sebrae
09/09/2013

 

Com o objetivo de divulgar os serviços oferecidos a microempreendedores, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade de Brasília (CDT/UnB) promoveu hoje (09) uma palestra para agentes do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). “É importante que os agentes conheçam no que a Universidade pode ajudar os empresários, por meio do CDT, para que possam nos encaminhar as demandas dos empreendedores que atendem”, afirmou a coordenadora do Disque Tecnologia e organizadora do evento, Camila Dantas.

Durante a palestra, representes do CDT/UnB explicaram as funções do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT) e do Disque Tecnologia, além de apresentar os diversos empreendimentos incubados e as empresas juniores. Para o gestor do projeto do Sebrae Agente Local de Inovação (ALI), Ricardo Gomes, a iniciativa pode contribuir para o trabalho realizado junto aos empresários. “É uma forma de aumentar a gama de serviços que nossos agentes podem oferecer aos empreendedores e assim aproximar a academia das micro e pequenas empresas”, disse.

Outros funcionários e parceiros do Sebrae presentes na palestra concordaram com a importância de ter conhecimento sobre o que é realizado pelo CDT. “Espero ter uma melhor noção do que é feito pelo órgão para poder multiplicar as soluções que posso colocar à disposição do empresariado com o qual trabalho”, comentou a bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Isabela Madeira. 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT participa de Seminário nos EUA
06/09/2013
Representando o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), a coordenadora da Escola de Empreendedores (EMPREEND), professora Cristina Castro-Lucas participará do seminário The Small Business Network of the Americas International Sister Center Workshop nos Estados Unidos da América, que será realizado em Orlando, nos dias 10 e 11 de setembro.
 
O objetivo do programa é oferecer aos participantes a oportunidade de trocarem experiências com profissionais de áreas afins e expandir suas redes de contato, promovendo parcerias sustentáveis entre os centros que apoiam micro e pequenas empresas em todo o Continente Americano, além de tratar de outros assuntos correlatos.
 
“A importância desta relação, tanto para a Universidade como para o CDT é a expansão dos muros de maneira internacional. Inovação tecnológica é bem mais do que pensar apenas no nosso contexto, mas entender o novo para, a partir de então, montar e formar parcerias contínuas”, relata Cristina Castro-Lucas. O convite foi feito à professora pela Embaixada dos Estados Unidos em Brasília. 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Concurso Inovar premiará universitários com viagem aos EUA
05/09/2013

 

Uma ideia inovadora e criativa pode te levar para uma viagem aos Estados Unidos. Quem oferece a oportunidade é a Embaixada do país, que apresentou hoje (5/09) as regras do Concurso Inovar, em evento realizado no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB). A competição é voltada para alunos universitários de todo o Brasil e está com inscrições abertas até dia 15 de setembro. Os participantes precisam escrever artigos em grupo, analisando o impacto da inovação e dos direitos de propriedade intelectual na economia. Além disso, precisam fazer um video original para divulgar sua mensagem. Os ganhadores serão premiados com uma viagem de três dias para Nova York.
 
O estudante de biotecnologia Luis Felipe Fonseca, 18 anos, esteve presente na apresentação do projeto e se mostrou empolgado com a iniciativa. "O meu curso tem tudo a ver com desenvolvimento, tecnologia e inovação. O Inovar é uma boa chance para alcançar um diferencial e tentar uma bolsa de estudos no exterior", opinou. A aluna de sociologia Isabela Araújo, 22, concorda que a competição pode abrir uma série de novas oportunidades. "É um ambiente ótimo para fazer networking e, no futuro, pode ajudar a conseguir um mestrado fora do país", diz.
 
O concurso é aberto tanto para alunos de graduação como de pós-graduação. Os grupos podem ser compostos por estudantes de instituições diferentes e devem ser orientados por um professor. Para a docente do Instituto de Biologia da UnB e coordenadora de extensão da Escola de Empreendedores do CDT, Cristina Castro-Lucas, é uma possibilidade que os alunos não podem deixar passar: "Um dos aspectos importantes da iniciativa é aproximar alunos e professores para ajudar a formar aqueles que serão o mercado profissional do futuro." 
 
A organizadora do projeto, Desirée Humphreys, que ministrou a palestra sobre a iniciativa hoje no CDT, explica que o Inovar foi inspirado em um concurso similar realizado este ano pela Embaixada dos EUA na Ucrânia. "Gostei da ideia e achei que funcionaria no Brasil", relata. A versão brasileira, no entanto, teve algumas mudanças: junto com o artigo, os participantes também têm que entregar um vídeo que exponha as ideias do grupo de forma fácil de entender. O júri selecionará os melhores vídeos e depois o público geral escolherá o vencedor na internet. "O objetivo é aproximar o debate sobre inovação e propriedade intelectual para pessoas que não sejam da área", acrescenta Desiréé. 
 
Serviço:
- Para participar do concurso, visite o Facebook da Embaixada.
- Mais informações sobre as regras da competição podem ser achadas aqui.
- Dúvidas podem ser enviadas para concursoinovar@state.gov

 

PALOMA SUERTEGARAY
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Ciclo de palestras do ‘Estação Empreendedorismo’ volta com tudo no segundo semestre
04/09/2013

Desenvolvimento de produtos socioambientais será o foco da primeira palestra do Ciclo Estação Empreendedorismo neste semestre. Com oito palestras anuais, o projeto tem como objetivo instruir alunos, empresários e comunidade sobre temas relacionados a inovação, negócios e temas contemporâneos socioambientais.

A última edição da iniciativa contou com o tema o empreendedorismo social. Os participantes foram instruídos sobre as definições, formas de fazer e competências para desenvolver projetos no âmbito do empreendedorismo social, além das diferenças entre este e o empreendedorismo empresarial.

Este mês, a primeira palestra acontecerá no dia 13 e será ministrada pelo mestre em Geografia na UnB e pós-graduado em Estratégia empresarial na FGV, Alessandro Aveni.

Saiba mais sobre Alessandro Aveni:

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UnB e doutor em Scienze Politiche – Universitá Statale di Milano (1999) e em Administração pela Universitá Commerciale Luigi Bocconi (1982) na Itália. Mestre em Geografia na UnB e pós-graduado em Estratégia empresarial na FGV. Aveni foi gerente de planejamento e controle na Royal Dutch Shell, na Itália. Tem experiência na área de administração, com ênfase em Administração Estratégica e Planejamento. Na Geografia trata os temas de geografia urbana, geografia econômica, geografia de transporte. Participa do grupo CNPQ – Inovação e pesquisa em transporte GIPT. 

Serviço - Estação Empreendedorismo
Data: 13/09
Hora: 13hrs
Local: Auditório CDT/UnB – Campus Universitário Darcy Ribeiro

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Firasoft inova com publicidade divertida
03/09/2013

Ações inusitadas melhoram índices de vendas e visibilidades de marcas

Já imaginou promover a marca da sua empresa de uma maneira diferente e divertida? Essa é a ideia da Firasoft, empresa incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) que desenvolve jogos e atualmente trabalha também com o conceito de advergame - fusão das palavras inglesas “Advertise” (propaganda) e “game” (jogo).

Advergame é um conceito usado em publicidade. Utiliza-se de jogos criados apenas para fins de divulgação de uma marca ou produto, podendo ser tanto em forma de um jogo virtual com competições por prêmios, quanto em locais específicos como pontos de vendas com entrega de brindes, sorteios ou prêmios.

Em uma ação inusitada, a Firasoft surpreendeu os consumidores de cerveja de Brasília que, ao comprarem o produto da marca Nova Schin, tinham a oportunidade de testar suas “habilidades futebolísticas” em um jogo de realidade aumentada instalado em um Ipad. “O objetivo do jogo era dar três chutes em um gol virtual que surgia na tela do tablet. Ao marcar o gol, uma torcida frenética vibrava e comemorava. Depois do jogo, o usuário ganhava um brinde da marca”, explica Fabio Gonçalves, o planner da empresa de publicidade FARO BRASIL – FBR.

A ideia era buscar estratégias para chamar a atenção para uma marca de cerveja que não é patrocinadora da Copa das Confederações ou da seleção, com uma verba muito pequena. Contratada pela Nova Skin, a Faro Brasil, empresa que saiu da Incubadora de Base Tecnológica do CDT/UnB, juntou criatividade à tecnologia e, ao consultar empresas de games locais para fazer orçamentos, conheceu a Firasoft, que atualmente está incubada no mesmo local.

A ação aumentou não só o alcance de venda da cerveja como também a visibilidade da marca, que tinha um histórico de pouca inovação nas abordagens dos Pontos de Venda locais. “Grupos enormes de pessoas faziam fila para ver outras pessoas jogarem e algumas até compraram o produto para jogar”, contou Luciana Arantes, da Brasil Kirin, empresa dona da marca de bebidas Schin.

A Firasoft já trabalhou também com diversas outras empresas como o Banco do Brasil, o CNMP e a Disney, chegando a alcançar resultados de mais de 600% de melhora no alcance de venda e visibilidade. Com uma das empresas, chegaram a obter 1000% nos índices.

"Hoje os advergames são sem dúvida a mídia mais promissora e eficiente para contato com o público. Nenhuma outra forma de interação entre marca e cliente possibilita uma experiência tão positiva e duradoura. Advergames vai muito além de falar o posicionamento de uma empresa, na verdade ele é a única ferramenta massiva que possibilitara o consumidor sentir exatamente aquilo que a empresa deseja." Ressalta o sócio da Firasoft, Vinicius Rossignoli

JULIANA TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Universidade de Brasília debate criação do Código Nacional de Ciência e Tecnologia
02/09/2013

Seminário reuniu parlamentares, pesquisadores e estudantes interessados na elaboração do Projeto de Lei que visa suprimir os entraves ao desenvolvimento científico e tecnológico no país

 

 
"Posso considerar este um momento histórico. É o início da superação de 25 anos de sofrimento", disse a vice-reitora da Universidade de Brasília (UnB), professora Sônia Báo, pesquisadora na área de Ciências Biológicas. O desabafo ocorreu durante a abertura do Seminário sobre o Código Nacional de Ciência e Tecnologia, realizado na manhã desta quinta-feira (29), no Auditório da Faculdade de Tecnologia (FT).
 
"Só quem é pesquisador sabe o que é enfrentar a regulamentação, as leis que emperram o nosso trabalho no dia a dia", argumentou. O evento teve o objetivo de discutir e aprimorar o texto do Projeto de Lei 2177/11 que institui o Código Nacional de Ciência e Tecnologia. Se aprovada, a legislação ampliará o campo de atuação das instituições públicas responsáveis pela disseminação do conhecimento cientifico, como as universidades.
 
Segundo os pesquisadores da UnB, um dos grandes entraves da atual legislação diz respeito à relação de trabalho estabelecida mediante condições de dedicação exclusiva. "Estamos numa situação de desconfiança nacional. Colocam o pesquisador como bandido", diz Antônio César Pinho Brasil, diretor da Faculdade de Tecnologia. 
 
O professor José Alexander Araújo, do Departamento de Engenharia Mecânica, concorda. Para ele, a dedicação exclusiva foi criada com o intuito de evitar que o professor de uma universidade pública tivesse outros empregos para melhorar seus rendimentos, mas isso começou a ser mal interpretado, principalmente, pelos órgãos de controle. Há nove meses ele tenta firmar um contrato de cooperação com uma estatal. "Eu posso continuar sendo dedicação exclusiva e resolver um problema de interesse nacional. Isso tem que ser permitido, e assim é feito no mundo todo. Se o Brasil quiser avançar, nós precisamos avançar nessas questões", completa o pesquisador.
 
Estiveram presentes no encontro pesquisadores, estudantes e autoridades, entre elas os deputados federais Izalci Lucas (PSDB-DF), relator da PEC da Inovação nº 290/13 e presidente da Frente Parlamentar da Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação; Sibá Machado (PT-AC), relator do Projeto de Lei 2177/11, em debate; além do representante da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Arnoldo Fonseca; do decano de Pesquisa e Pós-Graduação da UnB, Jaime Santana, e do diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB), professor Paulo Suarez, juntamente com a Gerente de Inovação e Transferência de Tecnologia, professora Grace Ferreira e a colaboradora Camila Dantas.
 
BENEFÍCIOS - A aprovação do Código Nacional de Ciência e Tecnologia trará benefícios, sobretudo, para a realização de compras e importação de equipamentos, impactando no processo burocrático, hoje vinculado à Lei de Licitações nº 8.666/93. "A 8.666 não serve para Ciência, Tecnologia e Inovação. Só atrapalha. Qualquer compra tem que colocar na internet, publicar no Diário Oficial", diz o decano de Pesquisa e Pós-Graduação da UnB, Jaime Santana. Ele cita como exemplo a aquisição de substância para estudos químicos. "É preciso publicar no Diário Oficial a compra de um reagente que custa R$ 300. Sabe quanto custa uma publicação no Diário Oficial? R$ 500.", explica. "Essa burocracia é terrível, atrasa a pesquisa", admite o deputado distrital, professor Israel Pinheiro (PDT-DF).
 
 
 
A vice-reitora Sônia Báo falou sobre a importância do Seminário
 
Para mudar situações como essa, os pesquisadores defendem que o novo Projeto de Lei tenha um texto mais flexível. "Com a missão que as universidades têm, de produzir conhecimento, ciência, tecnologia, inovação, além de formar pessoas, nós merecemos uma legislação que nos dê mais facilidade na execução desses projetos”, fala a vice-reitora da UnB. Para o decano da UnB, Jaime Santana, é importante, ainda, que a lei não seja detalhista, mas "que tenha os princípios da Ciência, Tecnologia e Inovação, um setor dinâmico que muda toda hora”, diz.
 
PARCERIAS - A aproximação entre as instituições públicas e privadas é outro ponto a ser contemplado no PL 2177/11. As ponderações apresentadas pelos participantes serão consideradas na redação final do Código Nacional de Ciência e Tecnologia, que deve ser concluída até o dia 15 de setembro. Depois, segue para votação na Comissão Especial da Câmara dos Deputados e, se aprovada, vai para aprovação no Plenário da Câmara.
 
O Projeto de Lei que institui o Código Nacional de Ciência e Tecnologia vem sendo debatido pelo Brasil, em instituições responsáveis pela disseminação do conhecimento científico, como a Universidade de Federal de Pernambuco, que promoveu a discussão sobre o tema em julho.
 
Os encontros levantaram questões e trouxeram sugestões que resultaram no desmembramento do PL 2177/11, culminando na criação da PEC 290/13 e de outros mecanismos de regulamentação. É o caso do Regime Diferenciado de Contratação (RDC), lei que será elaborada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) juntamente com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Outros temas também serão tratados em leis específicas, como a questão da Biodiversidade. "O que estamos fazendo aqui é uma revolução para o Brasil. Estamos falando de um novo pré-sal", disse o deputado Sibá Machado.
 
Fonte: UnB Agência 
“Financiamento para Empreendimentos Inovadores” é tema da edição de agosto do Café Empresarial
28/08/2013
A Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (SUDECO) possibilita a regulamentação do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO), que irá assegurar recursos para implantação de projetos de desenvolvimento de grande porte e infraestrutura, possibilitando, inclusive, por meio do Fundo Constitucional (FCO), a realização de financiamento de investimentos junto aos setores produtivos da região, considerados prioritários no Plano Regional de Desenvolvimento.               
 
Para falar sobre esses financiamentos, o Programa Multincubadora de Empresas do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília – CDT/UnB traz, para a edição de agosto do Café Empresarial, o Diretor da SUDECO, Marcelo Contreiras de Almeida Dourado.  Em sua palestra, ele abordará o tema “Fontes de Financiamento para Empreendimentos Produtivos Inovadores e Estruturantes”. 
 
O Café Empresarial, realizado toda última quinta-feira do mês, busca aproximar e ampliar a interface entre a sociedade (empresários e instituições parceiras do CDT), universidade (professores, alunos, pesquisadores) e representantes do Governo para elevar oportunidades de parcerias tecnológicas e comerciais, desenvolvimento empresarial e disseminação do empreendedorismo na região do Distrito Federal.
 
Serviço
Café Empresarial 
Data: 29/08
Hora: 08h30 
Local: Auditório CDT/UnB – Campus Universitário Darcy Ribeiro 
 
Mais informações: 3107-4120
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT/UnB realiza ações de divulgação do Concurso Inovar para estudantes universitários
28/08/2013
Iniciativa da Embaixada Americana visa despertar o interesse dos universitários sobre os temas “inovação” e “propriedade intelectual”. Os vencedores ganharão uma viagem para Nova York
 
 
 
 
A Embaixada dos Estados Unidos no Brasil lançou o Concurso Inovar para estudantes universitários. O Concurso é uma competição nacional entre estudantes de Universidades brasileiras para analisar o impacto da inovação e dos direitos de propriedade intelectual na economia. Equipes de dois a quatro estudantes e um professor deverão elaborar um artigo para publicação e criar um breve vídeo explicando suas análises e descobertas.
 
Como forma de divulgar o concurso entre os estudantes da Universidade de Brasília, estimulando-os a participarem, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB) realizará diversas ações dentro da Universidade. Uma delas é um Café com Palestra que será oferecido no próprio CDT, no dia 5/09, às 8h. O evento tem como objetivo apresentar e esclarecer as regras do concurso, bem como mostrar as vantagens e benefícios da participação no mesmo. A divulgação também será feita nas salas de aula. 
 
De acordo com a coordenadora da Escola de Empreendedores (Empreend), professora Cristina Castro-Lucas, iniciativas como essa da Embaixada Americana são de grande importância “por fortalecer a relação entre os alunos e professores através da inovação”.  
 
Os participantes devem estar regularmente matriculados em uma Universidade brasileira ou Instituição de Ensino Superior até 1º de dezembro de 2013. Os vencedores virão a Brasília para apresentação dos artigos e participarão da Conferência de Direitos de Propriedade Intelectual em Nova York, em abril de 2014. 
 
As inscrições para a primeira etapa estão abertas até o dia 15 de setembro. Os artigos deverão ser enviados até o dia 1º de dezembro. Para participar, visite o Facebook da Embaixada dos EUA. 
 
Confira aqui as regras do Concurso.
 
Serviço
Apresentação do Concurso Inovar 
Data: 05/09
Hora: 8h
Local: Auditório do CDT/UnB
Campus Universitário Darcy Ribeiro, Edifício CDT 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT/UnB participa de debate sobre o Código Nacional de Ciência e Tecnologia
27/08/2013
 
Deputados e representantes de instituições ligadas à Ciência, Tecnologia e Inovação, como INPI, MCTI, Agência Espacial Brasileira, FINEP, Embrapa, Fiocruz, Anatel e Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) participaram, nesta terça-feira (27,) de Encontro da Comissão Especial - PL 2177/11 para discutir sobre o Código Nacional de CT&I. O encontro foi realizado no Plenário da Câmara, com o tema Discussão da PEC 290/2013, que "altera e adiciona dispositivos na Constituição Federal para atualizar o tratamento das atividades de ciência, tecnologia e inovação", de autoria da Deputada Margarida Salomão (PT/MG). 
 
Segundo o Vice-Presidente da Comissão Especial e Presidente da Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação, Deputado Izalci Lucas (PSDB/DF), o Código, que agora passa a ser um Projeto de Lei, será importante para resolver definitivamente a legislação da Ciência, Tecnologia e Inovação, possibilitando e incentivando a integração da universidade com as empresas e o governo.
 
“Acredito que conseguiremos aprovar uma legislação compatível com os anseios dos pesquisadores e da sociedade brasileira, o que representa o fim da burocracia na área de CT&I, além de um incremento e incentivo aos investimentos, ajudando a deslanchar esse setor que, até então, sempre teve dificuldades devido à burocracia. Então, o Brasil vai ganhar muito com isso”, argumentou o Deputado.
 
 
A Deputada Margarida explica que a proposta tem como objetivo introduzir no texto constitucional o termo “inovação”; eliminar as distinções entre pesquisa aplicada e pesquisa pura, já que, segundo ela, boa parte do desenvolvimento da ciência pura também tem o potencial de desenvolvimento tecnológico; e por último, promover mudanças institucionais que favoreçam o acordo da convergência entre os diversos entes federados da união com os municípios e com os estados, e especialmente a facilitação na aquisição de bens e serviços. “É necessário que haja a proposição subsequente de um Regime Diferenciado de Contratações para a Ciência e a Tecnologia, e na gestão de recursos humanos, permitir, por exemplo, que os recursos humanos da Universidade de Brasília, possam também operar junto às empresas, sem prejuízo funcional. Então, em termos muito singelos, é disso que se trata, mas isso é uma grande mudança!”, afirmou. 
 
 
 
Outros debates serão promovidos com o objetivo de receber sugestões para o aprimoramento do texto do Projeto de Lei que se encontra em análise na Câmara. O próximo será um Seminário que acontece no dia 29/08, às 9h, no Auditório da Faculdade de Tecnologia da Universidade de Brasília.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Ciência e Tecnologia
27/08/2013
A Comissão Especial que analisa o Código Nacional de Ciência e Tecnologia (PL 2177/11) promove nesta quinta-feira (29) seminário para debater o tema e colher subsídios para o debate do código.
 
“Sugerimos a inclusão, no processo de debates e consultas, de um seminário no Distrito Federal, em que debateremos com representantes de diferentes setores sobre a possibilidade de excelência na gestão e operação do conhecimento, rumo à economia crescentemente sustentável”, afirmou o deputado Izalci (PSDB-DF), que propôs o debate.
 
Foram convidados: 
- o presidente da Comissão, deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP); 
- o relator do projeto, deputado Sibá Machado (PT-AC); e 
O 1º vice-presidente da Comissão e presidente da Frente Parlamentar de Ciência e Tecnologia, Pesquisa e Inovação, deputado Izalci.
 
O seminário, que é realizado em parceria com a Universidade de Brasília (UnB) e com a Frente Parlamentar de Ciência e Tecnologia, Pesquisa e Inovação, será realizado no Auditório da Faculdade de Tecnologia da UnB, às 9 horas.
 
Íntegra da proposta: 
 PL-2177/2011
 
 
Fonte: Agência Câmara Notícias 
 
Feira do Empreendedor conta com a participação do CDT/UnB
26/08/2013

Organizada pelo SEBRAE, a Feira teve 4 dias de duração

Com um ambiente propício para contatos e novas ideias, a Feira do Empreendedor, que aconteceu do dia 21 ao dia 24 de agosto, trouxe diversas capacitações, trabalhos e expositores, tudo voltado especialmente para micro e pequenos empresários. Como parceiro do Sebrae e para divulgar seus trabalhos, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) participou da feira, expondo seus programas e projetos em dois stands.

Realizada pelo SEBRAE no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, a Feira teve a participação de empresas, empresários e até mesmo alunos, como é o caso de Felipe de Godói, estudante de engenharia automotiva da UnB do Gama. Segundo ele, a experiência é bastante válida. “Participar da Feira é bom pela aproximação da faculdade com empresas”, conta o estudante. “Isso ajuda a não sair da faculdade sem contato com a parte empresarial, a parte prática”, finaliza.

Para a colaboradora do CDT, Camila Ferreira, o evento além de ser bom para o próprio Centro, aumentando sua visibilidade e contatos, trás benefícios para empresários que precisam de apoio e não sabiam onde poderiam buscar. “É bom para os empresários que precisam conhecer mais sobre o trabalho do CDT e como tirar proveito dele. Alguns deles têm até demanda de incubação,” explica.

Só no primeiro dia de evento, mais de três mil pessoas visitaram a Feira, que contou com a apresentação de cerca de 30 oportunidades de negócio, além de palestras, capacitações e workshops. Todos voltados para sustentabilidade e inovação.

 

THALYNE  CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Brasília recebe Google Business Group
23/08/2013
As empresas incubadas do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), IPê e Loop, promovem no próximo dia 2 de setembro, o lançamento do Google Business Group (GBG) de Brasília. O evento, que tem como proposta criar uma comunidade de profissionais na capital federal, busca promover o conhecimento sobre o uso da internet no mundo dos negócios e sobre os produtos Google, além de compartilhamento de informações e experiências sobre o assunto.
 
Voltado principalmente para empresários, o GBG tem como objetivo criar grupos para promover workshops, eventos sociais e bate-papos, para que todos os membros estejam sempre atualizados sobre as mais recentes tendências da Web para o mundo corporativo. Para se tornar um membro não é necessário pagar, as inscrições são gratuitas e qualquer pessoa interessada pode participar, desde estudantes, profissionais, empresários ou apenas interessados nos produtos Google.
 
Para começar, a primeira palestra será “Inovação no Google”, tendo como palestrante convidado Rodrigo Vale, Outreach Manager para América Latina no Google, falando sobre inovação e a visão de futuro Google.
 
Para mais informações clique aqui. 
 
Inscrições aqui
 
 
Conheça o palestrante
 
Rodrigo Vale - Atualmente trabalha como gerente de projetos para América Latina. Está no Google desde 2005 foi o responsável pela estratégia de implementação na América Latina de ferramentas como Google Analytics e AdWords API. Mestrado pela UFMG com ênfase em Recuperação da Informação na Web e com pós graduação em administração de empresas pela Fundação Dom Cabral. Rodrigo era um partner da Akwan startup que foi comprada pelo Google em 2005.
 
 
Conheça as empresas
 
IPe Engenharia de Redes - A IPe é uma empresa brasiliense fundada em janeiro de 2010 por sócios Engenheiros de Redes de Comunicação. Nascida na Universidade de Brasília – UnB, a empresa tem sua sede no Campus Universitário Darcy Ribeiro e é um empreendimento apoiado pelo CDT/UnB.
 
A IPe atua no segmento de redes de computadores, desenvolvendo produtos relacionados a cloud computing e segurança. Atualmente a empresa desenvolve o Eco2Box, plataforma para uso racional de energia elétrica em ambiente doméstico e empresarial e o IPe PLEASE, mecanismo de autenticação segura sem necessidade de senha. A empresa implementa ainda soluções privadas de computação em nuvem.
 
Contato: (61) 3340-6131
 
 
LOOP Engenharia de Computação - A Loop é uma empresa jovem que traz uma nova visão ao mercado de Tecnologia da Informação. Com experiência em software web, software para dispositivos móveis, processamento de imagens e dispositivos embarcados, a Loop EC une a visão de hardware e software para desenvolver soluções inteligentes, intuitivas e que possuem o poder de mudar a vida das pessoas.
 
A grande proximidade da Loop EC com a Universidade de Brasília - principalmente por ter nascido na UnB - permite que abordagens inovadoras e de alta tecnologia sejam tomadas para solução de problemas, unindo a pesquisa acadêmica com o mercado.
 
Contato: (61) 4063-6406 / (61) 3107-4177
 
 
Serviço:
Palestra “Inovação no Google”, com Rodrigo Vale
Dia 2 de Setembro
18h
Auditório do CDT/UnB
Campus Universitário Darcy Ribeiro
 
 
THALYNE DA SILVA ALARCÃO CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Feira do Empreendedor já mostra resultados
23/08/2013
 Brasília - O primeiro dia da Feira do Empreendedor 2013, nessa quarta-feira (21), levou mais de 3,2 mil pessoas ao Centro de Convenções Ulysses Guimarães, na capital federal. O sucesso de público é atribuído à programação e também às oportunidades voltadas aos empresários. O evento segue até sábado (24) e, só na abertura, mais de 1,5 mil participantes passaram pelas capacitações.
 
Uma análise final do primeiro dia mostrou que 25% do público realizou de um a três negócios no evento. A nota média de satisfação é de 8,89, em uma escala que vai de um a dez. Dos visitantes, a maioria, 43%, é formada por Microempreendedores Individuais (MEI). Quase 73% dos visitantes também acreditam que a feira contribui para a geração de negócios.
 
Entre os destaques dessa edição estão as 50 oportunidades e as soluções de inovação e sustentabilidade para pequenas empresas. A programação também oferece palestras com tradução em libras para portadores de deficiência auditiva.
 
 
Confira a programação no site.
 
CDT na Feira do Empreendedor - O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) está participando com um estande exclusivo dentro do salão da informação, onde aproveita para divulgar os serviços tecnológicos Dique Tecnologia e o Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT), prestando também informações empresariais e esclarecimentos às Micro e Pequenas Empresas a respeito de questões de gestão técnica. Além do estande principal do CDT, as empresas incubadas Quali-A, TG Stúdio, Ipe, Terra Sense e Ambiente Eficiente também apresentam seus produtos e serviços.
 
O Disque Tecnologia disponibiliza serviços de consultoria tecnológica e de gestão aos microempresários e empreendedores do DF, tendo em vista o desenvolvimento e a consolidação do empreendimento rumo ao sucesso nos negócios. Programação da Feira
 
Já o Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas é gratuito e responde questões tecnológicas e empresariais, de baixa complexidade, para o empreendedor ou microempresário. Contando com a colaboração de especialistas das mais diversas áreas do conhecimento, o serviço pode ser acessado exclusivamente pelo endereço: www.respostatecnica.org.br
 
 
Serviço:
Feira do Empreendedor 2013
Até 24 de agosto, das 10h às 20h
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Entrada: 1 kg de alimento não perecível
Informações sobre a programação no www.feiradoempreendedordf.com.br ou pelo telefone 0800 570 0800.
 
 
Com informações da Agência Sebrae de Notícias - DF 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Último encontro preparatório para Fórum Mundial da Ciência é realizado na UnB
23/08/2013

Ciência para o ambiente e a justiça social foi o tema do 7º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial da Ciência realizado nos dias 21 e 22 de agosto no auditório da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec). O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) participou do evento com um estande para expor informações sobre os trabalhos realizados pela Gerência de Inovação e Transferência de Tecnologia (GITT) formada pelo Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT), Disque Tecnologia, Agência de Comercialização de Tecnologia (ACT) e o Núcleo de Propriedade Intelectual (NUPITEC).

Foram mais de quatrocentos e cinquenta inscrições em dois dias de evento. Umas das organizadoras do evento, Márcia Collen, destacou o fato de o evento ser uma grande oportunidade não só para a Universidade, mas para Brasília e para o Brasil, por ser um evento de porte mundial sendo realizado na Capital.

O Encontro é o último de uma série de palestras promovidas pelo Ministério da Ciência de preparação para o fórum mundial que acontecerá de 24 a 27 de novembro no Rio de Janeiro, com o tema "Ciência para o desenvolvimento sustentável global".

 

“Esse encontro representa uma excelente oportunidade para a universidade de trazer um conhecimento de fora para cá. Até porque o encontro conta com a participação de professores, entidades, alunos,  entre outros, e os debates e discussões que estão havendo em torno do tema são importantes para enriquecer o crescimento de todos, e para o fórum mundial que acontece em novembro”, realçou o Decano de Pesquisa e Pós-graduação, Jaime Martins de Santana.

 

JULIANA TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT recebe comitiva americana para estabelecer parcerias em projeto de intercâmbio
22/08/2013
 
Nesta quarta-feira (21), o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) recebeu uma comitiva formada por representantes de universidades americanas. Capitaneados pelo Professor Dr. José Márcio, do Departamento de Administração e responsável pelo Programa de Internacionalização da UnB, o diretor do CDT, professor Paulo Suarez e a equipe da Multincubadora de Empresas se reuniu com dirigentes de três instituições dos Estados Unidos: Hawkeye Community College, Kirkwood Community College e University of Northern Iowa.
 
O objetivo da reunião foi aprimorar o relacionamento entre os países através de programas de curta duração, intensificando a participação tanto de alunos americanos, de outras nacionalidades e estudantes brasileiros em programas internacionais, com estágios em empresas de base tecnológica.
 
O envolvimento do CDT neste programa se deu através da recepção, em 2012, de dois estagiários americanos para estagiarem nas empresas incubadas e apoiadas por esta instituição. Com o feedback positivo, as instituições americanas criaram programas de curta duração para que, tanto americanos quanto brasileiros, pudessem vivenciar uma experiência estrangeira, aprender uma segunda língua e colocar em prática as teorias de suas formações específicas.
 
Ao final, ficou acordado a participação do CDT quanto à logística e o levantamento de demandas para repassar às instituições americanas, além da negociação de novos programas. Outras reuniões serão agendadas para formatar os programas de acordo com as necessidades.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Poluição pode ser monitorada e mapeada pela própria comunidade
22/08/2013

Aplicativo desenvolvido por empresa incubada no CDT/UnB mede os níveis de poluição do ar podendo auxiliar em pesquisas, mapeamentos e na saúde dos cidadãos.

 

 

A ideia surgiu durante a especialização do aluno Erick Kill em Geoprocessamento, no Instituto de Geociências da UnB. Durante as pesquisas, Erick observou a necessidade do instituto e a carência de dados sobre a poluição atmosférica no Distrito Federal. “A partir disso, sentimos a necessidade de criar uma rede alternativa de coleta de poluentes atmosféricos, que fosse de baixo custo e que atingisse um sistema de coleta mais dinâmico. Entrei no mestrado no Instituto de Geociências da UnB e com isso, tive a possibilidade de concretizar a ideia e transformá-la em algo que acompanhasse o atual mercado mobile”, relata. Erick e o irmão Fernando Kill, que é analista de sistemas, desenvolveram o protótipo e a inteligência de TI do painel usado por todo o sistema.

Funciona assim: O aparelho faz a avaliação dos gases no ar enviando a leitura para o aplicativo, via Bluetooth, que exibe na tela do smartphone os níveis avaliados, categorizando-os em uma escala de índices de qualidade do ar. O aparelho mostra a quantidade de gases considerados nocivos. Esses dados são armazenados e/ou transmitidos via smartphone, usando uma rede sem fio. Feita a transmissão, eles são armazenados em um banco de dados com outras variáveis ambientais geradas pelas instituições do Governo e integram o painel de monitoramento.

Digamos que uma pessoa está no trânsito ou andando em determinado local e deseja saber se naquele lugar os níveis de poluição estão muito elevados, podendo prejudicar a saúde. Essa pessoa pode abrir o aplicativo no celular e, em menos de um minuto, obter a resposta desejada. Ou, talvez, uma vila esteja registrando muitos casos de doenças respiratórias, uma análise da qualidade do ar naquele local poderá indicar as razões para isso.

Além de acessível à comunidade, os dados das pesquisas feitas no aplicativo são armazenados em um painel geral, reunindo informações de diversas regiões do DF, permitindo um mapeamento da situação atmosférica, apoiando na gestão de saúde das cidades e ainda servindo de objeto de pesquisas e acompanhamento das mudanças atmosféricas. “Com esse tipo de equipamento/painel, podemos gerar o que chamamos de sala de situação, onde o gestor público poderá tomar decisões em cima das informações mostradas no sistema. Por outro lado, a ferramenta tem papel de inclusão ambiental da população, que poderá entender o ambiente em que vive, tendo a possibilidade de exigir dos órgãos ambientais de fiscalização, maior atuação nas áreas críticas das cidades”, complementa Erick.

As informações coletadas via celular serão reunidas a outros dados do DF como, por exemplo, a relação de pessoas com doenças respiratórias em determinada localidade. Esses resultados poderão auxiliar os órgãos gestores responsáveis pelo meio ambiente e pela saúde. Segundo Erick, o servidor de dados armazena as coletas feitas pelo aparelho e são transmitidas a ele pelo smartphone. Nesse servidor, existe um banco de dados com informações do governo, como o censo demográfico (IBGE), atendimentos nos serviços públicos de saúde, tráfego de carros (Google), queimadas (NASA e INPE), dados de sensores atmosféricos (NASA), etc. Os dados podem ser, a qualquer momento, correlacionados nesse painel online, onde o usuário terá o cruzamento dessas informações, gerando comparações, gráficos, estatísticas, etc. Com isso, poderá visualizar panoramas de situações ambientais versus saúde das regiões do Distrito Federal.

O sistema passa agora por um período de validação e calibração, e será lançado em breve no mercado. O foco da equipe para o futuro é firmar parcerias para o desenvolvimento desses aparelhos e levá-los para outras regiões. Já existe uma parceria com o professor Saldiva da USP, em São Paulo. “Lá, eles farão a coleta no trânsito, por conta da grande quantidade de táxis e ônibus na cidade”, informa Erick.

 

Poluição Atmosférica

É notável a criação de aparelhos e sistemas que remetem ao envolvimento da comunidade em assuntos ambientais. Diariamente respiramos um ar carregado de gases que farão mal ao organismo e comprometerão nossa saúde. Dia após dia você está encurtando o seu período de vida sem ao menos notar. Não é novidade que vivemos em um planeta poluído. Mas, quando a discussão é sobre o aquecimento global, sustentabilidade e o futuro do planeta terra, apenas uma parcela muito pequena da população se envolve.

A grande questão é que passamos décadas pensando na evolução do mundo, correndo contra o tempo fazendo o mundo, ou o capitalismo, girar mais rápido. Aceleramos o avanço mundial e fixamos a tecnologia em nossas vidas. Portanto, o período que se vive agora é de extrema notabilidade. Observar a união da tecnologia à sustentabilidade. A tecnologia pensando no meio ambiente, contribuindo para a consciência civil e comprometimento com as questões sustentáveis.

Quando vemos essa união, a única obrigação que cabe a nós enquanto sociedade é a do comprometimento. A causa ambiental não é apenas de alguns, ou apenas das autoridades. Compete a nós o envolvimento e o monitoramento dessas questões.  Hoje, temos acesso a informações que antes eram exclusivas de alguns órgãos competentes. Podemos usar tais dados para influenciar a melhoria da gestão na saúde nas cidades, monitorar os impactos ambientais e o crescimento da poluição, fazendo cobranças das devidas atitudes dos responsáveis.

Quantas vezes você não já pensou quanto a tudo isso? Quantas vezes quis fazer algo, mas achou que não tinha muito a fazer? Vivemos as consequências das ações de nossas gerações passadas. Não basta ter a informação, precisamos nos comprometer, pensar o futuro das próximas gerações e contribuir para o mesmo.

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Embaixada dos EUA lança concurso sobre inovação e direitos de propriedade intelectual
21/08/2013
A Embaixada dos Estados Unidos no Brasil lança o Concurso Inovar para estudantes universitários. O concurso foca na análise do impacto da inovação e dos direitos de propriedade intelectual na economia. As equipes, acompanhadas por um professor, devem escrever um artigo em português e produzir um vídeo de uma forma criativa para divulgar a mensagem. 
 
Os vencedores virão a Brasília para apresentação dos artigos e participarão da Conferência de Direitos de Propriedade Intelectual em Nova York, em abril de 2014. As inscrições para a primeira etapa já estão abertas. Para participar, visite o Facebook da Embaixada dos EUA.
 
Confira aqui as regras do Concurso.
 
 
Fonte:  Embassy EUA
CDT/UnB na Feira do Empreendedor
19/08/2013

Você possui uma ideia? Uma empresa? Quer crescer no mercado, aumentar seu network, vivenciar experiências novas e trocar experiências ajudando o crescimento de outros empreendedores? De 21 a 24 de agosto o SEBRAE estará realizando mais uma edição da Feira do Empreendedor. A Feira é uma oportunidade aos empreendedores e empresários de Brasília para o compartilhamento de conhecimentos, troca de experiências e estabelecimento de negócios. Este ano, o evento tem como foco inovação e sustentabilidade e será realizado no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Na oportunidade, Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) estará participando com um estande exclusivo dentro do salão da informação, onde estará divulgando os serviços tecnológicos Dique Tecnologia e o Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT), prestando também informações empresariais e esclarecimentos às Micro e Pequenas Empresas a respeito de questões de gestão técnica. Além do estande principal do CDT, as empresas incubadas Quali-A, TG Stúdio, Ipe, Terra Sense e Ambiente Eficiente estarão apresentando seus produtos e serviços.

O Disque Tecnologia disponibiliza serviços de consultoria tecnológica e de gestão aos microempresários e empreendedores do DF, tendo em vista o desenvolvimento e a consolidação do empreendimento rumo ao sucesso nos negócios. Programação da Feira

Já o Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas é gratuito e responde questões tecnológicas e empresariais, de baixa complexidade, para o empreendedor ou microempresário. Contando com a colaboração de especialistas das mais diversas áreas do conhecimento, o serviço pode ser acessado exclusivamente pelo endereço: www.respostatecnica.org.br

Comemorando 18 edições de sucesso, esse ano a Feira conta com mais de 4 salões, 45 espaços, e vários eventos de negócios sendo eles: Rodadas de Negócios; Encontros de Negócios e Reuniões de Negócios. Serão dias de aprimoramento e crescimento em um ambiente totalmente voltado para o empreendedorismo.

 

JULIANA TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

UnB sediará 7º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial da Ciência
16/08/2013

Nos dias 21 e 22 de agosto, acontecerá, no auditório da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), o 7º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial da Ciência. O evento faz parte de uma série de encontros e palestras promovidos pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, e contará com a participação do Centro de Apoio do Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB).

Com o tema Ciência para o ambiente e a justiça social, o encontro pretende promover debates em torno dos desafios da ciência no século 21, relacionados aos novos padrões de consumo e produção, desenvolvimento sustentável, além do despertar da curiosidade e criatividade científica nos jovens, através da Educação.

A Gerência de Inovação e Transferência de Tecnologia (GITT) do CDT estará presente no evento. Formada pelo Sistema Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT), Disque Tecnologia, Agência de Comercialização de Tecnologia (ACT) e o Núcleo de Propriedade Intelectual (NUPITEC), o Centro terá um stand, onde as equipes estarão apresentando informações sobre os trabalhos realizados por seus respectivos programas.

Para mais informações, dúvidas ou inscrições para o evento, no link.

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Empresa Junior ministra palestra sobre Estratégia para pequenas e médias empresas
14/08/2013
AD&M Consultoria Empresarial reuniu clientes e parceiros no auditório do CDT/UnB
 
 
 
 
“Estratégia é basicamente uma grande mudança que a empresa pretende fazer”, afirmou o recém-formado em Administração de Empresas e Presidente Institucional da AD&M Consultoria Empresarial, Vitor Almeida, em palestra ministrada na manhã desta terça-feira (14), no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). O foco da palestra, voltada para clientes, parceiros e potenciais clientes da empresa, era o Balanced Scorecard (BSC; na tradução “Indicadores Balanceados de Desempenho”), ferramenta famosa no meio de Administração.
 
Ele explica que muitas empresas, ao longo do tempo, planejaram essas mudanças expressivas, mas não obtiveram sucesso em executá-las. É aí que entra a BSC, ferramenta criada pelos professores Robert Kaplan e David Norton (da Harvard Business School), que visa gerenciar uma empresa não só utilizando os indicadores financeiros, mas analisando-a sob diversos pontos de vista, para ajudar na execução e no gerenciamento dessas estratégias. 
 
“Eles elaboraram a BSC mostrando a importância dos indicadores de gestão de pessoas, de processos, de aprendizado, de recursos, para que a empresa possa analisar o seu desempenho sob várias perspectivas, pra saber se ela realmente está indo bem. Porque, hoje em dia, as finanças não dizem se a empresa está indo bem por si só. Então, essa é uma ferramenta bem completa nesse sentido”, argumentou Vitor. 
 
Ao final da palestra, os presentes puderam tirar suas dúvidas e depois interagir e trocar ideias, realizando networking
 
 
A empresa - Criada em 1992, a AD&M Consultoria Empresarial é uma Empresa Júnior de Administração da Universidade de Brasília (UnB). A empresa presta consultoria nas áreas de Gestão de Pessoas, Marketing, Finanças e Organização & Processos.
 
Vitor Almeida, que está há três anos e meio na empresa revela que esta é uma experiência importante justamente pelo fato de poder praticar aquilo que se vê na sala de aula. “Isso faz toda a diferença, principalmente para o curso de Administração, um curso que pra gente exercer, exige essa experiência prática, exige lidar com pessoas, então essa vivência é muito importante. Todo esse tempo valeu muito a pena, especialmente pelas oportunidades de liderança que eu pude aproveitar”. Ele já participou de três cargos de liderança expressivos, comandando uma equipe de mais de 80 pessoas. “Portanto, participar de uma EJ é muito interessante, tanto pra aprendizado quanto pra visibilidade no mercado”, finaliza o administrador. 
 
 
Clientes - Os Médicos Veterinários Fábio Langsch e Fernando Moraes, da Clínica Melhores Amigos, resolveram procurar a AD&M pela necessidade de crescimento no mercado. Eles começaram a ser atendidos há pouco tempo, mas os resultados já são satisfatórios. 
 
“Estamos sendo muito bem atendidos, a equipe é bastante atenciosa e tem demonstrado um bom conhecimento técnico. A expectativa é de que consigamos, com esse conhecimento técnico, alavancar o crescimento da empresa, aumentando a qualidade no atendimento e melhorando também a estratégia de visualização da empresa, em forma de marketing”, afirmam os sócios. Eles conheceram a AD&M por indicação de outra empresa que também gostou dos serviços prestados.
 
Já o empresário Eduardo Costa, sócio na franquia do restaurante SushiLoko do Gama, cujo sócio-fundador da rede, Fábio Bindes, é formado pela Universidade de Brasília e ex-membro da AD&M, conta que conheceu o trabalho da empresa de consultoria através de networking realizado em reunião na Câmara Americana de Comércio (AMCHAM). 
 
“Inicialmente, nós fizemos uma análise superficial da empresa, junto com a AD&M, onde fomos muito bem atendidos e apoiados por eles. Ainda não fechamos nenhuma análise aprofundada, mas estamos no primeiro mês e vamos caminhar pra isso”, revelou. A sua franquia está no mercado desde 2011. 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Universidade de Brasília prepara alunos para o mercado empreendedor
12/08/2013

Com a oferta de disciplinas voltadas para o empreendedorismo e a inovação, Universidade desperta o lado empreendedor dos jovens estudantes e capacita-os para colocar esse aprendizado em prática

 

O conhecimento é fundamental para o desenvolvimento de qualquer ideia e, após a assimilação de conteúdos, é necessário trazê-los para a prática. Auxiliar esse processo é o propósito da Escola de Empreendedores (EMPREEND) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), que investe em novos talentos para disseminar a cultura empreendedora no âmbito da Universidade de Brasília. Este trabalho é realizado através da oferta de disciplinas de empreendedorismo e outras atividades que têm como objetivo despertar o lado empreendedor dos jovens estudantes, estimulando-os, apoiando e capacitando para o mercado.  

Ser empreendedor presume o desenvolvimento de diversas competências que se atrelam diretamente à vida cotidiana dos estudantes: capacidade de realizar uma tarefa que requeira dedicação, esforço, assunção de riscos e a busca por opções alternativas. Pode-se dizer que o empreendedor é visionário, enxerga oportunidades, é inovador, ele sai de sua zona de conforto e caminha para executar o proposto.
 
Nesse contexto, a EMPREEND está com matrículas abertas para as disciplinas de graduação “Introdução à Atividade Empresarial”, “Pesquisa, Empreendedorismo e Inovação”, “Empreendedorismo e Inovação Tecnológica”; e para a disciplina “Empreendedorismo e Inovação”, voltada a alunos de pós-graduação. O propósito dessas aulas é disseminar a cultura empreendedora, desenvolvendo competências básicas e emergentes na área do empreendedorismo, da criatividade e da inovação, além de desenvolver um espírito empreendedor nos alunos, disponibilizando as ferramentas necessárias para que o empreendedorismo e a inovação façam parte de seu dia a dia laboral, para que eles possam desenvolver ideias inovadoras e planejar seus próprios negócios.
 
Alunos de qualquer curso da Universidade de Brasília podem se matricular nas disciplinas de graduação, estudantes da Universidade de Brasília de cursos de Pós-graduação e, pessoas com quaisquer graduação, que queiram cursar como aluno especial a disciplina de Pós-Graduação.
 
Mais informações: 
Escola de Empreendedores – CDT/UnB 
3107-4117
3107-4108
empreend@cdt.unb.br
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Pesquisadores mapeiam sistema de inovação brasileiro
09/08/2013

Precursor na área de Engenharia Biomédica e professor da UnB visitaram mais
 de 20 estabelecimentos nas regiões Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Sul



 

Convidados pelo Ministério da Saúde (MS), os pesquisadores John Webster, da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, e Ícaro dos Santos, da Faculdade de Tecnologia da UnB,
realizam análise do sistema de inovação tecnológica do país na área 
médica. Nas duas últimas semanas, os professores visitaram centros 
de pesquisa e indústrias brasileiras. Agora, os dois engenheiros devem
 finalizar o relatório e encaminhá-lo para a Secretaria de Ciência,
Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) do MS.



“A gente quer ver como iniciativas financiadas pelo Ministério da Saúde se
 inserem no contexto dessa avaliação”, conta Eduardo Jorge Valadares, 
diretor do Departamento do Complexo Industrial e Inovação em Saúde (Deciis)
 da SCTIE. Valadares explicou que a iniciativa do ministério pode indicar
 novos caminhos de atuação aos órgãos do governo e destacou a relevância do trabalho do pesquisador norte-americano na produção do relatório. “O projeto 
será feito à luz de todo o conhecimento que ele tem na área de Engenharia 
Biomédica e da capilaridade de seus trabalhos”, completa o diretor.


 
O brasileiro Ícaro dos Santos também contribuiu com a pesquisa do Ministério do Saúde com conhecimentos sobre a
 realidade nacional.  Ícaro possui vasta experiência no desenvolvimento
 de estudos em Engenharia Biomédica no Brasil. “As competências foram 
complementares”, define o professor da UnB. O conteúdo da pesquisa ainda é
 sigiloso.


 
A passagem de Webster pelo Brasil foi concluída com a palestra realizada na 
última sexta-feira (2), no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) da
 UnB. O professor apresentou para uma plateia lotada, predominantemente de
 engenheiros, os projetos biomédicos que deram a ele lugar de destaque no
 mundo da inovação tecnológica. “O que eu vi foi suficiente para adquirir
 novos pontos de vista”, afirma Pedro Henrique Aguiar, 19, aluno do 3º
semestre de Engenharia Mecatrônica. O jovem pretende utilizar as 
informações passadas pelo palestrante na elaboração de trabalhos mais aprofundados. “Na 
área de pesquisa, se você tem variados pontos de vista, é mais fácil
 acrescentar algo nos seus trabalhos”, conclui o estudante.

 

Fonte: UnB Agência 

Últimos dias para inscrições no Desafio Brasil 2013
09/08/2013

A competição, organizada pela FGV, está aberta a todos que tiverem uma ideia inovadora

 

As inscrições para a competição de startups Desafio Brasil 2013 estão chegando ao fim. Os empreendedores tiveram até o dia 14 de julho para cadastrar sua ideia no site do programa, e terão até o dia 11 de agosto para submeterem suas propostas.

Organizado pelo Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital (GVcepe) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP), o desafio seleciona as melhores ideias de startups.

Nesta edição, os participantes terão a chance de interagir, trocar informações e aprimorar suas ideias de negócios antes da inscrição final. O processo vai incluir educação empreendedora, qualificação de participantes, palestras, sessões de mentoring, possibilidades de network e prêmios.

A final nacional da competição será em novembro, quando os empreendedores devem submeter os projetos a uma banca avaliadora. Na última edição, empresas de 26 estados brasileiros e do Distrito Federal participaram. Foram 364 startups e mais de 1500 empreendedores envolvidos na disputa.

A organização do evento ainda não definiu quantas startups serão vencedoras e quais serão os prêmios. A única definição até o momento é a participação da empresa em um evento internacional para startups.

Confira a programação da competição:

Data Atividade
Até 14/7 Cadastro no site
Até 11/8 Submissão de propostas
Até 7/9 Networking com especialistas
Até 3/11 Meetup dos semifinalistas regionais
Até 15/11 Feedback e submissão em inglês
Até 26/11 Meetup dos semifinalistas nacionais
Até 27/11 Banca de juízes e premiação

 

Com informações do portal Exame.com 

NICE oferece palestras durante todo o mês de agosto
08/08/2013

As inscrições são gratuitas

 

Durante todo o mês de agosto, o Núcleo de Inovação e Capacitação Empresarial (NICE) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) estará oferecendo palestras de capacitação em suas sedes na Ceilândia, Gama, Planaltina e Plano Piloto. A inscrições são gratuitas e vão até o dia da palestra desejada.

Com o objetivo de preparar o empreendedor para as mudanças constantes na área empresarial, o NICE, com estas palestras, oferece a oportunidade de crescimento profissional e pessoal, para que se aprimore o perfil empreendedor, e no caso de empresários, a sua empresa. A palestras são voltadas a micro e pequenos empresários, alunos e público externo interessado. Cada uma terá duas horas de duração.

 

Confira a programação:

Para se inscrever em alguma delas, clique aqui.

 

 

Conheça mais sobre o NICE:

Para capacitar empreendedores e dar a eles a oportunidade de entrar em contato com informações técnicas, o Núcleo de Inovação e Capacitação Empresarial (NICE) oferece eventos, cursos e consultorias aplicadas por especialistas de diversas áreas do conhecimento. Utilizando metodologias inovadoras que contam com todo o conhecimento e experiência da Universidade de Brasília, o NICE pretende disseminar o empreendedorismo por meio de soluções tecnológicas, da melhoria da gestão empresarial e da capacitação de micro e pequenas empresas e empreendedores em geral.

 

 

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Empreend oferta vagas para monitores
08/08/2013
A Escola de Empreendedores do CDT/UnB está ofertando vagas para Monitoria nas disciplinas de graduação e de pós-graduação. A ficha de inscrição está disponível no site: http://www.unb.br/administracao/decanatos/deg/monitoria.htm
 
Os interessados devem entregar a ficha juntamente com o histórico escolar até o dia 22/08, na portaria do CDT/UnB, Campus Universitário Darcy Ribeiro - Edifício CDT. 
 
Informações:
Pré-requisito para monitoria: ter cursado a respectiva disciplina
 
Disciplinas:
Introdução à Atividade Empresarial - IAE – código 170054
03 vagas - monitoria remunerada
07 vagas - monitoria voluntária
 
Empreendedorismo e Inovação Tecnológica – IAE 2 – código 200662
01 vaga – monitoria voluntária
 
Empresa Júnior 1 – EJ1 – código 170721
01 vaga – monitoria remunerada 
 
Empresa Júnior 2 – EJ2 – código 170739
01 vaga – monitoria remunerada
 
Pesquisa em Empreendedorismo e Inovação – PEI – código 206687
01 vaga – monitoria voluntária
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

CDT/UnB está com matrículas abertas para disciplinas de graduação e pós-graduação com foco no empreendedorismo
07/08/2013
A Escola de Empreendedores (EMPREEND) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) está com matrículas abertas para as disciplinas de graduação “Introdução à Atividade Empresarial” (IAE) e “Pesquisa, Empreendedorismo e Inovação”; e para a disciplina “Empreendedorismo e Inovação”, voltada a todos os alunos de pós-graduação da Universidade de Brasília. 
 
O objetivo dessas disciplinas é promover e difundir a cultura empreendedora, desenvolvendo competências básicas e emergentes na área do empreendedorismo, da criatividade e da inovação, contribuindo para que os alunos desenvolvam ideias e planejem seus próprios negócios; introduzir os alunos no mundo da pesquisa científica, produzindo conhecimento sobre os temas empreendedorismo e inovação, por meio de estudos e pesquisas que contribuam para a compreensão do conceito, o diagnóstico, a educação e o estímulo da área; e desenvolver um espírito empreendedor nos alunos, disponibilizando as ferramentas necessárias para que o empreendedorismo e a inovação façam parte de seu dia a dia laboral e para que os mesmos desenvolvam ideias inovadoras e estejam aptos a abrirem seus próprios negócios.
 
De acordo com a coordenadora da Empreend, professora Cristina Castro-Lucas, o aprendizado dessas disciplinas é fundamental na formação desses novos empreendedores. “Hoje nós temos disciplinas que são fundamentais no processo de formação de ‘formadores inovadores’. Na verdade, o foco dessas disciplinas é formar competências empreendedoras nos alunos da Universidade de Brasília, dentro de seus departamentos. Então, as disciplinas são focadas com uma visão transversal, trabalhando realmente com as competências e buscando explicar o conceito de inovação e empreendedorismo no contexto atual do mundo globalizado", ressalta.
 
As matrículas para as disciplinas poderão ser feitas pelo Matrícula Web. O período de matrícula e o início das aulas seguem o mesmo calendário da UnB
 
Mais informações: 
Escola de Empreendedores – CDT/UnB 
3107-4117
3107-4108
empreend@cdt.unb.br
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT/UnB abre processo seletivo para instrutores
06/08/2013
A Escola de Empreendedores (Empreend) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) abre, nesta terça-feira (06.08), chamada pública simplificada para a seleção de profissionais para instrutoria de módulos das disciplinas de Graduação “Introdução à Atividade Empresarial” e “Empreendedorismo e Inovação Tecnológica”; e da disciplina de Pós-Graduação “Empreendedorismo e Inovação”.
 
Empreender é uma necessidade do mercado de trabalho. Dessa forma, o ensino de empreendedorismo na graduação é uma estratégia para disseminar competências empreendedoras dos alunos, e capacitá-los no que tange à identificação de oportunidades e à criação de um negócio. 
 
Para atingir esse objetivo, a Empreend estimula a cultura empreendedora por meio da oferta de disciplinas que, há vários anos, são ofertadas em parceria com o SEBRAE-DF e pelas quais já passaram mais de 6.500 alunos. Essas disciplinas são presenciais, com caráter interdisciplinar e utilizam uma metodologia inovadora, que inclui aulas expositivas, estudos de casos, dinâmicas de grupo e jogos interativos. Possuem carga horária de 60 horas, equivalente a 04 créditos, módulo livre.
 
INSCRIÇÕES – Os interessados devem encaminhar o Currículo Lattes para o correio eletrônico: curriculo@cdt.unb.br, no período de 6 a 11 de agosto, indicando, no assunto da mensagem, o código desta Chamada Pública - CDT/UnB nº 13-2013 - e o nome do perfil desejado.
 
Para mais informações sobre o processo seletivo e o detalhamento dos perfis, acesse: http://www.cdt.unb.br/novoportal/pdf/editais/processo_seletivo_06082013091551.pdf.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Cooperativas do DF recebem Planos de Negócios
05/08/2013
A ação fez parte do Programa PRODUCOOP, que conta com o apoio do CDT/UnB
 
 
 
 
Nos dias 1, 2 e 5 de agosto, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB apresentou os Planos de Negócios para as Cooperativas Multiflor, Sonho de Liberdade, Cooperorg, Maria Flor e Cooperlacre. A ação faz parte da primeira fase de implantação do Programa de Desenvolvimento Sustentado das Cooperativas de Produção e Trabalho do DF - PRODUCOOP e visa preparar as cooperativas para o mercado.
 
O PRODUCOOP é uma parceria entre o CDT/UnB,  o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo - SESCOOP/DF, a Organização das Cooperativas do Distrito Federal - OCDF, do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE-DF e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATER/DF, e tem por objetivo desenvolver ações que melhorem  a qualidade das cooperativas, para que consigam gerar e manter sua renda de forma sustentável. Ao CDT cabe, entre outras atividades, a capacitação, o acompanhamento e a elaboração dos Planos de Negócios apresentados às cooperativas.
 
”O Plano de Negócios é um guia para o desenvolvimento da Cooperativa”, diz Bruno Lameira, colaborador da Multincubadora de Empresas do CDT/UnB, que é técnico responsável pela área de marketing. Segundo o técnico, os eixos de finanças e mercado são os mais desafiadores para as cooperativas. Isso acontece devido ao grande levantamento de dados que é necessário para estruturação do plano financeiro e de marketing e muitas vezes não há controle algum no setor administrativo das cooperativas.
 
 
THALYNE DA SILVA ALARCÃO CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Encontro sobre edital de parques tecnológicos
01/08/2013
Anprotec promoveu encontro no CDT/UnB para esclarecer dúvidas e orientar os gestores na elaboração dos projetos de acordo com o edital
 
 
 
A Anprotec promoveu nesta quarta-feira, dia 31, uma reunião entre associados, Finep e MCTI, a fim de esclarecer as dúvidas sobre o edital de parques tecnológicos, lançado pelo governo federal no último dia 9 de julho. Cerca de 80 pessoas participaram do evento, realizado no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), em Brasília (DF).
 
O encontro foi aberto pela presidente da Anprotec, Francilene Garcia, que destacou a importância do edital para a evolução do movimento de empreendedorismo inovador no Brasil. “Ao longo de quase três décadas de existência desse movimento, incubadoras de empresas e parques tecnológicos se consolidaram como importantes ferramentas para o desenvolvimento do país. Esse edital reforça esse reconhecimento e, tanto pelo volume de recursos quanto pela combinação estratégica de instrumentos, representa uma importante oportunidade de alavancar e fortalecer a atuação dos parques tecnológicos brasileiros e das empresas vinculadas a esses ambientes”, afirmou.
 
 
O coordenador de Serviços Tecnológicos da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Setec), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Jorge Mario Campagnolo, destacou a relevância do edital para alçar o Brasil a um novo patamar de desenvolvimento. “Os investimentos em inovação têm por objetivo contribuir para que nosso país gere produtos com maior valor agregado, alterando o perfil de exportador de commodities. Por reunirem os agentes responsáveis tanto por gerar conhecimento quanto por transformá-lo em produtos, processos e serviços inovadores, os parques tecnológicos representam um elemento fundamental ao alcance desse objetivo”, explicou.
 
Esclarecimentos
 
Conforme havia sido solicitado pela Anprotec, os associados analisaram previamente o edital e levaram à reunião suas principais dúvidas. A fim de esclarecê-las, o chefe do Departamento de Subvenção da Finep, Marcelo Camargo, apresentou  os três instrumentos previstos pelo edital. “É importante destacar que esta é uma chamada voltada exclusivamente a parques em implantação e operação, ou seja, não contempla iniciativas que ainda não tenham sua viabilidade atestada e ou que não tenham começado efetivamente. Esses projetos poderão ser foco de um outro edital, no futuro”, afirmou.
 
Os R$ 640 milhões do edital serão concedidos por meio de três instrumentos. O primeiro, de R$ 90 milhões em recursos não reembolsáveis, vai apoiar parques tecnológicos em operação e em processo de implantação, de forma a viabilizar a consolidação do projeto. As propostas deverão ser encaminhadas até o dia 17 de agosto, via Formulário de Apresentação de Propostas (FAP’s), disponível no site da Finep. É obrigatório o envio de uma cópia impressa da proposta até o dia 18 de agosto. No caso dos parques em operação, serão apoiados projetos de no mínimo R$ 6 milhões até o limite de R$ 14 milhões. Já para propostas de parques em fase de implantação, o valor mínimo é de R$ 2 milhões e o máximo de R$ 5 milhões.
 
Também destinado a parques tecnológicos em operação e em implantação, o segundo instrumento oferecerá  R$ 500 milhões em crédito. Nesse caso, a solicitação de recursos ocorrerá respeitando o procedimento atual de análise de propostas adotado pelo programa Inova Brasil, que opera taxas de 2,5% a 5% ao ano, com carência de 48 meses e prazo final para pagamento de 120 meses. Neste tipo de operação, é exigida contrapartida financeira de 20% do valor pleiteado à Finep.
 
O terceiro instrumento se constitui de um fundo de investimento – Fundo Inova Empresa MPE, de R$ 50 milhões –  destinado a empresas apoiadas por incubadoras e parques tecnológicos, ou ainda graduadas até dois anos, por meio de participação no capital e apoio gerencial. O edital prevê a seleção de um gestor/administrador para esse fundo, que deverá ter como base legal as instruções da Comissão de Valores Mobiliárias (CVM).  A taxa de performance será de 20% dos ganhos distribuídos pelo Fundo que excederem o capital original investido, atualizado pela variação de um índice de inflação (IPCA).
 
Ainda relativo ao Instrumento III, a Finep poderá, a seu critério, abrir mão de até 30% de seus rendimentos em benefício de incubadoras de empresas e parques tecnológicos, a serem repassados na proporcionalidade das empresas investidas vinculadas a cada ambiente.
 
Programação e FAQ
 
No período da tarde, a equipe da Finep detalhou o edital a partir das dúvidas dos associados. A Anprotec  registrou dúvidas e respostas, que irão compor o FAQ disponível no site da Associação. Novas perguntas sobre o edital podem ser encaminhadas para o email junior@anprotec.org.br ou por meio do grupo criado pela Anprotec no Facebook para discussão acerca da Chamada Pública. Após avaliação da Associação, as perguntas serão encaminhadas à Finep para esclarecimentos – e  as respostas serão acrescentadas ao FAQ. “Vamos manter ativos esses canais de comunicação, a fim de contribuir para que nossos associados potencializem suas propostas”, afirma a superintendente executiva da Anprotec, Sheila Oliveira Pires.
 
- Acesse o Edital 
 
- Acesse o FAQ sobre o edital
 
 
Fonte: Anprotec
Projeto Cataforte entrega kits para mais de 400 catadores
31/07/2013

A Incubadora Social e Solidária do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), em conclusão ao Projeto Cataforte, entregou kits com Equipamentos de Proteção Individual (EPI) a aproximadamente 400 catadores de materiais recicláveis, em sete cidades do Distrito Federal. Os Kits contam com protetores auriculares, óculos, botas de PVC e uniforme, que servirão para proporcionar condições mais seguras de trabalho, além de ajudar a colocar em prática o que aprenderam nas capacitações oferecidas pelo projeto.

                A entrega dos kits é a conclusão do trabalho que já vinha sendo desenvolvido pela Incubadora, que consistia em capacitações, conscientização sobre segurança de trabalho e trabalho com a autoestima dos catadores. Os Kits foram entregues nas seguintes cidades: Estrutural, Riacho Fundo, Brazlândia, Sobradinho, Planaltina, Gama, Águas Lindas e na ocupação que fica atrás da Garagem do Senado. O projeto desenvolvido pelo CDT/UnB foi uma iniciativa da Fundação Banco do Brasil, e beneficiou cerca de 400 catadores.

Essa iniciativa é fundamental para garantir a segurança dos catadores, pois devido ao trabalho realizado por eles, o material se desgasta rapidamente, sendo necessária sua substituição com frequência.

“O curso do Cataforte foi ótimo e eu gostei bastante, aprendi muita coisa, conheci pessoas novas, o Palácio do Buriti e esses congressos que a gente só vê por fora, eu tive a honra de conhecer por dentro. Se não fosse por esse curso, eu não conheceria onde o governador fica, onde o governador trabalha. Os kits são ótimos, é muito bom ter uniforme, até porque a gente é conhecido pelo uniforme, né? E vai dar proteção também”, elogia Marlene Pereira da Silva Oliveira, catadora de materiais recicláveis, diretora da cooperativa Coopere.

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Sustentabilidade ambiental na construção civil é o foco da empresa Quali-A
30/07/2013
 
Ilustração: CDT/UnBIncubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) a empresa Quali-A presta consultoria nas áreas de estudos climáticos, urbanos e conforto urbano para construção de prédios sustentáveis. O próximo passo da empresa é lançar no mercado a Etiquetagem de Eficiência Energética, que visa avaliar a eficácia de edifícios nos parâmetros da sustentabilidade, emitindo assim uma certificação que avaliará o prédio de acordo com as classificações da etiqueta Procel.
 
Você já deve estar acostumado a ver essas etiquetas naquela geladeira novinha ou em outro tipo de eletrodoméstico que procurou pra comprar. Já está habituado, através dela, a fazer uma avaliação se aquele eletrodoméstico irá consumir muita ou pouca energia em sua casa. Essa mesma etiqueta passará a avaliar edifícios. No Brasil, o processo de etiquetagem se dá através da análise do projeto do edifício, sendo avaliados de formas distintas os edifícios comerciais, de serviços e públicos; e os edifícios residenciais. No primeiro caso, são avaliados três sistemas: a envoltória, que consiste no exterior do prédio; iluminação e o condicionamento de ar. Dessa forma, a etiqueta pode ser concedida de forma parcial, desde que contemple a avaliação da envoltória.
 
Já no segundo caso, nos edifícios residenciais, são avaliados a envoltória e o sistema de aquecimento de água, além dos sistemas presentes nas áreas comuns dos edifícios multifamiliares, como iluminação, elevadores, bombas centrífugas etc. O processo engloba toda a cadeia da indústria da construção, envolvendo a participação e capacitação dos profissionais, fabricantes, construtores e projetistas. As etiquetas terão classificações que variam de “A”, em que o nível de aproveitamento é máximo, à “E”, em que a eficiência é menor.
 
A Quali-A surgiu em 2012, advento de um grupo de pesquisadores de pós-graduação da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Brasília (FAU/UnB). Trabalhando hoje em parceria com o Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética (LACA) e LACAM-UnB e tendo o apoio da Eletrobrás e do Ministério de Minas e Energia, a empresa tem por objetivo atuar na área de consultoria ambiental voltada para a construção civil, com pesquisas aplicadas na área de sustentabilidade, além de levar o conhecimento da universidade aplicado. A empresa se tornará ainda um dos primeiros Organismos de Inspeção Acreditados (OIA-EEE) pelo Inmetro do Brasil, para concessão de Etiquetas de Eficiência Energética em JANEIRO DE 2014.
 
Faz parte dos serviços da Quali-A, também, a prestação de consultorias nas seguintes áreas: Estudo Prévio de Viabilidade Técnica (EPVT); Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV),  que seria a mediação entre os interesses privados dos empreendedores e o direito à qualidade urbana daqueles que moram ou transitam em seu entorno, sendo avaliados aspectos como adensamento populacional, equipamentos urbanos e comunitários, uso e ocupação do solo, valorização imobiliária, geração de tráfego e demanda por transporte público, entre outros; Certificações de Sustentabilidade , as certificações são métodos de avaliar alguns aspectos da sustentabilidade, de forma a classificar o desempenho das edificações, a Quali-a trabalha com as certificações Procel, Leed, Aqua e Selo Azul ;  Avaliação Ambiental e Simulações Computacionais, a empresa realiza estudos que envolvem diversos aspectos da qualidade ambiental no espaço construído, desde análises do desempenho acústico, o nível de conforto térmico do usuário, as condições de luz natural e insolação, etc.
 
A princípio, a Etiquetagem de Edificações do Procel Edifica terá caráter voluntário, ou seja, não obrigatório, mas já há previsão para a obrigatoriedade da mesma, primeiramente para edifícios públicos e mais tarde para todos. A etiquetagem é um diferencial no mercado trazendo vantagens em diversos pontos:
 
Intenção do Governo de avaliar as edificações segundo critérios climáticos e econômicos brasileiros (desestimular a importação de certificações);
Possibilidade de redução do consumo energético de 50% para edificações novas e 30% para edificações existentes;
Direito do consumidor de escolher o imóvel segundo sua eficiência energética, como já acontece com eletrodomésticos (geladeira, fogão, etc);
 Retorno do investimento de implantação da edificação (5 a 7%) ao longo do ciclo de vida. A economia gerada chega a até 40%, e o investimento é pago em três anos;
Diferencial competitivo entre construtoras, incorporadoras e fabricantes;
-Ferramenta para agregar valor aos imóveis com boa classificação na etiquetagem, o que pode ser estratégia de venda para os empreendedores.
 
 
JULIANA TOLEDO

Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Aparelho que mede qualidade do ar compartilha resultados por celular
27/07/2013

Empresa dos alunos, a Geosignals, está incubada no CDT/UnB 

O equipamento portátil, criado por alunos da UnB, vai permitir que a população tenha acesso aos dados ambientais, como níveis de gases prejudiciais à saúde. 

 

Fonte: Globo.Tv 

 
A empresa - A Geosignals é uma empresa que produz tecnologias móveis de sensoriamento que colaboram na coleta e análise de dados ambientais, em busca de entendimento sobre o meio ambiente.
 
Nela, são desenvolvidos dispositivos para utilização em monitoramento participativo, com foco no sensoriamento e na qualidade do ar. A meta é que esses produtos demonstrem a utilidade da incorporação de sensores ambientais em dispositivos comerciais, como Smartphones.
 
A empresa oferece soluções em serviços de modelagem de dados utilizando Geotecnologias e Tecnologia da Informação, e também colabora em pesquisas da Universidade de Brasília (UnB) com o desenvolvimento de sensores móveis portáteis. Situa-se no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília e atua também nas diversas áreas de aplicação do Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto.

Para mais informações, acesse.

Multincubadora de Empresas escolhe novos empreendimentos
25/07/2013

Os selecionados serão apoiados pelo CDT/UnB e farão parte da modalidade de base tecnológica

O Programa Multincubadora de Empresas do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico de Brasília (CDT/UnB) divulgou hoje (25.07) os empreendimentos escolhidos para fazerem parte da Incubadora de Base Tecnológica do CDT/UnB. Os selecionados, a partir de agora, participarão da metodologia de pré-incubação, onde serão ofertadas capacitações e treinamentos para preparação das empresas.

O processo de seleção contou com duas etapas: a primeira consistiu na pré-seleção dos projetos inscritos, a fim de se avaliar se as empresas atendem ao requisito de inovação em suas tecnologias. Já na segunda etapa,  as empresas passaram por uma Banca de Especialistas, onde foram avaliadas nos quesitos de viabilidade tecnológica, financeira e mercadológica do projeto. 

 

As empresas escolhidas são:

HRMED Equipamentos Eletromédicos e Tecnologia da Informação LTDA

Integra Bioprocessos e Análises

 

THALYNE DA SILVA ALARCÃO CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

Prêmio Finep 2013 oferece R$ 8 milhões
24/07/2013
Agência UnB
 
 
A 16ª edição do Prêmio Finep de Inovação, iniciativa da Agência Brasileira da Inovação (Finep), está com inscrições abertas até o dia 8 de agosto. O objetivo da premiação é reconhecer e divulgar trabalhos desenvolvidos no Brasil, já inseridos no mercado e realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos e pessoas físicas. Neste ano, serão disponibilizados, no total, R$ 8 milhões em prêmios, que variam entre R$ 100 mil e R$ 500 mil para os primeiros colocados nacionais e regionais em cada categoria.
 
Projetos desenvolvidos na Universidade de Brasília e em entidades ligadas a ela já participaram do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica e somam algumas vitórias. O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da UnB (CDT/UnB), por exemplo, ganhou na categoria melhor Instituição de Ciência e Tecnologia da Região Centro-Oeste (R$ 500 mil), em 2009. Ednalva Morais, diretora executiva do CDT, tem boas expectativas para a edição deste ano. “O prêmio é extremamente relevante e o CDT está sempre incentivando a participação da academia nessas iniciativas de incentivo à inovação tecnológica”, comentou ela.
 
A empresa Z Tecnologia em Comunicação (ZTec), graduada pelo CDT/UnB, foi campeã da Região Centro-Oeste, em 2011, na categoria Pequena Empresa. Na época, a ZTec recebeu a premiação das mãos da presidente Dilma Rousseff. Odimar Reis, diretor da empresa, afirma que o prêmio – o financiamento do projeto apresentado – ajudou na imagem da ZTec e na maturidade da empresa. Em 2009 e 2010, ela conquistou o segundo e o terceiro lugar, respectivamente.
 
A Aker Consultoria e Informática, empresa apoiada pelo CDT/UnB, foi campeã, em 2010, na categoria Média Empresa da Região Centro-Oeste. Em 2000, a Greentec – Consultoria e Planejamento Agroflorestal e do Meio Ambiente, apoiada pela Incubadora de Empresas de Bases Tecnológicas do CDT/UnB, ganhou o prêmio Finep de Inovação na categoria Processo.
 
Os participantes podem concorrer nas seguintes categorias: Micro e Pequena Empresa, Média Empresa, Grande Empresa (etapa nacional), Instituição de Ciência e Tecnologia, Tecnologia Social, Inventor Inovador, Tecnologia Assistiva, Inovação Sustentável e Inovar Fundos (etapa nacional).    
Acontece no CDT: Visita da Embaixada da Bélgica
23/07/2013
Na pauta da visita: Parques Tecnológicos, novas tecnologias e possíveis parcerias 
 
 
Na manhã desta terça-feira (23), o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) recebeu a visita do embaixador da Bélgica, Jozef Smets. Ele se reuniu com o diretor da instituição, professor Paulo Suarez, para tratar sobre o Parque Científico e Tecnológico (PCTeq/UnB) e falar sobre possíveis parcerias. Jozef Smets revelou que já tem bastante contato com a Universidade de Brasília “e agora estamos visitando este Centro para compreender as atividades aqui desenvolvidas e para ver também como e onde poderíamos lançar iniciativas juntos”, afirmou. 
 
O diretor do CDT/UnB, professor Paulo Suarez, falou sobre a importância de parcerias como esta para ambos os países e suas respectivas instituições. “A Bélgica, assim como outras nações europeias que não têm recursos naturais como a gente tem, descobriram há muito tempo a importância de transformar o conhecimento em benefícios para a economia e, nesse sentido, é uma das nações que tem mais tradição em incubadoras de empresas, em parques tecnológicos, justamente nas universidades, para transformar todo aquele conhecimento da universidade em benefícios econômicos. Eu acho que é importante essa parceria porque a gente tem muito a aprender, não só com a Bélgica, mas com outras nações que já descobriram esse caminho há muito tempo”, argumentou. 
 
O diretor da Faculdade de Tecnologia, professor Antônio Brasil, explica que as universidades belgas são parceiras da Universidade de Brasília e que é sempre um prazer recebê-los e tratar sobre temas como esses. “Nós somos uma unidade da UnB que está sempre presente no CDT, acompanhando todo o desenvolvimento das novas e pequenas empresas, o Parque Tecnológico, gerenciando nossos projetos; e, nesse sentido, a gente espera que essa cooperação com a Bélgica seja ainda mais implementada dentro do contexto das atividades do CDT”.
 
 
Na oportunidade, eles também discutiram iniciativas que envolvem, para os próximos meses, a visita de representantes do Ministério da Educação belga e de uma delegação de empresas do setor da bioenergia, para estabelecer contatos e debater sobre novas tecnologias. O diretor do CDT também os levou para conhecer as empresas incubadas e as instalações da nova etapa da construção do PCTeq/UnB. “Eu gosto desse laço entre o mundo científico e o setor privado. É muito importante e interessante ver a presença dessas pequenas empresas aqui incubadas no CDT, lançadas há um ou dois anos e entender como funciona essa parceria com uma universidade”, finalizou Jozef Smets. 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

UnB realiza a III Feira de Negócios e Inovação
23/07/2013

Durante a III Feira de Negócios e Inovação, realizada dia 18 de julho, no Centro Comunitário Athos Bulcão da UnB, os participantes tiveram a oportunidade de interagir com grandes empresas e conferir as produções de alunos de graduação e pós-graduação da Universidade de Brasília. Mais informações: cdt.unb.br/feira.

 

Fonte: UnBTV

Empresa Junior ganha prêmio da Ambev com Projeto Inovador
22/07/2013

A ferramenta Farol Produtividade permite acompanhar o desempenho de atividades de pessoal

A Grupo Gestão, empresa júnior do curso de Engenharia de Produção da Universidade de Brasília, ficou em primeiro lugar com o Projeto Farol Produtividade, durante o Encontro Nacional de Empresas Juniores (Enej), que aconteceu de 10 a 14 de julho, em Porto Alegre, realizado pela Companhia de Bebidas das Américas (AmBev).  O case da empresa competiu na categoria de cultura e ganhou R$ 10 mil, que serão revestidos em livros para a Biblioteca Central.

Para participar do Prêmio, as empresas interessadas tiveram que escrever cases sobre seus projetos, e envia-los para uma banca avaliadora que os selecionava em três categorias: Cultura,  Pessoas e Sonhos. O projeto da empresa, o Farol Produtividade consiste em uma ferramenta para gestão interna de negócios que calcula o desempenho de atividades realizadas. “É uma planilha onde conseguimos calcular a produtividade dos membros, baseados na estratégia da empresa, a partir dos dados inseridos”, explica a assessora comercial do Grupo Gestão, Luisa Lobo.

Segundo os alunos, ganhar um prêmio por um projeto desenvolvido pela empresa é gratificante. “Todos que estão ali são motivados por um motivo que não é o financeiro.” diz Pedro Silva, gerente de marketing “O que entra ali é a ambição intelectual” afirma. Luísa ainda completa: “Estar dentro de uma empresa júnior é ter paixão pelo que faz e no que você vai trabalhar”

 

Conheça mais sobre a Empresa Júnior

O Grupo Gestão faz parte do programa Empresa Júnior, da Escola de Empreendedores (Empreend), do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). A empresa  presta serviços de consultoria em Engenharia de Produção, oferecendo serviços que busquem oferecer aos seus clientes o melhor resultado com eficiência, qualidade e excelência. Mais informações pelo site: http://www.grupogestaoconsultoria.com.br/

 

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Acordo com a Universidade de Brasília garante suporte técnico para o Criativa Birô
19/07/2013
O Diário Oficial da União (seção 3, página 17) desta quinta-feira, dia 18, publica o Termo de Cooperação firmado entre a Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura (SEC/MinC) e o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) para dar suporte técnico à implantação da Rede Criativa Brasil, que até 2014 irá implementar 13 centros de apoio aos empreendedores criativos no País, os Criativas Birôs.
 
Cada unidade do Criativa Birô vai oferecer aos criativos assessoria especializada, incluindo assessoria jurídica, consultoria em gestão, planejamento financeiro e marketing, elaboração de projetos, oportunidades de formação e qualificação profissional, acesso a crédito e a informações sobre o setor. Os centros estão sendo estruturados em parceria com os governos estaduais. O primeiro está previsto para ser inaugurado no Rio de Janeiro em Agosto de 2013.
 
O acordo repassa recursos orçamentários do MinC ao CDT/UnB e garante o desenvolvimento de metodologias de diagnóstico, planejamento estratégico, acompanhamento de resultados e avaliação de desempenhos para a rede dos Criativas Birôs, além da capacitação de gestores estaduais com oficinas presenciais.
 
“É um passo decisivo, pois a expertise do CDT nessa área vai ser importantíssima para a sustentabilidade da rede. Não adianta inaugurar um Criativa Birô sem um planejamento de médio e longo prazo que garanta a sua continuidade”, afirma a secretária da Economia Criativa do MinC, Claudia Leitão.
 
O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília é referência em inovação tecnológica no Brasil. Investe na pesquisa e no desenvolvimento do empreendedorismo e busca aproximar e fortalecer os laços entre a sociedade, empresas e o Governo. Apoia projetos que beneficiam diretamente a população com ações relacionadas à tecnologia, empreendedorismo, inovação, associativismo e cooperativismo.
 
(Texto: Coordenação de Comunicação Social da Secretaria da Economia Criativa do MinC)
(Fonte: Ascom/MinC)
Feira da Universidade de Brasília incentiva alunos ao Empreendedorismo e à Inovação
19/07/2013

Dezoito de julho foi um dia para empreender. Durante a III Feira de Negócios e Inovação, realizada pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e sediada no Centro Comunitário Athos Bulcão, alunos da Universidade puderam colocar em prática o que aprenderam durante o semestre – competências empreendedoras.  Compareceram ao encontro mais de 1000 participantes, dentre eles, alunos e empresários; 22 empresas Juniores, além de empresas incubadas e graduadas do CDT/UnB. 

Pela manhã, foi realizado o Café Empresarial, onde os convidados puderam interagir ampliando suas redes de contatos, bem como mostrar seus empreendimentos e tecnologias. Logo após o Café, houve a abertura do evento com a composição da mesa de honra, onde estavam presentes quatorze autoridades. Dentre elas, o diretor do CDT, professor Paulo Suarez; o Presidente da FAP-DF, Alexandre Gouveia; o presidente do Sebrae DF, José Sobrinho; a Cônsul econômica da embaixada dos Estados Unidos, Kali Jones; o estudante Pedro Ivo, presidente do DCE; e os Decanos de Extensão Thérèse Hofmann e de Pós-Graduação, Jaime Martins de Santana. 

 
Ainda pela manhã, o palestrante convidado M.Sc. David Carlos Domingos, do Fraunhofer Institute for Production Systems and Design Technology IPK, especialista em Planos de Negócios, falou sobre a relação entre planejamento e o desenvolvimento econômico do Brasil e da Alemanha. À tarde, estandes montados pelos alunos e EJ’s foram abertos para visitação e apresentação dos planos de negócios propostos como trabalho de conclusão das disciplinas de graduação e pós-graduação, que foram analisados por bancas avaliadoras.

Paralelamente às apresentações, foi realizada uma Rodada de Negócios, que reuniu associações; cooperativas; empresas; e empresários onde os membros das Empresas Juniores expuseram seus produtos e serviços recebendo comentários e sanando as dúvidas dos demais participantes, em um momento de compartilhamento de ideias. “A Feira de Negócios é uma ótima oportunidade para prospectar clientes, mostrar nossas cartas de serviços, conseguir novas parcerias e conhecer os trabalhos de outras EJ’s”, relata a estudante e diretora de administração e finanças da Empresa Júnior Lamparina Designers, Gabriela Alves.

Os alunos apresentaram diversas e diferentes ideias, como é o caso do projeto da Brand’sZone que promete, de uma forma inovadora, trazer produtos de vestuário de marcas importadas a “preços de banana” para o Brasil, fazendo uso do E-commerce. “Roupa barata de boa qualidade é só na Brand’sZone, em breve no ar!”, divulga um dos alunos integrante do grupo.

 

Os melhores trabalhos avaliados pela banca convocada foram premiados, e outros dois Planos de Negócios se destacaram durante o evento. O grupo dos alunos Wander, Caio, Daniel e Samuel com o SISPEED, que consiste em um sistema de controle de ponto eletrônico por biometria para domésticas, que despertou interesse de um “anjo” investidor. E o outro grupo, com o projeto Mulambo, que foi convidado a participar do processo de incubação de empresas no CDT/UnB.

 

Primeiro Lugar:

Reciclo Car, dos alunos Francisco Júnior, Daniel Martinez, Bruno Miranda, Matheus Bispo e Lucas Sevale. O Plano de Negócios desse grupo visa à reciclagem automotiva e tem como diferencial a especificidade na separação dos materiais.

 

Segundo Lugar:

Pais Arte, dos alunos Fabiano Souto, Mauricio Gatto, Alexandre Santos, Adailton Soares e Thomas Herve. É um projeto de jardinagem e paisagismo que tem como objetivo a implementação e manutenção de jardins em casas, prédios, praças, parques e clubes, de acordo com a necessidade e desejo do cliente. O serviço consiste desde a criação do projeto paisagístico, preparo do solo, fornecimento de material necessário e pessoal especializado para implementação, até o trabalho de manutenção como podas, corte, manejo de pragas e doenças.

Terceiro Lugar:

Terra Vermelha, dos alunos Belgina Pereira, Edvan Sousa, Diego Fonseca, Jéssica Fazolo, Joel Florêncio e Rogério Miranda. O negócio consiste na vacinação de bovinos e equinos, com o fornecimento das vacinas e a ida à propriedade rural do cliente.

 

A Feira foi organizada pela Escola de Empreendedores (Empreend) do CDT/UnB, com o objetivo de disseminar a cultura empreendedora na sociedade em geral. 

 
JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Projetos e parcerias entre a Universidade de Brasília e órgãos do governo priorizam a qualificação de profissionais e políticas públicas para o setor de comércio e serviços
16/07/2013
Na tarde desta segunda-feira (15), a Diretora Executiva do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), Ednalva Morais, participou, juntamente com o reitor, professor Ivan Camargo, de reuniões de aproximação com os governos estadual e federal.
 
Num primeiro momento, eles receberam o secretário de Fazenda do Distrito Federal, Adonias Santiago. O objetivo da visita era tratar sobre o projeto de parceria com a Universidade. O projeto envolve a qualificação e capacitação dos auditores no uso de novas tecnologias; a transição do modelo escritural gráfico para o eletrônico; a nova modelagem de atendimento ao cliente; e o entendimento da legislação tributária e processual.  
 
(Da esquerda para a direita:) Ednalva Morais, diretora executiva do CDT; Adonias Santiago, secretário de Fazenda; Ivan Marques, reitor da UnB; professor Bermúdez, decano de Administração e Finanças da UnB; Almeida Júnior, secretário de Receita; e Márcia Robalinho, secretária Adjunta 
 
“A vinda do Dr. Adonias é importante no sentido de haver uma aproximação da Universidade com os órgãos estaduais do Governo do Distrito Federal, para promover o trabalho de pesquisa, ensino e extensão que a UnB realiza junto a essas instituições, não só no sentido de conhecimento mútuo do que cada instituição tem, com seus respectivos desafios e oportunidades, mas também na colaboração, na aproximação da Universidade junto a sua missão de prestar serviços à comunidade e aos órgãos de governo”, revelou Ednalva.
 
O secretário explicou que a escolha da UnB deve-se à tradição e ao respeito que a instituição possui, e que essa parceria será benéfica para ambas as instituições e, consequentemente, para toda a sociedade.
 
“A primeira questão é a mudança de paradigmas de gestão – tanto de gestão tecnológica como de gestão de atendimento – e de conhecimento. O mundo vive numa evolução constante e nós estamos prontos para fazer mudanças. E, para promover essas mudanças, nós precisamos do ambiente acadêmico, com a qualidade da Universidade de Brasília, que é conhecida como provedora de soluções para as organizações. Ao mesmo tempo em que as organizações se beneficiam disso, e acaba por trazer esses benefícios para toda a sociedade, então é um ‘círculo virtuoso’ de benefícios”, argumentou Adonias. 
 
Como resposta, o reitor explicou que vai contatar as áreas responsáveis (departamentos de Direito, Contabilidade, Tecnologia, dentre outros) para atender a essa demanda da Secretaria de Fazenda. “Esse é um processo multidisciplinar, mas com ‘um pouco’ de trabalho e coordenação, será possível fazer essa mudança”, ressaltou Ivan. 
 
Desafios e perspectivas do setor de Comércio e Serviços – O secretário de Comércio e Serviços, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Humberto Ribeiro, falou sobre a importância dos projetos desenvolvidos em parceria com a Universidade, como a Política Nacional de Empreendedorismo (PNE) – projeto conduzido por uma equipe de pesquisadores do CDT, sob a coordenação da diretora executiva Ednalva Morais, para a construção de teses e diretrizes de uma Política de Empreendedorismo voltada para as micro e pequenas empresas. 
 
“Os projetos de parceria entre a Universidade de Brasília e o Ministério do Desenvolvimento trazem dois pontos fundamentais: por meio do CDT e da Secretaria de Comércio e Serviços, a gente primeiro desenvolve políticas públicas, mas em linha com aquilo que a sociedade civil espera para o setor de comércios e serviços, através de uma interlocução organizada com o público-alvo diretamente interessado nessas políticas públicas, ou seja, as políticas são acertadas na direção de quem realmente as precisa, as demanda”, destacou Humberto. 
 
 
Ele explica que o segundo ponto é que, pelo fato de a Universidade ser “um tanque de pensamento” e referencial para o Brasil como um todo, isso garante uma qualidade de resultado para o que vem a ser desenvolvido, agregando a experiência de diversos setores. 
 
“É uma experiência transversal que percorre todas as disciplinas que são contempladas na UnB. Portanto, a gente faz políticas públicas mais sólidas, mais consistentes e mais efetivas para a sociedade brasileira. Com isso, nós esperamos que a Universidade de Brasília possa participar conosco nos projetos na direção da evolução e da maturidade do setor de serviços do Brasil”, justificou o secretário.
 
“O Ministério sempre pode contar com a parceria da Universidade e do CDT, que já está há anos trabalhando com essas questões”, afirmou o reitor, Ivan Camargo. Ele também deu destaque para a importância das ações e campanhas que estimulem os alunos a empreender. 
 
“Na reunião, foram tratados diferentes assuntos e desafios que esse setor de serviços, no Brasil e no mundo inclusive, está enfrentando, em especial na área da educação, saúde, transporte e logística, e o grande desafio de estabelecer parametrizações, métricas de acompanhamento e avaliação. Esse é um tema que a UnB está repleta de expertise, pesquisas e serviços já prontos, construídos, então as visitas foram extremamente importantes no estreitamento dessas relações para que possamos atender a essas demandas”, finalizou Ednalva Morais. 
 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Acontece no CDT: Curso de capacitação com apoio da Motorola Solutions
15/07/2013

Iniciativa conta com investimento de R$ 270 mil doado em convênio ao CDT/UnB

Nesta semana, de 15 a 19 de julho, está acontecendo no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) o curso de capacitação em sistemas de missão crítica realizado pela Universidade de Brasília (UnB).  Voltado para profissionais da área de radiocomunicação, engenheiros, técnicos em telecomunicações, estudantes de engenharia e especialistas em segurança pública, o curso conta com o apoio da Motorola Solutions.

Segundo a Professora Daniela Garrossini da UnB, capacitações como essa são fundamentais para os alunos. “A Universidade é uma catalizadora de uma série de condições para formamos bem nossos alunos para o mercado de trabalho. Acho essencial ter convênios com empresas privadas, para que os alunos tenham mais oportunidades”. De acordo com ela, cursos como este são complementares à preparação deles para o mercado de trabalho. ”Com profissionais que trabalham nessa área, de segurança pública e  Forças Armadas, eles podem vivenciar experiências que não tem como nós suprirmos em sala de aula” finaliza.

Dividido em 5 módulos: Porquê de um sistema de comunicação diferenciado; Fundamentos de sistemas de comunicação; Sistema de comunicação móvel diferenciado; Sistemas atuais para comunicações críticas, e LTE, o curso acaba nesta sexta-feira, com uma visita ao Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército (CCOMGEX).

THALYNE DA SILVA ALARCÃO CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

Rodada de Negócios reúne empresas incubadas e juniores na III Feira de Negócios e Inovação
12/07/2013
O Evento é uma grande oportunidade para que jovens empresários apresentem o portfólio de serviços das suas respectivas empresas para a comunidade
 
Com o propósito de integrar empresas incubadas no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília e Empresas Juniores (EJ’s), a Escola de Empreendedores (EMPREEND) realiza a Rodada de Negócios, na próxima quinta-feira (18). O evento, que reúne associações, cooperativas, empresas e empresários para negociar produtos, processos e serviços, acontecerá no Centro Comunitário Athos Bulcão, na UnB, como parte da programação da III Feira de Negócios e Inovação. 
 
A coordenadora da EMPREEND, Prof. Dr. Cristina Castro-Lucas explica que a iniciativa visa relacionar empresas que oferecem e buscam diversos tipos de produtos, processos e serviços no mercado, com os alunos que atuam nas Empresas Juniores da Universidade de Brasília. Tal ação permite estreitar as relações e estimular o desenvolvimento de novos negócios entre empresas da cidade e região. “A Rodada fortalece o desenvolvimento de novos negócios para os nossos alunos, assim como amplia horizontes para novas empresas nascentes”, afirma. 
 
Na Rodada de Negócios, os empresários terão a oportunidade de apresentar o portfólio das suas respectivas empresas para a comunidade. Funciona da seguinte forma: as EJ’s serão dividas em grupos temáticos e cada empresa deverá ser representada por uma ou duas pessoas. Cada representante terá 3min (três minutos) para apresentar seus produtos, processos e serviços. Nesse momento, os empresários poderão falar sobre o que é a sua empresa; qual a missão, visão e valores; e apresentar a carta de negócios.
 
Para que a rodada seja um sucesso, é essencial que os empresários possuam todas as informações sobre os produtos, processos e serviços oferecidos pelas suas respectivas empresas. Recomenda-se levar um folder, uma carta de negócios ou um cartão com as informações necessárias para entrar em contato com a Empresa. Além de levar amostras dos serviços realizados, é importante salientar como funciona o processo de produção, o preço oferecido pelo serviço e como será entregue.
 
Após a apresentação de todas as empresas e de todos os questionamentos, estará aberto o espaço para uma conversa casual entre os empresários e o público presente. 
 
Mais informações: 
www.cdt.unb.br/feira;
Contato: (61)3107-4117
feiradenegocios@cdt.unb.br
 
Serviço:
III Feira de Negócios e Inovação – CDT/UnB
Data: 18.07.2013
Horário: das 9h às 17h30
Local: Centro Comunitário Athos Bulcão - Universidade de Brasília
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Incubadora de Base Tecnológica abre processo seletivo para novos empreendimentos
08/07/2013

As inscrições poderão ser realizadas do dia 5 a 12 de Julho

O Programa Multincubadora de Empresas do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico de Brasília (CDT/UnB) abriu nesta última sexta-feira (05.07) novo processo de seleção para empresas na modalidade de Base Tecnológica. O valor das inscrições, que vão até o dia 12 de julho, é de R$100,00.

O processo de seleção terá duas etapas: a primeira consiste na pré-seleção dos projetos inscritos, a fim de se avaliar se as empresas atendem ao requisito de inovação em suas tecnologias. A segunda etapa será uma Banca de Especialistas, onde as empresas serão avaliadas nos quesitos de viabilidade tecnológica, financeira e mercadológica do projeto. 

Serão contempladas empresas que possuam projetos inovadores nas seguintes áreas:

a) TIC – Tecnologia da Informação e Comunicação;

b) Microeletrônica;

c) Biotecnologia;

d) Nanotecnologia;

e) Ciências da saúde e farmacologia;

f) Tecnologias ambientais;

g) Energia (fontes renováveis, alternativas, bicombustíveis);

h) Biomedicina.

Edital e inscrições aqui.

 

Para maiores informações:

Programa Multincubadora de Empresas

Campus Universitário Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília, Edifício Sede do CDT.

3107-4140/4120

 

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Criatividade e tecnologia aumentam vendas de marca de cerveja no DF
04/07/2013

A cerveja Nova Schin, marca brasileira que pertence ao Grupo Brasil Kirin (Devassa, Baden Baden, No Grau, etc) fez uma ação inusitada em alguns PDVs (pontos de vendas) do Distrito Federal, durante a Copa das Confederações.

 

Os consumidores de Brasília foram surpreendidos ao comprar uma cerveja da marca. No local, puderam testar sua habilidade futebolística em um game produzido com tecnologia de realidade aumentada, instalado em um Ipad. “O objetivo do jogo era dar três chutes em um gol virtual que surgia na tela do tablet. Ao marcar o gol, uma torcida frenética vibrava e comemorava. Depois do jogo o usuário ganhava um brinde da marca”, explica Fabio Gonçalves, o planner da FARO BRASIL - FBR

 
Chamar a atenção para uma marca de cerveja que não é patrocinadora da Copa das Confederações ou da seleção, com uma verba muito pequena. Foram esses, basicamente, os desafios dados para a agência de propaganda local  FBR. Mas como fazer isso com pouca verba?
 
Ao juntar criatividade, tecnologia e todo o conhecimento gerado pela agência, que teve seu ponto de partida na incubadora de empresas da UnB, chegou-se a um formato de jogo que pudesse ser utilizado no PDV. Ao consultar algumas empresas de games locais para fazer orçamentos, conheceram a Firasoft. Uma produtora de games e advergames, que também dá seus passos iniciais na mesma incubadora de onde saiu a FBR.
 
Agência e produtora, juntas, entregaram muito mais do que os dirigentes de trade marketing e comercial local da fabricante poderiam imaginar. O resultado superou, e muito, as expectativas, tanto em venda do produto, quanto em visibilidade para a marca. “Grupos enormes de pessoas faziam fila para ver outras pessoas jogarem e algumas até compraram o produto para jogar”, contou Luciana Arantes, da Brasil Kirin.
 
A marca tinha um histórico de pouca inovação nas abordagens dos PDVs locais, com investimento maior em promotoras e entrega de brindes com valores mais elevados. A agência inverteu essa lógica ao propor uma abordagem de entretenimento, com um brinde mais simples. Ao mesmo tempo, a FBR ofereceu uma experiência de marca mais criativa e inovadora, assim como a Nova Schin já faz em suas campanhas publicitárias.
 
Informações para Imprensa:
 
 
Feira de Negócios representa grandes oportunidades para jovens empresários
03/07/2013
Imagine um ambiente totalmente voltado para os negócios. Agora, imagine que esse ambiente é um evento onde os participantes terão a oportunidade de interagir com grandes empresas do mercado, assistir a uma palestra com um renomado especialista em Planos de Negócios; além de conferir a exposição dos planos de negócios, produtos e processos propostos pelos alunos de graduação e pós-graduação da Universidade de Brasília.
 
Esta é a proposta da III Feira de Negócios e Inovação, uma iniciativa da Escola de Empreendedores (Empreend) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), que será realizada no dia 18 de julho, no Centro Comunitário Athos Bulcão- UnB.
 
O objetivo da Feira consiste em promover a interação Universidade-Empresa “formando formadores inovadores” para o mercado de trabalho. Mais de 60 departamentos da Universidade de Brasília estão envolvidos no projeto, ou seja, são mais de mil alunos interessados nos temas “empreendedorismo” e “inovação”, e que possuem, de alguma forma, uma visão de negócios. 
 
Vinte e quatro empresas juniores compostas por um total de 521 empresários participarão da Rodada de Negócios, que vai reunir associações, cooperativas, empresas e empresários para apresentar seus produtos, processos e serviços. A rodada de negócios é uma grande oportunidade que os jovens empresários terão de apresentar o portfólio das suas respectivas empresas para a comunidade.  
 
A programação também inclui o Café Empresarial – evento tradicional do CDT, que leva palestras de importância não só para a comunidade empresarial, mas para a comunidade acadêmica e geral, onde são abordados cases de sucesso de grandes empresas, histórias de vencedores e temas relacionados à inovação. O convidado desta edição é o especialista em Planos de Negócios, M.Sc. David Carlos Domingos, do Fraunhoufer Institute for Production Systems and Design Technology IPK. 
 
A Feira de Negócios e Inovação é um dos maiores eventos de extensão da Universidade de Brasília que mobiliza diversos departamentos, bem como formadores importantes do mercado de negócios local. A coordenadora da Empreend, professora Cristina Castro-Lucas, explica que esse projeto coloca em prática o processo de aprendizadoque os alunos obtiveram ao longo do semestre.   
 
“Para se estabelecer no mercado, é preciso ter competência, que significa um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, ou seja, é o ‘porque fazer’, o ‘como fazer’ e o ‘querer fazer’. Dessa forma, a Feira é um espaço de desenvolvimento dos alunos, pesquisadores e professores, a partir de demandas evidenciadas pelo mercado de negócios, onde também é preciso gerar valor, pois a inovação é isso: é fazer algo novo, agregando valor”, afirma a professora. 
 
Para mostrar na prática o que aprenderam na teoria, cerca de 80 alunos da disciplina “Introdução à Atividade Empresarial” apresentarão seus planos de negócios. 
 
 
Serviço:
III Feira de Negócios e Inovação – CDT/UnB
Data: 18.07.2013
Horário: das 9h às 17h30
Local: Centro Comunitário Athos Bulcão - Universidade de Brasília
 
Mais informações: 
www.cdt.unb.br/feira
Contato: (61) 3107-4117
feiradenegocios@cdt.unb.br
 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Disseminar competências empreendedoras é o foco da III Feira de Negócios e Inovação
01/07/2013
A III Feira de Negócios e Inovação é uma iniciativa da Escola de Empreendedores do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e será realizada no dia 18 de julho, a partir das 9 horas no Centro Comunitário Athos Bulcão. A Feira visa promover a interação Universidade-Empresa “formando formadores inovadores” para o mercado de trabalho. 
 
Na Feira, os alunos apresentarão os projetos, pesquisas e trabalhos de conclusão das seguintes disciplinas de graduação: Introdução à Atividade Empresarial, Gestão da Inovação e Tópicos Contemporâneos em Administração 1, e Empreendedorismo e Análise de Mercado em Biotecnologia, e disciplinas de pós-graduação: Empreendedorismo e Inovação.
 
Os trabalhos apresentados serão avaliados por uma banca examinadora formada por professores, pesquisadores e empresários.
 
A Feira conta ainda com uma versão diferenciada do Café Empresarial, evento voltado para empresários, que acontece mensalmente no CDT/UnB. Na ocasião, os convidados participarão de um network para ampliar a rede de contatos, bem como apresentar os seus empreendimentos e tecnologias. Logo após, às 11 horas, será realizada uma palestra com o M.Sc. David Carlos Domingos, do Fraunhofer Institute for Production Systems and Design Technology IPK. 
 
Acontece também, na III Feira de Negócios e Inovação, a Rodada de Negócios, que reúne associações, cooperativas, empresas e empresários para negociar produtos, processos e serviços. A rodada de negócios visa oportunizar e apresentar os produtos e serviços da empresa. Estarão presentes as Empresas Juniores da UnB e, após as apresentações, será aberta uma conversa entre Empresários, Empresas Juniores e comunidade em geral.
 
Mais informações: 
www.cdt.unb.br/feira;
Contato: (61)3107-4117; feiradenegocios@cdt.unb.br
 
Serviço:
III Feira de Negócios e Inovação – CDT/UnB
Data: 18.07.2013
Horário: das 9h às 17h30
Local: Centro Comunitário Athos Bulcão - Universidade de Brasília
 
 
 
UnB recebe discussão sobre o papel da ciência e tecnologia
25/06/2013

Encontro é preparação para o 8º Fórum Mundial de Ciência, que acontece no Rio de Janeiro nos dias 25 e 26 de novembro e traz o tema "Ciência para o Desenvolvimento Global" 

 

Nos dias 10 e 11 de julho, a Universidade de Brasília sediará o 7º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial de Ciência. O evento será realizado no auditório da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), no Campus Darcy Ribeiro, e contará com a presença de pesquisadores da UnB e de outras instituições de ensino e pesquisa do Centro-Oeste.
 
As inscrições para o encontro podem ser feitas aqui. "[O evento] é importante porque traz aos professores e pesquisadores da região um diagnóstico do que a ciência está fazendo hoje e o que pode ser feito num futuro próximo”, avalia o decano de Pesquisa e Pós-graduação da UnB, Jaime Santana. A iniciativa é uma realização do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em parceria com a Universidade de Brasília.
 
Durante o encontro, será discutido o tema “Ciência para o Ambiente e a Justiça Social”. A programação prevê ainda debates sobre os desafios da ciência, no século  21, relacionados aos novos padrões de produção e consumo; o uso da ciência para o desenvolvimento sustentável e inclusivo das metrópoles; além do papel da educação no despertar da curiosidade e criatividade científica nos jovens. “Diferente das outras reuniões, a gente fez questão de colocar, nesse programa, uma área extremamente importante para o desenvolvimento global: as ciências humanas”, conta Jaime Santana.
 
FÓRUM MUNDIAL DE CIÊNCIA - O evento integra uma série de encontros e palestras promovidos pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação para ampliar as discussões sobre o uso da ciência na resolução de problemas da atualidade. A intenção também é divulgar o Fórum Mundial da Ciência, que ocorre no Rio de janeiro nos dias 25 e 26 de novembro.
 
Anteriormente, esse encontro foi realizado em outras seis capitais - São Paulo, Belo Horizonte, Manaus, Salvador, Recife e Porto Alegre. Brasília será a última cidade a realizar o encontro antes do Fórum Mundial de Ciência que, desde 1999, acontece na cidade de Budapeste, na Hungria, e pela primeira vez será realizado em outro país.
 
Nele, estarão reunidos grandes nomes do Brasil e do mundo na área de Ciência e Tecnologia. Entre eles, Werner Arber e Dan Shechtman, ganhadores do Nobel de Medicina e Química, respectivamente. “Muita coisa está acontecendo no Brasil, e o mundo está de olho no que temos a dizer. Um evento como esse, realizado aqui, significa a aceitação do Brasil como país sério, que trata a ciência e a tecnologia num contexto global, de forma social e competente”, diz o decano Jaime Santana.
 
 
SERVIÇO
7º Encontro Preparatório para o Fórum Mundial de Ciência 2013
10 e 11 de julho de 2013
Das 8h às 18h
Auditório da Finatec – Campus Darcy Ribeiro - UnB
 
Clique aqui para mais informações.  
 
Acesse a página do evento no Facebook.
 
 
Fonte: UnB Agência 
Pesquisadora da UnB desenvolve tecnologia para facilitar investigação de crimes cometidos com arma de fogo
24/06/2013

A técnica desenvolvida pelo Instituto de Química permite  identificar a presença de resíduos de tiro em atiradores com eficácia de 100%. Além disso, proporciona a marcação seletiva, o que permite diferenciar entre grupos de munições (por exemplo, entre munição de uso civil e policial). Esta técnica é totalmente inovadora e pode revolucionar a atividade pericial. 

 

Pensando no uso abusivo de armas de fogo, o departamento de Química da Universidade de Brasília (UnB), criou uma importante ferramenta de apoio a peritos da polícia para a investigação de crimes que envolvem o uso destas armas. Trata-se de uma técnica que permite a caracterização rápida e fácil de resíduos de tiro feito pela perícia de policiais . Esta caracterização é uma importante evidência para imputar a responsabilidade e atribuir punições no âmbito forense, uma vez que os resíduos de tiro são usados no âmbito pericial para determinar se uma pessoa efetuou um tiro ou se estava presente no local do disparo. O sistema usa materiais luminescentes misturados  à munição, que, quando expostos  à luz ultravioleta, marcam o atirador e a cena do crime e facilita o trabalho dos peritos. Os testes realizados até o momento com os marcadores apresentam índices próximos a 100% de acerto e pode revolucionar os sistemas periciais realizados internacionalmente.

 
Ingrid Weber, coordenadora do Projeto de Desenvolvimento de Marcadores de Resíduos de Tiros e Codificações de Munições da UnB explica que “sempre que é feito um disparo, uma série de resíduos é espalhada no ambiente. Esses resíduos trazem informações químicas importantes que são analisadas pela polícia. Entretanto, não é fácil nem coletar nem analisar estes resíduos. Hoje, a Polícia realiza a “coleta cega”, ou seja, recolhe material nos locais com maior probabilidade de encontrar os resíduos, mas eles são invisíveis. Com a introdução dos marcadores, a polícia pode ver a presença dos resíduos, o que facilita muito o trabalho de coleta. Além disso, com a presença dos marcadores é possível fazer análises mais simples e confiáveis do que as que são feitas tradicionalmente. Além de facilitar o processo de coleta e análise, os marcadores permitem identificar os resíduos gerados por munições livres de chumbo – o que não é possível fazer até o momento”, explica a coordenadora do Projeto. As munições livres de chumbo são munições menos tóxicas que as tradicionais e foram desenvolvidas para preservar a saúde de policiais e militares, visto que o chumbo é um metal muito tóxico.
 
 
          
 
 
 
 
 
Início da pesquisa
 
A coordenadora explica que a sua trajetória teve início em 2006, quando ela era professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). “Fui chamada para dar um curso sobre a análise de resíduo de tiros para peritos da Polícia  Civil. “Eles reclamavam que enfrentavam muitas dificuldades, que os métodos disponíveis apresentavam  alto índice de resultados falsos-negativos ou eram métodos caros e demorados. Enfim, não eram compatíveis com a rotina pericial. Os peritos queriam outro tipo de forma de análise”, comenta Ingrid. Com base nessas conversas, surgiu a ideia de trabalhar com marcadores luminescentes. Foram selecionados alguns materiais como candidatos a marcadores e ela fez os primeiros testes.
 
Diferencial
 
Um diferencial da pesquisa é que, além da possibilidade de identificar facilmente os resíduos de tiro, é possível fazer uma marcação seletiva das munições. Pode-se imaginar, por exemplo, que cada polícia teria um marcador de uma cor que facilitaria a identificação na hora do crime. Por exemplo, a Polícia Federal faria sua  marcação com a cor verde, a Polícia Civil cor vermelha e assim por diante. Isso é possível graças aos diversos marcadores que já foram desenvolvidos pelo grupo. “Hoje, não há diferença entre os resíduos gerados. O máximo de informação que a polícia pode obter é se existe ou não resíduo de tiro na mão de um suspeito ou na cena de um crime. Mas não é possível inferir se o tiro foi realizado por um policial ou por um civil. A marcação seletiva funciona como uma espécie de legenda para identificar as munições usadas” argumenta a professora. Ela explica ainda que a tecnologia já é patenteada, mas por enquanto ainda não há beneficiados.
 
Marcelo Rodrigues, professor do Laboratório de Inorgânica e Materiais da UnB e colaborador da pesquisa, explica que, além das vantagens operacionais da  tecnologia, ela possui baixo custo: cerca de 2 centavos de dólar por  munição. “Se a quantidade de marcador for otimizada e se aumentarmos a escala de produção, este custo pode ainda ser reduzido” diz o professor. 
 
Considerando este contexto, as principais vantagens da tecnologia são:
Trata-se de uma tecnologia de baixo custo e limpa (livre de metais pesados nocivos à saúde humana);
Tem-se um curto tempo de resposta que permite a identificação imediata dos resíduos na cena do crime
Há facilidade de coleta e detecção dos resíduos no atirador, em seus pertences e na cena do crime;
Permite a diferenciação entre grupos de munições, o que pode ser usado para codificação e rastreamento das munições;
Detecta e identifica resíduos de disparo oriundo de munições livres de chumbo;
Dispensa o uso de equipamentos sofisticados, instalações laboratoriais e de mão de obra especializada.
Possui baixo custo
 
 
Legislação
 
No Brasil, ainda não existe lei que regulamente a marcação de munições. Entretanto, há um projeto de lei que tramita no Congresso Nacional que propõe tornar obrigatória a marcação de munições. Este projeto não define qual seria a forma de marcação, mas estabelece que é necessário que se tenha meios para identificar e rastrear as munições e os resíduos por elas gerados, incluindo as munições livre de chumbo. 
 
 
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Cataforte entrega kits de Equipamentos de Proteção Individual para cooperativas
21/06/2013

Cerca de 400 catadores serão beneficiados com a iniciativa

 

A Incubadora Social e Solidária, do programa Multincubadora de Empresas do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), concluirá as atividades do Projeto Cataforte, realizado com mais de 23 cooperativas do Distrito Federal. Os catadores receberão kits com Equipamentos de Proteção Individual (EPI), protetores auriculares, óculos, botas de PVC e uniforme, a fim de proporcionar condições mais seguras de trabalho, além de ajudar a colocar em prática o que aprenderam nas capacitações oferecidas pelo projeto.

Os Kits serão entregues nas cidades Estrutural, Riacho Fundo, Brazlândia, Sobradinho, Planaltina, Gama, Águas Lindas e na Ocupação que fica atrás da Garagem do Senado. O projeto desenvolvido pelo CDT/UnB, foi uma iniciativa da Fundação Banco do Brasil, e beneficiou cerca de 400 catadores. A entrega dos kits é a conclusão do trabalho que já vinha sendo feito, que consistia em capacitações, conscientização sobre segurança de trabalho e trabalho com a autoestima dos catadores.

Essa iniciativa é fundamental para garantir a segurança dos catadores, pois devido ao trabalho realizado por eles, o material se desgasta rapidamente, sendo necessária  sua substituição com frequência. A entrega será realizada entre os dias 25 e 28 de junho e contará com a presença da Central de Cooperativas do DF (CENTCOOP), cooperativa incubada no CDT/UnB. 

 

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Metodologia inovadora ganha Prêmio Internacional
20/06/2013

Equipe do CDT/UnB recebeu o prêmio IAF de Impacto de Facilitação. Os Facilitadores submeteram proposta com a metodologia The World Café

 

A diretora executiva do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), Ednalva Morais, e a colaboradora da Multincubadora de Empresas do CDT, Rosângela Medeiros, representaram a instituição no Facilitation Impact Awards – Prêmio IAF de Impacto de Facilitação, da Associação Internacional de Facilitadores. A premiação aconteceu durante conferência realizada em Orlando – Flórida, no período de 3 a 6 de junho e, na oportunidade, elas participaram de cursos sobre boas práticas de facilitação.

 
“Facilitação” significa o ato de fazer algo mais fácil. No trabalho em grupo, o facilitador trabalha com as pessoas para ajudá-las a ter uma conversa, chegar a um acordo ou plano para o futuro. A metodologia de facilitação aplicada pelos facilitadores do CDT – Rosângela, João Orlando e Anísio Castro – foi a “The World Café”, utilizada para subsidiar elementos estruturantes da Política Nacional de Empreendedorismo do Brasil e na elaboração da Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade na micro e pequena empresa, juntamente com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). 
 
 
O prêmio foi concedido pela facilitação na Política Nacional de Empreendedorismo. Essa facilitação teve papel relevante de criar sinergia entre os participantes para que gerassem propostas de amplo impacto no estímulo e apoio ao empreendedorismo empresarial no país. Através desse processo de facilitação, constituíram-se as teses e diretrizes para a formulação de uma Política Nacional de Empreendedorismo em alinhamento com as políticas federais.
 
A diretora executiva do CDT, Ednalva Morais, revela que o prêmio não é só um reconhecimento institucional, mas também pessoal da equipe do CDT que, ao longo desses anos, tem desenvolvido vários projetos de pesquisa e de novas metodologias e conteúdos de capacitação e de formação. “É a coroação do esforço de pesquisa, de inovação e do espírito empreendedor com que a gente sempre busca trabalhar, para construir e desenvolver novos projetos e novas metodologias, seja para capacitação, seja para gestão organizacional e de equipes”, ressaltou. 
 
“É um prêmio muito importante, não só pelo reconhecimento da aplicação do impacto, o mais relevante também foi o fato de participarmos com grandes universidades americanas e canadenses. E, a Universidade de Brasília ter esse reconhecimento do mérito e do impacto do trabalho desenvolvido, é um motivo de grande alegria e de motivação para continuarmos pesquisando e inovando nossos processos de trabalho”, complementou Ednalva. 
 
Para Rosângela, a principal relevância desse prêmio internacional é a validação por parte do cliente, no caso o MDIC, sobre a agregação de valor da facilitação, “e o sucesso desse processo deve-se ao trabalho da equipe alinhado com o objetivo e a meta do MDIC”, revelou. Rosângela explica ainda que a facilitação é uma tendência promissora para as corporações e empresas que estão iniciando, bem como para as universidades. “Hoje, todos precisam trabalhar em equipe, se comunicando com ferramentas ágeis, para facilitar os processos, a obtenção de metas, a fluidez na percepção das atividades, principalmente nos ambientes que envolvem equipes multidisciplinares; prezar por uma comunicação sem ruídos, gerar cultura comportamental flexível e valorizar o trabalho em equipe. Tudo isso ficou muito claro nos cursos dos quais participamos durante a conferência”, revelou.
 
O CDT ganhou o prêmio Silver Award Recipients (categoria prata). Grandes instituições como a NASA, Defense Intelligence Agency e University of Toronto também foram premiadas.   
 
Sobre o Prêmio – O IAF Facilitation Impact Awards é um programa de prêmios não competitivo, de inclusão. Os seus principais objetivos são: promover a conscientização do papel da facilitação na obtenção de resultados positivos, mensuráveis e impactantes; recompensar o uso da facilitação nas organizações e comunidades; reconhecer a excelência em práticas de facilitação; reconhecer as contribuições notáveis de membros da AIF e promover a AIF e suas conferências como veículos para o avanço da profissão de facilitação.
 
Quanto à experiência da participação no prêmio, Ednalva destaca que foi fundamental e uma experiência bastante rica poder participar e conviver durante uma semana com experts em facilitação. “Nós pudemos conviver com pessoas de altíssimo nível de importância nesse cenário, e foi possível discutir e aprender novos processos de trabalho com instituições de reconhecimento internacional e aprender outras dinâmicas que enriquecerão a nossa experiência e o nosso trabalho em novos projetos, ou seja, outras dinâmicas de facilitação que têm também uma capacidade muito grande de coleta de dados e de construção de inteligência e de colaboração coletiva em projetos que requerem esse tipo de metodologia”, finalizou.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

“Coaching Empresarial” é tema de palestra no CDT
17/06/2013

A pergunta é: Aonde você quer chegar?

 

             Alunos da UnB foram instruídos na tarde da última sexta, 14 de junho, sobre “Coaching Empresarial”. A palestra foi realizada no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e contou com a participação de 80 alunos.

                Durante a palestra, foi esclarecido o que é coaching, como é feito e os benefícios que o mesmo traz. O coaching é um treinamento profissional capaz de melhorar a produtividade e o nível de satisfação com o trabalho, melhorar os relacionamentos profissionais e o comprometimento com a empresa, expandindo a consciência e elevando o caráter empreendedor.

“Aonde você quer chegar? O coaching te abre, faz a expansão da consciência, te faz enxergar melhor e assim você vai fazer escolhas melhores. Coaching empresarial é alcançar resultados, é focar objetivos é planejar e ter ações.”, disse a palestrante, Psicóloga, Pós-Graduada em Psicologia Junguiana e em Educação a Distância, Lúcia Romão.  

“Eu gostei muito. Achei muito dinâmica e abriu meus olhos. Eu vi o coaching, que é uma ferramenta que a gente já usa na empresa Junior, onde eu trabalho, com bem mais potencial do que achei que ela tinha”, disse Maria Paula, 19 anos, sobre a palestra.

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT lança Parque Científico e Tecnológico da UnB
14/06/2013

Evento reuniu o reitor, decanos e autoridades num momento histórico

 

 

Na última terça-feira (11.06), o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) realizou o lançamento do Parque Científico e Tecnológico da UnB. O evento foi marcado como um momento histórico para a Universidade. Com a presença de autoridades, academia, empresas e alunos, formalizando o primeiro passo de um sonho e o início de muito trabalho, pesquisa, desenvolvimento e parcerias que virão pela frente. “A expectativa que temos em relação a essa primeira obra do Parque, é que a partir daqui consigamos alavancar a vinda de diversos outros investimentos para o Parque Tecnológico, onde teremos recursos de setores públicos e de empresas privadas, que se instalarão aqui”, enfatizou o diretor do CDT/UnB, Paulo Suarez.

 
Os Parques Científicos e Tecnológicos são áreas de primazia em inovação tecnológica e parcerias estratégicas entre as universidades, centros de investigação e empresas. De acordo com Paulo Suarez, a criação de um Parque Científico e Tecnológico é tendência mundial e a Universidade de Brasília possui um ambiente favorável para comercialização de tecnologias, formação e absorção de profissionais. Ele explica que existem duas formas possíveis das empresas atuarem dentro do Parque: a primeira seria por cessão de direito, área concedida ao empreendedor de uso oneroso, por tempo indeterminado; e a segunda, por locação da infraestrutura construída, contrato de locação de infraestrutura de pesquisa compartilhada por prazo definido.
 
 
 
 
“A ideia inicial sempre foi envolver governo, empresa e sociedade. Há 27 anos idealizamos construir um espaço para desenvolver tecnologia dentro da UnB. Fomos a primeira universidade do país a ter essa discussão internamente. Na década de 90, quando reestruturamos o CDT, definimos fazer o Parque aqui. Foram feitas visitas em vários países e pesquisa até quando decidimos criá-lo aqui dentro. No final dos anos 90, definimos um estudo que hoje se chama Parque Científico e Tecnológico, que significa uma área definida onde laboratórios de empresas se instalarão junto com a universidade, dentro do campus, com tempos relativamente definidos, para o desenvolvimento de pesquisa. Nós temos uma das melhores incubadoras de empresas do país, premiada e reconhecida por várias instituições de fora, temos políticas de incentivo ao empreendedorismo, políticas de estímulo à inovação. Ou seja, todos os ingredientes para que o Parque possa atrair investimentos de pesquisa e inovação dos setores empresarial e governamental, que precisam incessantemente de conhecimento”, afirma o Decano de Administração e Finanças da UnB, ex-diretor do Centro, onde atuou por mais de 20 anos, professor Luís Afonso Bermúdez.
 
Durante a abertura do evento, o Diretor do CDT/UnB, Paulo Suarez, fez uma apresentação sobre o Parque, explicando o que será, quais os objetivos e alvos almejados, as relações já pré-estabelecidas e aspectos urbanísticos. Depois, os membros da mesa puderam afirmar suas expectativas. “Este evento rompe com qualquer preconceito que possa existir entre universidade e empresa. Universidade, comunidade e empresas podem contar com a bancada do parlamento para apoiar na construção deste PCTec”, disse o Senador Rodrigo Rollemberg.
 
Compuseram a mesa, o magnífico Reitor Ivan Camargo e a vice-reitora Sônia Báo, juntamente com o Senador Rodrigo Rollemberg; o Presidente da Câmara dos Deputados, Wasny de Roure; o Deputado Federal Leonardo Gadelha; o diretor do CDT/UnB, professor Paulo Suarez; a diretora executiva do CDT/UnB, Ednalva Morais; o presidente do DCE, Pedro Ivo; o presidente da FAP - DF, Alexandre Gouveia e o Secretário de Estado de Ciência Tecnologia e Inovação do DF, Glauco Rojas.
 
 
 
 
Ao final do evento, o reitor Ivan Camargo inaugurou, com as demais autoridades presentes, a placa que oficializa esse marco histórico, dando início a um novo tempo, tanto para a Universidade quanto para o Governo do Distrito Federal (GDF). “Precisamos valorizar ainda mais as nossas cabeças. Estamos transformando ciência em dinheiro. Convido todos a fazer parte do desenvolvimento do Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Brasília - PCTec-UnB”,  incentivou o Reitor Ivan Camargo.
 
 
Graduação da Empresa NanoDynamics
 
 
 
Na oportunidade, a empresa Nanodynamics, que está há quatro anos como empreendimento incubado no Programa Multincubadora de Empresas do CDT, foi graduada. A empresa realiza trabalhos voltados para o desenvolvimento e inovação da nanobiotecnologia aplicada às áreas de saúde, nutrição e cosmética, por meio de análises de nanoestruturas. 
 
Buscando a formulação de produtos cosméticos totalmente novos e mais eficientes em relação aos convencionais além da preservação ambiental e desenvolvimento sustentável de regiões de floresta. A empresa conta com uma equipe formada por pós-doutores com formação médica e farmacêutica, com longa experiência em atividades de pesquisa.
 
“Quando cheguei ao CDT, eu, que era basicamente um acadêmico, me tornei um empreendedor e, com certeza, se eu for um empreendedor de sucesso, o CDT terá sido essencial nessa formação”, afirmou o sócio fundador da Empresa, Luiz Alexandre Muehlmann.
 
 
 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Alunos da UnB criam sistema que avalia a qualidade do ar pelo celular
14/06/2013

A ferramenta permitirá não só o acesso à situação do ar em diferentes pontos da cidade como o compartilhamento da informação com outras pessoas

A equipe envolvida no projeto: a partir da esquerda, Henrique Roig, Weeberb Requia, Luiz Filho, Erick Kill e Fernando Kill
 
Imagine que você está no trânsito e quer descobrir qual é a via menos poluída para trafegar e, assim, poupar sua saúde. Ou que, na hora de comprar uma casa, deseje verificar se a qualidade do ar naquele bairro é boa. Em breve, esse tipo de consulta poderá ser feito com a ajuda de um simples aplicativo de celular. A ferramenta, criada por estudantes da Universidade de Brasília (UnB), em parceria com empresas privadas, permitirá não só o acesso à situação do ar em diferentes pontos da cidade como o compartilhamento da informação com outras pessoas. O invento, acreditam os autores, pode beneficiar ao mesmo tempo a natureza e a saúde da população.
 
A ideia de criar uma ferramenta que pudesse mostrar os níveis de gases nocivos no ambiente surgiu em 2008, quando o professor Paulo Saldiva, médico especialista em poluição atmosférica da Universidade de São Paulo (USP), buscou parceiros no Distrito Federal para elaborar novas formas de analisar a qualidade do ar. Erick Kill aceitou o desafio. Durante o mestrado no Instituto de Geociências da UnB, ele desenvolveu um pequeno conjunto de sensores que mede a quantidade de gases prejudiciais à saúde em determinado lugar. “O sistema faz a leitura dos gases previstos na Resolução Conama 3, que dita a regulação geral dos padrões de qualidade do ar. O aparelho mostra a quantidade de gases considerados nocivos. Esses dados são armazenados e transmitidos via smartphone, usando uma rede sem fio”, explica Erick Kill.
 
O aplicativo de celular, desenvolvido pelo irmão e sócio de Erick, Fernando Kill, permite que os dados sejam coletados por uma grande quantidade de pessoas e reunidos em um painel geral, que armazena as informações das regiões onde forem realizadas medições. “O sensor é portátil e envia as informações para o celular via bluetooth. Já o aplicativo no telefone exibe a qualidade do ar no lugar em que você estiver e envia para o nosso painel geral. Podemos assim, com a ajuda dos usuários, expandir essa análise, aumentando o espaço e as informações. É algo totalmente novo nessa área de pesquisa”, destaca Fernando.
 
Um teste do funcionamento do sensor e do envio de informações para os celulares será realizado amanhã, durante o jogo entre Brasil e Japão na Copa das Confederações. Os pesquisadores vão avaliar a qualidade do ar dentro e nos arredores do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. Por enquanto, poucos equipamentos foram construídos, mas a ideia do grupo é viabilizar o projeto para que sensores sejam fixados em vários pontos da cidade. Assim, os usuários do aplicativo poderão ter acesso aos dados constantemente. E cada vez que o celular de alguém receber dados, eles serão automaticamente enviados ao painel central. A ideia é um monitoramento totalmente participativo e colaborativo. As pessoas poderão fazer a medição do ar em casa, no carro”, diz Erick.
 
O projeto também inclui a construção de uma página na internet, na qual as informações coletadas via celulares poderão ser unidas a outros dados do DF, por exemplo, o índice de pessoas com doenças respiratórias em determinada localidade. Encontrar uma forma de aliar informações foi a tarefa à qual Weeberb Requia, um dos membros da equipe responsável, se dedicou durante o doutorado na UnB. “Quando cruzamos esses dados, conseguimos informações importantes, como qual a região com o maior número de idosos, ou quais os problemas mais frequentes de saúde de quem vive em determinada região. Esses resultados poderão auxiliar os órgãos gestores, responsáveis pelo Meio Ambiente e pela saúde”, explica. 
 
Coordenador dos trabalhos de Erick e Weeberb, o professor do Departamento de Geociências da UnB Henrique Roig avalia que, apesar de o sistema permitir a disponibilização das informações para qualquer pessoa, ele será de maior valor para órgãos especializados. “Estamos construindo uma parceria com a Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH) e com o Ministério da Saúde. Essas informações poderão ser usadas em diferentes projetos, já que não existe um aparelho que disponibilize tantas informações de maneira tão rápida e barata, e com o uso de uma plataforma móvel”, destaca. 
 
O projeto de monitoramento pretende expandir o número de equipamentos e criar um maior detalhamento da qualidade do ar. “Um segundo produto, em desenvolvimento, é um analisador de PM10, que são partículas inaláveis, de diâmetro inferior a 10 micrômetros, que podem provocar inúmeras doenças respiratórias” explica Erick. O grupo planeja ainda uma Estação Meteorológica portátil, que utilizaria a tecnologia de transmissão de dados. “Essa estação vai medir velocidade e direção do vento, pluviometria, temperatura, umidade do ar, pressão atmosférica e umidade do solo, para que possamos ter uma visão muito mais completa de como esses gases se movimentam”, acrescenta. 
 
O objetivo da equipe agora é buscar parceiros para o desenvolvimento desses aparelhos e levá-los para outras regiões. “Trabalhamos em parceria com a equipe do professor Saldívia na USP. Lá, eles farão a coleta no trânsito, por conta da grande quantidade de táxis e ônibus na cidade”, complementa Erick.
 
 
Padrões
Conama 3 é uma resolução criada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) em 28 de junho de 1990 que determina os padrões de qualidade do ar e as concentrações de poluentes atmosféricos que, ultrapassadas, poderão afetar a saúde, a segurança e o bem-estar da população, além de gerar danos ao Meio Ambiente em geral.
 
 
Confira o vídeo da matéria:
 
 
Fonte: Correio Braziliense
 
Estação Empreendedorismo fala sobre o ‘Coaching Empreendedor’
13/06/2013

O Ciclo Estação Empreendedorismo desse mês traz como tema o ‘Coaching Empreendedor’, a palestra será realizada no dia 14 de junho, às 13h, no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), e traz como palestrante a Psicóloga, Pós-Graduada em Psicologia Junguiana e em Educação a Distância, Lúcia Maria Romão Lima Menezes.  

O Coaching Empreendedor é um processo que ajuda empreendedores  na melhoria de seu desempenho obtendo resultados superiores. Aplica-se a diversas áreas ajudando, por exemplo, a otimizar e desenvolver competências, alinhar a atuação profissional às metas do seu negócio estimulando o desenvolvimento profissional e pessoal elevando os níveis de sucesso do empreendedor e da empresa.

Lúcia é Consultora Empresarial nas áreas de Recursos Humanos, Vendas e Oratória. Consultora do Sebrae, Fecomércio, Senai,TCDF, TCU, TJDFT também é autora de diversos artigos sobre a tipologia de Jung e sobre a arte de se comunicar com expressividade e eloquência. Atua como Psicóloga Personal  &  Professional Coaching.

Serviço:

O Que: Estação Empreendedorismo ‘Coaching Empreendedor’

Data: 14.06.2013

Horário: 13h

Local: Auditório do CDT/UnB

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

CDT-UnB participa de lançamento de Laboratórios de Softwares
12/06/2013

Parceria com a empresa Positivo estimula pesquisa e incentiva estudantes à prática da profissão

 

A Universidade de Brasília - UnB, por intermédio do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - CDT/UnB, realizou no dia 07 de junho de 2013 a inauguração de dois laboratórios com foco em pesquisa, desenvolvimento e qualidade de software: o Laboratório Avançado de Produção, Pesquisa & Inovação em Software (LAPPIS), coordenado pelo professor Hilmer Rodrigues Neri e o Centro de Qualidade e Testes de Software (CQTS), coordenado pelo professor Luiz Carlos Miyadaira. Os laboratórios localizam-se na Faculdade UnB Gama (FGA).

 

O reitor da UnB, Ivan Camargo, parabenizou o diretor da FGA, Alessandro Borges, os professores e alunos pelo lançamento dos laboratórios e ressaltou que é preciso continuar agindo com inovação e ideias ousadas. “Precisamos estimular e incentivar os nossos estudantes a pensar de maneira diferente. É por eles pensarem assim que hoje estamos aqui inovando e lançando dois laboratórios de pesquisa de softwares. Para transformar precisamos de muita dedicação e acreditar sempre que fazemos a diferença”, disse Ivan Camargo.

 

O professor Alessandro Borges agradeceu a presença dos docentes e alunos e ressaltou a importância da parceria formada entre universidade e empresa. “Nós sempre estamos querendo romper paradigmas e vemos que nosso grupo de professores vêm cumprindo isso de forma positiva. Nós temos aqui o grande desafio de nunca dizer não”, ressaltou Alessandro.

O professor Hilmer Neri, coordenador do Laboratório Avançado de Produção, Pesquisa & Inovação em Software (LAPPIS) afirmou que os laboratórios serão um ambiente de oportunidade para alunos de graduação e clientes desenvolverem pesquisa e inovação. “A participação da academia com o setor produtivo de hardware e software é muito importante. Desenvolvemos pesquisa de qualidade e fizemos parcerias com diversas universidades federais e também internacionais, como o Instituto Americano de Software e uma pesquisadora da Google.

 

Luiz Miyadaiva, coordenador do Centro de Qualidade e Testes de Software, falou dos pilares de integração universidade x empresa: "É importante a estrutura física dos laboratórios para a formação dos alunos. Nós estamos lançando o primeiro", disse.

 

Luiz Mariano Júlio, diretor de inovação da Positivo, parabenizou o comprometimento e a criatividade dos estudantes que participam das parcerias. “Temos 11 anos de relacionamento com a UnB. A Universidade tem interesse e uma pegada diferente com relação ao comprometimento. Aqui os compromissos são respeitados”, disse o diretor. 

 

 

ELÔ BITTENCOURT EMEDIATO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Morre o físico e ex-professor da UnB José Walter Bautista Vidal
04/06/2013

Cientista foi um dos responsáveis pela criação do motor movido a etanol e pela implantação do Programa Nacional do Álcool (Proálcool), na década de 70

Morreu, no último sábado (1), com parada respiratória, o cientista e ex-professor da Universidade de Brasília, José Walter Bautista Vidal. Ele sofria do Mal de Alzheimer e estava internado no Hospital Santa Luzia há dez dias. "Ele já vinha com vários problemas, os órgãos foram parando aos poucos”, conta a filha Alyne de Oliveira Bautista. O corpo foi cremado nesta segunda (3), em cerimônia íntima para familiares. 

José Walter Bautista Vidal, junto com o engenheiro aeronáutico e coronel-aviador Urbano Ernesto Stumpf, inovaram na indústria automobilística brasileira ao desenvolver o primeiro motor movido a etanol. Seus estudos sobre a viabilidade do álcool como combustível levaram à criação do Programa Nacional do Álcool (Proálcool), na década de 70, durante o governo de Ernesto Geisel. A iniciativa tinha o objetivo de diminuir a dependência externa do Brasil dos derivados de petróleo e suas oscilações de preço.

O pesquisador era conhecido como um grande nacionalista e referência na área de biocombustível. Acreditava que o país era o melhor lugar para a produção de energias renováveis. "A UnB está de luto, pois perde um grande pesquisador e pensador do Brasil”, disse o reitor Ivan Camargo. "Ele foi um visionário na questão da energia renovável”, completou. O professores eméritos Isaac Roitman, do Instituto de Biologia, e Aldo Paviani, do Departamento de Geografia, também lamentaram a perda. "Triste não termos o Bautista Vidal entre nós. Eu o admirava pelo seu nacionalismo e pelo seu sonho de uma nova civilização tropical”, disse Roitman. "O que eu lembro era uma pessoa extremamente preocupada com a questão de energia do Brasil. Nacionalista, defendia o Proálcool com unhas e dentes”, lembra Paviani.

Em 2006, Bautista Vidal assinou artigo em que dizia que “nada impede ao Brasil, salvo a falta de vontade política, produzir, em prazo de dez anos, 30 bilhões de litros de álcool etílico e 45 bilhões de litros de óleos vegetais que substituam o atual consumo de gasolina e óleo diesel de petróleo”. O cientista também escreveu 12 livros, entre eles: De Estado servil à Nação soberana - Civilização solidária dos trópicos; Soberania e dignidade - raízes da sobrevivência; O esfacelamento da Nação e A reconquista do Brasil, nos quais o estudioso retrata a economia do Brasil e mostra as razões de sermos dependentes de outros países. “A ideia dele era desenvolvermos tecnologia própria no país, em vez de comprarmos do exterior. Porque, como somos o maior produtor mundial de matéria-prima para vários produtos básicos, detendo a matéria-prima e detendo a tecnologia, nós seríamos uma potência”, diz Alyne de Oliveira Bautista.

Bautista Vidal nasceu na Bahia, em 1935. Formou-se em Engenharia Civil na Universidade Federal da Bahia (UFBA), fez mestrado na Universidade Federal do Rio de Janeiro e doutorado em física nuclear na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. Foi diretor do Instituto de Física da UFBA e colaborou para a implantação do Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Geofísica da universidade e de inúmeros centros de tecnologia pelo país. "Durante três anos, treinei os primeiros 67 geofísicos brasileiros que descobriram a bacia de Campos e criaram, para a Petrobrás, a plataforma Continental, até então considerada inviável”, disse o professor José Vidal em entrevista de 1997 à revista Carta Capital.

O professor foi conselheiro na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e trabalhou no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Também atuou como secretário de Estado de Ciências e Tecnologias nos governos de Ernesto Geisel e de José Sarney. Lecionou na Unicamp e destacou-se na UnB como o primeiro diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) no final da década de 80.

 

Fonte: UnB

 

 

ELÔ BITTENCOURT EMEDIATO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Inscrições abertas para o Prêmio Nacional 2013
03/06/2013


Estão abertas, até o próximo dia 15 de julhopremio_2013, as inscrições para o Prêmio Nacional de Empreendedorismo Inovador, que chega à 17a edição neste ano. Promovida pela Anprotec, em parceria com o Sebrae, a premiação reconhece e prestigia projetos, incubadoras de empresas, parques tecnológicos e empresas graduadas e incubadas, que, por meio de suas ações, serviços e produtos, fortalecem o movimento.

Serão premiadas instituições e empresas em seis categorias:

  • Melhor incubadora de empresas orientada para a geração e uso intenso de tecnologias (PIT)
  • Melhor incubadora de empresas orientada para o desenvolvimento local e setorial (DLS)
  • Melhor parque tecnológico (PTH)
  • Melhor projeto de promoção da cultura do empreendedorismo inovador (CEI)
  • Melhor empresa incubada (EI)
  • Melhor empresa graduada (EG)

Os premiados receberão troféus, certificados, passagens aéreas para viagens de estudos e negócios, além de R$ 60 mil em dinheiro (total distribuído entre os vencedores das seis categorias, conforme prevê o Regulamento). O resultado será conhecido no dia 17 de outubro deste ano, durante a Cerimônia de Premiação que será realizada em Recife (PE), como parte da programação do XXIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e 30Conferência Mundial da IASP.

Mais informações como regulamento e inscrição no site da Anprotec

Fonte: Anprotec

ELÔ BITTENCOURT EMEDIATO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT-UnB lançará Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Brasília
03/06/2013

 

Description: AREAPCLOCALIZAÇÕES

Mapa da área do Parque Científico e Tecnológico da UnB

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Universidade de Brasilia (CDT-UnB) promoverá, no dia 11 de junho de 2013, o lançamento do Parque Científico e Tecnológico da UnB (PCTec-UnB). O evento será no CDT e tem por finalidade promover  a integração entre as dimensões do ensino, pesquisa e extensão, além de priorizar atividades em parceria com a Universidade. O Parque é um apoio na construção de novas relações institucionais entre a UnB, empresa, governo e sociedade.

Entre os convidados estarão presentes o Reitor da UnB, Ivan Camargo; o Diretor do CDT, Paulo Suarez; a Diretora Executiva Ednalva de Morais; Decanos e Diretores da Universidade, bem como o Corpo Docente e Discente. Autoridades e Governo também prestigiarão o lançamento.

Para o Diretor do CDT, Paulo Suarez, a expectativa para o lançamento do Parque é de que seja alavancada a vinda de vários investimentos de setores públicos e privados para a UnB. “Uma das formas possíveis de atuação no Parque seria empresas locarem os espaços que serão construídos pela Universidade e ações de investimento feitas junto a comunidade acadêmica, em pesquisa, desenvolvimento e inovação para obtenção de novos produtos, projetos e serviços”, explica o diretor.

A Diretora Executiva do Centro, Ednalva Morais, diz que o Parque irá beneficiar não apenas professores e alunos como também a sociedade como um todo. “O Parque Científico e Tecnológico da UnB trará enormes benefícios a comunidade acadêmica, e, dentre a gama de serviços, oferecerá também avaliação de equipamentos científicos e médicos para pesquisa, desenvolvimento, tecnologias educacionais e sociais. Ednalva explica também que os edifícios que contemplam o Parque serão todos feitos com planejamento sustentável utilizando as boas práticas de eficiência energética, reaproveitamento de águas pluviais e conforto térmico.

Confira a programação:

Lançamento do Parque Científico e Tecnológico da Universidade de Brasília – PCTec-UnB

 

Data: 11 de junho de 2013

Horário: 08h às 12h.

Local: Auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília

 

Hall do Edifício CDT

8h às 9h - Recepção com café

9h10 às 9h30 - Descerramento da pedra de lançamento do PCTec-UnB

Auditório do CDT

9h30 às 9h40 – Vídeo de apresentação do PCTec-UnB

9h40 às 10h – Abertura

– Magnífico Reitor Ivan Marques de Toledo Camargo

– Vice-Reitora Sônia Nair Báo

10h às 10h30 – Apresentação do PCTec da UnB – Prof. Paulo Anselmo Ziani Suares

Missão;

Visão;

Público alvo

Objetivos estratégicos do PCTec

Perfil de negócios e clientes

Apresentação do Modelo de Negócio do PCTec-UnB

Apresentar aos participantes o andamento das obras:

Laboratório de Engenharia Biomédica (LaB)

Hotel de Projetos Tecnológicos

Centro de Biotecnologia Molecular (C-BIOTECH)

Perspectivas de apoio para o PCTec

Etapas e cronograma para implantação do PCTec-UnB

10h30 às 11h – Apresentação da localização e aspectos urbanísticos do PCTec-UnB

11h às 11h20 - Graduação Empresa Nanodynamics

11h20 às 12h – Visita às Empresas Incubadas

 

ELÔ BITTENCOURT EMEDIATO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Case de sucesso de empresa graduada é destaque no Café Empresarial do CDT
29/05/2013

Porto Ambiental está há 15 anos no mercado, desenvolvendo produtos ecológicos e sustentáveis

 

São quinze anos de sucesso no mercado! Detentora das marcas Ecofossa e Ecofiltro, ambas registradas e patenteadas, a Porto Ambiental surgiu por meio de um projeto na incubadora de empresas do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Com sede no Distrito Federal, hoje a empresa possui filiais em Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Santa Catarina, Paraná, Goiás e São Paulo.

Graduada em 2001, a Porto Ambiental tem como objetivo maior minimizar a nefasta ação do homem sobre o meio ambiente, especialmente em relação a água, que atualmente é uma preocupação mundial. Para isso, desenvolve e comercializa produtos ecológicos variados, direcionados ao tratamento de esgotos domésticos, condomínios, sanitários públicos, hospitais, hotéis, frigoríficos, suinoculturas, barcos, navios e outros segmentos.
 
Dentre os produtos comercializados, se destaca a Ecofossa, um sistema ecológico de tratamento de esgoto, sendo um reator anaeróbico tipo UASB, que maximiza ações de bactérias e não utiliza energia elétrica ou quaisquer produtos químicos. “Ela trata o esgoto sanitário produzido na residência de uma maneira simples e eficiente, fazendo o saneamento básico com uma eficiência de tratamento que varia entre 80 e 85% na remoção de DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio)”, explica Christiano Chedid, Diretor Comercial da Ecofossa. 
 
 
Em palestra realizada nesta quarta-feira (29.05), no CDT/UnB, Christiano contou que a grande sacada da empresa foi a de idealizar um produto útil e necessário para o país. “Primeiro, foi a visão do meu tio que idealizou e fez o produto, e que sempre acreditou nele, porque a gente sabe da carência do Brasil e do mundo em saneamento básico. A precariedade é muito grande e, há vinte anos, ele já vinha acreditando nisso. Nós tivemos o boom da sustentabilidade, mas hoje essa é uma demanda necessária mesmo, porque o saneamento básico influencia diretamente na saúde”, revelou.  
 
Ele ressalta ainda que o fato de a empresa ter passado pela incubação no CDT foi um passo importante para alcançar esse sucesso. “A parceria com a Universidade de Brasília no programa de incubadora de empresas nos ajudou bastante, e a graduação nos dá credibilidade perante o mercado. Além disso, é importante acreditar nas nossas ideias, nos nossos sonhos, e correr atrás para colocá-los em prática!”, finalizou.
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT no Ciência sem Fronteiras
24/05/2013

Alunos do curso de Engenharia da Produção da UnB ganham bolsa de estudo

Gabriel Habdalla e Ana Flávia Costa, estagiários do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília(CDT/UnB), foram contemplados no último mês pelo Programa Ciência sem Fronteiras do Governo Federal. Sendo uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento, Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC, CNPq e Capes; o programa abrange a área de tecnologia e tem por objetivo disseminar a cultura da ciência, tecnologia e inovação por meio de intercâmbios e da mobilidade internacional).

Qualquer aluno que faz o curso nessa área pode concorrer às vagas. Depois de passar na primeira fase, o aluno tem que fazer uma prova de inglês que é exigida como uma das certificações para entrar no Programa. 

Os dois estão no quinto semestre. Gabriel vai estudar em Derby, na Inglaterra, na University Derby. “Vou ficar pelo período de um ano fazendo matérias da minha graduação. Espero muita coisa dessa experiência: voltar fluente na língua inglesa, crescer profissionalmente e pessoalmente, conhecer uma cultura diferente, aprender coisas novas que eu não aprenderia aqui, fazer novas amizades, etc.”, afirma.

Ana Flávia vai para a Irlanda em setembro, onde pretende passar um ano, e nos conta um pouco sobre como foi ser aprovada, e o que almeja da experiência:

 

CDT- Como você ficou sabendo do Programa Ciência sem Fronteiras e porque decidiu se candidatar?

Ana-   Meu pai trabalha no Ministério da Educação, então sempre fortaleceu esse conhecimento dos programas do Governo comigo. Também sempre fui muito interessada em fazer intercâmbio. Quando a notícia do Ciência Sem Fronteiras se espalhou, eu já trabalhava para conseguir me candidatar a bolsa.

 

CDT - Como foi o processo de seleção?

Ana- O Processo de Seleção na Universidade se baseia no Índice de Rendimento Acadêmico (IRA), participação em programas de Iniciação Científica e na nota do ENEM. Com isso, eu consegui preencher todos os requisitos. Fiz Projeto na área de Gestão de Riscos do Pré-Sal, tive notas acima de 600 no ENEM em todas as provas e possuía IRA acima de 3,0 – o que indica média MS na Universidade.

 

CDT- O que você achou do processo?

Ana- O Processo é um pouco complicado e faltam informações por parte da Universidade, mas pude me apoiar nos colegas que já haviam passado pelo processo de Entrega de Documentos e espera das Homologações. No entanto, poucas pessoas que se aplicam à bolsa não a conseguem.

 

CDT- O que você vai fazer lá?

Ana- Eu me candidatei às melhores universidades da Irlanda, ainda estou no processo de espera da aceitação, mas minha bolsa de estudos já foi liberada pela Capes. Pretendo abrir uma nova área no meu campo de estudos, pois, aqui na UnB, a Engenharia de Produção é voltada para Serviços, e eu pretendo trabalhar com Produtos, Fábricas e Empresas de Grande porte. Talvez pegar matérias nas áreas de Petróleo, seguindo meus PIBIC’s, e ampliando meus conhecimentos sobre o assunto mais polêmico da Economia Brasileira – o Pré-Sal e suas mudanças nos Marcos Regulatórios que regem a produção.

 

CDT- O que você espera dessa experiência?

Ana -  Melhorar a fluência na língua Inglesa, conhecer novas culturas e aproveitar ao máximo a Universidade e as possibilidades que surgirem de pesquisa, estágios e projetos. Talvez participar de eventos da JADE (Federação Europeia de Empresas Juniores) ou me unir a AIESEC, na Irlanda, e dar continuidade aos projetos sociais que já me engajo no Brasil, com a participação no Meninas Velozes, que incentiva meninas de escola pública a fazerem engenharia, com o apoio da FT e da empresa Junior a qual eu faço parte, o Grupo Gestão.

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Case de sucesso de Empresa Graduada será tema do Café Empresarial deste mês
22/05/2013

Palestrante convidado será Humberto Porto, Sócio e Fundador da Porto Ambiental

 

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) realizará, no dia 29 de maio, a partir das 8h30, mais uma edição do Café Empresarial, evento mensal organizado pela Incubadora de Base Tecnológica.  Trazendo como tema “Porto Ambiental: 10 anos de inovação e sucesso”, o palestrante deste mês será Humberto Porto, Sócio e Fundador da Porto Ambiental, empresa Graduada pelo CDT.

Criadores da Ecofossa e do Ecofiltro, a Porto Ambiental é uma das principais empresas voltadas para o desenvolvimento sustentável no Brasil. Para isto, desenvolve e comercializa vários produtos ecológicos, direcionados ao tratamento de esgotos domésticos, condomínios (horizontais e verticais), sanitários públicos, hospitais, hotéis, frigoríficos, suinoculturas, barcos, navios e outros segmentos. Através do case de sucesso de seu próprio empreendimento, Humberto contará um pouco de sua trajetória, desde a fase de incubação até os desafios de ser uma empresa graduada. Após a palestra, acontecerá o tradicional Coffee Break.

 

Conheça o Palestrante:

Humberto Porto – Sócio Diretor e Fundador da Porto Ambiental, empresa graduada em 2003. A Porto Ambiental é uma empresa que, por meio de seus engenheiros civis e técnicos, tem, como objetivo maior, minimizar a nefasta ação do homem sobre o meio ambiente, especialmente em relação a água, que atualmente é uma preocupação mundial. É uma empresa brasileira, que surgiu por meio de um projeto na incubadora de empresas do CDT (Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico) da Universidade de Brasília. Está sediada no Distrito Federal e possui filiais em Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Santa Catarina, Paraná, Goiás e São Paulo.

 

Serviço:

Café Empresarial

29.05.2013

8h30

Auditório do CDT/UnB

 

THALYNE DA SILVA ALARCÃO CARNEIRO

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

CDT/UnB participa do Agrobrasília
21/05/2013

Equipes realizaram ações de divulgação e prospecção de futuros parceiros

 

Na última sexta-feira (17), a equipe da Gerência de Inovação e Transferência de Tecnologia do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) esteve presente na Agrobrasília – feira de tecnologias e negócios agropecuários voltada aos empreendedores rurais de diversos portes que apresenta inovações tecnológicas para os diferentes segmentos do agronegócio brasileiro. 

 
A coordenadora da GITT, Grace Ferreira, promoveu, juntamente com representantes da Agência de Comercialização de Tecnologia (ACT), do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT) e do Disque Tecnologia, uma ação de divulgação dos respectivos programas e prospecção de parceiros.
 
De acordo com Grace, a participação da equipe neste tipo de evento é relevante por buscar a integração com pequenos e médios produtores da agroindústria. “É de interesse das equipes a promoção, fortalecimento e desenvolvimento de microempresas e pequenas empresas, seja através de serviço de atendimento aos empresários (Dique tecnologia), seja ao esclarecer dúvidas tecnológicas de baixa e média complexidade, com agilidade e praticidade (SBRT) ou buscar parceiros para tecnologias de titularidade da UnB (ACT)”, afirma.
 
 
 
A Agrobrasília é realizada em uma região reconhecida nacionalmente pelo papel desempenhado na ocupação agropecuária dos cerrados, especialmente pelo pioneirismo e a geração e uso de técnicas de sucesso, atraindo visitantes internacionais e diferenciando-se das demais pelo processo inovador de gestão e a inclusão global de tecnologias do agronegócio. 
 
 
“Dessa maneira, expor os serviços da GITT na Agrobrasília, o maior evento de tecnologia rural e negócios do Planalto Central, é  contribuir para a difusão e aplicação do conhecimento desenvolvido na Universidade, possibilitando inovações, e por consequência o desenvolvimento econômico e social da região”, argumentou Grace.
 
Atendido pela equipe, Amadeu Bruno, da empresa Portal Agrícola se interessou pelo trabalho do CDT, ele explica que as consultorias poderão ajudar no desempenho da empresa. “Nós queremos fazer um trabalho relacionado à fitopatologia, que é ver a eficiência dos produtos e quantificar resultados. Como trabalhamos em cima de dados, e hoje não temos isso bem tabelado, vai ser possível começar a ter números, o que torna nosso trabalho mais fácil e nossos produtos com melhor qualidade”. 
 
 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Novos colaboradores do CDT aprendem e se conhecem brincando
20/05/2013

Nas últimas semanas novos colaboradores do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) participaram de um treinamento inicial realizado através de jogos no Laboratório de Inovações Tecnológicas para Ambientes Experience – ITAE. A experiência faz parte do Programa de Integração que é um treinamento destinado aos novos colaboradores do CDT. “Funciona como um programa de boas-vindas, com estratégias de acolhimento. E visa fornecer informações importantes sobre o CDT, além de fortalecer a permanência dos colaboradores aqui no Centro.” Relata Barbra Dornas – Psicóloga e colaboradora no NRHP.

As brincadeiras aconteceram no Laboratório ITAE que é um ambiente moderno, interativo e descontraído,  que propicia a capacitação acadêmica e profissional de forma eficiente, que incentiva a criatividade, a proatividade e a inteligência competitiva do indivíduo.  O jogo

 

 ITAE foi inspirado no jogo Batalha Naval e consisti em uma disputa entre duas equipes onde as elas devem demonstrar seus conhecimentos sobre o CDT-UnB, suas áreas, núcleos, serviços e procedimentos. As equipes respondiam a perguntas de múltipla escolha ou de V ou F e a cada soma de pontos tinham direito a uma quantidade de “tiros” contra os navios da outra equipe.

Foram 4 jogos com 31 colaboradores no total. Ao final da brincadeira cada um compartilhou um pouco do que achou da experiência  e participou de uma pesquisa de opinião. Foram avaliados: clareza do conteúdo e forma de apresentação, carga horária, jogo como dinâmica de ambientação e integração, ambiente físico e contribuição do jogo como forma de aquisição de informações sobre o CDT.

 

Segue abaixo os gráficos da avaliação:

JULIANA TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

“Imagem&Ação” ganha novo formato e vira aplicativo para celular
16/05/2013

Tela do Mexa-se

O jogo “Mexa-se” foi desenvolvido pela empresa FiraSoft e já está disponível para download

FiraSoft, empreendimento incubado no Programa Multincubadora de Empresas, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), desenvolveu um aplicativo para celular chamado “Mexa-se”. O jogo, que foi idealizado a partir do tradicional jogo de tabuleiro “Imagem&Ação”, apesar de sua plataforma mobile, tem a proposta de ser jogado presencialmente e em grupo.

O Mexa-se consiste em um jogo de mímica feito para ser jogado por, no mínimo, 4 pessoas. Na interface do jogo, pode-se customizar as rodadas, categorias e o número de equipes que irão participar da partida. Os pontos são contabilizados a partir da quantidade de acertos feitos pelas equipes em cada jogada.

Segundo Igor Souza, um dos sócios da FiraSoft, empresa que desenvolveu o aplicativo, a maior vantagem é a praticidade. “Por ser um aplicativo de celular, pode-se começar a partida em qualquer lugar, sem precisar carregar um tabuleiro, caixas e todo o resto necessários para esses jogos”. Ele afirma também que a proposta é de que haja interação social: “Ele é diferente dos outros jogos para celular, porque o celular é apenas um suporte para o jogo. Ele é jogado inteiramente de forma física”, finaliza.

As cartas com as mímicas a serem feitas e o cronômetro necessário para a adivinhação vêm incluído no aplicativo, que já pode ser baixado de forma gratuita na “Play Store” e na “Apple Store”. A versão do jogo disponível para download possui três idiomas: Português, Espanhol e Inglês. Caso haja interesse em aumentar o número de cartas e categorias para o jogo, é possível comprar extensões e atualizar o aplicativo.

 

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

A importância das patentes no mundo acadêmico
13/05/2013


É possível patentear uma ideia? O que é uma patente? Questões como essas foram respondidas na palestra: “A importância das patentes no mundo acadêmico” que aconteceu na última sexta-feira, 10 de maio, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Mais de 80 alunos participaram da palestra e foram ensinados sobre os conceitos de patente, quais os tipos de patentes e para que patentear, além de o que é ou não passível de patenteamento.

A palestra foi realizada pelo Núcleo de Propriedade Intelectual (Nupitec) – CDT/UnB, e o palestrante foi o Bacharel e Licenciado em Química pela Universidade de Brasília e Mestre em Química Inorgânica pela mesma Universidade, Ernani Souza, que explica que patente é um título outorgado pelo estado ao inventor concedendo o direito exclusivo de uso, comercialização e importação no território em que a patente foi depositada,  seja do processo ou do produto. Na palestra, ele explica também a importância das patentes tanto para o desenvolvimento e crescimento do país quanto para o prestígio do titular e das universidades, que passam a obter maior negociação e comercialização de tecnologias.

Ernani destacou ainda a importância da palestra para a comunidade acadêmica: “Eu considero que a importância dessa palestra é porque a comunidade acadêmica tem que conhecer mais sobre patente, sobre o que é um documento de patente e que benefícios o laboratório, o inventor e a universidade vão ter com a patente, também é importante conhecer sobre a patente propriamente dita, esses requisitos de patenteabilidade, de não patenteabilidade, o que pode ou não ser protegido e também as outras formas de proteção. Quando você tem uma tecnologia e você vê que ela não é possível de patentear, você deve procurar outras maneiras de proteger essa tecnologia”, argumentou.

Não é possível patentear uma ideia, é necessário que ela esteja concretizada e que tenha sido demonstrada sua aplicação comercial. É dever do inventor também fazer a divulgação da tecnologia pleiteada no formato de um documento escrito. Então, se você já teve aquela ideia brilhante e inovadora, corra contra o tempo e desenvolva seu produto!

 

JULIANA TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

UnB realiza curso de capacitação com apoio da Motorola Solutions
10/05/2013

 

Iniciativa conta com investimento de R$ 270 mil doado em convênio ao CDT/UnB

Nesta semana, de 6 a 10 de maio, está acontecendo na Universidade de Brasília (UnB) o curso de capacitação em sistemas de missão crítica.  Voltado para profissionais da área de radiocomunicação, engenheiros, técnicos em telecomunicações, estudantes de engenharia e especialistas em segurança pública, o curso conta com o apoio da Motorola Solutions e do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB).

Para o Primeiro Tenente de Comunicações do Exército, Caio Tavares, participante do curso, é uma grande oportunidade. “Acho maravilhosa essa iniciativa de uma Universidade Federal oferecer cursos para entidades governamentais. Esse tipo de parceria propõe uma comunicação entre a prática (Forças Armadas) e a teoria (Meio Acadêmico), que são essenciais para um profissional da área” finaliza.

Segundo a Professora Daniela Garrossini da UnB, capacitações como essa são fundamentais para os alunos. “A Universidade é uma catalizadora de uma série de condições para formamos bem nossos alunos para o mercado de trabalho. Acho essencial ter convênios com empresas privadas, para que os alunos tenham mais oportunidades”. De acordo com ela, cursos como este são complementares à preparação deles para o mercado de trabalho. ”Com profissionais que trabalham nessa área, de segurança pública e  Forças Armadas, eles podem vivenciar experiências que não tem como a gente suprir em sala de aula” finaliza.

Dividido em 5 módulos: Porquê de um sistema de comunicação diferenciado; Fundamentos de sistemas de comunicação; Sistema de comunicação móvel diferenciado; Sistemas atuais para comunicações críticas, e LTE, o curso acaba nesta sexta-feira, com uma visita ao Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército (CCOMGEX).

 

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Celular pode ser usado como chave de casa
10/05/2013

Celular pode ser usado como chave de casa. Fonte: g1.globo.com

Frente Parlamentar de Ciência e Tecnologia promove debate sobre Propriedade Intelectual
09/05/2013

Encontro aconteceu na Câmara dos Deputados e contou com a participação de representantes de diferentes instituições ligadas à Propriedade Intelectual  e transferência de tecnologia 

 

 

A Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação promoveu debate sobre Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia. Representando a Universidade de Brasília, estavam presentes o diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB), Paulo Suarez; a gerente de Inovação e Transferência de Tecnologia, Grace Ferreira; a Coordenadora da Agência de Comercialização de Tecnologia – ACT, Elaine Queiroga; e o redator de patentes do Núcleo de Propriedade Intelectual (NUPITEC), Taynan Santos. A sessão aconteceu nesta terça-feira (07), na Câmara dos Deputados e foi presidida pelo Deputado Izalci Lucas. 

Eles apresentaram as atividades desenvolvidas pelo CDT, com destaque para o eixo de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia, que foi criado com vistas à prestação de serviços tecnológicos, proteção e comercialização de tecnologias geradas na Universidade de Brasília. Paulo Suarez apresentou ainda as principais dificuldades enfrentadas atualmente pela instituição como Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) da Universidade.
 
Grace Ferreira falou sobre o Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas (SBRT), projeto idealizado pelo Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação, que oferece soluções para dúvidas tecnológicas de baixa e média complexidade, para micro e pequenas empresas, que já realizou 5646 atendimentos dentre Respostas Técnicas, Respostas Referencias e Prévias e Dossiês Técnicos. Ela apresentou também o Disque Tecnologia, programa permanente do CDT, responsável pela execução da política de prestação de serviços tecnológicos, que atua na identificação de especialistas e laboratórios da Universidade para serviços de consultoria, análises, ensaios e serviços laboratoriais, bem como para o desenvolvimento e melhoria de produtos e processos. Desde a sua criação, o Disque realizou 3729 atendimentos, tendo 150 empresas atendidas pelo Projeto SEBRAETEC e 1046 projetos executados.  
 
Taynan apresentou o Núcleo de Propriedade Intelectual (NUPITEC), que faz parte do NIT da UnB, e atua de acordo com a Resolução do CAD nº 005/98, que dispõe sobre a proteção e alocação de direitos de propriedade intelectual, e é responsável pela proteção das tecnologias desenvolvidas pela comunidade acadêmica. Estas tecnologias podem ser pesquisas ou projetos passíveis de proteção por patente, além de programas de computador, marcas, cultivares, desenhos industriais e outras modalidades de proteção.
 
Já a Agência de Comercialização de Tecnologia (ACT), sob a coordenação de Elaine Queiroga, promove a transferência das tecnologias de titularidade da Universidade de Brasília, atuando desde a negociação com o setor produtivo, avaliação e valoração da tecnologia, à formalização e gestão dos instrumentos jurídicos. Elaine explicou que a ACT também coordena a Prospecção Tecnológica e o Mapeamento de Competências e Perfis, atividade executada pelo CDT que integra o Planejamento Estratégico 2011/2015 da UnB.
 
 
De acordo com Paulo Suarez, a ausência de previsão orçamentária para manutenção dos NIT’s das Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT’s); a elevada rotatividade de recursos humanos; a carência de profissionais especializados na área de propriedade intelectual; regulamentação, de forma a incentivar a inovação no ambiente acadêmico, da prestação de serviços tecnológicos e bolsa de estímulo à inovação; e a necessidade de criação de mecanismos que otimizem as aquisições realizadas por ICT’s no âmbito de projetos de PD&I constituem-se como alguns dos principais problemas enfrentados hoje pelo CDT/UnB como Núcleo de Inovação Tecnológica. 
 
O Secretário Executivo da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (ANPEI), Naldo Dantas, defende que os NIT’s precisam ter autonomia e afirmou que, em uma economia global, é imperativo que as empresas e institutos brasileiros participem mais ativamente do mercado de tecnologias. Ele finaliza defendendo que é preciso investir na educação empreendedora e ampliar a segurança jurídica no exercício do direito de propriedade intelectual.
 
Para o vice-presidente do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (FORTEC), Oswaldo Massabani, os principais desafios a enfrentar são: estimular a participação das competências existentes nas ICT’s para que participem da promoção da competitividade do setor empresarial; disciplinar, otimizar e facilitar dentro das ICT’s os processos que promovam a eficácia nas relações com o setor empresarial; e promover o empreendedorismo de resultados com alunos empreendedores para criar empresas nascentes (startups) a partir do conhecimento produzido nas ICT’s. 
 
O Presidente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), Jorge Ávila afirmou que um dos desafios enfrentados atualmente é o de colocar o Brasil no núcleo global de inovação, ingressando no grupo de países capazes de oferecer novas tecnologias, e que o principal gargalo para isso é o desenvolvimento privado para a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. “O que fazer para que esse investimento aumente? Porque o setor privado prefere investir em negócios que tenham o retorno bem como um contrato seguro, e isso deve passar pelo aperfeiçoamento do sistema de Propriedade Intelectual”, argumentou. 
 
Audiência Pública – A criação do Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (PL 2177/11), que tramita há anos no Congresso, ganhou um forte aliado: a Frente Parlamentar da Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação, lançada em dezembro passado. O presidente da Frente, deputado federal Izalci Lucas (PSDB-DF), conta que a ideia é otimizar a proposta.
 
No mesmo dia, em audiência pública realizada pela Comissão Especial sobre o Código, cientistas e secretários estaduais discutiram o projeto. 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Universidade de Brasília promove curso de capacitação em sistemas de missão crítica com apoio da Motorola Solutions
08/05/2013

Iniciativa conta com investimento de R$ 270 mil e visa auxiliar estudantes e profissionais na prática e tomadas de decisão

RP1 Comunicação

 

SÃO PAULO – A Motorola Solutions e seu braço filantrópico, Motorola Solutions Foundation, anunciam o convênio e doação ao Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) para a realização do curso de sistemas integrados em comunicação crítica, voltado para profissionais da área de radiocomunicação, engenheiros, técnicos em telecomunicações, estudantes de engenharia e especialistas em segurança pública. O investimento de R$ 270 mil tem o objetivo de incrementar o conhecimento profissional desse público e auxiliá-lo a distinguir melhor e de maneira mais clara as tecnologias, além de permitir a tomada de decisões mais adequadas, levando em conta as necessidades específicas, o tamanho e a peculiaridade de cada projeto. 

Para o curso, que terá duração de 40 horas, foram abertas 90 vagas, distribuídas em três turmas, que acontecerão nos meses de maio e junho. Ao final das aulas, todos os alunos receberão certificado emitido pela UnB.

 
Pontos importantes
O curso, que abrange as tecnologias P25, TETRA e LTE, terá cinco módulos com os temas: O porquê de um sistema de comunicação diferenciado; Fundamentos de sistemas de comunicação; Sistema de comunicação móvel diferenciado; Sistemas atuais para comunicações críticas, e LTE. Cada módulo será dividido em unidades, com detalhamento dos temas e suas especificações.
 
A programação inclui ainda uma visita ao Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército (CCOMGEX), onde os alunos poderão ver os testes de LTE (Long Term Evolution), que estão sendo desenvolvidos pelo Exército Brasileiro em Brasília, com o suporte da Motorola Solutions.
 
As aulas serão ministradas na UnB e todo o material didático e o transporte para as visitas fora do campus universitário serão de responsabilidade da universidade.
 
“Essa parceria com a Motorola Solutions Foundation nos permite reforçar nosso compromisso com a educação e com a disseminação do conhecimento. Este curso foi cuidadosamente desenhado para que possamos capacitar estudantes e profissionais para o mercado de comunicações de missão crítica, em que o conhecimento adequado representa uma grande diferença, sobretudo no momento de tomada de decisão,” afirma o Professor Dr. Luis Fernando Molinaro da Universidade de Brasília.
 
“O mercado está carente de pessoas qualificadas e especializadas em radiocomunicação e com conhecimento em tecnologias de missão crítica. Com a realização deste curso, a UNB permite que os estudantes e futuros profissionais possam atuar de forma plena neste mercado”, diz Wagner Andrade, diretor de novos negócios da Motorola Solutions no Brasil.
 
"A Motorola Solutions Foundation apoia treinamentos e projetos de educação para segurança pública em todo o mundo, e estamos felizes com a parceria com a Universidade, pois permite que profissionais de segurança pública entendam os diferentes métodos e como as comunicações desempenham um papel fundamental em manter as comunidades seguras", ressalta Matthew Blakely, CEO da Motorola Solutions Foundation.
 

 

Agenda nacional aposta nas micro e pequenas empresas
07/05/2013

Representantes dos estados da região Sul discutem participação de pequenos negócios no crescimento do Brasil

 
Curitiba - O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no Paraná, João Paulo Koslovski, destacou nesta terça-feira (7), a importância do empreendedorismo e das micro e pequenas empresas para o desenvolvimento nacional. O dirigente participou da abertura de um encontro, realizado em Curitiba pelo Ministério de Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior (MDIC) com o objetivo de construir uma agenda de desenvolvimento e competitividade para os pequenos negócios. 
 
A Oficina Região Sul, organizada em parceria com o Fórum Permanente das Micro e Pequenas Empresas; Secretaria de Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul; e Sebrae no estado, reuniu cerca de 200 empreendedores, representantes do poder público e da iniciativa privada e entidades empresariais do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Juntos, os participantes discutiram políticas públicas para o segmento. 
 
Koslovski defendeu a regulamentação do Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte, conhecido como Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, por 100% dos municípios. “No Paraná, dos 399 municípios, 38 ainda não implementaram a legislação, que traz benefícios para os pequenos negócios”, disse o também presidente Sindicato e Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar). 
 
A Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas, proposta pelo MDIC, faz parte da Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios (PNEN) e visa identificar necessidades e construir um país de ambiente mais favorável e competitivo. Além de Koslovski, participaram da abertura o secretário de Indústria e Comércio do Paraná, Ricardo Barros; o presidente da Confederação Nacional da Micro e Pequena Indústria (Conampi), Ercílio Santinoni; e o coordenador-geral do MDIC, Fábio Silva. 
 
Conduzida por consultores do Sebrae e do MDIC, a oficina colocou em pauta temas relevantes para o segmento, como comércio exterior; compras governamentais; desoneração e desburocratização; investimento e financiamento; rede de disseminação, informação e capacitação; e tecnologia e inovação. “Precisamos melhorar muito o ambiente das micro, pequenas, médias e grandes empresas”, afirmou Fábio Silva. 
 
Segundo ele, mais que um projeto de governo, a discussão envolve um projeto de estado. “Estamos formulando políticas públicas nos estados e não somente em Brasília”, disse. Ele lembrou ainda que a Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas (2013-2022), como vem sendo chamada desde 2009, tem como foco os próximos dez anos. E que as ideias apuradas na oficina em Curitiba serão reunidas a sugestões de outras regiões do país. “Queremos promover ajustes na Lei Geral e criar uma agenda estratégica de ações a serem apresentadas junto à sociedade”, destacou. 
 
Para a representante da Universidade de Brasília (UnB), Ednalva Fernandes Costa de Morais, a agenda nacional que está sendo articulada busca estimular o empreendedorismo inovador de alto impacto e ainda o empreendedorismo de geração de emprego e renda. “A inovação acontece nas micro e pequenas empresas, mas é nas micro e pequenas empresas onde existe maior resistência”, assinalou a professora da universidade brasiliense. 
 
De acordo com o coordenador de Políticas Públicas do Sebrae no Paraná, Luiz Marcelo Padilha, para que a proposta reflita a realidade brasileira, além de oficinas, especialistas realizarão estudos, acompanharão a análise das propostas e revisarão os documentos produzidos, sob a coordenação do MDIC. Ao final, será disponibilizado um material para consulta pública, como mais uma oportunidade para contribuições, antes da consolidação do documento. 
 
Já o gerente de Inovação e Competitividade do Sebrae no estado, Agnaldo Castanharo, ressaltou que a iniciativa tem mobilizado os segmentos industrial e empresarial a participarem efetivamente, apontando as necessidades para o desenvolvimento. “O governo federal está ouvindo as comunidades e isso é de suma importância. É uma agenda com ações de curto, médio e longo prazo”, pontuou. 
 
Para Castanharo será de grande valia a contribuição dos estados do sul do Brasil na construção da Agenda Nacional de Desenvolvimento. “Nas mesas de discussão, surgiram ótimas ideias e sugestões, que darão densidade ao processo”, apostou o gerente do Sebrae no Paraná.
 
Fonte: Assessoria de Imprensa do Sebrae/PR

 

Oficina regional do MDIC debate Agenda Nacional de desenvolvimento das MPEs
06/05/2013

 

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico promoverão amanhã (7 de maio), em Curitiba (PR), uma oficina para a região Sul, no intuito de contribuir para a construção da Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas.
 
A oficina tem como objetivo estimular o debate entre representantes de entidades sindicais, empresários, governantes e sociedade civil, para a construção da Agenda Nacional, que se insere na política nacional de empreendedorismo no contexto do programa Brasil Maior. Essa será a última das oficinas regionais, que já foram realizadas nas demais regiões em março e abril. Ao final, será elaborado um documento com o fim de ser apensado ao PLC 123/2006, tornando-se lei.
 
Federações e sindicatos do comércio podem participar dos debates apresentando demandas e soluções para os problemas enfrentados pelas MPEs locais entre os temas: comércio exterior; investimento e financiamento; tecnologia e inovação; informação; desoneração e desburocratização; e compras governamentais.
 
Mais informações sobre o evento em http://www.cdt.unb.br/projetoagenda/index.php
 
Fonte: CNC 
Palestra do CDT/UnB aborda técnicas de vendas
02/05/2013

Evento faz parte do ciclo de palestras do NICE

 

Você sabe como vender e ganhar mais dinheiro com o seu negócio? Numa sociedade onde se produz muito e se vende muito, partimos da perspectiva de que tudo é um negócio: seja estudar, dar aula ou se posicionar no mercado. E, para que haja uma relação perfeita entre uma demanda, um desejo e o produto que se está fornecendo, é preciso ter alguns parâmetros de como formatar esses produtos e serviços, e a quem entregá-los. 

É o que afirma o professor Gilberto França, em palestra ministrada na tarde desta terça-feira (30/04), no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). “Vender é transformar produto em algum resultado positivo, que a gente chama de dinheiro. E aprender técnicas de venda é fundamental em qualquer relação de sociedade que vive num parâmetro onde o dinheiro passa a ser determinante para o progresso pessoal dentro da sociedade”, argumenta o professor. O encontro faz parte do ciclo de palestras realizado pelo Núcleo de Inovação e Capacitação Empresarial (NICE), do CDT/UnB.  

 
A empresária Cristiane Pereira conta que sempre participa das palestras e cursos oferecidos pelo NICE, por causa dos temas e da oportunidade de conhecer pessoas e possíveis clientes. “O meu interesse hoje é o tema ‘Como vender bem’, que é de interesse de todo e qualquer empresário, além de ser um desafio. E também posso fazer um networking, conhecer algumas das pessoas que estão participando da palestra e que são potenciais clientes da minha empresa”, afirmou.
 
Cristiane é sócia de um espaço de coworking, um escritório colaborativo no estilo “café”, que recebe empreendedores interessados em networking. Ao final da palestra, ela revelou que o conhecimento adquirido servirá para agregar valor ao seu negócio. “Eu adorei a palestra! E achei o professor Gilberto maravilhoso porque ele não só abordou a questão de vendas, mas também falou sobre inovação e plano financeiro. Porque, muitas vezes, quando a gente fala em vendas, as pessoas pensam que é só panfletar e só colocar o preço do produto no mercado, mas não é só isso. Na verdade, você tem que se preocupar com a inovação do seu produto e com outras ações de uma forma geral, que o professor conseguiu brilhantemente abordar”, elogiou Cristiane. 
 
O NICE oferece aos empreendedores a oportunidade de entrar em contato com informações técnicas e participar de eventos, cursos e consultorias aplicadas por especialistas de diversas áreas do conhecimento. O eventos  acontecem durante todo o ano, nos quatro campi da Universidade de Brasília. Confira aqui a programação do mês de maio. 
 
Para mais informações, acesse
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Seminário de aplicativos movimenta cenário das startups em Brasília
30/04/2013

Evento reuniu empresas que tiveram a oportunidade de apresentar seus produtos 

 

Foto: Naiara Caldas

No último final de semana aconteceu em Brasília o BRAPPS – Brazilian Application Seminar (Seminário Brasileiro de Aplicativos). Foram três dias de apresentações, debates e palestras em torno do potencial econômico das tecnologias móveis e das startups. O evento reuniu startups do mundo inteiro, que puderam apresentar seus aplicativos e novas tecnologias.

O BRAPPS, cujo objetivo era juntar, no mesmo espaço, os maiores nomes do setor em conteúdo, feira de exposição e startups, prometia ser o maior evento de conteúdo mobile da América Latina, abrangendo desenvolvedores, empreendedores, líderes empresariais, comunicadores, investidores e representantes de startups.

Com todas essas personalidades e especialistas em tendências, o Brazilian Applications Seminar se propunha a ser a referência e ponto de encontro de todos os profissionais ligados ao desenvolvimento de aplicativos. E foi! O empresário Roberto Braga, que foi convidado pelo Sebrae para cuidar da parte de conteúdo do seu lounge, conta que participar de eventos como este é de fundamental importância para conhecer pessoas e expandir os negócios. 
 
“Eu acredito muito no poder de eventos como esse, que envolvem os empreendedores na organização. É legal sair um pouco da rotina de empreendedor para ajudar outros empreendedores iniciantes. E outro aspecto importante desse evento foi o networking. Conversamos com outros empreendedores brasileiros, com empresas e aceleradoras internacionais e por isso o evento foi único”, revelou o jovem empresário.
 
O espaço do evento foi dividido em três trilhas: uma de aplicativos; um pavilhão de startups, no qual vinte empresas se apresentavam por dia; e o Hackathon, uma maratona de programação, onde as pessoas desenvolviam aplicativos para a Copa do Mundo e Olimpíadas. Além dessas apresentações, diversos palestrantes (inclusive internacionais) passaram pelo evento, e os visitantes puderam participar de debates sobre variados temas ligados ao empreendedorismo. 
 
Os debates no espaço do Sebrae foram mediados por Roberto, que é representante no Distrito Federal da Associação Brasileira de Startups (AB Startups) e um dos sócios da empresa IPe Engenharia de Redes. A IPe é uma empresa incubada do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) que desenvolve um equipamento para medir o gasto energético nas tomadas. 
 
O que chamou a atenção de Roberto foi o aplicativo social GetGlue, que está fazendo grande sucesso nos EUA e serve para fazer check-in na programação da TV. “É um aplicativo que tá ‘bombando’ nos EUA. Já em termos de tendência no Brasil, a grande palavra do BRAPPS foi 'mobilidade'. Saber usar bem os diversos tipos de tela - notebook, tablet, smartphone - e conhecer as peculiaridades de cada uma é algo essencial para um bom empreendedor do segmento”, finalizou Roberto. 
 
Representantes de outras empresas incubadas do CDT/UnB, também estiveram presentes no BRAPPS. O diretor executivo da Akamido, Michael Donath, revela que o evento foi um sucesso e já aguarda ansioso pela próxima edição. “O BRAPPS teve tudo para se tornar um sucesso de longo prazo: houve palestrantes de peso, temas relevantes e muitos contatos. A parte mais importante, na minha opinião, foram as apresentações de startups locais e regionais. Para mim, o BRAPPS foi um grande passo na transformação de Brasília em uma cidade do empreendedorismo”. 
 

 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Portal CDT/UnB é finalista do Prêmio Sebrae de Jornalismo
29/04/2013

Jornalista da instituição concorreu com duas matérias na etapa distrital 

 

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) participou de cerimônia do Prêmio Sebrae de Jornalismo 2013. O Portal da instituição teve duas matérias selecionadas para disputar o primeiro lugar na categoria Webjornalismo, na  Etapa Distrital. Na ocasião foram premiadas as melhores reportagens sobre práticas vitoriosas em pequenos negócios e empreendedorismo.

 

Jornalista Lívia Carolina Machado no Prêmio Sebrae de Jornalismo
 
A jornalista do CDT/UnB, Lívia Carolina Machado, concorreu com duas reportagens: “Empresa incubada do CDT/UnB almeja o mercado internacional - IPe tem foco na sustentabilidade e grandes projetos” e “Empresa que recebeu consultoria do Projeto SEBRAEtec, por meio do CDT/UnB, ganha Prêmio MPE Brasil”. A primeira, escrita em novembro de 2012, destaca a busca da empresa incubada IPe Engenharia de Redes pelo mercado internacional. A empresa uniu o desenvolvimento de produtos e serviços tecnológicos com conceitos de sustentabilidade e pretende levar esses conceitos para o exterior. 
 
A segunda reportagem conta a história do empresário Antonio Azambuja que procurou o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico no início de 2012, pois sua empresa tinha desenvolvido sistemas inovadores que auxiliariam no esporte Hipismo. Azambuja veio até o CDT/UnB para consultar a viabilidade de seus sistemas e recebeu ajuda e apoio chegando a ganhar em novembro do mesmo ano o prêmio MPE Brasil 2012, Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas 2012, na categoria Tecnologia da Informação.
 
“O CDT é um grande centro de referência em empreendedorismo e inovação, então eu posso afirmar que respiramos essa pauta diariamente. E a nossa área de comunicação não só escreve sobre isso. Nós estamos ali, dando apoio nos eventos, na divulgação das empresas e das histórias dos empresários, organizando, realizando, ou seja, fazendo também tudo isso acontecer. E ter essas matérias escolhidas entre tantas que se inscreveram é gratificante. É a prova concreta de que esse trabalho é reconhecido e vale a pena. É o que me dá mais força e alegria para continuar desenvolvendo-o todos os dias”, afirmou Lívia sobre o prêmio.
 
 
Vencedores da etapa DistritalPremiação – Na cerimônia de premiação que ocorreu nessa quinta-feira (25), em Brasília, os jornalistas que produziram reportagens com foco no empreendedorismo foram reconhecidos. Na categoria Impresso, o troféu ficou com a reportagem “Empreendedores 3.0”, da jornalista Leilane Menezes, repórter da Revista Encontro. Em Telejornalismo, a matéria “Tênis customizados na internet conquistou o primeiro lugar”.
 
Já na categoria webjornalismo, o trabalho do Portal R7 “Ex-morador de rua vira empresário e já negocia 17 franquias de sua marca de tapiocas” foi o grande vencedor. 
 
 
 
As reportagens escolhidas concorrem na etapa nacional, em junho. 
 
 
JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
Empresa incubada do CDT/UnB desenvolve tecnologia para abrir portas pelo aparelho celular
29/04/2013
Por meio de Internet sem fio aplicativo poderá também acender a luz e abrir e fechar persianas
 

Você é daquelas pessoas que vira e mexe esquece onde coloca a chave de casa? Se a resposta for sim, seus problemas acabaram.

A empresa LOOP, incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), lançou uma tecnologia chamada “Loop Door” que permite a pessoa, por meio do aplicativo do celular, abrir a porta de qualquer lugar que esteja. Para isso, basta ter acesso a internet banda larga sem fio.

A ideia do projeto ocorreu de maneira inusitada. O responsável por ela é o estudante de engenharia da computação da UnB e sócio da empresa LOOP, Pedro Salum. Ele conta que sempre que chegava a casa sua mãe o questionava que ele esquecera as chaves. Num belo dia Pedro então fez a seguinte pergunta: “Fico o dia inteiro com meu smartphone na mão, porque não desenvolver um sistema que me permita abrir a porta de casa pelo aparelho celular”?

Pedro explica que por meio de agendamento também é possível solicitar a outra pessoa que abra a porta do seu escritório ou casa. “Se estou viajando e preciso entrar em casa para dar comida para o cachorro eu posso pedir a outra pessoa que faça isso pra mim. Basta ela ter o aplicativo no celular e internet wifi”, garante Pedro.

O empresário Caique Peixoto, arquiteto de engenharia de software da LOOP explica que eles querem ampliar a ideia para automoção residencial, que seria o controle não apenas da porta, mas também de luzes, janelas, persianas, etc. “A pessoa poderá contratar vários serviços com apenas uma empresa. Normamente estas ações costumam ser isoladas. Nós queremos unificá-las, torná-las mais práticas. Além disso, o custo será inferior e o indivíduo terá bem menos mão de obra”, garante Caique.

Daniel Sandoval, estudante de engenharia da computação e sócio da LOOP conta que a tecnologia já existe nos Estados Unidos mais é algo muito recente.

A tecnologia, por enquanto, está disponível apenas para aparelhos da Apple, na Apple Store. Futuramente, a empresa pretende ampliar para todos os tipos de Smartphone. O lançamento está previsto para o segundo semestre de 2013 e os meninos garantem: Essa tecnologia vai arrebentar!

 

ELÔ BITTENCOURT EMEDIATO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Palestra do CDT/UnB abordará a importância das Patentes no Mundo Acadêmico
26/04/2013

Atualmente, a proteção das tecnologias desenvolvidas pelas universidades tem ganhado cada vez mais espaço, principalmente pelo fato da inovação ser considerada quesito de avaliação em rankings nacionais e mundiais das melhores universidades. 

 
O número de patentes desenvolvidas no âmbito de uma universidade indica o destaque desta instituição em relação à tecnologia e à inovação. Por isso, as patentes precisam ser olhadas com maior cuidado por serem uma grande fonte de informação tecnológica, tanto para monitoramento de novas tendências em pesquisa e desenvolvimento, quanto para aperfeiçoamento da pesquisa nos laboratórios da Universidade e conhecimento do estado da técnica.
 
O químico e Redator de Patentes do Núcleo de Propriedade Intelectual (NUPITEC) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), Ernani Souza Jr., explica que as patentes são importantes para a comunidade acadêmica porque a maioria dos pesquisadores está dentro das Universidades. E é justamente no meio acadêmico que acontecem divulgações de tecnologias na forma de artigos, em periódicos nacionais e internacionais, com altos índices de fator de impacto. 
 
“Poucos sabem que mais de 70% do conhecimento divulgado está na forma de patentes. Uma patente não somente fornece informações sobre determinada tecnologia, mas permite que se conheça novas tendências em determinadas áreas, bem como, os problemas tecnológicos que têm sido alvo de pesquisa e quem são os países e instituições detentores de tais conhecimentos. Para a Universidade, que não pode comercializar diretamente a tecnologia que desenvolve, ainda existe a possibilidade de se estabelecer parcerias com empresas que possam levar o produto e/ou processo para a indústria, e, dessa forma, captar recursos com a comercialização (na forma de royalties)”, justifica. 
 
Para tratar sobre esse tema, Ernani irá ministrar a palestra “A importância das Patentes no Mundo Acadêmico”, na próxima Estação Empreendedorismo do CDT/UnB. O encontro acontece no dia 10 de maio, a partir das 13h, no Auditório da instituição.
 
Serviço:
Estação Empreendedorismo – A importância das Patentes no Mundo Acadêmico
Data: 10/05
Hora: 13h
Local: Auditório do CDT/UnB
Campus Universitário Darcy Ribeiro – Edifício CDT 
 
Para mais informações: 
3107-4108
empreend@cdt.unb.br 
 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Finatec lança três editais no valor total de R$ 580 mil
25/04/2013

Recursos são para apoiar autores de trabalhos aceitos para apresentação em eventos internacionais, realização de eventos na UnB e gestão de projetos e importação de bens

 

A Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) lançou três editais destinados a apoiar pesquisadores da UnB. As seleções oferecem auxílios no valor de R$ 170 mil para realização de eventos nas dependências da UnB e da Finatec (edital 1/2013), R$ 60 mil para gestão de projetos e importação de bens (edital 2/2013) e R$ 350 mil para autores de trabalhos aceitos para apresentação em eventos científicos internacionais (edital 3/2013). 

As solicitações para os editais 1/2013 e 2/2013 devem ser encaminhadas à Finatec entre 2 de maio e 30 de dezembro de 2013. Podem participar professores do quadro permanente da Universidade de Brasília e docentes aposentados vinculados à instituição como pesquisador colaborador. Para o edital 3/2013, a participação se estende a alunos de pós-graduação stricto sensu da UnB. A seleção vai financiar a presença do pesquisador em eventos científicos internacionais realizados entre 1º de julho e 30 de dezembro de 2013. Os pedidos devem ser encaminhados de 16 de abril até às 16h do dia 21 de maio. Todos os candidatos devem possuir currículo cadastrado e atualizado na plataforma Lattes do CNPq. 

Acesse os documentos e saiba como participar:
Edital 1/2013 - Apoio à realização de eventos
Edital 2/2013 - Apoio à gestão de projetos e importação de bens
Edital 3/2013 - Participação em eventos científicos internacionais 
 
Fonte: UnB Agência 
“Programa Empresa Junior” é tema de palestra do CDT/UnB
25/04/2013

Professora abordou a importância do programa na formação dos jovens empreendedores 

 
O Movimento Empresa Júnior (MEJ) iniciou-se em 1967, na França. Rapidamente a ideia se difundiu no meio acadêmico francês. Na década de 80, o modelo francês consolidou-se e começou a se difundir internacionalmente, sendo levado para Suíça, Bélgica, Espanha, EUA e Brasil. As ideias e os conceitos fundamentais do movimento foram trazidos para o Brasil, em 1988, pela Câmara de Comércio e Indústria Franco-Brasileira.
 
Nesse contexto, para apoiar a criação e o desenvolvimento de empresas juniores da Universidade de Brasília, foi criado em 1993, o Programa Empresa Junior, cujo objetivo é estimular o crescimento e a capacitação de estudantes da graduação na prática do empreendedorismo. 
 
Durante palestra proferida nesta quinta-feira (25), na edição de abril do Café Empresarial do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), a coordenadora de Extensão, professora doutora Cristina Castro abordou a importância das empresas juniores na formação desses futuros empreendedores.
 
 
“O Programa Empresa Junior visa formar formadores para o mercado de trabalho, então, é fundamental a gente pensar em competências, ou seja, em conhecimentos, habilidades e atitudes dos nossos alunos e da nossa sociedade para que o mercado seja de maior igualdade, e de maior crescimento econômico para o nosso país”, explica a professora. 
 
Cristina também falou sobre o trabalho da Escola de Empreendedores do CDT que desenvolve, em parceria com o CNPq, pesquisas referentes à área de Empreendedorismo, Inovação, Ciência e Tecnologia; além de ofertar as disciplinas de graduação “Empresa Júnior 1” e “Empresa Junior 2”, que visam explorar a importância dessas empresas para o desenvolvimento profissional dos universitários por meio da discussão de temas relacionados à gestão que os auxiliem na realização de suas atividades. 
 
Na oportunidade, Cristina defendeu que o processo de extensão dentro da universidade é essencial, pois é justamente o que subsidia a formação de professores e alunos.  “O alto padrão de qualidade equivale às pesquisas desenvolvidas na academia. É a busca por novos processos e soluções que surgem das ‘pequenas’ necessidades que o mercado demanda.”
 
Rodada de Negócios entre empresas juniores e empresas incubadas  
Para completar e consolidar a formação desses alunos, a Empreend promove diversos eventos como a Feira de Negócios e Inovação, um espaço de livre convivência e discussão para amadurecimento das proposições de novos negócios, serviços, métodos e produtos apresentados pelos alunos; a Semana do Empreendedor, que tem por objetivo promover e difundir a cultura empreendedora na Universidade e na comunidade; e a Estação Empreendedorismo, projeto que oferta palestras gratuitas sobre temas vinculados ao empreendedorismo, inovação e tecnologia. 
 
 
 
Experiência – O estudante de publicidade Felipe Cardoso, da empresa Doisnovemeia falou da importância de participar do programa Empresa Junior. “Essa vivência dentro da empresa é fundamental para o crescimento e o desenvolvimento de atividades e competências empreendedoras, além da vontade de fazer e realizar coisas maiores e melhores, sempre”, revelou. 
 
Para Ester Sabino, o programa ajuda a colocar na prática o que se aprende na universidade. “A (empresa) Lamparina Design dá oportunidade para a gente aprender, se inserir no mercado; e saber como lidar com clientes, saber projetar, saber o que é o nosso curso e o que a gente faz. E isso permite que tenhamos uma visão além da área acadêmica, porque a nossa graduação ajuda até um certo ponto, e a empresa ajuda a ir além do acadêmico, ajuda no institucional, ajuda a fazer negócios e a lidar com os nossos clientes, principalmente”, defendeu a estudante de Desenho Industrial. 
 
Já o estudante de Comunicação Organizacional, Gabriel Freire, explica que a experiência dentro de uma empresa Junior o levou além da capacidade técnica. “A Facto me agregou muito na parte técnica, inicialmente, mas depois eu vi que o crescimento profissional e como pessoa foi muito grande, principalmente por me dar o diferencial de ser empreendedor pra poder trabalhar com gestão e assumir cargos de liderança. Isso me dá uma vantagem competitiva frente às outras pessoas e aos outros profissionais de comunicação, porque o mercado de comunicação é muito competitivo hoje em dia”, finalizou. 
 
Para conhecer mais sobre o trabalho da Escola de Empreendedores e as disciplinas ofertadas, acesse.
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Café Empresarial do CDT/UnB tratará sobre empresas juniores
24/04/2013

Edição de abril será apresentada pela professora doutora Cristina Castro 

“Programa Empresa Júnior – Formando os profissionais do Futuro”, este será o tema da palestra ministrada na edição de abril do Café Empresarial do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Realizado pelo Programa Multincubadora de Empresas, toda última quinta-feira do mês, a palestrante desta edição será a coordenadora de Extensão do CDT, professora doutora Cristina Castro.

Cristina abordará a importância das empresas juniores na formação de futuros empreendedores. Após a palestra, haverá um bate-papo entre empresas incubadas e empresas juniores na sala GDLN, com o tema “Soluções tecnológicas para empreendimentos inovadores”, na qual os empresários poderão trocar experiências.
 
O Café Empresarial acontece nesta quinta-feira (25), a partir das 8h, no Auditório do CDT/UnB.
 
Conheça a palestrante:
Cristina Castro Lucas de Souza
Mini-currículo: Professora Adjunta do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília IB/UnB, na área de Empreendedorismo, Inovação, Marcas e Patentes. Coordenadora de Extensão do Centro de Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB) da Universidade de Brasília. Doutora em Administração (2011), Universidade de Brasília; Doutora em Ciência da Gestão (2011) Université Paul Cezanne - Aix / Marseille III; mestre em Gestão Social e Trabalho (2005), Universidade de Brasília; graduada em Psicologia (1999), Centro Universitário de Brasília. Atuou como docente no Curso de Graduação em Administração do Centro Universitário Euro-Americano, e em disciplinas de empreendedorismo ofertadas pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) da Universidade de Brasília. Possui diversos trabalhos publicados em anais de eventos científicos e em periódicos. Autora de capítulos de livros nos temas empreendedorismo, inovação, cultura e criatividade. Realiza pesquisas relacionadas com os temas empreendedorismo, inovação, internacionalização de empresas e cultura. 
 
Programação:
Café Empresarial
08h – Welcome Coffee
08h40 – Abertura
09h - “Programa Empresa Júnior – Formando os profissionais do Futuro”
10h – Soluções tecnológicas para empreendimentos inovadores. Bate-papo entre empresas incubadas e empresas juniores na sala GDLN no 1º andar
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
CDT/UnB participa de debate sobre incubadora de empresas na Câmara dos Deputados
23/04/2013

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília participou nesta terça-feira, dia 23, de uma reunião de trabalho da Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação da Câmara dos Deputados. A convite do presidente da Frente, deputado Izalci Lucas (PSDB/DF), parlamentares e representantes do movimento do empreendedorismo inovador falaram sobre os desafios e benefícios das incubadoras de empresas de base tecnológica.

 
Na oportunidade, estiveram presentes o Diretor do CDT/UnB, Professor Paulo Anselmo Ziani Suarez e o Coordenador do Programa Multincubadora de Empresas e Hotel de Projetos, Anísio Lopes de Castro. Paulo Suarez falou sobre a visão do CDT a respeito da incubação; levou experiências de empresas que estão passando pela pré-incubação, no Hotel de Projetos; de empresas que estão incubadas e de empresas graduadas.
 
Ele destacou, ainda, a importância da missão do Centro de dar apoio ao desenvolvimento tecnológico de todas as unidades da Universidade de Brasília e difundir o empreendedorismo, principalmente entre os alunos; além de apresentar o objetivo da Multincubadora de Empresas do CDT, que é criar e consolidar empresas nascentes, fornecendo capacitação, treinamentos, consultorias e oportunidades de parcerias para os empresários.
 
A Superintendente Executiva da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), Sheila Oliveira Pires, apresentou dados do movimento, a história do empreendedorismo inovador no Brasil e o cenário atual das incubadoras e parques tecnológicos no país. Sheila apresentou também resultados e impactos positivos das incubadoras para a sociedade.
 
Representando a Coordenação Geral de Inovação Tecnológica da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico (SETEC) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Jorge Campagnolo apresentou o Programa Nacional de Apoio as Incubadoras de Empresas (PNI) e fez uma explanação sobre os parques tecnológicos brasileiros.
 
Além da Universidade de Brasília, da Anprotec e do MCTI participaram da reunião representantes do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) e da Universidade Católica de Brasília (UCB). As entidades de ensino apresentaram suas incubadoras de empresas.
 
Após as apresentações, foram discutidos os problemas e os gargalos legais e operacionais que impactam negativamente as incubadoras. O debate resultou em informações importantes para que a Frente Parlamentar apresente proposições de melhorias junto aos órgãos competentes.
 
 
*Com informações da Anprotec 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

UnB recebe novo acervo para o museu de Geociências
19/04/2013

O Museu de Geociências, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT) e o Laboratório de Gemas e Joias/Departamento de Desenho Industrial da Universidade de Brasília (UnB) inauguraram no dia 17 de abril um novo acervo do Museu de Gemas e Joias da Universidade doado pelo Sebrae-DF. 

“Museu significa instituição dedicada a buscar, conservar, estudar e expor objetos de interesse duradouro ou de valor artístico, histórico.” Foi assim que iniciou o discurso na inauguração do acervo, o diretor do Instituto de Geociências da UnB, professor Bernhard Buhn. Com espaço de 200 metros quadrados, a exposição visa estimular tanto o lado científico, de mostrar como se dá a lapidação dos minerais quanto servir de conhecimento para a sociedade. “Nossa finalidade é despertar o ânimo ao estudo, pesquisa de extensão e expor as gemas e joias ao público em geral”, afirma. 

O professor falou ainda que quer ciência e capacitação para alunos e comunidades. “Vieram três microscópios e lupas para o museu. Com eles vamos montar uma bancada para alunos e visitantes fazerem pesquisa”, disse o diretor. Ele explica que a lupa serve para identificar o tipo de mineral por meio da luz polarizada e da refração, em cor, método principal de rochas. “Nós queremos deixar tudo aqui à mostra para a sociedade ver”, explica Bernhard.

O diretor do CDT/UnB, Paulo Anselmo Suarez, falou que o instituto colabora tanto em graduação quanto em atividade de extensão. “Esse novo acervo será bastante usado nas nossas atividades. Essa conquista representa muito pra universidade”, garante o diretor. 

O reitor da UnB, Ivan Marques de Toledo Camargo, disse que é uma satisfação participar do evento e lembrou que a UnB é um lugar em que tudo acontece. “Aqui na universidade tudo se movimenta e realiza. Estamos sempre lutando e trabalhando para construir o melhor para a comunidade estudantil e acadêmica. Esse novo acervo foi mais uma conquista nossa.”, afirma o reitor.

“Você é responsável por aquilo que cativas”, disse o ex-diretor do CDT, professor Luis Afonso Bermudez, ao afirmar que a conquista do novo acervo ao MGeo-UnB, nada mais é que o resultado da luta de esforços conjuntos do instituto, universidade e Sebrae-DF. “Sempre lutamos para trazer esse acervo para universidade. Temos o compromisso de mostrar não apenas conhecimento às pessoas, mas também recursos humanos à comunidade”, afirma Bermudez. 

A coordenadora do MGeo, bióloga e doutora em exposição de Museus de Ciências, Maria Júlia Chelin, informou que o acervo, antes de receber a doação era de amostras brutas, e com a vinda do novo acervo haverá também amostras lapidadas. “Queremos ampliar a comunicação científica e complementar as amostras à nossa coleção. Esta doação está vindo para somar”, afirma a bióloga. 

A professora de desenho industrial da UnB, Ana Cláudia Maynardes, do Laboratório de joias, afirmou que a doação que receberam foi grande e que todo o material que chegou será de grande proveito para universidade e comunidade. 

A diretora de Gestão e Solução do Sebrae-DF, Maria Eulália Franco, afirma que a parceria do Sebrae-DF com  o Instituto de Geociências veio para coroar um trabalho que já vinha sendo firmado há muito tempo entre as duas instituições. “Olhando pra frente conseguimos ver várias ações que poderemos estar construindo em conjunto. Nada como estarmos juntos com a academia para fortalecer o desenvolvimento científico e econômico, disse a diretora do Sebrae-DF. Maria Eulália ressalta ainda que o novo acervo será um ganho enorme para a população de Brasília. 

Novo acervo

O acervo atual do museu é composto por 5.500 amostras entre rochas, gemas em bruto ou lapidadas, minerais e fósseis do Brasil e exterior que evidenciam a diversidade do planeta quanto a sua constituição.

O MGeo é um Centro de extensão vinculado ao Instituto de Geociências da UnB com missão de divulgar as geociências para a sociedade, conservar e ampliar as coleções  paleontológica, mineralógica e litológica voltadas à pesquisa, exposição e realização de ações pedagógicas, contribuindo para a preservação do patrimônio geológico. 

 

ELÔ BITTENCOURT EMEDIATO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Alunos da UnB usam óleo de cozinha para criar tinta de impressão
18/04/2013

Doutorandos em química elaboraram projeto com apoio da Embrapa. Invenção está aguardando registro de patente para ser comercializada.

 
Do G1 DF
 
Dois alunos de doutorado em química da Universidade de Brasília (UnB) transformaram óleo de cozinha em tinta de impressão. O projeto teve apoio da Embrapa e aguarda o registro de patente para ser comercializado. Duas empresas já estão interessadas na invenção.
 
O coordenador da pesquisa, Paulo Suarez, disse que já existem projetos que transformam o óleo em biodiesel e sabão. A opção dos estudantes por produzir a tinta ocorreu por causa do valor no mercado.
 
Segundo Suarez, 1kg de tinta pode ser vendida entre R$ 25 e R$ 30 para a indústria gráfica. Outros produtos criados a partir do óleo são vendidos, no máximo, por R$ 3 o kg.
 
A pesquisa foi concluída em 2011 pelos alunos Guilherme Bandeira e Vinícius Mello. Segundo eles, o processo para transformar o óleo de fritura em tinta passa por três etapas: aquecimento, destilação e separação dos resíduos.
 
Para atrair investidores, a UnB organizou uma exposição com xilogravuras feitas com a nova tinta. O artista plástico Ramon Carvalho, aluno de Artes da universidade, também participou da pesquisa para fazer o aperfeiçoamento do material. “Quando comecei a participar desse projeto foi meio que uma curiosidade para ver a tinta, conhecer, e não tinha ideia de que pudesse ter uma qualidade tão boa, que eu pudesse usar nas minhas impressões de xilogravura”, disse.

 

Alunos da UnB usam óleo de cozinha para criar tinta de impressão. Fonte: g1.globo.com
Exposição apresenta novo processo desenvolvido para produção de tinta Offset
16/04/2013

Exposição “Arte, Ciência e Tecnologia: Desenvolvimento de processo para produção de tinta offset a partir de óleos residuais e aplicação em xilogravura”, apresentará obras do aluno e artista Ramon Carvalho produzidas a partir do procedimento de reciclagem de óleos e gorduras

No próximo dia 18 de abril, será realizada, no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília, a exposição “Arte, ciência e tecnologia: Desenvolvimento de processo para produção de tinta offset a partir de óleos residuais e aplicação em xilogravura”, que apresentará obras do aluno e artista Ramon Carvalho produzidas a partir do procedimento de reciclagem de óleos e gorduras.

No Brasil, aproximadamente três bilhões de litros de óleo são destinados para indústrias, comércios em geral e residências. Para o consumo alimentício, no mínimo metade dessa quantidade é descartada após o uso. Óleos e gorduras (OGs), em especial os óleos e gorduras residuais (OGRs) são responsáveis por diversos problemas sociais e ambientais, dentre eles o entupimento de encanamentos e ralos, por dificultar o tratamento de esgotos e poluir rios e reservatórios de água.

Foi buscando soluções para esses problemas que os químicos Vinícius Mello e Guilherme Bandeira, orientados pelo professor do Instituto de Química, Paulo Suarez, atual diretor do CDT/UnB, criaram um procedimento que visa à reutilização desses óleos e gorduras na criação de tintas Offset, diminuindo assim os impactos socioambientais desses produtos. O resultado do processo foi testado pelo artista Ramon Carvalho, na produção de gravuras pelo processo de xilogravura, que concluiu que o mesmo levou a uma textura adequada e equivalente aos produtos disponíveis no mercado.

 

Na Imagem:  Tintas de impressão confeccionadas à partir de óleos de fritura

As tintas produzidas a partir desse procedimento foram utilizadas nas artes que serão apresentadas no dia 18, com o objetivo de demonstrar o sucesso dessa nova tecnologia sustentável.

Na Imagem:  os passos principais de uma xilogravura: I) Artista entalhando a madeira; II)  A tinta é espalhada em uma superfície limpa, de modo a formar um filme fino na superfície do rolo de borracha; III) Artista passando a tinta  sobre a superfície da madeira que não foi entalhada; IV) artista usa o rolo de borracha limpo para pressionar o papel contra a matriz de madeira; V) impressão final.

Serviço:

Exposição Arte, Ciência e Tecnologia: Desenvolvimento de processo para produção de tinta offset a partir de óleos residuais e aplicação em xilogravura

Data: 18/04

Hora: 17hrs

Local: Universidade de Brasília - Edifício CDT

Campus Universitário Darcy Ribeiro

Brasília - Distrito Federal

Mais informações: 3107-4101

 

JULIANA MATOS TOLEDO

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Universidade de Brasília inaugura Museu de Gemas e Joias
16/04/2013

Coleção foi doada pelo SEBRAE-DF e incorporada à Universidade  

 

A Direção do Instituto de Geociências da Universidade de Brasília promoverá dia 17 de abril, no Museu de Geociências (MGeo- UnB), o evento comemorativo da doação das coleções do Museu de Gemas e Joias, que se encontrava na Torre de TV, à Universidade. O evento contará com a participação Reitor, Prof. Dr. Ivan Marques de Toledo Camargo, unidades parceiras, Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico,  LabJoias, comunidade universitária,  parceiros externos e o Prof. Dr. Luís Afonso Bermúdez, atual Decano de Administração e à época Diretor do CDT, que muito contribuiu para tornar esta doação viável.

 
O acervo atual do MGeo-UnB é composto de mais de 5.500 amostras entre rochas; gemas, em bruto ou lapidadas; minerais e fósseis do Brasil e do exterior, que evidenciam a diversidade do planeta quanto à sua constituição, permitem a interpretação dos fenômenos geológicos que ocorrem em nosso planeta e possibilitam uma compreensão da evolução da vida. Embora Brasília conte com cerca de 40 museus cadastrados no IBRAM, a maioria tem um perfil histórico ou artístico e poucos são aqueles de perfil científico e ainda com exposições especialmente voltadas para o público escolar.
 
 
Outro diferencial do MGeo-UnB é o seu vínculo com uma unidade de ensino universitária. Portanto, além de buscar despertar consciência ambiental e novas vocações, trabalha para estreitar seu vínculo com o público acadêmico pensando não só em formas de apoio às disciplinas de graduação e ao seu estudo, mas à pesquisa e desenvolvimento nessa área do conhecimento. O Instituto de Geociências conta com uma ampla variedade de laboratórios de pesquisas, voltados para áreas como Mineralogia, Cristalografia e Paleontologia, para as quais o acervo em questão é muito importante. 
 
Em 2009, as equipes do Museu de Geociências (MGeo-UnB), do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico e do LabJoias-IdA foram contatadas pela Diretoria do SEBRAE-DF para avaliar a possibilidade de incorporação do Museu de Gemas e Joias à Universidade de Brasília. Após ampla discussão interna e com o SEBRAE-DF, uma proposta final foi elaborada e aprovada em ambas as instituições. Em 2012, a formalização da doação e incorporação da coleção à Universidade de Brasília foi concretizada. O acervo, sob guarda do Museu de Geociências está hoje pronto para ser apresentado à comunidade. 
 
 
CDT/UnB – O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília também faz parte desta parceria e assumirá um papel condizente com suas competências e sua missão institucional, promovendo a interação entre micro empresas, empreendedores do setor de Gemas e Jóias, o Laboratório de Gemas e Jóias e o Museu de Geociências, por meio de projetos cooperativos e ações de extensão, com o objetivo de fortalecer o segmento joalheiro local com produtos de alto valor agregado. A interação permanente com a sociedade, incluindo a captação de novos parceiros, será também um compromisso do CDT/UnB, no âmbito deste projeto.
 
Essas ações serão desenvolvidas no âmbito de programas como o Disque Tecnologia, SBRT e Escola de Empreendedores. 
 
Para o coordenador do Disque Tecnologia, Marcelo Nascimento, a participação do CDT/UnB nessa parceria é importante devido à ligação que a instituição tem com os empreendedores. “Existe um grande potencial a ser explorado no setor de Gemas e Joias no Distrito Federal. Nesse sentido, o novo acervo enriquecerá as ações de extensão junto ao meio empresarial, aproximando cada vez mais o CDT dos  empreendedores”, destaca. 
 
Serviço: 
Comemoração pelo acervo do Museu de Geociências da Universidade de Brasília
Data: 17 de Abril de 2013.
Hora: 14h30min
Local: Museu de Geociências – ICC - UNB
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Palestra aborda a importância das marcas e patentes no mundo empreendedor
16/04/2013


Palestra aborda a importância das marcas e patentes no mundo empreendedor

IMG_3242.JPG

IMG_3240.JPGNa última sexta-feira, 12 de abril, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) realizou mais uma palestra do ciclo Estação Empreendedorismo. A palestra teve como tema: “A importância das marcas e patentes no mundo empreendedor” que mostrou para os alunos da Universidade de Brasília e demais participantes informações sobre os tipos de marcas e patentes, o que são patentes, o que se pode patentear e o que não se pode patentear.

O palestrante foi o mestre em química inorgânica Ernani Souza Junior, que é bacharel e licenciado em química pela Universidade de Brasília e, atualmente, é redator de Patentes na área de Química e nanotecnologia do Núcleo de Propriedade Intelectual do CDT/UnB.

Na ocasião, houve também a premiação dos três primeiros lugares dos trabalhos apresentados na II Feira de Negócios e Inovação, onde 650 alunos expuseram suas ideias de empreendimentos inovadores desenvolvidos durante o semestre e foram avaliados por uma banca examinadora formada por professores e empresários. O primeiro lugar ficou com os alunos Carolina Batista Paz, Diego Dias Macedo, Laura de Lima Meirelles, Pedro Henrique Moreira Santana e Pedro Henrique Barbosa de Araújo que apresentaram como ideia o aplicativo para celulares ‘Waiter APP’ que viabiliza uma entrega de demandas mais rápida, onde o interessado faria o pedido e efetuaria o pagamento através do aplicativo e, ao chegar no estabelecimento, o pedido já estaria pronto.

Os alunos foram premiados com produtos da marca Colcci.

“Nós ficamos muito felizes com a premiação, principalmente por ter sido o primeiro lugar, ficamos muito lisonjeados porque foi reconhecimento do trabalho que a gente fez, logo que tivemos a ideia do projeto todos acreditaram muito no projeto e apoiaram muito, viram a possibilidade dele se tornar real, e depois que a gente realizou o plano de negócios, o plano financeiro, vimos a viabilidade dele e por isso ficamos muito felizes pelo reconhecimento.” – Afirma Laura de Lima, integrante do grupo vencedor

 

IMG_3313.jpg

Na Foto: Da esquerda para a direita, Pedro Henrique Moreira Santana, Pedro Henrique Barbosa de Araújo, Carolina Batista Paz e Laura de Lima Meirelles.

 

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação promove debate sobre recursos humanos na área
16/04/2013

Representantes de ministérios, universidades e entidades sindicais estiveram presentes no encontro

 

A escassez e o envelhecimento da mão de obra qualificada em unidades de pesquisa do governo federal preocupa a Câmara dos Deputados. Diante do cenário, a Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação promoveu debate no dia 16 de abril, que contou com a participação de representantes de ministérios, universidades e entidades sindicais relacionadas à carreira.

Para o líder da Frente Parlamentar da Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação da Câmara dos Deputados, o principal entrave para o desenvolvimento tecnológico do país é a falta de mão de obra qualificada. Na opinião de Izalci Lucas (PSDB-DF) é preciso renovar o quadro de pesquisadores das instituições estatais de estímulo à pesquisa e incentivar o setor privado a assumir essa missão. “As ações de fomento à ciência nas instituições privadas precisam ser ampliadas e amadurecidas para que o empresariado se convença a investir em pesquisa”, afirma. 
 
Ele também apontou a necessidade de estabelecer níveis de remuneração compatíveis com a relevância da atividade ao país. "Ainda quero ver no Brasil um pesquisador milionário", disse. "Precisamos agora repatriar nossos recursos humanos que estão lá fora, pelo programa Ciência sem Fronteiras, e temos que incentivá-los, para que eles possam realmente voltar com perspectivas melhores", argumentou. 
 
O reitor da Universidade de Brasília (UnB), Ivan Camargo, pediu a flexibilização das regras licitatórias para a compra de material de pesquisa e das regras para a formação de parcerias entre faculdades e empresas. "Pesquisa exige flexibilidade", salientou. Ele considera as parcerias com o setor privado essenciais para aumentar o financiamento de pesquisas na área de ciência e tecnologia e incentivar a inovação. Segundo o reitor, nas universidades, não falta pessoal na área de ciência e tecnologia, mas sim, recursos.
 
Ele finalizou citando as palavras do secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTI, Álvaro Prata: Aqui no Brasil, nós sabemos transformar dinheiro em conhecimento. Se aplicamos dinheiro na Universidade, sai conhecimento. “E aí o que a gente precisa aprender agora é viabilizar essa transformação do conhecimento em riqueza”, explicou o reitor. 
 
O diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), Paulo Suarez, afirma que as universidades não estão encontrando o passo adequado do que seja ‘extensão’, que muitas vezes é confundida com ‘assistencialismo’, e que o caminho não é por aí. “Extensão, no meu ponto de vista, é como nossa universidade vai levar o conhecimento para a sociedade. E para levar esse conhecimento, algumas vezes ela vai levar o que já está pronto e outras vezes ela vai precisar inovar e desenvolver o conhecimento para que ele consiga solucionar os problemas que a sociedade demanda”. 
 
Ele convidou o deputado Izalci e os demais participantes para conhecer o trabalho desenvolvido pelo CDT. ”Nosso principal trabalho é fazer extensão. Além de iniciativas sociais para pessoas de baixa renda e para empresas. É possível fazer isso na academia, e eu acredito que esse seja o verdadeiro papel da universidade: abrir as suas portas e levar o conhecimento para a sociedade”, finalizou.  
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Empresa incubada do CDT/UnB participa de projeto de construção sustentável
15/04/2013

Ambiente Eficiente coordena equipe que irá construir modelo de casa sustentável 

 
A empresa Ambiente Eficiente Consultoria, incubada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília, está participando de um projeto piloto para referencial de casas sustentáveis do Green Building Council Brasil (GBC). Trata-se de uma certificação de sustentabilidade para residências, inspirada no LEED for Homes, o GBC Brasil CASA, que já está em fase de execução.
 
“O GBC Brasil realizou um concurso nacional e dois projetos da região Centro-Oeste foram escolhidos, entre eles o projeto Madagascar, que é coordenado pela nossa empresa. O projeto é uma residência unifamiliar com 360 m² que vai ser construída na QI 28 do Lago Sul, e a Ambiente Eficiente ficou responsável pelos créditos referentes a eficiência energética da envoltória; avaliação da metodologia prescritiva da etiquetagem do Procel; pela avaliação da categoria de materiais e recursos, bem como  pelo paisagismo”, afirmou a arquiteta e sócia Ana Maria Nicoletti. 
 
O Green Building Council Brasil (GBC Brasil), é uma organização não governamental que visa fomentar a indústria de construção sustentável no Brasil, por meio de sua atuação junto ao governo e à sociedade civil, capacitação técnica de profissionais, disseminação de informações, práticas e conhecimentos e promoção de processos de certificação.
 
O GBC Brasil foi criado em 2007 e conta com o suporte de aproximadamente 495 empresas membros. Todas elas apoiam as atividades da organização por estarem engajadas no mercado da construção sustentável, seja por meio da adoção de práticas de green building em suas instalações ou ofertando materiais e serviços eficientes e responsáveis do ponto de vista sócio ambiental. O sucesso da atuação do GBCB pode ser medido pelo crescimento da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) no Brasil.
 
O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema de certificação e orientação ambiental de edificações. Criado pelo U.S. Green Building Council, é o selo de maior reconhecimento internacional e o mais utilizado em todo o mundo, inclusive no Brasil, onde é usado para diversas tipologias, exceto para residências. Por isso a GBC Brasil, criou a certificação GBC Brasil Casa, inspirado no LEED, com a mesma estrutura, mas adaptado para condições nacionais.
 
“As construções no Brasil têm uma qualidade muito baixa em termos não só de sustentabilidade como de conforto térmico, de eficiência energética, de qualidade dos materiais, então o objetivo dessa certificação é aumentar o nível das construções no Brasil e também diminuir os impactos ambientais”, explica Darja Kos Braga, sócia-diretora da Ambiente Eficiente.
 
Ao contrário do que muitos pensam, a certificação de sustentabilidade não tem como única vantagem a diminuição de impactos ambientais, mas existem muitos outros aspectos como o aumento da durabilidade do imóvel e da qualidade de vida dos usuários, menores gastos energéticos e melhores índices de conforto térmico, luminoso e acústico.
 
“Na verdade, a construção civil é uma das indústrias que mais consome recursos naturais, então essas certificações vêm para minimizar esse impacto e fazer com que exista um ciclo fechado que vai desde a concepção do projeto, à construção, depois manutenção e operação e, finalmente, ao descarte, de forma que os materiais possam ser reaproveitados ou retrofitados e utilizados de outra maneira no mesmo prédio. Então, um dos objetivos principais, atualmente, de se pleitear a certificação é conceber o projeto desde o início, pensando na sua vida útil e no seu descarte”, complementa Ana Maria.
 
O projeto Madagascar é um dos nove projetos avaliados na fase piloto. Esta fase tem por objetivo testar e aprimorar a certificação de sustentabilidade GBC Brasil CASA para o lançamento junto ao grande público previsto até o final de 2013.  
 
Confira a maquete da casa:
 
 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Brasília e Porto Alegre sediarão cursos gratuitos do e-Patentes
12/04/2013

Capacitações acontecem neste mês 

 

O INPI realizará cursos gratuitos em diversas capitais brasileiras para ensinar a usar o e-Patentes, sistema eletrônico de patentes lançado no mês passado, durante o I Congresso do Instituto. Os próximos treinamentos acontecerão nas cidades de Brasília (24 de abril) e Porto Alegre (8 e 9 de maio). 
 
No Distrito Federal, o curso do e-Patentes será ministrado durante o Ciclo de Palestras do INPI em Brasília, a ser realizado no dia 24 de abril (quarta-feira). O evento conta com a parceria do Centro de Defesa da Propriedade Intelectual (CEDPI) e do Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN) e tem apoio da Universidade de Brasília (UnB) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA).
 
Ao todo, serão disponibilizadas 120 vagas (25 para alunos da UnB, 25 para o público da EMBRAPA e 70 para o público externo). As inscrições devem ser feitas através dos formulários eletrônicos: formulário 1 (para os públicos da UnB e EMBRAPA); formulário 2 (para o público externo). A programação completa do Ciclo de Palestras do INPI em Brasília está no final da matéria. 
Em Porto Alegre, o curso do e-Patentes será realizado no dia 8 de maio, das 14h às 17h30, no Parque Tecnológico da PUC-RS (Av. Ipiranga, 6681, Prédio 99, auditório/sala 204). O curso será ministrado pelo pesquisador Rodrigo Ferraro, da Diretoria de Patentes (DIRPA/INPI). O evento conta com apoio do Escritório de Transferência de Tecnologia (ETT/PUC-RS) e da Leão Propriedade Intelectual. 
 
Diante da alta procura, será realizado mais um curso em Porto Alegre, no dia 9 de maio, no Auditório da Faculdade de Informática da PUC-RS (Av. Ipiranga, 6681, Prédio 32 - Térreo), das 9h às 12h30. Será oferecidas, portanto, mais 250 vagas. Em breve, divulgaremos o formulário de inscrição.
 
As próximas capitais a receber o curso devem ser São Paulo e Recife. Mais informações em breve. 
 
 
Ciclo de Palestras do INPI em Brasília
 
Programação:
13h30 – 16h: "Curso de Treinamento no uso da ferramenta do e-Depósito"
Rodrigo Ferraro - Pesquisador - Diretoria de Patentes - INPI
 
16h – 16h20: Intervalo
 
16h20 – 17h10: "O INPI na promoção da resolução de conflitos de PI: os novos serviços de mediação e arbitragem"
Pedro Burlandy - Chefe do Centro de Defesa da Propriedade Intelectual - INPI
 
17h10 – 18h: "INPItec - Software gratuito para análise e monitoramento de patentes"
Ricardo Carvalho Rodrigues - Centro de Disseminação da Informação Tecnológica - INPI
 
Local:
Auditório do CDT/UnB 
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico - Universidade de Brasília
Campus Universitário Darcy Ribeiro - Edifício do CDT
Brasília - Distrito Federal
Link para localização do CDT no Google Maps: http://goo.gl/maps/2bKLs
 

Mais informações:

3107-4128 – Márcia 

 

Fonte: CGCOM 

Empreendedores do Gama conquistam a formalização dos negócios
08/04/2013

Programa traz pacote de ações para promover a competitividade, incentivando o crescimento dos pequenos empreendedores

 
Os empreendedores do Gama contam agora com uma importante iniciativa para desenvolver seus negócios, gerar mais emprego e renda e contribuir cada vez mais com o desenvolvimento da cidade. O programa “Agora Tô Legal”, iniciativa da Administração Regional, da Coordenadoria das Cidades e da Secretaria de Trabalho, vai levar, de forma permanente, cidadania, crédito e conhecimento aos comerciantes, transformando os membros da economia informal em empreendedores competitivos. 
 
Com orientação e formalização, os empreendedores poderão acelerar a sua capacidade de crescimento, gerando mais emprego e renda no Gama. Para isso, o programa conta com a parceria do Banco do Brasil e da Caixa Econômica, com informações sobre crédito e juros para aumento de capital de giro por meio de empréstimos voltados para o setor; e, com o apoio da Universidade de Brasília, por meio do Núcleo de Inovação e Capacitação Empresarial (NICE), do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), os empreendedores poderão participar de capacitações, como palestras e cursos nas áreas de marketing, gestão financeira, recursos humanos, entre outros. 
 
O programa foi lançado na manhã desta quarta-feira (3), na Feira Permanente do Gama, com a presença de autoridades, representantes das instituições parceiras e empresários. O pacote de ações apresentado tem como finalidade promover uma maior e melhor competitividade, com o incentivo de crescimento aos pequenos empreendedores e ainda visa beneficiar a sociedade, com a geração de empregos e um produto e/ou prestação de serviço melhor a cada dia.
 
A diretora-executiva do CDT/UnB, Ednalva Morais, afirma que o programa “Agora Tô Legal” é importante não só por levar a formalização e facilidades de crédito a esses empreendedores, mas também a capacitação.
“A regularização é muito importante porque dá até uma estabilidade emocional. Eu me lembro do depoimento de uma senhora feirante, que o primeiro sonho da sua vida era se regularizar para não ter que ficar carregando a mercadoria nas costas o tempo todo, sem saber se a fiscalização iria aparecer... 
 
De qualquer forma, esses empreendedores precisam se legalizar para que possam pegar um empréstimo, emitir nota fiscal, e até comprar melhor, além de outros benefícios como a aposentadoria. Mas também, a formalização requer uma melhor formação do empreendedor, porque ela vai aumentar o custo operacional do empreendimento. 
 
Então, o programa “Tô Legal” é muito legal nesse sentido de estimular essa formalização, mas com a responsabilidade de preparar os feirantes para que eles possam gerenciar melhor e ter uma melhor competitividade nos seus empreendimentos.” 
 
“O Programa ‘Agora Eu Tô Legal’ é uma ótima iniciativa que visa dar oportunidade aos empreendedores para que formalizem seus negócios, pois ter um negócio registrado em conformidade com as leis federais e estaduais dá mais segurança ao empreendedor, e gera ganhos e novas oportunidades. O conhecimento é de extrema importância para os feirantes inseridos na economia, pois não há gestão que funcione adequadamente sem capacitação. Ou seja, qualquer empreendimento, que pretende crescer e progredir precisa de um mínimo de informações empresariais, fundamentais para a gestão de um negócio”, explica Lorena Soares, coordenadora do NICE.

O Núcleo de Inovação e Capacitação Empresarial – NICE é uma unidade de extensão universitária criada pelo CDT/UnB, para disseminar o empreendedorismo por meio de soluções tecnológicas, da melhoria da gestão empresarial e da capacitação de micro e pequenas empresas e empreendedores em geral.

“A Universidade de Brasília, por meio do NICE, oferece aos empreendedores em geral, capacitações através de cursos específicos com métodos de ensino que remetem à realidade do mercado e das empresas, com  estudos de caso e atividades práticas e dinâmicas de grande auxílio para  quem deseja ou já possui uma micro e pequena Empresa, e quer se  manter competitivo e aumentar as chances de sucesso da mesma”, destaca Lorena.

Para a responsável técnica pelo NICE-Gama, Alessandra Vicente, as capacitações oferecidas pela Universidade ajudam os empreendedores a melhorar significativamente os negócios, gerando bons resultados e estimulando-os a empreender cada vez mais. 
 
“Eu tenho visto que as pessoas realmente precisam buscar esse conhecimento, precisam se capacitar, e muitas têm sede de aprender porque sabem que precisam melhorar o seu negócio. Tem muitos empreendedores que participaram várias vezes dos nossos cursos e depois, ao longo dessas participações, comentam nas salas de aula que o negócio melhorou, porque eles tiveram mais confiança para continuar, a autoestima melhorou e eles conseguem ver além daquilo que viam como empreendedores e isso é muito bom, porque as pessoas realmente compartilham com a gente esses resultados positivos. E a tendência é melhorar”, revela Alessandra. 
 
A artesã e coordenadora da Vila do Artesão, Margarete Farias, que sempre participa dos cursos, conta que o incentivo para criar e empreender veio de casa quando, por uma necessidade, sua mãe começou a fazer cocadas, a partir do coco seco que nascia no seu quintal. A partir dessa iniciativa, Margarete passou a usar materiais recicláveis como latas, caixas e vidros, na confecção de artesanatos. Desse incentivo, surgiu a necessidade de estimular outras pessoas a fazerem o mesmo.
 
“Hoje nós estamos implantando essa Vila na Feira do Shopping Popular para que possamos desenvolver a arte do trabalho e fazer as pessoas saírem de casa para produzir e ter uma renda. Para o artesão, tudo é aproveitado. Inclusive, nós queremos fazer uma parceria com as cooperativas de catadores, para que eles possam nos passar esse material, pra gente continuar produzindo o artesanato e mostrar pra eles que dentro de casa se tem renda, mas tem que ter o despertar”, explica a artesã. 
 
A respeito das capacitações das quais participou e participa, Margarete destaca que são de fundamental importância para os empreendedores. “Nós leigos, não temos nenhuma orientação de negócio, e esses projetos da UnB, por meio do NICE/CDT são excelentes, porque é interessante ter alguém para nos dar apoio. Antigamente, só tinha o SEBRAE e agora a UnB está nos favorecendo, orientando na precificação dos produtos, na avaliação dos mesmos, para que possamos valorizar nosso trabalho. Porque nós precisamos de um norte e isso vocês estão dando”, finaliza. 
 
Para saber mais sobre o Programa “Agora Tô Legal” e sobre a programação do NICE, acesse.
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
TOTVS financia projetos de startup
05/04/2013

 

Startups que oferecem serviços para empresas e possuem um modelo de negócio escalável  no Brasil e na América Latina terão a chance de concorrer ao recebimento de um aporte  que pode chegar à R$ 2.000.000,00 para levar adiante seu empreendimento e a chance de conhecer o TOTVS|LABS no Vale do Silício. A oportunidade é oferecida pelo concurso TOTVS START it up promovido pela TOTVS S.A., empresa líder no segmento de TI com atuação em vários setores econômicos. 
 
O objetivo do concurso é favorecer a aproximação da TOTVS de empresas promissoras ou de pessoas que tenham projeto de uma start up em condições de atender demandas do mercado ainda mal suprimidas.
 
Os projetos precisam ser de base tecnológica com soluções inovadoras voltadas para o desenvolvimento de tecnologias para empresas na área de TIC; os participantes ou empresas podem se inscrever até o dia 04/06 e ter sede no Brasil, México, Peru, Bolívia, Argentina, Colômbia, Chile, Paraguai e Uruguai. 
 
Os candidatos selecionados serão contatados por e-mail para se cadastrarem na plataforma By you onde responderão ao questionário que será utilizado para classificação das propostas nas diferentes etapas desse rigoroso processo de seleção que será de cinco meses e contará com treinamento, mentoring na elaboração do plano de negócios, projeção financeira e demais passos e ao final ter a TOTVS como sócia.
 
Maiores informações na página do Concurso TOTVUS START it up.
 
Oficina sobre Cultivares
04/04/2013

Nos dias 3, 4 e 5 de abril, o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), em parceria com o Serviço Nacional de Proteção de Cultivares (SNPC) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), promoveram a Oficina sobre Cultivares, Biossegurança de OGMs e Recursos Genéticos - Propriedade Intelectual e Inovação Tecnológica na Agricultura Brasileira. O objetivo foi disseminar o conhecimento relacionado à proteção e ao registro de novas variedades de cultivares, além de assuntos correlatos.

 

Fonte: UnB TV 

Inscrição para Prêmio Finep de Inovação 2013 começou dia 8 de abril
04/04/2013

A edição de 2013 do Prêmio Finep de Inovação começou na segunda-feira (8), com a abertura das inscrições, que vão até 8 de agosto. Neste ano, serão disponibilizados de R$ 100 mil a R$ 500 mil para os primeiros colocados regionais e nacionais de cada categoria, totalizando cerca de R$ 8 milhões.

A premiação regional será realizada em uma cerimônia no Rio de Janeiro. A finalíssima nacional ocorre no Palácio do Planalto, em Brasília. O prêmio conta com o apoio do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI/MDIC), do jornal O Globo e do governo do Rio de Janeiro.

São nove categorias: Micro e Pequena Empresa, Média Empresa, Grande Empresa (apenas na etapa nacional), Instituição de Ciência e Tecnologia, Tecnologia Social, Inventor Inovador, Tecnologia Assistiva, Inovação Sustentável e Inovar Fundos – também restrita à etapa nacional e dividida em três subcategorias (Governança, Equipe e Operação).

Etapas

Após a inscrição, haverá uma etapa de pré-qualificação, na qual será feita uma análise quanto ao preenchimento do formulário, bem como ao atendimento ao perfil, às condições de participação e às categorias previstas no regulamento. Em seguida, durante o julgamento regional, as propostas pré-qualificadas serão avaliadas por comitês de jurados compostos por especialistas, representantes de instituições inovadoras, do setor empresarial e da Finep, empresa pública ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). A agência de fomento promoveu um workshop para parceiros da iniciativa, nesta quarta-feira (3), e marcou outro para o dia 17.

Desde 1998, o Prêmio Finep premiou mais de 500 empresas, instituições e pessoas físicas, e ajudou a projetar os contemplados no Brasil e no exterior. Em 2012, houve 588 inscrições. Leia mais.

Fonte: www.mct.gov.br

Estação empreendedorismo promove palestra sobre a importância das marcas e patentes no mundo empreendedor
02/04/2013

O Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) promove, no dia 12 de abril, a palestra ‘A importância das marcas e patentes no mundo empreendedor’. O palestrante será o mestre em química inorgânica Ernani Souza Junior, que é bacharel e licenciado em química pela Universidade de Brasília e, atualmente, é redator de Patentes na área de Química e nanotecnologia do Núcleo de Propriedade Intelectual (NUPITEC – CDT/UnB). A palestra acontecerá no auditório do CDT/UnB, às 13 horas.

 

Serviço

Evento: Palestra ‘A importância das marcas e patentes no mundo empreendedor’

Data: 12/04/2013

Hora: 13h

Local: Campus Universitário Darcy Ribeiro – no auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB)

Mais Informações: empreend@cdt.unb.br; (61) 3107-4108

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Administração Regional do Gama lança o programa "Agora Tô Legal!"
02/04/2013

O programa "Agora Tô Legal!" é uma iniciativa da Administração Regional do Gama, que visa levar cidadania, crédito e conhecimento a quem mais precisa. O intuito é formar pequenos empreendedores competitivos e acelerar a capacidade de crescimento deles.

 
Por meio da Regional serão prestados serviços de consultoria e será feita a formalização dos pequenos empreendedores. Os bancos públicos, Caixa Econômica Federal e o Banco de Brasília (BRB), também vão auxiliar com informações sobre crédito orientado e juros, com o intuito de proporcionar inovações, aumento de capital de giro e novas alternativas de recebimentos por meio de abertura de conta para pessoa jurídica, na qual será permitida a aquisição de máquinas de cartão de crédito.
 
O projeto conta ainda com o apoio da Universidade de Brasília que, por meio do NICE/CDT-GAMA, vai ministrar para os empreendedores palestras sobres diversas áreas: atendimento, marketing, gestão financeira, recursos humanos, gestão de estoque, dentre outras.
 
Esse pacote de ações tem como finalidade promover uma maior e melhor competição, com o incentivo de crescimento aos pequenos empreendedores e ainda visa beneficiar o povo e a sociedade, com a geração de empregos e um produto e/ou prestação de serviço melhor a cada dia.
 
Serviço:
Lançamento do Programa "Agora Tô Legal!"
Local: Entre o shopping Popular e a Feira Permanente - Gama/DF
Data: 03/04
Horário: 9hs
 
Fonte: Administração Regional do Gama 
Café Empresarial do CDT/UnB
02/04/2013

 

 

Fonte: UnB TV 

Edição de março do Café Empresarial do CDT/UnB traz caso de sucesso de empresa que passou pela incubação
28/03/2013

Cássio Costa, da empresa Mais E-duc comemora cinco anos de sucesso no mercado contando a sua trajetória

“É um prazer receber aqui hoje dois deputados federais: o Leonardo Gadelha (PSC/Paraíba) e o Izalci Lucas (PSDB/DF), que está nesse esforço pela educação profissional. Essa semana eu vi um debate sobre o Pronatec (Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego), um importante programa de educação profissional, e uma grande discussão que está sendo feita, resgatando o papel dos institutos tecnológicos e de educação profissional, em nível médio e superior, que é um modelo extremamente relevante para o desenvolvimento da competitividade da indústria nacional e das empresas nacionais. 

 
Um grande problema hoje não é nem mercado, porque mercado tem, demandas e muito espaço, inclusive para produtos e serviços inovadores em todos os setores. E, como estamos numa universidade, o nosso papel é conhecer essas diferentes realidades e desafios, propondo soluções para essa inovação, não só na micro e pequena empresa, mas também nas empresas de médio e grande porte; e para o cidadão que quer empreender algum tipo de negócio como profissão.
 
Na nossa incubadora, nós temos algumas dezenas de casos de sucesso de jovens empreendedores que iniciaram como uma atividade de sua monografia ou de sua tese, de sua dissertação, e que hoje estão aí no mercado, com relativo ou grande sucesso. Um desses casos é a Mais E-duc, empresa graduada pelo CDT, que está levando a capacitação profissionalizante para o mercado.”
 
Foi com essas palavras que a Diretora-Executiva do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), Ednalva Morais, deu início ao Café Empresarial deste mês. Na pauta, o case de sucesso da empresa Mais E-duc, que passou pelo processo de incubação do CDT, foi graduada e hoje comemora cinco anos no mercado. 
 
Cássio Costa, sócio-fundador da empresa Mais E-Duc, empresa de Educação a Distância que passou pelo processo de incubação no CDT e foi graduada em 2010, contou a sua história, destacando a importância da incubadora não só na decisão da criação do negócio, mas no êxito desse. “Estou aqui para mostrar que o sonho é possível. Que nós temos base para isso, e que o conhecimento adquirido aqui na Universidade pode ser posto em prática”, ressaltou Cássio. 
 
Ele começou contando a história da criação da empresa, apontando as principais dificuldades enfrentadas, como o investimento com capital próprio; a precificação dos produtos e serviços; a concorrência do mercado; a falta de diferencial competitivo; a captação de recursos externos; e a falta de colaboradores. Em seguida, falou sobre o processo de incubação no CDT/UnB que foi de fundamental importância para a consolidação da empresa devido à infraestrutura do Centro, às consultorias da Multincubadora; o apoio na elaboração do Plano de Marketing e na criação da nova identidade visual. Cássio revela que também é importante cultivar e manter as instituições parceiras. 
 
Hoje, comemorando cinco anos de sucesso no mercado, o foco de Cássio é preservar a imagem da Mais E-duc como uma empresa ética e responsável; manter o foco no negócio e criar novas oportunidades de Educação a Distância; conquistar novos mercados; e criar produtos e serviços inovadores. Cássio destaca, ainda, que o ideal é fazer a diferença. “Cause um diferencial na sua estratégia de negócio, e daí eu tenho certeza de que o sucesso vai acontecer. Além disso, sejam proativos naquilo que vocês estão fazendo, e acreditem!”, completou. 
 
O deputado Izalci falou sobre a importância da inovação e da capacitação do empreendedor. “O trabalho das incubadoras brasileiras é fundamental, pois, antes, a maioria das empresas ia à falência antes de completar dois anos”. Ele também falou sobre a importância da implantação de Parques Tecnológicos e incubadoras de empresas, que ajudam a colocar grandes empresas no mercado. “E um exemplo desse sucesso é a Mais E-duc. Eu sou um grande incentivador da Educação a Distância, pois é uma excelente ferramenta para ofertar capacitação e qualificação a todos”, finalizou. 
 
Já o deputado Leonardo Gadelha falou sobre o fenômeno do “bônus demográfico”, isto é, o período em que a população ativa é mais numerosa. Ele destacou ainda que “o papel da política é o de criar um ambiente favorável aos negócios e fomentar o empreendedorismo, enquanto que o papel da academia é justamente esse que o CDT está fazendo, de criar e desenvolver uma cultura empreendedora na sociedade”. 
 
Ednalva encerrou o Café Empresarial e acompanhou os convidados em um tour pelo CDT e uma visita ao Laboratório ITAE. 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB
Mestranda da Universidade de Brasília faz defesa de tese por videoconferência
28/03/2013

 


 

Fonte: UnB TV

Pesquisadora da Universidade de Brasília realiza defesa de tese de Mestrado por videoconferência
27/03/2013

Apresentação aconteceu na sala GDLN, do CDT/UnB, com a participação de especialistas da Université Lumière Lyon 

 

Na manhã desta quarta-feira (27), a mestranda do Laboratório de Línguas Indígenas da Universidade de Brasília (LIP/IL), Suseile Andrade de Sousa, fez a defesa de dissertação do seu Mestrado, na sala GDLN Brasil, localizada no Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Com o título “Contribuições para a história linguística do subgrupo Tupi-Guarani Norte-Amazônico, com ênfase na língua Zo’é”, a pesquisadora teve a oportunidade de ter o seu trabalho avaliado por especialistas brasileiros e estrangeiros dessa área. 

 
A orientadora de Suisele falou sobre a importância do uso de tecnologias como a videoconferência para expor os trabalhos desenvolvidos na Universidade de Brasília, Brasil afora. 
 
“Para fazer a defesa aqui foi muito difícil, porque nós sempre lidávamos com um obstáculo que é a legislação, que não está previsto pelas regras da UnB defesas num sistema como esse, mas a Universidade precisa se renovar, ela precisa acompanhar o desenvolvimento e esse espaço tem que ser usado maximamente por todos. Agora, vamos começar uma série de seminários com pesquisadores estrangeiros contribuindo para a formação dos nossos alunos e dando visibilidade aos trabalhos da Universidade de Brasília. Isso faz com que nosso trabalho seja muito mais apreciado e muito mais reconhecido cientificamente”, destacou Ana Suelly. 
 
A banca foi composta pela orientadora da mestranda, professora doutora Ana Suelly Arruda Câmara Cabral, da Universidade de Brasília; pela professora doutora Françoise Rose, da Université Lumière Lyon 2, França, que foi contactada por videoconferência; pela professora doutora Beatriz Carretta, da UNESCO; e pelo professor doutor Aryon Dall'Igna Rodrigues, também da Universidade de Brasília.
 
A dissertação da pesquisadora é um estudo histórico comparativo entre três línguas indígenas: o Zo’é, o Wayampi e o Emérillon. Dessa forma, a banca foi escolhida considerando a especificidade do tema tratado, o qual exigia especialistas das respectivas línguas. A professora Françoise Rose é especialista na língua “Emérillon” e ajudou a avaliar o trabalho de Suseile. 
 
Para Suisele, foi uma experiência única a oportunidade de ter uma especialista do exterior na sua banca, fato possibilitado pelo uso da videoconferência. “Eu nunca imaginei que, na minha defesa, eu teria a oportunidade de ter uma professora de fora do país na minha banca de forma presencial, e quanto mais por videoconferência, numa qualidade tão boa quanto foi. Isso me deixou muito feliz e deu mais credibilidade ao meu trabalho”, ressaltou. 
 
A mestranda teve sua tese aprovada.
 
Inovação – A Rede Global de Aprendizagem para o Desenvolvimento (GDLN) é uma associação global de centros tecnológicos de aprendizagem que oferece o uso de avançadas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) para conectar pessoas que trabalham com a temática do desenvolvimento, em diversas partes do mundo. 
 
Os centros GDLN permitem que organizações, equipes e indivíduos dos mais diversos países possam se comunicar e trocar conhecimentos, a partir de experiências mútuas, de forma eficaz e com custos reduzidos. O uso do sistema Infovia e das salas de videoconferência das Redes existentes no Brasil tem sido um dos fatores críticos para o nosso sucesso. 
 
Localizada no CDT/UnB, a GDLN Brasil tem como missão criar parcerias e oportunidades para o diálogo e o compartilhamento de experiências sobre os desafios para o desenvolvimento, de maneira autossustentável, por meio da utilização de tecnologias modernas de comunicação, tais como videoconferência interativa, internet e satélite. 
 
Para mais informações: 
+55 (61) 3107-4137 
gdlnbrazil@gdlnmail.org 
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Universidade de Brasília oferece disciplina de pós-graduação em Empreendedorismo e Inovação
26/03/2013

Matrículas estão abertas para alunos de pós-graduação da UnB e para o público externo (alunos especiais) 

Estão abertas as matrículas para a disciplina “Empreendedorismo e Inovação”, de pós-graduação, ofertada pela Escola de Empreendedores – Empreend, do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB). Alunos de pós-graduação da UnB e alunos especiais poderão cursar a disciplina. 

A disciplina tem como objetivo desenvolver um espírito empreendedor nos alunos, disponibilizando as ferramentas necessárias para que o empreendedorismo e a inovação façam parte de seu dia a dia laboral, para que os mesmos desenvolvam ideias inovadoras e estejam aptos a abrirem seus próprios negócios.
 
A coordenadora da Empreend, Professora Doutora Cristina Castro-Lucas, destaca a importância e o diferencial de se trabalhar essa disciplina com alunos dos mais diversos departamentos, no desenvolvimento de competências empreendedoras. “O processo de formação contínuo de alunos, professores e pesquisadores inovadores para pesquisa acontece, inicialmente, na universidade. Portanto, é fundamental que seja incorporado na política de desenvolvimento de alunos, pesquisas que sejam absorvidas pelo mercado e assim gerem desenvolvimento econômico para o nosso país”, explica. 
 
As matrículas poderão ser feitas até o dia 28/03, pelo Matrícula Web, e para aluno especial, nos dias 1 e 2/04. As aulas iniciam dia 01/04. O código da disciplina é: POS – 301540. 
 
Mais informações: 
Escola de Empreendedores – CDT/UnB 
3107-4117
3107-4108
empreend@cdt.unb.br
 
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB


 

Agenda discute em Goiânia demandas de micro e pequenas empresas
25/03/2013

 

 
Demandas das micro e pequenas empresas de Goiás fazem parte da Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade que está em construção pelo Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio (MDIC) para o período de 2013 até 2022. Goiânia sedia no próximo dia 27 de março a etapa do Centro-Oeste da Agenda. O evento acontece durante todo o dia, a partir das 8h30, na Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG) – Casa da Indústria, Avenida Araguaia, nº 1544 – Ed. Albano Franco – Vila Nova. As inscrições já podem ser feitas clicando AQUI. Veja abaixo o cronograma completo das atividades. 
 
A iniciativa, coordenada pelo MDIC e que reúne o poder público nos diversos graus, visa debater as prioridades do setor em ações de médio e longo prazo. O debate com o governo de Goiás, por meio da Secretaria de Indústria e Comércio (SIC), Sebrae, Federação das Indústrias e demais entidades inicia o processo de diálogo para pautar toda a demanda do Estado com relação ao desenvolvimento e à competitividade das Micro e Pequenas Empresas (MPEs).
 
Dividido em seis documentos temáticos, Investimento e Financiamento, Tecnologia e Inovação, Desburocratização e Desoneração, Informação e Capacitação, Comércio Exterior e Compras Governamentais, o programa do MDIC permitirá que micro e pequenos empresários tenham competitividade no mercado nacional e internacional.
 
As ações da Agenda Nacional serão base para toda a política de trabalho da recém-criada Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Com status de ministério, a secretaria será responsável pela coordenação e articulação de políticas e programas para micro e pequenas empresas.
 
Oficinas Regionais
A elaboração da Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas (2013-2022) é decorrente da Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios (PNEN), em alinhamento com o Projeto de Fortalecimento dos Fóruns Regionais (Estaduais e Distrital) e a Agenda Estratégica das Micro e Pequenas Empresas: Desafios e Propostas (2011-2020), no âmbito do Fórum Permanente.
 
A finalidade da Agenda Nacional, portanto, é oferecer um ambiente que estimule, em todo o país, a troca e coleta de informações relevantes ao desenvolvimento e à competitividade da micro e pequena empresa com base nas diversas experiências e nos conhecimentos de cada unidade da federação, no contexto de participação e conversação autêntica em que todos efetivamente contribuam para o desenvolvimento desse segmento.
 
Em 2013 já foi realizada a etapa Sudeste, em Vitória (ES), no último dia 7. Goiânia sedia em 27 de março a etapa do Centro-Oeste. Em 4 de abril será a vez do Norte, em Manaus, seguida do Nordeste, em Fortaleza, no dia 25 de abril, e Curitiba, no Sul, encerram as oficinas regionais em 7 de maio.
 
Pauta e cronograma em Goiânia
 
Local: Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG) – Casa da Indústria. Avenida Araguaia, nº 1544 – Ed. Albano Franco – Vila Nova
 
08h30:  Credenciamento dos participantes.
 
09h00: Abertura Institucional
- Humberto Luiz Ribeiro – Secretário de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (SCS/MDIC) / Secretário Técnico do Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.
- Alexandre Baldy de Sant’Anna Braga – Secretário de Indústria e Comércio – SIC / Presidente do Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte – FEMEP-GO.
- Wanderson Portugal Lemos – Diretor Técnico SEBRAE-GO.
- Pedro Alves de Oliveira – Presidente da FIEG.
 
09h10:  Apresentação do Projeto
- Fábio Santos Pereira Silva (CGFC/DEPME/SCS/MDIC).
- Prof.ª Ednalva Fernandes Costa de Morais (CDT/UnB).
 
09h40:  Apresentação da Dinâmica de Diálogos Colaborativos:
- Rosângela Medeiros (CDT/UnB).
 
10h20:  Coffee Break
 
10h40: Dinâmica de Diálogos Colaborativos:
- Construção das ações propositivas da agenda (o que fazer).
 
12h00: Almoço
 
13h00: Ambientação e Informações das atividades vespertinas
 
13h30: Construção das estratégias para a execução das ações propositivas (como e definição de responsabilidades)
 
15h00: Preparação Plenária
 
15h30: Coffee Break
 
15h50: Plenária com ações propostas
 
17h30: Encerramento e considerações finais
 
Fonte: SINDGESTOR 
Novo diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB)
25/03/2013

O professor Paulo Anselmo Suarez é o novo diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), cargo que foi ocupado por 22 anos pelo prof. Luís Afonso Bermúdez, atual Decano de Administração e Finanças da UnB. Ednalva Fernandes Costa de Morais é a nova Diretora-Executiva do centro.

 

Fonte: UnB TV

CDT/UnB está com matrículas abertas para disciplinas de graduação e pós-graduação com foco no empreendedorismo
22/03/2013

A Escola de Empreendedores (EMPREEND) do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) está com matrículas abertas para as disciplinas de graduação “Introdução à Atividade Empresarial” (IAE) e “Pesquisa, Empreendedorismo e Inovação”; e a disciplina “Empreendedorismo e Inovação”, para todos os alunos de pós-graduação da Universidade de Brasília. 

O objetivo dessas disciplinas é promover e difundir a cultura empreendedora, desenvolvendo competências básicas e emergentes na área do empreendedorismo, da criatividade e da inovação, contribuindo para que os alunos desenvolvam ideias e planejem seus próprios negócios; introduzir os alunos no mundo da pesquisa científica, produzindo conhecimento sobre os temas empreendedorismo e inovação por meio de estudos e pesquisas que contribuam para a compreensão do conceito, o diagnóstico, a educação e o estímulo da área; e desenvolver um espírito empreendedor nos alunos, disponibilizando as ferramentas necessárias para que o empreendedorismo e a inovação façam parte de seu dia a dia laboral e para que os mesmos desenvolvam ideias inovadoras e estejam aptos a abrirem seus próprios negócios.
 
De acordo com a coordenadora da Empreend, professora Cristina Castro, o aprendizado dessas disciplinas é fundamental na formação desses novos empreendedores. “Hoje nós temos seis disciplinas que são fundamentais no processo de formação de formadores inovadores. Na verdade, o foco dessas disciplinas é formar competências empreendedoras nos alunos de graduação e pós-graduação da Universidade de Brasília, dentro de seus departamentos. Então, as disciplinas são focadas com uma visão transversal, trabalhando realmente com as competências e buscando explicar o conceito de inovação e empreendedorismo no contexto atual do mundo globalizado", ressalta.
 
As matrículas poderão ser feitas até dia 24/03, pelo Matrícula Web, e como ajuste, no CDT/UnB até o dia 04/04. As aulas iniciam dia 01/04. Os códigos das disciplinas são: IAE – 170054, Pesquisa – 205587 e POS – 301540. 
 
Oportunidade – Em março deste ano, a Empreend do CDT/UnB e o Departamento de Administração da Universidade de Brasília realizaram a II Feira de Negócios e Inovação. No evento, cujo objetivo era promover as atividades de empreendedorismo e inovação entre os alunos da graduação e da pós-graduação da UnB, visando estimular e disseminar a cultura empreendedora, 650 alunos tiveram a oportunidade de expor seus trabalhos e ideias de empreendimentos inovadores desenvolvidos durante o semestre. 
 
Os trabalhos foram avaliados por uma banca examinadora formada por professores, empresários e técnicos de agências como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).
 
Os três primeiros colocados na apresentação da Feira serão premiados na Estação Empreendedorismo, dia 12/04, no CDT/UnB. 
 
Mais informações: 
Escola de Empreendedores – CDT/UnB 
3107-4117
3107-4108
empreend@cdt.unb.br 
 
 
LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

Abertas as inscrições para a Oficina Regional Centro-Oeste de elaboração da Agenda Nacional das MPE
21/03/2013

 

Estão abertas as inscrições para a Oficina Regional Centro-Oeste de preparação da Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas 2013-2022. Coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a Agenda será elaborada com sugestões, ideias e propostas reunidas em encontros que envolvem o poder público dos estados e municípios, além de entidades de classe, academia e sociedade civil. 
 
A preparação da Agenda Nacional é decorrente da Política Nacional de Empreendedorismo (PNE), uma iniciativa do governo federal, conduzida também pelo MDIC, com o apoio de instituições e órgãos públicos, entidades privadas e do terceiro setor. Também é uma das medidas previstas no Plano Brasil Maior (PBM), que incentiva o investimento produtivo e a inovação em uma série de cadeias estratégicas para o desenvolvimento do País.
 
A oficina da região Centro-Oeste ocorre no dia 27 de março em Goiânia e coletará informações que orientarão a elaboração da Agenda, com temas que vão de legislação a tributação, passando por crédito, comércio exterior e desburocratização das micro e pequenas empresas, entre outros. 
 
O trabalho é dividido em seis eixos principais: “Comércio Exterior”, “Compras Governamentais”, “Investimento e Financiamento”, “Tecnologia e Inovação”, “Informação e Capacitação” e “Desburocratização e Desoneração”. A ideia é discutir ações para que micro e pequenos empreendedores tenham competitividade não só no mercado nacional, mas também no internacional. 
 
A primeira Oficina Regional foi realizada na região Sudeste, em Vitória (ES), no dia 7 de março. Além do encontro do Centro-Oeste, estão previstas ainda oficinas nas regiões Norte (Manaus, 04/04); Nordeste (Fortaleza, 25/04); e Sul (Curitiba, 07/05). 
 
As inscrições para as oficinas estão disponíveis nos endereços eletrônicos:www.mdic.gov.br/agendanacional ou www.cdt.unb.br/projetoagenda.
 
 
» Fonte: Assessoria de Comunicação Social do MDIC
Empresa Graduada pela Incubadora do CDT/UnB será tema de Café Empresarial
21/03/2013

 

 
Cássio Costa, sócio fundador da Mais E-duc, será o convidado desta edição
 
Na próxima quinta-feira (28.03), a partir das 8h30, no Auditório do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), acontecerá mais um Café Empresarial, evento realizado mensalmente pela Incubadora de Empresas de Base Tecnológica. O convidado desta edição será Cássio Costa, sócio-fundador da Mais E-duc, que vai contar a trajetória da sua empresa, da incubação à graduação. 
 
A Mais E-duc é uma empresa que trabalha com Educação a Distância, que começou na incubadora do CDT/UnB. E hoje, já graduada, tem ganhado mais espaço no mercado, sendo um empreendimento de sucesso. Usando seu próprio exemplo, Cássio mostrará como o caminho da incubação não é tão fácil quanto parece, mas que apesar disso, quando há persistência, é um excelente passo para o sucesso do empreendimento. Após a palestra, haverá o tradicional Coffee Break.
 
Evento
Café Empresarial
28 de março
8h30
Auditório do CDT/UnB
 

THALYNE CARNEIRO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

Catadores de materiais recicláveis do DF recebem melhorias
19/03/2013

Construção de 12 centros de triagem e fechamento do lixão da Estrutural marcam nova política de coleta de resíduos na capital do país

 
Os cinco mil catadores de lixo do DF conquistaram, ontem (19), melhores condições de trabalho pelas quais tanto lutaram nos últimos 12 anos. O marco dessa mudança ocorreu no Museu da República, onde o GDF, representado pela primeira-dama, Ilza Queiroz, formalizou convênios, parcerias e protocolo de intenções que permitem a elaboração de políticas públicas e a celebração de avanços no setor. Também estiveram presentes os secretários de Meio Ambiente, Eduardo Brandão, e de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda, Daniel Seidel; e o diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), professor Paulo Suarez, que fez a entrega dos certificados de capacitação do Projeto Cataforte aos catadores. 
 
Uma das principais ações anunciadas durante o evento foi o convênio entre o GDF (com recurso de R$ 12 milhões) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES (R$ 21,3 milhões), que destinará recursos para a construção dos 12 centros de triagem nas cidades de Sobradinho e Riacho Fundo, cada um com 40 mil m², e Estrutural, com 80 mil m². Além disso, o dinheiro será utilizado para a capacitação da categoria e a assistência técnica para a gestão dos galpões.
 
De acordo com o secretário de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda, Daniel Seidel, nesses locais, os materiais recicláveis poderão ser separados de forma correta, e as condições de trabalho para os catadores serão garantidas. "O valor do entulho reaproveitado, que normalmente pagaríamos para aterrar, irá para o bolso deles. Além de contribuir com a sustentabilidade ambiental, vamos ajudar na renda dessas famílias", avaliou.
 
Outra parceria entre a Central de Cooperativas de Materiais Recicláveis do DF (Centcoop) e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) também beneficiou os catadores do DF: dez caminhões que serão utilizados para coleta seletiva dos recicláveis dos órgãos públicos e dos grandes geradores (empresas, hospitais, construção civil, por exemplo) foram entregues durante a solenidade.
Segundo o catador de material reciclável da Cidade Estrutural, Fagner Antônio Jandrey, 30, o evento é a largada da inclusão socioeconômica dos catadores de materiais recicláveis. "Esse momento celebra as conquistas desses trabalhadores obtidas por meio de políticas públicas voltadas à categoria. Agora temos pelo menos o essencial para trabalhar, garantir o nosso sustento e contribuir para a preservação do meio ambiente da nossa cidade", destacou.
 
Para a primeira-dama do DF, Ilza Queiroz, representante do governador Agnelo Queiroz, o evento evidencia o compromisso do GDF e do governo federal com a categoria e representa o início desse processo. "O trabalho dos catadores é fundamental para reduzir o impacto ambiental causado pelo modelo de desenvolvimento. A mudança exige adaptação do serviço, com mais exigências previstas em edital. Brasília é a capital que paga o menor preço por tonelada de lixo recolhido. São valores que não dão margem de sobra para que as empresas contratadas possam investir, por exemplo. Mas com essas ações vamos mudar essa história", explicou Ilza Queiroz.
 
 
Cataforte – Em sua fala, o diretor do CDT/UnB passou todo o crédito do Projeto Cataforte para a sua equipe do Centro que, sob a coordenação da Daniela Braga, fez o projeto acontecer. “Eu gostaria de passar todo esse crédito à equipe que está aqui, e gostaria também de dizer que as portas do CDT estarão sempre abertas para toda parceria que vocês quiserem fazer conosco”, finalizou Paulo Suarez. 
 
 
A diretora-executiva do CDT, Ednalva Morais, também comentou sobre a importância do projeto na vida dos catadores do Distrito Federal. 
“O projeto em si é extremamente relevante no sentido de que só por meio da educação e da capacitação essas pessoas terão chance de melhorar a qualidade de vida, a cidadania, melhorar a geração de renda e o processo de produção. E, esse evento de hoje é extremamente relevante no sentido de coroar um trabalho que foi desenvolvido por mais de um ano com tantas famílias que certamente, muitas delas não têm acesso à educação, nem a determinados serviços e apoios, e todo esse desfecho aqui com a promessa de receberem galpões, equipamentos e instrumentação pra melhoria do trabalho, é extremamente importante”, destacou. 
 
O Projeto é executado pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília, por meio da Incubadora Social e Solidária, e tem como objetivo fortalecer o associativismo e cooperativismo da categoria. O Cataforte iniciou seus trabalhos em maio de 2012 e, até o momento, capacitou 400 catadores. 
 
Mais ações – Com o objetivo de mudar o cenário da política de resíduos sólidos do DF e garantir a inclusão dos catadores nesse processo, o GDF anunciou, ainda, uma série de medidas, algumas já concluídas e outras em andamento. São elas:
 
- Celebração de convênio assinado entre a Secretaria Nacional de Economia Solidária e a Secretaria de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda do DF (Sedest) para liberação de R$ 5 milhões, recurso que está sendo investido, por exemplo, na reforma de equipamentos públicos utilizados pelos catadores.
- Conclusão do muro na área que abrigará o Centro de Triagem da Estrutural.
- Assinatura de parceria entre Sedest, Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), Universidade de Brasília (UnB) e Instituto de Ensino Superior de Brasília (Iesb) para a implantação do Projeto Phênix, que oferece formação e capacitação aos catadores em três campos – conhecimento jurídico relativo a direitos sociais, mediação de conflitos e formação de redes.
- Parceria entre o Banco de Alimentos da Central de Abastecimento do DF (Ceasa) e as associações e cooperativas de catadores para doação de cestas básicas.
- Entrega de diplomas a 400 catadores capacitados pelo Cataforte - projeto de iniciativa do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), Fundação Banco do Brasil e Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que tem como objetivo fortalecer o associativismo e cooperativismo da categoria e do selo "Amigo do Catador" a profissionais que se dedicam à inclusão social e econômica dos catadores do DF.
 

*Com informações da Agência Brasília 

LÍVIA CAROLINA MACHADO 

Jornalismo

Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC

Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

Fórum Estadual das Microempresas discute criação de agenda de competitividade
18/03/2013

 

O Governo do Estado realiza nessa segunda-feira (18) a primeira reunião anual do Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do RN. O evento, que acontece na Federação das Indústrias do RN (FIERN), a partir das 09 horas, discutirá as oportunidades, programas e projetos existentes, além de demandas do setor no Estado.
 
Na pauta da reunião também haverá espaço para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior apresentar a elaboração de uma Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas.
 
De acordo com o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Rogério Marinho, a agenda proposta pelo Ministério será importante para promover ajustes no atual sistema de negócios e gerar condições mais justas de competitividade para as micro e pequenas empresas do Rio Grande do Norte e de todo o país.
 
A finalidade do Ministério é oferecer um ambiente que estimule a troca e a coleta de informações relevantes ao desenvolvimento e à competitividade da micro e pequena empresa com base nas experiências e nos conhecimentos de cada unidade da Federação.
 
Pauta
9h: Abertura Institucional:
 
Rogério Marinho- Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico
Amaro Sales – Presidente da FIERN
José Ferreira de Melo Neto – Diretor-Superintendente do SEBRAE-RN.
 
 
9h:15min: Apresentação:
 
Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas (2013- 2022) – Representante do MDIC
 
Ementa: Será apresentado o Contexto da Agenda Nacional de Desenvolvimento e Competitividade das Micro e Pequenas Empresas (2013-2022), apontando a finalidade, objetivos, metodologia e programação.
 
 
10h: Mesa de debates:
 
Subsídios para elaboração da Agenda Nacional. – Coordenadores e Consultores dos Comitês Temáticos do Fórum Estadual das MPEs do RN.
 
Ementa: Serão discutidos Gargalos, Oportunidades, Programas e Projetos existentes no RN.
 
Quanto aos gargalos – aspectos que impedem o desenvolvimento e o aumento da competitividade das MPE com rebatimento em cada eixo temático.
 
Quanto às oportunidades – identificadas para cada eixo temático, tendo como base os cenários econômico, cultural, social e políticos que impactam a geração de um ambiente favorável às MPE no estado.
 
Quanto a Programas e Projetos – em âmbito estadual que apoiem ações de desenvolvimento e aumento de competitividade para as  MPE, proporcionando a geração de emprego e renda, melhoria dos indicadores da economia local, além do   fortalecimento das oportunidades de negócios identificadas.
 
Debatedores: Coordenadores dos Comitês Temáticos: Sebrae-RN, SET, Fiern, Fapern, SEARH, FACERN, AGN e Fecomercio-RN.
 
11:30 Abertura para debates e proposições.
 
12:30 – Encerramento. 
 
 
Fonte: Assessoria Sedec 
Aluno participa de eventos do Núcleo de Inovação e Capacitação Empresarial - NICE do CDT/UnB e abre seu próprio negócio
18/03/2013

 

Há mais de um ano, Diógenes Bahia Bezerra, estudante do curso de Administração, começou a participar das capacitações oferecidas pelo Núcleo de Inovação e Capacitação Empresarial - NICE com o objetivo de expandir seus conhecimentos na área do empreendedorismo.  “No início, eu vim para ter uma ciência, conhecer o espaço, saber se estou na minha área, se abrir uma empresa é realmente o que eu queria. Eu já gostava da área de administração, mas isso veio reforçar”, afirma ele. Há duas semanas, Diógenes abriu sua própria empresa e continua participando das consultorias, aproveitando a oportunidade também para conhecer pessoas novas e até mesmo consultores já formados que podem auxiliá-lo.

O NICE funciona como uma unidade de extensão universitária do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB), oferecendo cursos, palestras e consultorias, dentro da política de empreendedorismo e inovação do CDT/UnB, que ajudam os empresários em todos os níveis: desde o começo ou vontade de empreender até a gestão e organização de microempresas e empresas de pequeno porte.

Para Diógenes, o NICE o ajuda a se manter atualizado, fazer network e conhecer pessoas novas, e muitas vezes os consultores ajudam a aplicar esses conhecimentos em sua empresa. “Você sempre aprende algo novo para aplicar na empresa. Conhecimento nunca é demais”, afirmou animado.

A D2B Publicidade, empresa de Diógenes, veio com uma ideia inovadora de publicidade aliada à preservação da natureza. Sua proposta é abrir espaços para publicidade em sacos de pão. Funciona dessa forma: as empresas interessadas compram o espaço e os sacos são distribuídos gratuitamente entre as panificadoras, sendo utilizados para um fim proveitoso e levando a publicidade para dentro das casas, além de incentivar o fim das panfletagens não recicláveis, que são utilizadas apenas para o marketing de produtos e empresas, virando, muitas vezes, lixo acumulado nas ruas.

“É uma ideia que acontece em todo o Brasil, mas em Brasília foi verificado, pesquisado e analisado que não tem sido tão forte, tão bem praticado. Vendo esse espaço no mercado, eu resolvi montar uma empresa para atender a esse público e chegar com uma ideia interessante e inovadora”, ele explica.

Os cursos oferecidos pelo NICE são gratuitos, para obter mais informações ou se inscrever, acesse o site do CDT/UnB <www.cdt.unb.br> e para mais informações sobre a D2B Publicidade, acesse: <d2bpublicidade.com>.

JULIANA MATOS TOLEDO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

 

 

CDT/UnB empossa novos diretores
18/03/2013

Cerimônia aconteceu no prédio da reitoria com a presença de autoridades, estudantes e colaboradores do Centro

 

Na última sexta-feira (15), aconteceu a posse do Professor Paulo Anselmo Suarez, novo Diretor do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília (CDT/UnB) e da Diretora-Executiva Ednalva Fernandes Costa de Morais.  A cerimônia foi presidida pelo Reitor da UnB, Ivan Camargo e pela Vice-Reitora Sônia Nair Báo. Também estiveram presentes o decano de Pesquisa e Pós Graduação, professor Jaime Santana; a decana de Assuntos Comunitários, professora Denise Bontempo; o decano de Planejamento e Orçamento, professor Carlos Alberto Torres; a diretora da Assessoria de Assuntos Internacionais, professora Ana Flávia Granja e Barros; diretores e vice-diretores dos institutos, faculdades e centros da UnB; professores, técnicos administrativos, estudantes e autoridades representantes de instituições parceiras do CDT. 

 
Após a composição da mesa de honra e a execução do Hino Nacional, foi realizada a leitura do Termo de Posse, seguido das assinaturas e da entrega das insígnias da Universidade aos empossados. O Professor Paulo assumiu o lugar que foi ocupado por 22 anos pelo Professor Luís Afonso Bermúdez, atual Decano de Administração e Finanças da Universidade. Já Ednalva Morais, ex-Vice-Diretora do CDT, assumiu a Diretoria Executiva da instituição.
 
O professor Luiz Afonso Bermúdez, ex-diretor do CDT e atual Decano de Administração e Finanças da Universidade, lembrou de quando foi chamado ao gabinete do reitor, “coincidentemente” no dia 15 de março de 1990 para gerir um centro que a Faculdade de Tecnologia não havia permitido o fechamento, e, esse centro era o CDT. Ele falou ainda dos desafios de cuidar de uma instituição multidisciplinar e que agrega os mais diversos conhecimentos. 
 
“Essa é a coincidência, estar passando hoje ao nosso colega Paulo e à Ednalva a diretoria do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília. E foi um prazer estar lá! Todos os programas que foram criados, que são de reconhecimento público, nacional e internacional foram premiados. As redes de relacionamento que participamos, nacionais e internacionais também estão aí. Agora, nada disso seria possível se o nosso pessoal que trabalhou e trabalha no Centro não vestisse a camisa que nós todos temos que é da Universidade de Brasília”, revelou Bermúdez.
 
Ele finalizou deixando duas recomendações aos novos diretores, “que cuidem da relação com as instituições parceiras, como o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE); Governo do Distrito Federal; Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC); Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) que estão com o CDT desde o começo; e a implementação do Parque Científico e Tecnológico da Universidade”.
 
Foi com grande emoção que a técnica administrativa da UnB, Ednalva Morais, assumiu seu novo posto de diretora-executiva, após atuar por mais de vinte anos como vice-diretora do CDT.  
 
 
“É uma grande alegria estar aqui nesse momento, sendo empossada como diretora- executiva. Não é todo dia nesta universidade, que um técnico administrativo assume uma responsabilidade dessas e tem o reconhecimento, pois responsabilidade todos temos, sempre. Mas esse é o reconhecimento, por parte da comunidade acadêmica, desse esforço e dessa competência que a gente, aos poucos, vai ganhando. E a minha vida toda está aqui dentro.
 
Quanto ao CDT, nós temos um centro extremamente dinâmico, e não poderia ser diferente, senão não poderíamos ser um centro de empreendedorismo, e é muito fácil também a gente falar do CDT e provocar o encantamento nas pessoas que nos ouvem. Quero deixar minha gratidão a todos e a promessa de que continuemos firmes com o propósito de levar adiante essa instituição que é tão importante pra Universidade e pra sociedade de Brasília”, finalizou Ednalva. 
 
O professor Paulo Suarez revelou que, mesmo frequentando por muito tempo o CDT, desde a primeira vez em 2002, quando deu início à sua primeira patente, não tinha a real dimensão do Centro. 
 
“Eu gostaria de dizer que estou muito feliz com a missão que o Ivan e a Sônia estão me entregando. Eu conheço o CDT desde que eu entrei na Universidade em 2002 e, poucos meses depois, antes de me credenciar na pós-graduação, eu já estava batendo nas portas do CDT, para iniciar minha primeira patente junto à Universidade de Brasília. De 2002 pra cá, eu vi, como usuário de vários serviços do CDT, como o centro cresceu, daquela pequena sala no canto da FT para aquele prédio que a gente tem hoje. 
 
Mesmo frequentando bastante o CDT muito, eu não tinha noção do que se fazia lá dentro. Eu só fui ter essa real dimensão do que o Bermúdez e a Ednalva construíram, quando eu assumi, há pouco mais de um mês. Pra vocês terem uma ideia, há um mês, eu participei de uma cerimônia de inauguração de antenas, de um projeto em conjunto com a Agência Espacial Russa, com a Agência Espacial Brasileira e a Faculdade de Tecnologia; e, semana que vem, estarei entregando mais de 800 certificados de capacitação de catadores de materiais recicláveis. Isso mostra um pouco o que é o CDT hoje, a gente apoia desde tecnologias sociais até tecnologia de ponta. E são muitas as atividades desenvolvidas”, explicou Suarez. 
 
Ele revelou também alguns dados e projetos para mostrar a quantidade de pessoas envolvidas e atendimentos oferecidos à sociedade, além de agradecer à oportunidade de estar à frente do Centro. “Acho que o maior desafio será conseguir manter tudo isso que aqui foi construído, que é um grande legado da universidade e que a gente precisa não só mantê-lo, mas melhorá-lo ainda mais. Então, magnífico reitor, Ivan, eu aceito esse desafio e gostaria muito de agradecer à confiança que vocês estão depositando em mim”, encerrou.
 
A vice-reitora Sônia Báo falou sobre os principais desafios que os novos diretores têm pela frente. “O CDT está aí há mais de 20 anos, pelo o que o Professor Bermúdez contou, na sua história e, nesse período tem crescido, tem se consolidado de uma forma bastante interessante. Onde ele vê a pesquisa de campo, interação com a indústria de ponta e também não se esquece das ações sociais que são extremamente relevantes para a nossa sociedade. Eu realmente acho que vocês estão com um grande desafio, professor Paulo e Ednalva, mas eu tenho certeza que esse desafio vai ser executado, vai se conseguir manter o crescimento do CDT, nessas inúmeras frentes que ele tem, mas eu considero que o desafio maior para que isso realmente consiga se consolidar ainda mais é o nosso Parque Tecnológico. Ele está há muitos anos no papel, e nós temos não só a missão, mas agora a obrigação de tirá-lo do papel e transformá-lo em realidade”, ressaltou.
 
O reitor da Universidade de Brasília, professor Ivan Camargo, agradeceu ao professor Bermúdez e à Ednalva pela dedicação ao CDT, e ao professor Paulo por aceitar esse novo desafio. “Eu estava falando aqui que o professor Paulo disse: ‘obrigado pela confiança que a administração tem’. Não é a administração que tem confiança em você, é a Universidade inteira. Pela sua história de trabalho na nossa Universidade. Minha amiga Ednalva, de muito tempo, eu fiquei emocionado com as suas palavras, também. Interessante como a gente percebe que se passaram 30 anos e não tem jeito, a vida foi UnB. Foi e continuará sendo, as pessoas que estão aqui, têm essa vinculação com a nossa Universidade. Concordo contigo, é uma vinculação boa, vestimos essa camisa, nos emocionamos com ela e é bacana se emocionar com a UnB". 
 
Em seguida, ele dirigiu as palavras ao ex-diretor do Centro: "Meu querido professor Bermudez, tive a honra de ser aluno dele em 1980 e, quando se percebe, passaram-se trinta anos (risos) e assim temos que falar desse trabalho fantástico feito pelo Bermúdez e a Ednalva, na construção, como nós vemos, de uma estrutura tão importante como o CDT, pronta. E nós lembramos do trabalho, dedicação, e a quantidade de parceria que você Bermudez, fez com muito talento. Não é um trabalho fácil, essa relação sociedade-Universidade,  criar um Centro como o CDT foi um trabalho muito bem conduzido, e eu queria agradecer”. 
 
Ele também falou sobre a importância do reconhecimento aos servidores da Universidade de Brasília e, mais uma vez, dos principais desafios a serem levados em conta pelos novos diretores do CDT. “Temos essa posição muito clara na nossa Universidade, esse respeito ao nosso servidor técnico administrativo, aqui estou vendo vários do CDT que se dedicaram e se dedicam ao seu trabalho, portanto, eu peço que continuem dando o seu apoio à Universidade". 
 
"E para terminar, Paulo, esse desafio. A gente fala assim ‘registramos 100 patentes’. É pouco. Não tem milagre, e temos que ir passo a passo. É uma questão de convencimento, é uma questão de trabalho em conjunto, incentivando os professores a inovar, e a registrar a sua inovação. Eu acho que a gente vai conseguir aumentar isso. Para finalizar, só reforçando o que a Professora Sônia falou, vamos fazer nosso Parque Científico Tecnológico, a estrutura está dada, e o apoio total está dado. Como a Sônia falou, tirar isso do papel, começar a construção, começar a realidade. Porque aí, daqui a 20 anos, a gente vai poder se orgulhar como o Bermúdez se orgulha, dizendo ‘século passado, eu estava aqui e era meu trabalho, eu encarei esse desafio!’. Portanto, vamos encarar juntos esse desafio do Parque Tecnológico para mostrar que a cara da UnB é essa, que somos vanguarda e estamos na frente. É isso que o CDT mostra e é isso que vamos continuar mostrando”, finalizou o reitor Ivan Camargo, encerrando também, a cerimônia de posse.  
 

LÍVIA CAROLINA MACHADO
Jornalismo
Núcleo de Pesquisa em Desenvolvimento e Comunicação - NPDC
Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Universidade de Brasília - CDT/UnB

 

CDT/UnB recebe novos diretores
12/03/2013